Mulher-Flamingo | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Escritor Alexandre Hallais fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
Mais Recentes
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
>>> Criando filhos ( o modo de Deus )
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
>>> O Último Godot
>>> Pós Modernismo: Repensando a Arquitetura
COLUNAS

Quarta-feira, 16/10/2013
Mulher-Flamingo
Marilia Mota Silva

+ de 3400 Acessos

A seção de roupas de meninas, nas lojas de departamentos, é irresistível! Uma profusão de brilhos, frufrus, filós, princesinhas que despertam sorrisos, delicadeza, indulgência .

A seção de meninos é sóbria, menor, menos colorida. Camisetas, calças, bermudões, roupas práticas. Privilegiam o conforto, convidam à liberdade, à ação.

No setor de brinquedos para meninas, imperam as fadinhas, bonequinhas, pratinhos, casinhas, coisinhas para se enfeitar, incontáveis tons rosinha.

Na área dos meninos: jogos variados, bonecos de montar, super-heróis, armas, carros, engrenagens, cores neutras predominam. Ação, competição, destreza, poder.

As meninas, muitas vezes, se entendiam de faceirices e brilhos. Querem roupas confortáveis, brinquedos, tênis de menino, que são mais resistentes, mais duráveis.

Os meninos muitas vezes gostam de brilhos, corações, enfeites, cor-de-rosa, mas são cortados pelos pais, em sussurro apressado, que não admite resposta: "Isso é coisa de menina".

Emular a classe superior é compreensível. Mulher pode usar calças, terninhos. Mas homem não usa saia. Imitar o inferior é proibido, a não ser no carnaval, como deboche.

No entanto, homens sempre se enfeitaram. Fotos antigas mostram perucas de cachos portentosos, caras empoadas, malhas colantes, botinhas de pelica, punhos rendados. E cocares, corpos pintados, brincos, colares. Tatuagens e piercings. Superman usa calçola vermelha por cima da malha justa, blusa colada, capa dramática. Sobriedade não é, nunca foi, inerente à masculinidade.

Meninos e meninas, bem pequenos, antes que os programemos, calçam os sapatos do pai ou os de salto da mãe, indiferentemente. Os dois querem pintar as unhas, por presilhas nos cabelos. Os dois gostam de dormir com bichinhos de pelúcia, levá-los no colo, brincar com eles.

Do mesmo jeito, as meninas correm e viram cambalhota e patinam, e gostam de competir. Mas nós ensinamos a elas que seu sucesso será medido pelo amor e aprovação alheia. Assim fica difícil que ela se torne uma pessoa emocionalmente independente, capaz de lutar por mudanças, capaz de fazer uma oposição séria, enfrentar polêmicas, o que implica conflito e exige resistência.

Agências de propaganda, comércio, mídia, toda a sociedade trabalha intensamente nesse sentido. No mundo da ficção, é a mesma coisa. Personagens femininas em filmes para crianças são minoria. Minoria bem inexpressiva, embora elas sejam metade da humanidade: nos filmes, teatro, histórias em quadrinhos, para cada quatro ou cinco meninos, aparece uma menina - na melhor das hipóteses. Como protagonistas, a proporção é pior ainda.

No comércio, bonequinhas com medidas físicas distorcidas por fetiches ou perversões de quem as cria, levam as crianças a sonhar com padrões de beleza inalcançáveis: "Pernas que não acabam", clichê em cinco de cada seis descrições modernas da mulher atraente. "Pernas que não acabam"! Que tanto medo eles tem do ângulo em que as pernas terminam! Criam fantasias de mulher-flamingo, pernas longas e finas ligadas diretamente a um peito massivo. Muitas mulheres, no empenho de agradar a todo custo, estufam as partes onde as querem gordas, apesar do risco das cirurgias, do desconforto de ter bolsas de plástico costuradas dentro do corpo, com prazo de validade, ao mesmo tempo em que se submetem a dietas radicais para ficar magras onde as querem magras. Que diferença há entre nós e as chinesas de pés deformados, costume antigo que, com razão, nos choca? Se há diferença, não é a nosso favor.

Aqui não vai nenhuma critica a quem recorre a qualquer recurso para se sentir bem consigo mesmo. Nem me excluo disso. Cada um sabe o grau de sofrimento que o leva a pagar qualquer preço na busca de uma imagem que o faça sentir-se adequado, aceito. O que quero comentar é a cultura que nos leva a isso.

Preparamos mal nossas crianças, e começamos muito cedo, como se não bastassem a carga cultural, a memória genética. E o processo é consistente, nos acompanha vida afora. As revistas femininas, por exemplo, aquela baboseira de sempre, como ficar bonita, como conquistar seu homem. A "mão invisível do mercado" (nem tão invisível assim) também atua dessa forma, com uma pressão irresistível que define as normas, a moda, empurrando meninos e meninas para a repetição de padrões e valores que sabotam boa parte de sua personalidade.

Outro dia, saí para comprar um vestido para ir a um casamento. Percorri um shopping de pé a ponta: todas as vitrines de lojas femininas exibiam vestidos muito curtos, muito justos, muito decotados. Vestidos feitos para expor o máximo possível do corpo, como se exibe um produto, uma mercadoria. Roupas que desumanizam, apelam para sensações básicas e afastam a possibilidade de um relacionamento normal, entre pessoas.

Vestidos deselegantes porque obrigam a pessoa a estar sempre se ajeitando, decote pra cima, saia que insiste em subir, para baixo. Para completar o pacote, vestidos de festa pedem sapatos altos. É raro ver uma mulher que ande com equilíbrio e segurança em cima de saltos fininhos e muito altos. Mesmo modelos experientes, no curto espaço da passarela, sem buracos ou pedras de calçamento, caem com frequência, torcem os tornozelos. E os joanetes e a dor nos pés que resultam disso. Uma moda meio bárbara!

Nesse casamento a que fui, as madrinhas, seis jovens com vestidos e sapatos idênticos, como é o costume aqui, caminharam, uma após outra, pelo corredor central da igreja, precedendo a noiva. Esses momentos, com as flores, a música, costumam ser bonitos, mas causa desconforto ver as jovens transformadas em seres claudicantes, os rostos tensos, concentrados no esforço de se equilibrar nos saltos.

Que diferença dos homens! Confortáveis, elegantes, mesmo os muito obesos ou mal construídos, considerando os padrões davincianos. Ternos não exibem o corpo como mercadoria. Ao contrário, favorecem a auto-confiança, realçam a pessoa, seu jeito de ser, seu charme.

E assim vamos, consumindo alegremente o que o mercado nos oferece; perpetuando, sem questionar, a sociedade de castas, em que vivemos.


Marilia Mota Silva
Washington, 16/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
02. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
03. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
04. A melhor Flip de Marta Barcellos
05. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2013
01. Amor (in)Condicional - 5/6/2013
02. Quatro autores e um sentimento do mundo - 10/4/2013
03. O Precioso Livro da Miriam - 20/2/2013
04. De olho em você - 1/5/2013
05. Mulher-Flamingo - 16/10/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INTERCÂMBIO AÍ VOU EU
FLAVIA MARIANO
ALAÚDE
(2008)
R$ 9,00



FALCÃO MULHERES E O TAFICO
CELSO ATHAYDE E MV BILL
OBJETIVA
(2007)
R$ 25,00



NOVO CONSTRUINDO APRENDENDO MATEMÁTICA VOL.3
MARIA EDUARDA NORONHA / MARIA LUIZA SOARES
CONSTRUIR
R$ 11,99



O PEREGRINO A VIAGEM DO CRISTÃO À CIDADE CELESTIAL
JOHN BUNYAN
MARTIN CLARET
(2011)
R$ 23,10



A CONVIDADA
SIMONE DE BEAUVOIR
CÍRCULO DO LIVRO
(1976)
R$ 15,00



PEYTON PLACE
GRACE METALIOUS
PAN BOOKS
(1972)
R$ 8,00



OS TRÊS MOSQUETEIROS - OS IMORTAIS DA LITERATURA
DIVERSOS A
ABRIL CULTURAL
(1972)
R$ 15,00



TEATRO E POLÍTICA: ARENA, OFICINA E OPINIÃO - UMA INTERPRETAÇÃO DA CULTURA DE ESQUERDA
EDELCIO MOSTAÇO
PROPOSTA
(1982)
R$ 35,00



REPENSANDO AS ORGANIZAÇÕES DE INFORMÁTICA
LUIS GUSTAVO DA SILVA
ÉRICA
(1994)
R$ 8,98



PSICODRAMA - DESCOLONIZANDO O IMAGINÁRIO
ALFREDO NAFFAH NETO
BRASILIENSE
(1979)
R$ 45,00





busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês