A biografia possível | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
>>> Lançamento: Smoked Rib Burger é a mais nova atração da Stage Burger
>>> JOALHERIA BRASILEIRA, HISTÓRIA, MERCADO E OFÍCIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
>>> Dinheiro não tem cheiro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Roubalheira vai parar o Brasil
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Mens sana in corpore sano
>>> Only time will tell
Mais Recentes
>>> Inverno do Mundo - Livro 2 da Trilogia o Seculo
>>> A Fé de Abraão
>>> Variantes Na Visualidade
>>> Satisfação Do Cliente - A Outra Parte Do Seu Trabalho
>>> Relatos De Sonhos E De Lutas
>>> Exílio: Testemunho De Vida
>>> Botânica Criptogâmica Volume 1 - Algas E Fungos
>>> Histórias Para O Coração
>>> A Garota no Trem
>>> Teoria Geral Dos Sistemas
>>> A Doçura Do Mundo
>>> A Expedição Kon Tiki
>>> Loucuras Do Futebol - 288 Histórias Reais E Absurdas
>>> Nuances Da Memória
>>> O Batuque Afro-brasileiro De Nélson Silva
>>> Tibério: As Memórias Do Imperador
>>> Manual Del Karma
>>> Eras Livro 1: Despertar
>>> A Condição Humana
>>> Os Retratos De Oscar Wilde
>>> Romance Negro E Outras Histórias
>>> Dás Um Banho - Roberto Alves: O Rádio, o Futebol e a Cidade
>>> Essa História Está Diferente
>>> A Região Costeira Meridional De Santa Catarina
>>> Cidade Democrática
>>> Almanaque Anos 70
>>> Almanaque 1964
>>> Enciclopédia do Estudante
>>> O futuro da arquitetura
>>> Manual Completo Do Automovel
>>> Passagens
>>> A Crise Dos 25
>>> A Proteção Do Sagrado
>>> Lições De Trevas
>>> Biblioteconomia No Brasil
>>> Crônicas De Vinho - In Vino Veritas
>>> Escrevendo Pela Nova Ortografia
>>> Vem, Senhor Jesus- Um Estudo do Livro de Apocalipse
>>> Elos da mesma corrente
>>> A Taça De Ouro
>>> Londres Chama
>>> Relações
>>> Turismo E Legado Cultural
>>> A Jornada Volume 2 - Caminhada Diária Com Deus
>>> Aquele mundo de Vasabarros
>>> Balada Do Pensamento
>>> O Menino Da Rosa
>>> Joana e os três pecados
>>> Responsabilidade No Trabalho
>>> Euclides Da Cunha: Da Glória Literária À Morte Trágica
COLUNAS

Sexta-feira, 1/11/2013
A biografia possível
Marta Barcellos

+ de 2100 Acessos

Há cinco anos mantenho uma coluna de perfis na revista Capital Aberto. Isso significa ter escrito e publicado mais de 60 pequenas biografias "não autorizadas". O texto nunca é submetido aos entrevistados para aprovação. Do contrário, a seção jamais teria a qualidade que tem. Uma qualidade reconhecida por leitores e, ao final, também pelos biografados, que certamente teriam dado "retoques" ao texto se lhes fosse oferecida oportunidade para isso.

Para quem não é do ofício, pode parecer quase um detalhe "deixar o entrevistado ler". Não o é. O risco real de uma incorreção - que poderia ser apontada pelo biografado nessa "leitura inocente" - não vale o inevitável comprometimento de todo o trabalho realizado. Foi o que apontou o historiador e epistemólogo francês François Dosse, em entrevista ao jornalista Bolívar Torres: "Para um historiador e um biógrafo, fica impossível trabalhar com textos autorizados ou supervisionados, ou que dependam dos sentimentos dos biografados. É colocar uma mordaça no pesquisador", disse o autor de O desafio biográfico, obra considerada a biografia da biografia.

A liberdade do biógrafo é apenas um dos lados da questão - e o que considero mais importante, já que, além de o cerceamento inviabilizar o trabalho, existirá sempre o fantasma de que esta forma de censura prévia seja estendida a outras esferas. No entanto, há também o aspecto dos limites da invasão da privacidade, ao qual agora têm se agarrado aqueles que inicialmente defendiam a censura às biografias.

A forma mais fácil de sensibilizar uma pessoa que ainda não analisou o assunto das biografias em sua complexidade é fazê-la se colocar na pele de quem sofreu danos com esse tipo de invasão. Não por acaso, foi essa a estratégia que a empresária Paula Lavigne, líder do grupo Procure Saber, levou a um programa Saia Justa que se propôs a debater o tema. Sem qualquer justificativa ou contexto, Paula subitamente invadiu a intimidade da jornalista Barbara Gancia, perguntando se ela era mesmo gay assumida e qual o nome de sua namorada. Era a carta na manga da empresária: não havia como Bárbara se sair bem da situação. Se se recusasse a responder, pareceria uma contradição com relação ao seu posicionamento a favor das biografias livres. Mesmo respondendo, o constrangimento ficou no ar, e Paula triunfou: "Viu como não é bom?".

É aqui que gostaria de dizer, antes de defender com toda a minha convicção a liberdade total na publicação de biografias em livros, revistas ou quaisquer outras plataformas, que sou sensível ao tema da invasão da privacidade. Não endosso o argumento, também simplista em relação à figura pública, de que "quem está na chuva é para se molhar". Não existe essa regra de sair molhado.

Quando um jornalista, historiador ou pesquisador faz uma entrevista ou apuração sobre acontecimentos passados, ele sempre sente o peso de sua responsabilidade. Exceto se já tiver uma intenção maliciosa - como Paula tinha ao levar a pergunta pronta para o programa -, ele percebe o desafio de construir uma história na qual fatos e personagens sejam reconhecidos com verossimilhança por diferentes leitores - tanto aqueles próximos dos acontecimentos quanto os que terão acesso à história pela primeira vez. Quando escreve sobre algo que aconteceu, o jornalista 'sente' a presença ostensiva daqueles que podem contestá-lo ou serem prejudicados, como se estivessem em seu cangote. Repito, ele sente a responsabilidade. Isso faz parte de seu ofício.

Não adianta, neste momento, argumentar: ora, você é uma boa profissional; há também os negligentes e os maliciosos. Não podemos paralisar todas as atividades do mundo - incluindo a divulgação da informação - em nome da prevenção aos maus profissionais.

É impossível também que a legislação preveja e estabeleça de forma antecipada - outro tipo de censura prévia - a partir de quais "limites" da privacidade alheia podem agir os biógrafos maliciosos ou incompetentes. Até mesmo a vida sexual ou a ficha médica serão pertinentes se estivermos falando da biografia de Bill Clinton ou de Tancredo Neves. Por outro lado, como biógrafa responsável e sem interesse em sensacionalismo, já omiti declarações fortes dos próprios entrevistados por avaliar que elas teriam, escritas e destacadas de seu contexto, um impacto que não condizia com o perfil que estava sendo construído naquele texto.

Pois é, toda biografia é uma construção. Adoro o nome da minha coluna, Retrato, porque acredito que ele encerra o máximo de ambição possível diante de uma vida. Podemos, no máximo, pintar um retrato - utilizando nossas próprias cores e percepções. Podemos, no máximo, tirar um retrato - escolhendo ângulo, enquadramento, luz e sombras. Roland Barthes chamava de biografema esta opção pela narrativa-fragmento, que não tem a pretensão de dar conta de uma totalidade do biografado, ou de uma verdade objetiva.

É natural que o jornalista - assim como fazem hoje os biógrafos brasileiros castigados pela legislação que nos últimos anos tolheu o seu trabalho - se defenda com a afirmação de que persegue a Verdade. É como uma carta de boas intenções, uma forma de explicar o seu desafio diante do senso comum. No entanto, hoje, depois de um bom tempo de profissão e de algumas reflexões a partir de leituras teóricas, percebo claramente a ingenuidade desses termos. A Verdade não está na cabeça do biografado (basta ler autobiografias), tampouco na apuração o mais completa possível do biógrafo.

Trata-se, então, de escolher que tipo de sociedade queremos ser: aquela onde há um dono da Verdade ou aquela em que há pluralidade de verdades.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 1/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A idéia que governa o mundo de Gian Danton
02. Matinê sem limite de idade de Rennata Airoldi
03. País do Carnaval III de Sergio Faria


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POLIANA MOÇA
ELEANOR H. PORTER
EDIOURO
(2002)
R$ 5,00



O CAMINHO DA CURA- DESPERTANDO A SABEDORIA INTERIOR
DEEPAK CHOPRA, M.D
ROCCO
(1999)
R$ 9,50



POEMAS EM PROSA E SALOMÉ - OSCAR WILDE (TEATRO E LITERATURA INGLESES)
OSCAR WILDE
EDIOURO
R$ 8,00



LA VIERGE MARIE
JEAN GUITTON
AUBIER
(1940)
R$ 29,80



VÍRUS - O PERIGO BOATOS NAS EMPRESAS
FERRAN RAMON CORTÉS
ACADEMIA
(2008)
R$ 6,90



A PALAVRA DE DEUS: UM REMÉDIO INFALÍVEL - KENNETH E. HAGIN
KENNETH E. HAGIN
GRAÇA
(2000)
R$ 4,00



EM CARNE VIVA
MARIA DA GLÓRIA CARDIA DE CASTRO
MODERNA
(2005)
R$ 7,00



EL COMPROMISSO - 38200
ELIAH KAZAN
EB
(1968)
R$ 10,00



A CURA PELA CONSCIÊNCIA- TEOMANIA E STRESS
CLÁUDIA BERNHARDT DE SOUZA PACHECO
PROTON
(1983)
R$ 10,90



TAIZÉ - UM SENTIDO PARA A VIDA
OLIVIER CLÉMENT
PAULUS
(2004)
R$ 31,50





busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês