A biografia possível | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31663 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Jano
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser escritor ou estar escritor?
>>> Nouvelle Vague: os jovens turcos
>>> O Oscar e a reencarnação
>>> Tunturi, de António Vieira
>>> Sexteto da Filarmônica de Berlim, no Teatro Alfa
>>> Wittgenstein, o fazedor de símiles
>>> Blogo, logo existo
>>> Antes da filosofia
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> O humor no divã de Freud
Mais Recentes
>>> O Monge e o Executivo - Uma História sobre a Essência da Liderança
>>> O Beijo Infame
>>> Antes da Coisa Toda Começar
>>> Estruturas da Mente - A Teoria das Inteligências Múltiplas
>>> Guia Politicamente Incorreto da América Latina
>>> O Contrato Social
>>> Tess of the D´Urbervilles
>>> O Grande Conflito
>>> Ágape
>>> Dicionário Enciclopédico Ilustrado Veja Larousse - Volume 1
>>> O Cantor De Tango
>>> 1.000 Lugares Para Conhecer Antes De Morrer
>>> Nietzsche para Estressados
>>> Estorvo
>>> Cozinheiros Demais
>>> A Outra Face Da Doença - A Saúde Revelada Por Deus
>>> L'approche par compétences dans l'enseignement des langues
>>> Pensar Por Conta Própria
>>> O Evangelho Da Meninada
>>> Sinal De Contradição
>>> Limites Sem Trauma
>>> Desta Vez Eu Emagreço!
>>> Alucinado Som De Tuba
>>> Cidade Partida
>>> A Dama Do Lago
>>> Meditação Ocidental
>>> O X Da Questão - Trajetória Do Maior Empreendedor Do Brasil
>>> Carne Trêmula
>>> Frankeinstien
>>> Uma Garrafa No Mar De Gaza
>>> Três Mulheres De Três Pppês
>>> A linha de sombra
>>> Dublinenses
>>> Angústia
>>> A Bíblia e os discos voadores
>>> A consciência de Zeno
>>> No caminho de Swann
>>> Trópico de Câncer
>>> O Ensino de Lacan Volumes 1 e 2
>>> Curso Completo de Tarô (não acompanha as cartas)
>>> Casa de pedra
>>> O fim sem resposta
>>> Eu fico Loko
>>> História Econômica do Brasil
>>> O Tesouro dos Alquimistas
>>> Tao da Física
>>> Forma e Design
>>> A Aprendizagem do Ator
>>> Senhor das Sombras- Ele é Destruição...
>>> Le Guide Pratique des Nouvelles Thérapies
COLUNAS

Sexta-feira, 1/11/2013
A biografia possível
Marta Barcellos

+ de 2000 Acessos

Há cinco anos mantenho uma coluna de perfis na revista Capital Aberto. Isso significa ter escrito e publicado mais de 60 pequenas biografias "não autorizadas". O texto nunca é submetido aos entrevistados para aprovação. Do contrário, a seção jamais teria a qualidade que tem. Uma qualidade reconhecida por leitores e, ao final, também pelos biografados, que certamente teriam dado "retoques" ao texto se lhes fosse oferecida oportunidade para isso.

Para quem não é do ofício, pode parecer quase um detalhe "deixar o entrevistado ler". Não o é. O risco real de uma incorreção - que poderia ser apontada pelo biografado nessa "leitura inocente" - não vale o inevitável comprometimento de todo o trabalho realizado. Foi o que apontou o historiador e epistemólogo francês François Dosse, em entrevista ao jornalista Bolívar Torres: "Para um historiador e um biógrafo, fica impossível trabalhar com textos autorizados ou supervisionados, ou que dependam dos sentimentos dos biografados. É colocar uma mordaça no pesquisador", disse o autor de O desafio biográfico, obra considerada a biografia da biografia.

A liberdade do biógrafo é apenas um dos lados da questão - e o que considero mais importante, já que, além de o cerceamento inviabilizar o trabalho, existirá sempre o fantasma de que esta forma de censura prévia seja estendida a outras esferas. No entanto, há também o aspecto dos limites da invasão da privacidade, ao qual agora têm se agarrado aqueles que inicialmente defendiam a censura às biografias.

A forma mais fácil de sensibilizar uma pessoa que ainda não analisou o assunto das biografias em sua complexidade é fazê-la se colocar na pele de quem sofreu danos com esse tipo de invasão. Não por acaso, foi essa a estratégia que a empresária Paula Lavigne, líder do grupo Procure Saber, levou a um programa Saia Justa que se propôs a debater o tema. Sem qualquer justificativa ou contexto, Paula subitamente invadiu a intimidade da jornalista Barbara Gancia, perguntando se ela era mesmo gay assumida e qual o nome de sua namorada. Era a carta na manga da empresária: não havia como Bárbara se sair bem da situação. Se se recusasse a responder, pareceria uma contradição com relação ao seu posicionamento a favor das biografias livres. Mesmo respondendo, o constrangimento ficou no ar, e Paula triunfou: "Viu como não é bom?".

É aqui que gostaria de dizer, antes de defender com toda a minha convicção a liberdade total na publicação de biografias em livros, revistas ou quaisquer outras plataformas, que sou sensível ao tema da invasão da privacidade. Não endosso o argumento, também simplista em relação à figura pública, de que "quem está na chuva é para se molhar". Não existe essa regra de sair molhado.

Quando um jornalista, historiador ou pesquisador faz uma entrevista ou apuração sobre acontecimentos passados, ele sempre sente o peso de sua responsabilidade. Exceto se já tiver uma intenção maliciosa - como Paula tinha ao levar a pergunta pronta para o programa -, ele percebe o desafio de construir uma história na qual fatos e personagens sejam reconhecidos com verossimilhança por diferentes leitores - tanto aqueles próximos dos acontecimentos quanto os que terão acesso à história pela primeira vez. Quando escreve sobre algo que aconteceu, o jornalista 'sente' a presença ostensiva daqueles que podem contestá-lo ou serem prejudicados, como se estivessem em seu cangote. Repito, ele sente a responsabilidade. Isso faz parte de seu ofício.

Não adianta, neste momento, argumentar: ora, você é uma boa profissional; há também os negligentes e os maliciosos. Não podemos paralisar todas as atividades do mundo - incluindo a divulgação da informação - em nome da prevenção aos maus profissionais.

É impossível também que a legislação preveja e estabeleça de forma antecipada - outro tipo de censura prévia - a partir de quais "limites" da privacidade alheia podem agir os biógrafos maliciosos ou incompetentes. Até mesmo a vida sexual ou a ficha médica serão pertinentes se estivermos falando da biografia de Bill Clinton ou de Tancredo Neves. Por outro lado, como biógrafa responsável e sem interesse em sensacionalismo, já omiti declarações fortes dos próprios entrevistados por avaliar que elas teriam, escritas e destacadas de seu contexto, um impacto que não condizia com o perfil que estava sendo construído naquele texto.

Pois é, toda biografia é uma construção. Adoro o nome da minha coluna, Retrato, porque acredito que ele encerra o máximo de ambição possível diante de uma vida. Podemos, no máximo, pintar um retrato - utilizando nossas próprias cores e percepções. Podemos, no máximo, tirar um retrato - escolhendo ângulo, enquadramento, luz e sombras. Roland Barthes chamava de biografema esta opção pela narrativa-fragmento, que não tem a pretensão de dar conta de uma totalidade do biografado, ou de uma verdade objetiva.

É natural que o jornalista - assim como fazem hoje os biógrafos brasileiros castigados pela legislação que nos últimos anos tolheu o seu trabalho - se defenda com a afirmação de que persegue a Verdade. É como uma carta de boas intenções, uma forma de explicar o seu desafio diante do senso comum. No entanto, hoje, depois de um bom tempo de profissão e de algumas reflexões a partir de leituras teóricas, percebo claramente a ingenuidade desses termos. A Verdade não está na cabeça do biografado (basta ler autobiografias), tampouco na apuração o mais completa possível do biógrafo.

Trata-se, então, de escolher que tipo de sociedade queremos ser: aquela onde há um dono da Verdade ou aquela em que há pluralidade de verdades.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 1/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
02. O palhaço, de Selton Mello de Wellington Machado
03. Escrever? Quantas linhas? de Ana Elisa Ribeiro
04. Ninguém segura Lady Macbeth de Tais Laporta
05. O Belo Indiferente de Rennata Airoldi


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DOMINANDO SUA CÂMERA DIGITAL - COMO OBTER O MÁXIMO DA SUA DSLR
CHRIS WESTON
BOOKMAN
(2011)
R$ 88,00



ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA
VÁRIOS
VOZES
(1976)
R$ 21,90
+ frete grátis



HOMO SACER - O PODER SOBERANO E A VIDA NUA I
GIORGIO AGAMBEN
UFMG
(2010)
R$ 100,00



BATALHAS ELEITORAIS
CHICO SANTA RITA
GERAÇÃO EDITORIAL
(2002)
R$ 8,00



A SANTÍSSIMA TRINOSOFIA
CONDE DE SAINT GERMAIN
THOT
R$ 36,10
+ frete grátis



ATRAVÉS DO UNIVERSO
REVIS, BETH
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 30,00



ACORDE, MULHER!
FIORÂNGELA M. DESIDÉRIO
EDIÇÕES PAULINA
(1989)
R$ 7,00



CASA DE MARIANA
JOSÉ CARLOS IMPARATO
ZAGODONNI
(2015)
R$ 5,00



OS ÚLTIMOS DIAS DE POMPÉIA
BULWER LYTTON
EDIOURO
(2002)
R$ 6,90



TEATRO DE ANCHIETA - JOEL PONTES
JOEL PONTES
SNT/FUNARTE
(1978)
R$ 18,00





busca | avançada
31663 visitas/dia
896 mil/mês