O tempo de Arturo Pérez-Reverte | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
33609 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Flávia Galli ministra a palestra "O Novo mundo descobre a Ásia" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Dia 27 de maio em Campinas: nova edição do "Casa Flamenca" do Café Tablao
>>> Conferência de Celso Amorim celebra 30 anos da Editora Unesp e do Cedem
>>> "E o vento vai levando tudo embora", de Regiana Antonini, no Fashion Mall
>>> Dia 25 de maio a Orquestra Brasileira de Sapateado se apresenta no Fashion Mall
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
>>> Inquietações de Ana Lira
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
>>> Ringue vago
>>> Presidenta e presidento
>>> O antagonismo de um povo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os desafios de publicar o primeiro livro
>>> Um ano na Provence
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio
>>> O mundo explicado por T.S. Spivet
>>> Minha casa, sua casa
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Os premiados da Mostra
>>> Cenas de um casamento
>>> Rafael Spregelburd e o novo teatro argentino
Mais Recentes
>>> O Texto na TV Manual de Telejornalismo
>>> A Biografia de Roger Federer
>>> Não Há Silêncio Que Nunca Termine
>>> EDGE - Coleção de quadrinhos
>>> O Cortiço
>>> Contos
>>> Indomada - The House of Night - Livro 4
>>> Olhinhos de Gato
>>> Janela Mágica
>>> Escolhida The House of The Night - 3
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma
>>> Vôo Noturno
>>> Traída - The House of Night 2
>>> Um Sentido para a Vida
>>> Manual do Ator
>>> Meu Corpo, Minha Prisão - Autobiografia de um Transexual
>>> Teu Amor Voltará
>>> Moisés - Príncipe do Egito
>>> O Caderno Secreto de Leonardo - O Deserto Iniciático - Tomo II
>>> O Caderno Secreto de Leonardo - A Catedral da Memória - Tomo I
>>> Conversações com Iberê camargo
>>> Ciberespaço: um Hipertexto Com Pierre Lévy
>>> A Linguagem Esquecida - Uma Introdução ao Entendimentos dos Sonhos
>>> O Testemunho do Senhor e a Necessidade do Mundo
>>> Imagens e Símbolos - Ensaio sobre o Simbolismo Mágico-Religioso
>>> O Sagrado e o Profano- a essência das religiões
>>> Antologia volumes 1 e 2
>>> Hora de Mudar - Richard Bandler- best seller
>>> Mensageiros do Amanhecer - Ensinamentos das Plêiades
>>> Terra Chaves Pleiadianas para a Biblioteca Viva
>>> Onde Existe Luz
>>> Nova gramática comparativa do grego e latin (Text: English, Greek, Latin)
>>> Fordlândia Ascensão e Queda da Cidade Esquecida de Henry Ford na Selva
>>> Amestrando Orgasmos Bípedes, Quadrúpedes E Outras Fixações Animais
>>> Como Ser Irresistível Para O Sexo Oposto
>>> A Última Grande Lição
>>> A Coragem Da Inocência
>>> O Lado Bom Da Vida
>>> Criando Meninas
>>> Jornalismo Internacional
>>> Contos
>>> O Pequeno Filósofo
>>> A Vitória Da Páscoa
>>> A Magia Dos Grandes Negociadores
>>> Fora De Mim
>>> Marley & Eu
>>> A Individuação nos Contos de Fadas
>>> Evangelhos Apócrifos
>>> Taras Bulba
>>> O Bosque das Ilusões Perdidas
COLUNAS

Terça-feira, 5/11/2013
O tempo de Arturo Pérez-Reverte
Celso A. Uequed Pitol

+ de 5400 Acessos

As notícias que chegam da Espanha nos dizem que o país se encontra em profunda decadência econômica e social e que os espanhóis estão, como nos piores momentos de sua história, deixando a pátria em busca de emprego e meios de vida em outras terras. Quanto aos que ficam, dizem, estão cabisbaixos, tristes e sem perspectiva. No plano político, a insatisfação é imensa, com ameaças sérias de separatismo e denúncias diárias de corrupção. Típico país em decadência, portanto. Nada, claro, que assuste: este é um estado que os espanhóis conhecem bem. A Espanha é a nação decadente por excelência, ocupando o posto há – falando por baixo – mais de um século. É quase um decadente profissional. E, justamente nos momentos de maior decadência – digo “maior”, porque decadente tem sido sempre – a velha Espanha dá mostras de inquebrantável vivacidade intelectual. Lembremos das primeiras décadas do XX, época em que o destino de todo espanhol, fosse ele galego, basco, catalão, andaluz, asturiano ou castelhano, era arrumar sua trouxinha e bandear-se para este canto do mundo em que vivemos: naquele momento de miséria, guerra e crise, os espanhóis nos deixaram, num espaço curtíssimo de tempo, nada menos do que Unamuno, Azorín, Baroja, Ortega y Gasset, Antonio Machado e muitos outros.

Diante disto, cabe perguntar: qual o grande nome que a Espanha sumamente decadente de hoje deixará para o mundo? É cedo para dizer. Já nos avisava Borges para nunca esperarmos menos de cem anos antes de julgar um escritor. Mas podemos arriscar um pouco, e pensar num nome que, se não temos certeza de que permanecerá daqui a um século, terá muito a dizer para o mundo de hoje, e em especial, para o Brasil de hoje: Arturo Pérez Reverte.

É difícil imaginarmos daqui o impacto que tem no seu país este jornalista de 61 anos, ex-correspondente de guerra, romancista premiado e membro da prestigiada e seletíssima Real Academia Española. Para termos uma breve ideia, neste último dia 28 de outubro, às nove e meia da noite, milhões de cidadãos espanhóis deixaram seus Ipads de lado, cancelaram idas aos bares e restaurantes e ligaram seus televisores para assistirem a um programa de nome curioso para os tempos que correm por lá: “Salvados”. O motivo? Ali Pérez-Reverte concederia entrevista. O programa foi líder de audiência naquele horário e quem foi para a frente da TV não se decepcionou. Esperava a coragem, a frase certeira, a crítica corrosiva, a feroz e altiva independência que é, desde Sêneca, marca inconfundível dos espanhóis; encontrou o diagnóstico definitivo para seu país: “España es un país que está maldito históricamente. Perdimos dos ocasiones de oro, en el Concilio de Trento y en la época de la Revolución Francesa”. Opinou que “nos faltó lo que hubo en otros países, una guillotina” . Falou também de problemas que dizem respeito ao resto do mundo: “En otros tiempos, cuando las cosas iban mal, había ideologías que sostenían los ánimos. Ahora no hay líderes y la sociedad está indefensa. No hay una acción coordinada común ni una revolución que permita cambiar las cosas”. E por que? Em primeiro lugar, porque “Vivimos en un mundo con demasiados mecanismos de anestesia”. Há como discordar?

“Escribo con tanta libertad que me sorprende que me dejen”, diz ele, provavelmente entre risos. Quem quiser pode acessar este blog mantido por um fã espanhol de Reverte, e ler uma compilação de seus artigos colhida de vários jornais espanhóis. A surpresa é mesmo inevitável: como dão espaço a este homem? Pérez-Reverte fustiga com igual vigor aos direitistas e aos esquerdistas, aos liberais e aos comunistas, a americanos e a anti-americanos, aos europeístas de seu país e aos anti-europeus de outras terras, aos militares, ao Estado, ao povo e à imprensa, com quem mantém relação complicada, tendo sido demitido várias vezes, de várias empresas, por nunca ter voltado atrás em uma opinião dada. Dureza, talvez, de ex-correspondente de guerra, presente em conflitos tão sangrentos e bárbaros quanto a guerra do Líbano, de 1982, ou da Iugoslávia, nos anos 90. Dureza, talvez, de espanhol: em certos momentos a prosa de Reverte assemelha-se à do seu compatriota Pío Baroja, que, como ele, exerceu o jornalismo e a ficção e notabilizou-se pelas observações impiedosas sobre seu país e a condição humana em geral, recebendo por isso o qualificativo revelador de “el hombre malo de Itzea”. Por isso tudo, a leitura de Pérez-Reverte desde o Brasil é altamente reveladora sobre o tipo de jornalismo que temos. Aqui não há “hombres malos”: há bons moços do grupo A contra bons moços do grupo B. O jornalista que se autodenomina independente e crítico do que chama de politicamente correto pertence a um tipo bem definido, com características perceptíveis até mesmo pelo estilo em que escreve. É seletivo: ataca apenas a parcela do discurso hegemônico que lhe interessa atacar. Fecha os olhos para a outra e, como bom moço que é, reclama a todo momento que é um perseguido. O “hombre malo” Pérez Reverte jamais faz isso: aceita o caminho que escolheu e suporta-o, como bom espanhol, estoicamente.

Isso tudo é surpreendente para o brasileiro, mais do que para o espanhol, mais do que para Pérez-Reverte. Será fácil dizer que essa dificuldade de nossa imprensa se deve ao nosso caráter conciliador, ao homem cordial, ao jeitinho e assim por diante. Não porque estas figuras não existam, mas sim porque, no mundo, este tipo de jornalista é a regra. A exceção fica na decadente Espanha de nossa época. Gerardo Mello Mourão atribui a Gilberto Amado a seguinte resposta, ao lhe perguntarem em que país gostaria de ter nascido: “Em qualquer um, desde que em tempo de decadência”. Ter nascido aqui ou acolá é um acidente, a que não se pode perdoar nem louvar. Por isso, quanto a mim, não sei se gostaria de ter nascido em outro lugar. Mas posso dizer que gostaria partilhar com os espanhóis o tempo de Arturo Pérez-Reverte.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 5/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos
02. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
03. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
04. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos
05. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2013
01. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013
02. De Siegfried a São Jorge - 4/6/2013
03. Os burocratas e a literatura - 5/2/2013
04. A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu - 5/3/2013
05. Quando a Páscoa chega ao Sul - 9/4/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIAGEM DE INVERNO E OUTROS POEMAS
HELDER MACEDO
RECORD
(2000)
R$ 15,00



DIÁRIO DE UM BANANA: A VERDADE NUA E CRUA - VOLUME 5
JEFF KINNEY
V&R
(2011)
R$ 12,00



MONTESQUIEU - OS PENSADORES
COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 15,00



O DIÁLOGO COMO MÉTODO: CINCO REFLEXÕES SOBRE HERMILO BORBA FILHO
LÚCIA MACHADO (ORG.)
PREFEITURA DO RECIFE/SECRETARIA DE CULTURA
(2006)
R$ 35,00



AS VALKIRIAS
PAULO COELHO
ROCCO
(1993)
R$ 5,00



SIN CITY - O ASSASSINO AMARELO
FRANK MILLER
DEVIR
(2005)
R$ 35,00



A MÃE
MÁXIMO GORKI
EUROPA AMÉRICA
(1978)
R$ 8,90



DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO
EDGARD ARMOND
ALIANÇA
(2013)
R$ 10,00



FAÇA O SEU CORAÇÃO VIBRAR
OSHO
SEXTANTE
(2005)
R$ 6,00



DICIONÁRIO DA SORTE: O VERDADEIRO LIVRO DOS SONHOS
AHMED AL-KHATIB
RIGEL
(2013)
R$ 35,00





busca | avançada
33609 visitas/dia
896 mil/mês