O tempo de Arturo Pérez-Reverte | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
31179 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 1ª Festa oficial de aniversário de 124 anos da Vila Madalena
>>> EM 'A COZINHA DA DOIDIVANA', IVANA ARRUDA LEITE CONVIDA FABRÍCIO CORSALETTI PARA JANTAR E BATE-PAPO
>>> CAIXA apresenta o XI Circuito de Teatro em Português entre 18 e 27 de agosto
>>> Sesc Consolação apresenta Histórias de Alexandre com o Grupo 59 e direção de Paoli Quito
>>> Cantora carioca Cimi apresenta seu álbum de estreia 'UM SIM' no Rio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> A imagem de Haroldo Maranhão
>>> Rimas geométricas
>>> Por um cisco
>>> Em relação a ti
>>> Sobre os papéis
>>> Universo ardente
>>> Gramática geral
>>> O CIRCO ESOTÉRICO
>>> Elenco
>>> De pai para filho - Oração
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Claro Enigma, de Carlos Drummond de Andrade
>>> Uma nova corrida espacial?
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> A morte de Gilberto Dupas
>>> Além do bem e do mal
>>> Picasso e Matisse: documentos
>>> Produtores
>>> O bom humor do mal-humorado Jamelão
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> O homem visto do alto
Mais Recentes
>>> 101 Dicas Essenciais - Microondas
>>> Global Elementary - Workbook With Audio CD
>>> 100 Receitas de Macarrão
>>> 100 Receitas com Lata
>>> Global Coursebook Elementary
>>> A historia não contada da igreja do novo testamento
>>> A História Cultural entre práticas e representações
>>> Ainda Lembro - Jean Wyllys (Biografia/Memórias)
>>> 7o. Habitasul Revelação Literária na Feira - Porto Alegre (Contos e Poesias Brasileiros)
>>> Contos Novos - Mário de Andrade (Literatura Brasileira)
>>> Contos Novos - Mário de Andrade (Literatura Brasileira)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda - A. Alcântara Machado (Literatura Brasileira)
>>> O peru de Natal e outras histórias - Vários Autores - Volume 2 (Contos Brasileiros)
>>> A borboleta em voce
>>> Você vai sair dessa!
>>> Amor de Pai
>>> O que significa ser Cristão
>>> O Ser e o Nada
>>> A Bíblia em resumo - Os 66 livros da Bíblia vistos um a um!
>>> História De Lince
>>> Eva Maria Lakatos - Sociologia Geral (6º edição)
>>> CLT Saraiva Acadêmica e Constituição Federal (2008) - (MINI)
>>> (Mini)Código Civil e Constituição Federal (Ano 2008) - Legislação
>>> Sebastião Amorim - Inventários e Partilha - Teoria e prática
>>> Yussef Said Cahali - Divórcio e Separação (Tomo 1)
>>> Yussef Said Cahali - Divórcio e separação (Tomo 2)
>>> Hugo de Brito Machado - Curso de Direito Tributário (2004)
>>> A historia
>>> O que acontece quando Deus responde as oracoes
>>> O mestre dos mestre
>>> Curso de Direito Tributário - Fábio Ulhoa Coelho (2004)
>>> Contos e Poemas para crianças extremamente inteligentes de todas as idades
>>> Contos e Poemas para crianças extremamente inteligentes de todas as idades
>>> Contos e Poemas para crianças extremamente inteligentes de todas as idades
>>> Considerações sobre as causas da grandeza dos romanos e da sua decadência
>>> As Universidades na Idade Média
>>> Os Pobres na Idade Média
>>> A Infelicidade do Século + Sobre o comunismo, o nazismo e unicidade da Shoah
>>> A Mais Bela História do Amor
>>> Jesus Cristo é o senhor
>>> Evangelismo por fogo
>>> A Invenção da Sociedade
>>> O Presente do Fazedor de Machados
>>> Pequeno Dicionário Filosófico
>>> Dicionário de Simbologia
>>> Dicionário de Símbolos
>>> Dicionário do Cristianismo
>>> 1492 + Os acontecimentos que marcaram o início da Era Moderna
>>> O Cemitério de Praga
>>> Meditando no Ritmo do Coração
COLUNAS

Terça-feira, 5/11/2013
O tempo de Arturo Pérez-Reverte
Celso A. Uequed Pitol

+ de 5500 Acessos

As notícias que chegam da Espanha nos dizem que o país se encontra em profunda decadência econômica e social e que os espanhóis estão, como nos piores momentos de sua história, deixando a pátria em busca de emprego e meios de vida em outras terras. Quanto aos que ficam, dizem, estão cabisbaixos, tristes e sem perspectiva. No plano político, a insatisfação é imensa, com ameaças sérias de separatismo e denúncias diárias de corrupção. Típico país em decadência, portanto. Nada, claro, que assuste: este é um estado que os espanhóis conhecem bem. A Espanha é a nação decadente por excelência, ocupando o posto há – falando por baixo – mais de um século. É quase um decadente profissional. E, justamente nos momentos de maior decadência – digo “maior”, porque decadente tem sido sempre – a velha Espanha dá mostras de inquebrantável vivacidade intelectual. Lembremos das primeiras décadas do XX, época em que o destino de todo espanhol, fosse ele galego, basco, catalão, andaluz, asturiano ou castelhano, era arrumar sua trouxinha e bandear-se para este canto do mundo em que vivemos: naquele momento de miséria, guerra e crise, os espanhóis nos deixaram, num espaço curtíssimo de tempo, nada menos do que Unamuno, Azorín, Baroja, Ortega y Gasset, Antonio Machado e muitos outros.

Diante disto, cabe perguntar: qual o grande nome que a Espanha sumamente decadente de hoje deixará para o mundo? É cedo para dizer. Já nos avisava Borges para nunca esperarmos menos de cem anos antes de julgar um escritor. Mas podemos arriscar um pouco, e pensar num nome que, se não temos certeza de que permanecerá daqui a um século, terá muito a dizer para o mundo de hoje, e em especial, para o Brasil de hoje: Arturo Pérez Reverte.

É difícil imaginarmos daqui o impacto que tem no seu país este jornalista de 61 anos, ex-correspondente de guerra, romancista premiado e membro da prestigiada e seletíssima Real Academia Española. Para termos uma breve ideia, neste último dia 28 de outubro, às nove e meia da noite, milhões de cidadãos espanhóis deixaram seus Ipads de lado, cancelaram idas aos bares e restaurantes e ligaram seus televisores para assistirem a um programa de nome curioso para os tempos que correm por lá: “Salvados”. O motivo? Ali Pérez-Reverte concederia entrevista. O programa foi líder de audiência naquele horário e quem foi para a frente da TV não se decepcionou. Esperava a coragem, a frase certeira, a crítica corrosiva, a feroz e altiva independência que é, desde Sêneca, marca inconfundível dos espanhóis; encontrou o diagnóstico definitivo para seu país: “España es un país que está maldito históricamente. Perdimos dos ocasiones de oro, en el Concilio de Trento y en la época de la Revolución Francesa”. Opinou que “nos faltó lo que hubo en otros países, una guillotina” . Falou também de problemas que dizem respeito ao resto do mundo: “En otros tiempos, cuando las cosas iban mal, había ideologías que sostenían los ánimos. Ahora no hay líderes y la sociedad está indefensa. No hay una acción coordinada común ni una revolución que permita cambiar las cosas”. E por que? Em primeiro lugar, porque “Vivimos en un mundo con demasiados mecanismos de anestesia”. Há como discordar?

“Escribo con tanta libertad que me sorprende que me dejen”, diz ele, provavelmente entre risos. Quem quiser pode acessar este blog mantido por um fã espanhol de Reverte, e ler uma compilação de seus artigos colhida de vários jornais espanhóis. A surpresa é mesmo inevitável: como dão espaço a este homem? Pérez-Reverte fustiga com igual vigor aos direitistas e aos esquerdistas, aos liberais e aos comunistas, a americanos e a anti-americanos, aos europeístas de seu país e aos anti-europeus de outras terras, aos militares, ao Estado, ao povo e à imprensa, com quem mantém relação complicada, tendo sido demitido várias vezes, de várias empresas, por nunca ter voltado atrás em uma opinião dada. Dureza, talvez, de ex-correspondente de guerra, presente em conflitos tão sangrentos e bárbaros quanto a guerra do Líbano, de 1982, ou da Iugoslávia, nos anos 90. Dureza, talvez, de espanhol: em certos momentos a prosa de Reverte assemelha-se à do seu compatriota Pío Baroja, que, como ele, exerceu o jornalismo e a ficção e notabilizou-se pelas observações impiedosas sobre seu país e a condição humana em geral, recebendo por isso o qualificativo revelador de “el hombre malo de Itzea”. Por isso tudo, a leitura de Pérez-Reverte desde o Brasil é altamente reveladora sobre o tipo de jornalismo que temos. Aqui não há “hombres malos”: há bons moços do grupo A contra bons moços do grupo B. O jornalista que se autodenomina independente e crítico do que chama de politicamente correto pertence a um tipo bem definido, com características perceptíveis até mesmo pelo estilo em que escreve. É seletivo: ataca apenas a parcela do discurso hegemônico que lhe interessa atacar. Fecha os olhos para a outra e, como bom moço que é, reclama a todo momento que é um perseguido. O “hombre malo” Pérez Reverte jamais faz isso: aceita o caminho que escolheu e suporta-o, como bom espanhol, estoicamente.

Isso tudo é surpreendente para o brasileiro, mais do que para o espanhol, mais do que para Pérez-Reverte. Será fácil dizer que essa dificuldade de nossa imprensa se deve ao nosso caráter conciliador, ao homem cordial, ao jeitinho e assim por diante. Não porque estas figuras não existam, mas sim porque, no mundo, este tipo de jornalista é a regra. A exceção fica na decadente Espanha de nossa época. Gerardo Mello Mourão atribui a Gilberto Amado a seguinte resposta, ao lhe perguntarem em que país gostaria de ter nascido: “Em qualquer um, desde que em tempo de decadência”. Ter nascido aqui ou acolá é um acidente, a que não se pode perdoar nem louvar. Por isso, quanto a mim, não sei se gostaria de ter nascido em outro lugar. Mas posso dizer que gostaria partilhar com os espanhóis o tempo de Arturo Pérez-Reverte.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 5/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
02. O pior cego de Luís Fernando Amâncio
03. Tirem as Viseiras! de Heloisa Pait
04. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry
05. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2013
01. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013
02. De Siegfried a São Jorge - 4/6/2013
03. Os burocratas e a literatura - 5/2/2013
04. A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu - 5/3/2013
05. Quando a Páscoa chega ao Sul - 9/4/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEQUENOS BURGUESES/MÃE - MÁXIMO GORKI (TEATRO/LITERATURA RUSSA)
MÁXIMO GORKI
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 12,00



NEUROFISIOLOGIA DO COMPORTAMENTO: UMA RELAÇÃO ENTRE O FUNCIONAMENTO CEREBRAL E AS MANIFESTAÇÕES COMPORTAMENTAIS
MARIA APARECIDA DOMINGUES DE OLIVEIRA
ULBRA
(1999)
R$ 250,00
+ frete grátis



A DEMANDA DO SANTO GRAAL
TRADUÇÃO: HEITOR MEGALE
ATELIÊ EDITORIAL
(2016)
R$ 20,00
+ frete grátis



QUEM SÃO OS 144.000 SELADOS E AS DUAS TESTEMUNHAS DO APOCALIPSE?
WIM MALGO
CHAMADA
(1999)
R$ 37,60
+ frete grátis



A SEMENTE
MARILIA FAIRBANKS MACIEL
CLUBE DO LIVRO
(1977)
R$ 2,50



MISTO-QUENTE
CHARLES BUKOWSKI
LPM
(2005)
R$ 19,90



COMÉDIAS DE MARTINS PENA
MARTINS PENA
EDIOURO
R$ 18,00



AS CHAVES DO REINO
L. PALHANO JR.
PUBLICAÇÕES LACHÂTRE
(2000)
R$ 2,00



INTRODUÇÃO À ECLESIOLOGIA
SALVADOR PIÉ-NINOT
LOYOLA
(2013)
R$ 28,00



A DIMENSÃO HUMANA DA GOVERNANÇA CORPORATIVA
HERBERT STEINBERG
GENTE
(2003)
R$ 9,90





busca | avançada
31179 visitas/dia
1,1 milhão/mês