O tempo de Arturo Pérez-Reverte | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Escritor Alexandre Hallais fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
Últimos Posts
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
>>> A mandioca e o canário da terra
>>> Lua nova
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> Casa Arrumada
>>> Anti-Jô Soares
>>> Algo em común
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Entrevista com Claudio Willer
Mais Recentes
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
>>> O Último Godot
>>> Pós Modernismo: Repensando a Arquitetura
>>> Mario Botta
>>> Cinematógrafo: Um Olhar Sobre A História
>>> Desenho a Cores: Técnicas de Desenho de Projeto para Arquitetos 2ª Ed
>>> A Mão Livre 2 Técnicas de Desenho
>>> Cachaça- Edição: 1ª
>>> Preparatório Para O Exame De Pmp - 6ª Edição
>>> As origens da adoração crista
>>> A Técnica de Edificar - 6°edição Revisada e Atualizada
>>> Malba Tahan
>>> Direito Comercial Volume 21 - Sinopses Jurídicas
>>> Iniciacao a Psicologia
>>> Trilogia Deutsch Perfekt
>>> As 36 Estratégias Secretas
>>> Los Efectos Perversos Del Petróleo
COLUNAS

Terça-feira, 5/11/2013
O tempo de Arturo Pérez-Reverte
Celso A. Uequed Pitol

+ de 5700 Acessos

As notícias que chegam da Espanha nos dizem que o país se encontra em profunda decadência econômica e social e que os espanhóis estão, como nos piores momentos de sua história, deixando a pátria em busca de emprego e meios de vida em outras terras. Quanto aos que ficam, dizem, estão cabisbaixos, tristes e sem perspectiva. No plano político, a insatisfação é imensa, com ameaças sérias de separatismo e denúncias diárias de corrupção. Típico país em decadência, portanto. Nada, claro, que assuste: este é um estado que os espanhóis conhecem bem. A Espanha é a nação decadente por excelência, ocupando o posto há – falando por baixo – mais de um século. É quase um decadente profissional. E, justamente nos momentos de maior decadência – digo “maior”, porque decadente tem sido sempre – a velha Espanha dá mostras de inquebrantável vivacidade intelectual. Lembremos das primeiras décadas do XX, época em que o destino de todo espanhol, fosse ele galego, basco, catalão, andaluz, asturiano ou castelhano, era arrumar sua trouxinha e bandear-se para este canto do mundo em que vivemos: naquele momento de miséria, guerra e crise, os espanhóis nos deixaram, num espaço curtíssimo de tempo, nada menos do que Unamuno, Azorín, Baroja, Ortega y Gasset, Antonio Machado e muitos outros.

Diante disto, cabe perguntar: qual o grande nome que a Espanha sumamente decadente de hoje deixará para o mundo? É cedo para dizer. Já nos avisava Borges para nunca esperarmos menos de cem anos antes de julgar um escritor. Mas podemos arriscar um pouco, e pensar num nome que, se não temos certeza de que permanecerá daqui a um século, terá muito a dizer para o mundo de hoje, e em especial, para o Brasil de hoje: Arturo Pérez Reverte.

É difícil imaginarmos daqui o impacto que tem no seu país este jornalista de 61 anos, ex-correspondente de guerra, romancista premiado e membro da prestigiada e seletíssima Real Academia Española. Para termos uma breve ideia, neste último dia 28 de outubro, às nove e meia da noite, milhões de cidadãos espanhóis deixaram seus Ipads de lado, cancelaram idas aos bares e restaurantes e ligaram seus televisores para assistirem a um programa de nome curioso para os tempos que correm por lá: “Salvados”. O motivo? Ali Pérez-Reverte concederia entrevista. O programa foi líder de audiência naquele horário e quem foi para a frente da TV não se decepcionou. Esperava a coragem, a frase certeira, a crítica corrosiva, a feroz e altiva independência que é, desde Sêneca, marca inconfundível dos espanhóis; encontrou o diagnóstico definitivo para seu país: “España es un país que está maldito históricamente. Perdimos dos ocasiones de oro, en el Concilio de Trento y en la época de la Revolución Francesa”. Opinou que “nos faltó lo que hubo en otros países, una guillotina” . Falou também de problemas que dizem respeito ao resto do mundo: “En otros tiempos, cuando las cosas iban mal, había ideologías que sostenían los ánimos. Ahora no hay líderes y la sociedad está indefensa. No hay una acción coordinada común ni una revolución que permita cambiar las cosas”. E por que? Em primeiro lugar, porque “Vivimos en un mundo con demasiados mecanismos de anestesia”. Há como discordar?

“Escribo con tanta libertad que me sorprende que me dejen”, diz ele, provavelmente entre risos. Quem quiser pode acessar este blog mantido por um fã espanhol de Reverte, e ler uma compilação de seus artigos colhida de vários jornais espanhóis. A surpresa é mesmo inevitável: como dão espaço a este homem? Pérez-Reverte fustiga com igual vigor aos direitistas e aos esquerdistas, aos liberais e aos comunistas, a americanos e a anti-americanos, aos europeístas de seu país e aos anti-europeus de outras terras, aos militares, ao Estado, ao povo e à imprensa, com quem mantém relação complicada, tendo sido demitido várias vezes, de várias empresas, por nunca ter voltado atrás em uma opinião dada. Dureza, talvez, de ex-correspondente de guerra, presente em conflitos tão sangrentos e bárbaros quanto a guerra do Líbano, de 1982, ou da Iugoslávia, nos anos 90. Dureza, talvez, de espanhol: em certos momentos a prosa de Reverte assemelha-se à do seu compatriota Pío Baroja, que, como ele, exerceu o jornalismo e a ficção e notabilizou-se pelas observações impiedosas sobre seu país e a condição humana em geral, recebendo por isso o qualificativo revelador de “el hombre malo de Itzea”. Por isso tudo, a leitura de Pérez-Reverte desde o Brasil é altamente reveladora sobre o tipo de jornalismo que temos. Aqui não há “hombres malos”: há bons moços do grupo A contra bons moços do grupo B. O jornalista que se autodenomina independente e crítico do que chama de politicamente correto pertence a um tipo bem definido, com características perceptíveis até mesmo pelo estilo em que escreve. É seletivo: ataca apenas a parcela do discurso hegemônico que lhe interessa atacar. Fecha os olhos para a outra e, como bom moço que é, reclama a todo momento que é um perseguido. O “hombre malo” Pérez Reverte jamais faz isso: aceita o caminho que escolheu e suporta-o, como bom espanhol, estoicamente.

Isso tudo é surpreendente para o brasileiro, mais do que para o espanhol, mais do que para Pérez-Reverte. Será fácil dizer que essa dificuldade de nossa imprensa se deve ao nosso caráter conciliador, ao homem cordial, ao jeitinho e assim por diante. Não porque estas figuras não existam, mas sim porque, no mundo, este tipo de jornalista é a regra. A exceção fica na decadente Espanha de nossa época. Gerardo Mello Mourão atribui a Gilberto Amado a seguinte resposta, ao lhe perguntarem em que país gostaria de ter nascido: “Em qualquer um, desde que em tempo de decadência”. Ter nascido aqui ou acolá é um acidente, a que não se pode perdoar nem louvar. Por isso, quanto a mim, não sei se gostaria de ter nascido em outro lugar. Mas posso dizer que gostaria partilhar com os espanhóis o tempo de Arturo Pérez-Reverte.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 5/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Paul Ricoeur e a leitura de Celso A. Uequed Pitol
03. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
04. Noel Rosa de Fabio Gomes
05. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2013
01. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013
02. De Siegfried a São Jorge - 4/6/2013
03. Os burocratas e a literatura - 5/2/2013
04. A Vigésima-Quinta Hora, de Virgil Gheorgiu - 5/3/2013
05. O Direito mediocrizado - 26/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NO CAMINHO DE SWANN
MARCEL PROUST
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 9,90



O ATOR VASQUES - PROCÓPIO FERREIRA
PROCÓPIO FERREIRA
MEC/FUNARTE/SNT
(1979)
R$ 22,00



MENSAGEM - 2ª ED. TEXTO INTEGRAL
FERNANDO PESSOA
MARTIN CLARET
(2008)
R$ 16,90



QUATRO CENÁRIOS PARA O BRASIL - 2005-2007
CLÁUDIO PORTO (ORGANIZADOR) E OUTROS (AUTOGRAFADO)
GARAMOND UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 8,00



THE SECRET - O SEGREDO - 7ª REIMPRESSÃO
RHONDA BYRNE
EDIOURO
(2011)
R$ 13,00



DIREITO CIVIL 2 DAS OBRIGAÇÕES E DOS CONTRATOS
CARLOS EDUARDO GUERRA
ELSEVIER
(2007)
R$ 9,99



FUNDAMENTALS OF UNIX LAB COMPANION - SECOND EDITION
CISCO SYSTEMS INC., JIM LORENZ, DAN MYERS
CISCO PRESS
(2004)
R$ 120,00



DINOSSAUROS - GIGANTES DO MUNDO PRÉ HISTÓRICO Nº 42
EDITORA GLOBO
GLOBO
(1993)
R$ 8,99



SINAIS E SÍMBOLOS ORIGEM E HISTORIA E SIGNIFICADO
CARLA GIBSON
H.F.HULLMANN
(2018)
R$ 45,00



PRÍNCIPE MAURÍCIO DE NASSAU - O HOLANDÊS DO BOI VOADOR (HISTÓRIA DO BRASIL)
GUIDO HELENO E JÔ OLIVEIRA
LINHA GRÁFICA
(1989)
R$ 8,00





busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês