Cognição Estética contra o Logos (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
18092 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jason Calacanis matando o Yahoo
>>> Jim Clark e a Netscape
>>> O elogio do Silêncio ou duas ou mais antipolêmicas
>>> Máfia do Dendê
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
Mais Recentes
>>> Benzedeiras & Benzeduras
>>> Massagem Para bebê
>>> O barquinho Vai
>>> Toquinho
>>> Iniciação Ao Piano e Teclado
>>> As 101 Melhores Canções Do Século XXI
>>> Ary Barroso Volume 2
>>> Blues Arranjos De Base
>>> Saxofone Fácil
>>> Harmonia ao Bandolim
>>> Brass Players Aqueimento & Guia PraticoTrumpet
>>> Noel Rosa Volume 1
>>> Otimismo nos Negócios
>>> Toquinho
>>> Noel Rosa Volume 3
>>> Foundations of Political Science
>>> Song Book Noel Rosa volume 2
>>> Mídia, Benção ou Maldição
>>> Bodas de Pedra
>>> Por que Não Pediram a Evans?
>>> Cortes de Cabelo Tecnicas e Modelagem
>>> Amar Vale a Pena
>>> Good to Greath Hair
>>> Trezentos parafusos a menos
>>> Viagem Pelas Provincias do Rio de Janeiro E Minas Gerais
>>> Bacall Fenomenal
>>> 318 citações do Padre Antônio Vieira, escolhidas e anotadas por Emerson Tin
>>> Viagem ao interior do Brasil
>>> Here youn find hundreds of t-shirts
>>> Bella
>>> Biologia 3 - Biologia das Populações - Completo - Box 5 Livros
>>> Biologia 2 - Biologia dos Organismos - Completo - Box 4 Livros
>>> Biologia 1 - Biologia das Células - Completo - Box 4 Livros
>>> Bio - Volume 1 - Ensino Médio - Manual do Professor
>>> Física - Mecânica - Volume 1 - Manual do Professor
>>> Física - Termologia, Óptica e Ondas - Volume 2 - Manual do Professor
>>> Física - Volume 3 - Manual do Professor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 3 - Coleção Aula Por Aula - Manual do Profesor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 1 - Mecânica - Col. Aula Por Aula
>>> Física 1 - Manual do Professor
>>> Química - Volume Único Para o Ensino Médio - 4ª Impressão
>>> Curso de Química - Volume 1
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 3º Volume
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 2º Volume
>>> Geometria Analítica
>>> Matemática - Volume 2 - Segundo Grau - Livro do Professor
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 1 - Livro do Professor
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 3 - Série Compacta
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 3 - Manual do Professor
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 3
COLUNAS

Terça-feira, 25/2/2014
Cognição Estética contra o Logos (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1900 Acessos

Uma bomba lançada contra o logos. Os estilhaços da razão podem voar por toda parte. A editora Annablume publicou ano passado o livro Cognição estética: o complexo de Dante, de Marcos H. Camargo. Um projeto ambicioso, que pretende desmontar a ideia da superioridade da experiência intelectual sobre a experiência estética. São 300 páginas de reflexão contundente, radical, questionando o logocentrismo, que como sabemos, dominou os saberes da ciência, da filosofia, das artes e é preponderante na organização da vida humana dentro da organização dada pelos Estados. Ao "penso, logo existo" cartesiano, Camargo oporá "vejo, logo existo".

Cognição estética: o complexo de Dante é dividido em três partes, formadas por seis capítulos. Na primeira parte, Camargo traça o histórico do surgimento da lógica, sua relação com a constituição da supervalorização da linguagem escrita em contraponto à cultura visual. Na segunda parte, descreve o advento das mídias audiovisuais, inicialmente classificadas como lixo sensorial, e ressalta como a presença maciça das imagens no mundo contemporâneo nos faz rever o conceito de cognição, anteriormente ligado à escrita e que agora busca incorporar à nossa vida cognitiva os valores da imagem. Finalmente, na parte final do livro, discute-se o lugar que o estético passa a ter na experiência cognitiva, chamada pelo autor de "cognição estética". Vale desde já dizer que o livro não propõe a anulação do pensamento racional, lógico, mas aposta na complementação dos saberes estético e lógico, avançando na defesa da parte negligenciada, a da cognição estética.

Como compreender que a sociedade moderna, colocada sob o signo da civilização da imagem, conceda tão pouco espaço ao ensino de artes plásticas? Essa questão é colocada por Marc Jimenez em seu livro O que é estética? A resposta é que, apesar de vivermos mergulhados num mundo de imagens, acreditamos que essas imagens são apenas "lixo sensorial" e não espaço da cognição, como afirma Marcos Camargo. Não acreditamos que a imagem seja tão eficiente em nosso entendimento do mundo quanto o saber intelectual acumulado pelas ciências. O autor de Cognição Estética dá uma resposta radical a esse problema, pois vê justamente ali, na "insensatez" da estética a possibilidade de um "flerte paradoxal com a heterogeneidade do real, onde tudo flui".

A defesa do valor que a estética possa ter na existência humana não é nova. A primeira grande crítica foi realizada pelo romantismo alemão e teve como projeto o resgate da importância da arte e da intuição estética contra o que chamou de supervalorização da razão e da ciência.

Mesmo antes do romantismo, Descartes, o criador de um método baseado na análise, na classificação, na ordem e na organização, já advinha para o belo um lugar fora desse sistema da razão. Segundo Jimenez, "o belo para Descartes não é algo mensurável, pois depende demais dos caprichos do indivíduo. Mas, ao reconhecer o papel da subjetividade para determinar o que é belo ou agradável para a alma, o cartesianismo insiste na inconsistência de qualquer pesquisa que vise a definir as condições pretensamente objetivas da beleza ideal, do belo em si."

Ou seja, na explicação do próprio Descartes, "o belo e o agradável significam apenas uma relação entre nosso julgamento e o objeto, e pelo fato de os julgamentos dos homens serem tão diferentes, não se pode dizer que o belo tenha uma medida determinada". Nasce aqui a problemática do relativismo do gosto, que sempre é individual, dependendo da fantasia de cada um, ligado à sua memória, às suas experiências passadas. O que nos indica que o belo não pode ser mensurável pela ciência, pois a ciência visa ao universal enquanto o belo pertence à ordem do sentimento individual.

No reino da arte - onde o princípio da regularidade não é de uso comum, apelando-se mais para o imprevisto, o sentimento, a sensibilidade - pode a razão ser aplicada? Uma nova tradição que pensa um lugar diferente para a arte dirá que não.

Esta tradição, que recupera o valor da estética, se inicia com a obra de Baumgarten e Schiller, que desejou ver a arte ser levada à condição de uma ciência filosófica (com sua obra A educação estética do homem), e Kant, que ainda separava sensibilidade e entendimento na constituição do conhecimento (no seu livro Critica do juízo), chegando a Hegel (com sua Estética), Schopenhauer, que melancolicamente vai descobrir que o íntimo do mundo é inalcançável por conceitos, aceitando que corpo e sentimento podem proporcionar um conhecimento sem-fundamento e irracional do mundo (na sua obra Metafísica do belo), a Nietzsche, que deplorava que a arte se mostrasse apenas como "enfeite" da existência e não a máxima experiência do ser.

Para uma definição do vocábulo "estese", que vai contrapor sensação a conceito, Camargo avança numa crítica à tradição que vê na produção artística uma experiência inferior à do saber produzido pela reflexão racional.

"Estese é o que ocorre quando nos invade a sensação angustiante de algo que nos seduz, inquieta e nos afeta até o ponto de desorientar a conexão entre nosso pensamento e o mundo, pela interferência marcada pela alteridade da coisa (ou evento) que está diante de nós, manifestando-se com sua erótica inadequação que resiste ao logos".

O livro de Camargo, seguindo e aprofundando esta tradição, dirá que a arte, como espaço para a experiência do sensível, funda-se no reconhecimento dos limites do "pensamento racional" e numa rejeição da "causalidade", da "prova científica", da "lógica" e de uma "visão linear do mundo".

Na segunda parte da resenha, vamos expor os principais argumentos do livro de Camargo, nessa aventura paradoxal que é pensar o impensável da arte.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo
02. Zizitinho Foi Para o Céu de Marilia Mota Silva
03. O PSDB e o ensino superior de Gian Danton
04. Brasil brochou na Copa de Jardel Dias Cavalcanti
05. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014
05. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ETAPAS DA ARTE CONTEMPORÂNEA
FERREIRA GULLAR
RENAVAM
(2018)
R$ 30,00



DEXTER - DESIGN DE UM ASSASSINO
JEFF LINDSAY
PLANETA
(2011)
R$ 24,00



CAMINHOS DA FÉ
ALEXANDRE TOLER RUSSO
PRÓ MEMÓRIA
(2004)
R$ 10,00



CULTURA POPULAR E EDUCAÇÃO SALTO PARA O FUTURO
RENÉ MARC DA COSTA E SILVA
N/D
(2008)
R$ 6,99



ATRAVÉS DA BARREIRA DO TEMPO- UM ESTUDO SOBRE A PRECOGNIÇÃO E A FÍSICA MODERNA
DANAH ZOHAR
PENSAMENTO
(1997)
R$ 29,99
+ frete grátis



A GUERRA DO PELOPONESO
DONALD KAGAN
RECORD
(2006)
R$ 35,00



A ESPADA DO SENHOR
WIM MALCO
CHAMADA
R$ 13,90



OPTIMAL A1 ARBEITSBUCH
MÜLLER, RUSCH, SCHERLING,WERTENSCHLAG,SCHMIDT,SCHMITZ
LAGENSCHEIDT
(2004)
R$ 49,90
+ frete grátis



ADEUS ÀS ILUSÕES - DE QUE O AMANHÃ SE TRATA 
GRUPO CRÍTICA RADICAL
SEM FRONTEIRAS
(2005)
R$ 5,00



A DIVINA COMÉDIA: TRILOGIA EDIÇÃO BILÍNGUE
DANTE ALIGHIERI
34
(2000)
R$ 49,90





busca | avançada
18092 visitas/dia
954 mil/mês