Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
19055 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> Extra é ponto de encontro para trocar figurinhas da Copa
>>> Eduardo Ferraz faz palestra gratuita em Curitiba
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Franceses, de Ricardo Corrêa Coelho
>>> Jogando uma pedra no poço sem fundo
>>> A arte contemporânea refém da insensatez
>>> Quem é Gian Danton
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O pós-modernismo morreu
>>> Nelson ao vivo, como num palco
>>> Furo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
Mais Recentes
>>> A Garota do Lago
>>> O Elo de Alexandria
>>> A Profecia Romanov
>>> o mito de Lincoln
>>> Vingança em Paris
>>> Quadribol através dos Séculos
>>> Não Pare!
>>> Deusa da Primavera
>>> Deusa do Mar
>>> Sobre a Morte e o Morrer
>>> Saúde no Brasil - Políticas e Organização de Serviços
>>> Família brasileira, a base de tudo
>>> Aristóteles - Volume I dos argumentos sofísticos - Os Pensadores -
>>> Avaliação de Políticas Sociais: Uma questão em Debate
>>> 300 Propostas de Artes Visuais
>>> Pesquisa Social em saúde
>>> Ainda existe esperança
>>> A Mitologia Templária - Os Conceitos Esotéricos da Ordem do Templo
>>> Historia Social da Criança e da Família
>>> Dicionário de Filosofia
>>> Che Guevara - o pensamento vivo
>>> Saúde e Democracia - A luta do CEBES
>>> Desenvolvimento de Iniciativas Sociais
>>> Maquiavel - Os pensadores
>>> Historia Menuda De Un País Que Ya No Existe
>>> Comunicação Científica - Normas Técnicas para Redação Científica
>>> Piores Inimigas/ Melhores Amigas
>>> Más Notícias/ boas notícias
>>> Cartas Da Alma
>>> Ultrapassando Limites
>>> Promessas e Mais Promessas
>>> Hq Camelot 3000 Nº 1-2-3-4 Completa Formatinho Dc
>>> O Lago Rescue
>>> Em Pânico
>>> Amuleto da Sorte
>>> Paixão Pela Moda
>>> Brincadeirinha!
>>> Novo Universo Força Psi Hq Formatinho Do 1 Ao 12
>>> Cidade Fantasma
>>> Acabou o Tempo
>>> Algas Verdes e Guerra de Chicletes
>>> Garotas Da Rua Beacon 14 - Alerta De Paixão
>>> Garotas Da Rua Beacon 15 - A Grande Caça Ao Tesouro
>>> Garotas Da Rua Beacon 16 - Meus Doces 13 Anos
>>> Mil Oitocentos e Oito
>>> Mil Oitocentos e Vinte e Dois
>>> Mil Oitocentos Oitenta e Nove
>>> Demian
>>> Le capital - (Livre 1)
>>> Psicologia e Religião Oriental
COLUNAS

Sexta-feira, 25/7/2014
Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
Gian Danton

+ de 100100 Acessos

No dia 13 de março de 2014 o Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente aprovou, de forma unânime, a resolução nº 163 que considera abusiva toda e qualquer publicidade e comunicação mercadológica dirigidas às crianças.

A resolução é apoiada por muitos como uma forma de proteger as crianças contra os abusos, mas, se for colocada na prática, vai ter resultados muito mais amplos.

Legislações restritivas à publicidade infantil existem em outros países do mundo. Na Suécia, por exemplo, estão proibidos os comerciais na TV aberta. Países como Chile e Peru proíbem anúncios de determinados alimentos e bebidas. Na Grécia, anúncios de brinquedos só podem ser anunciados na TV aberta em horário adulto. No Irã, bonecos dos Simpsons e da Barbie não podem ser comercializados ou anunciados. Mas esse é o primeiro caso de proibição total e absoluta de qualquer tipo de comunicação comercial voltada ao público infantil.

A resolução considera abusiva "a prática do direcionamento de publicidade e comunicação mercadológica à criança com a intenção de persuadi-la para o consumo de qualquer produto ou serviço". Estão proibidos linguagem infantil, efeitos especiais e excesso de cores; trilhas sonoras de músicas infantis ou cantadas por vozes de criança; representação de criança; pessoas ou celebridades com apelo ao público infantil; personagens ou apresentadores infantis; desenho animado ou de animação; bonecos ou similares; promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis ou com apelos ao público infantil; e promoção com competições ou jogos com apelo ao público infantil.

A resolução define a 'comunicação mercadológica' como toda e qualquer atividade de comunicação comercial, inclusive publicidade, para a divulgação de produtos, serviços, marcas e empresas realizada, dentre outros meios e lugares, em eventos, espaços públicos, páginas de internet, canais televisivos, em qualquer horário, por meio de qualquer suporte ou mídia, no interior de creches e das instituições escolares da educação infantil e fundamental, inclusive em seus uniformes escolares ou materiais didáticos, seja de produtos ou serviços relacionados à infância ou relacionados ao público adolescente e adulto.

Ou seja: a legislação, na prática, proíbe qualquer comunicação voltada às crianças. O maior prejudicado com a norma é, claro, Maurício de Sousa. Muitos têm comemorado o fato de que ele não pode mais colocar seus personagens em produtos infantis, como pacotes de maçãs.

Mas a legislação é tão ampla que afeta quase toda a produção nacional destinada às crianças. As revistas em quadrinhos infantis, por exemplo, dificilmente se sustentam sem publicidade. Produzir um gibi infantil é um processo caro que quase nunca se paga apenas com as vendas de revistas (até porque essas vendas se reduzem a cada ano). Da mesma forma, os desenhos animados só são exibidos por causa da publicidade. Não por acaso, as TVs abertas estão tirando desenhos animados de sua programação. Há de se perguntar como ficarão os canais infantis da TV por assinatura, até porque eles não poderão mais ser anunciados e também não poderão mais exibir publicidade.

Na prática, a resolução joga uma pá de cal no mercado de desenhos animados infantis, que vinha apresentando um crescimento invejável, com personagens como Peixonauta e Turma da Mônica, e coloca em situação difícil as revistas infantis nacionais, já que não é permitida nem mesmo a publicidade das próprias publicações. Ou seja: a revista do Cebolinha não pode mais anunciar o conteúdo da revista do Cascão. Pior ainda para autores que queiram lançar gibis com personagens novos, que não poderão ser divulgados. Nem mesmo a distribuição de brindes para as crianças são mais permitidos. Na prática, Maurício de Sousa ainda está em uma situação melhor do que outros quadrinistas que queiram lançar outras publicações infantis. Nunca mais veremos o lançamento de outros gibis.

Mas essa é uma visão otimista. A legislação é tão ampla que, na prática, pode proibir até mesmo as capas dos gibis infantis. Veja-se: a legislação considera "'comunicação mercadológica' como toda e qualquer atividade de comunicação comercial, inclusive publicidade, para a divulgação de produtos, serviços, marcas e empresas realizada, dentre outros meios e lugares, em eventos, espaços públicos, páginas de internet, canais televisivos".

Todo manual de marketing explica que um dos elementos essenciais da comunicação mercadológica é o merchandising, ou apelo no ponto de venda. No caso das bancas de revista, o apelo comercial é feito através das capas das revistas. Ou seja, sob qualquer aspecto, a capa de um gibi é uma comunicação mercadológica. Se a norma realmente for seguida, os editores de revistas infantis terão que se adaptar, uma vez que não poderão mais exibir personagens nas capas de suas revistas. Uma solução talvez seja vender as revistas lacradas, com tarjas escondendo os personagens da mesma forma como hoje se faz com as revistas pornográficas. Num mercado em que gibis vendem cada vez menos, a resolução pode ser a pá de cal no mercado de quadrinhos nacionais.

Lendo a legislação lembrei do amigo desenhista Antonio Eder, que, mesmo depois de adulto, ainda tinha o álbum de figurinhas do Palhaço Zequinha, lançado pelo governo do Paraná no final dos anos 1970. O álbum era gratuito e as figurinhas eram trocadas por notas fiscais. Um incentivo para que a população exigisse notas fiscais que fez a alegria de muitas crianças curitibanas. Pela nova legislação, a iniciativa seria ilegal, uma vez que a norma proíbe a "promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis".

Engana-se quem acha que o problema se restringe apenas aos quadrinhos infantis. Como maioria das pessoas acha que todo gibi é para crianças, toda a produção nacional pode ser afetada. Um exemplo: quando lancei o meu livro "Grafipar, a editora que saiu do eixo", perguntei porque o livro era vendido lacrado e com uma tarja avisando que se tratava de um livro para adultos. No meu entender, o livro era obviamente para adultos, até pela referência no subtítulo à produção erótica. "Tente explicar isso a um juiz", respondeu um editor. "Se tem desenho na capa e é quadrinhos, um pai pode achar que é para criança e nos processar. Já aconteceu com outros livros semelhantes". Ou seja: provavelmente para os "especialistas" do conselho, todo quadrinho é para criança e se encaixa na norma, até porque uma das definições para isso é o uso de cores chamativas.

No pior dos cenários, até mesmo as coleções de miniaturas de personagens de quadrinhos (como os da Marvel e DC, que temos visto nas bancas) ficam comprometidas. Explica-se: a legislação atual já proíbe vender em banca de revista algo que não seja revista. Assim, quando se pretende lançar algo do gênero, coloca-se uma revista junto, e diz-se que o boneco é brinde para quem comprou a revista. Como agora brindes são proibidos e como a maioria das pessoas vê quadrinhos como coisa exclusivamente de crianças...

Uma legislação que coíba abusos na publicidade infantil seria bem vinda. Mas a proibição total, com uma lei tão ampla que pode afetar até as capas dos gibis nacionais interessaria a quem? Em tempo, as citações entre aspas foram retiradas diretamente do site do Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente.


Gian Danton
Goiânia, 25/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
03. Zizitinho Foi Para o Céu de Marilia Mota Silva
04. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos
05. Uma lição de solfejo de Carina Destempero


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2014
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea - 24/1/2014
03. Abelardo e Heloísa - 28/2/2014
04. O cão da meia-noite - 19/12/2014
05. A cultura visual e a emancipação do receptor - 20/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINHAS HISTORIAS DOS OUTROS
ZUENIR VENTURA
PLANETA
(2005)
R$ 7,00



RESTART - CORAÇÃO NA MÃO
FÁTIMA GIGLIOTTI
BENVIRÁ
(2011)
R$ 11,00



O UNIVERSO DE HARRY POTTER DE A A Z
AUBREY MALONE
NOVA FRONTEIRA
(2013)
R$ 10,00



OBRAS PÓSTUMAS - EDIÇÃO BOLSO
ALLAN KARDEC
FEB
(2010)
R$ 9,50



LONGE DOS OLHOS - ABADIE FARIA ROSA (COMÉDIA EM TRÊS ATOS)
ABADIE FARIA ROSA
MINERVA
(1945)
R$ 28,00



NORMALIZAÇÃO - REVISTA SQL MAGAZINE ANO 2 EDIÇÃO 21
EDITORA DEV MEDIA
DEV MEDIA
R$ 7,00



COMO EVITAR PREOCUPAÇÕES E COMEÇAR A VIVER
DALE CARNEGIE
NACIONAL
(2003)
R$ 8,00



FÉ PARA HOJE - MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL - Nº. 36 MAR 2012
VÁRIOS AUTORES
FIEL
(2012)
R$ 8,99



LUZ NATURAL
EDUARDO COIMBRA
UERJ
R$ 9,90



A ELEGÂNCIA DO OURIÇO
MURIEL BARBERY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 33,00





busca | avançada
19055 visitas/dia
829 mil/mês