O pródigo e o consumo | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
25643 visitas/dia
757 mil/mês
Mais Recentes
>>> Marmita saudável está na moda!
>>> Editora Alaúde publica versão atualizada da prestigiada obra Palavras de Poder - vol. 2
>>> Tragédia em Mariana inspira livro infanto-juvenil
>>> Teatro do Incêndio realiza encontro com Os Favoritos da Catira e Samba de Umbigada
>>> Cozinha prática: Miyoko Schinner lança guia para preparar e armazenar ingredientes básicos veganos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
>>> Como uma Resenha de 'Como um Romance'
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> O vôo e a queda
>>> Anil
>>> Aquarela do desejo
>>> Trilha dos séculos (série: Sonetos)
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Faca de estrelas
>>> Estalactites
>>> A economia que a politicagem comeu
>>> "Duas Ninfas", processo de criação da pintura
>>> Se correr o bicho pega. Se ficar o bicho come...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Soma de Todos os Medos
>>> Paulo Francis e a Petrobras
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> A eternidade nos labirintos de Borges
>>> Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
>>> A selfie e a obsolescência do humano
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Jornalismo literário: a arte do fato?
Mais Recentes
>>> O Ateneu
>>> Primeiro Anuário Brasileiro de Fórmula 1 1996-1997
>>> Vidas Paralelas. Cinco casamentos vitorianos
>>> Dorival Caymmi. O mar e o tempo
>>> Diálogos
>>> O Filósofo e a Teologia
>>> Alimento Diário- 1º Samuel - volumes 1,2 e 3
>>> Pântano De Sangue
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Nosso Lar
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração
>>> A Revelação de Deus
>>> Guerra contra os Santos- Tomo 2- versão integral
>>> Evolução e Temporalidade em Teilhard, Vocabulário Teilhard ( 2 volumes)
>>> O Equilíbrio do Ser- Aristóteles
>>> Jogos Vorazes em Chamas
>>> Zona de Perigo
>>> Jogos Vorazes
>>> Davi, um Homem Segundo o Coração de Deus
>>> Moisés, um Homem Dedicado e Generoso
>>> José, Um Homem Íntegro e indulgente
>>> Espirito de Sabedoria e de Revelação-A Chave para conhecer as profundezas de Deus
>>> Teologia Sistemática- Três Volumes em UM
>>> Você na telinha - Como usar a mídia a seu favor
>>> Educação Financeira - Como educar seu filho
>>> O clube das segundas esposas
>>> O Amor do Espírito
>>> Pretinha, Eu?
>>> O Vale das Utopias
>>> História de Mulheres na Bíblia
>>> O Poder da Oração no Casamento
>>> Para entender a versificação espanhola e gostar dela
>>> Comédias Para se Ler na Escola
>>> Municipalização do ensino no Brasil (novo)
>>> A Chama Viva do Amor- A Festa do Espírito Santo
>>> Os princípios de liderança de Jack Welch
>>> O manual do novo gerente
>>> Bórgia: o poder e o incesto
>>> Bórgia: tudo é vaidade
>>> Bórgia: as chamas da fogueira
>>> Bórgia: sangue para o Papa
>>> The walking dead
>>> Como fazer amgos e influenciar pessoas na era digital
>>> Os milionários do Gênesis
>>> Brasil: 100 comentários
>>> Era uma vez uma empresa
>>> Como se tornar um lider servidor
>>> O homem mais rico da Babilônia
>>> A arte de ganhar dinheiro
>>> Um bom professor faz toda a diferença
COLUNAS

Quinta-feira, 11/9/2014
O pródigo e o consumo
Eugenia Zerbini

+ de 4300 Acessos


M.Chagall, O filho pródigo

Em certas esquinas, Literatura e Direito tropeçam e se cruzam. Em Eugénie Grandet, do gigante das letras francesas, Honoré de Balzac (1799-1850), por exemplo, há uma bela definição de falência: - Qu'est-ce que c' est, mon père, que de faire faillite? demanda Eugénie. - Faire faillite, reprit le père, c' est commettre l´action la plus desonorante entre toutes celles qui peuvent déshonorer l' homme (O que é, meu pai, falir?, perguntou Eugénie. - Falir, respondeu o pai, é a ação mais desonrosa entre todas aquelas que podem desonrar o homem). A lição de Direito Comercial pode estar desatualizada, embora o talento do seu autor mantenha-se intacto.

Crime e castigo, de Dostoiéviski (1821-1881), e O processo, de Kafka (1883-1924), são dois marcos da intersecção entre Direito e Literatura. De tão citados nas boas aulas de Direito, transformaram-se em lugar comum desse cruzamento entre letras e normas. Apesar do fato, sabido, de que se a Literatura descreve, o Direito prescreve. Distante dessa mesmice, desponta a inspirada dissertação de mestrado de Tiago Luis Pavinatto Gonçalves, defendida na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Há tantas qualidades em seu trabalho acadêmico que o resultado final equivale a um trabalho limítrofe com o literário.

Em sua dissertação, Pavinatto debruçou-se sobre a figura do pródigo na sociedade de consumo. Pródigo é aquele que gasta imoderadamente, colocando em risco seu patrimônio e o de sua família. A prodigalidade pode levar a pessoa a perder, após uma ação judicial, a capacidade de administrar seus bens - implicando uma responsabilidade jurídica relativa, segundo o jargão do Direito - com o objetivo de preservar a subsistência tanto do pródigo como daqueles que dele dependam. Até aí, nenhuma novidade. O elemento inovador do ensaio de Tiago Pavinatto (sim, pela qualidade e estilo, trata-se de um belo ensaio jurídico, recuperando a tradição ensaística e extrapolando os limites áridos do formato acadêmico) vem, em primeiro lugar, em situar o pródigo num momento social que todos são incitados a consumir; em segundo, em analisar a figura do pródigo à luz dos avanços na medicina psiquiátrica.

A ousadia começa na dedicatória: aos loucos de todo o gênero, sendo confirmada na epígrafe absolutamente literária, com a pertinente citação de J.G. Ballard (1930-2009): "O consumismo pode parecer pagão, mas na verdade é o último refúgio do instinto religioso. Em poucos dias você verá uma congregação venerando suas máquinas de lavar. A pia de água benta que unge a dona de casa a cada manhã de segunda-feira com a benção do ciclo do amaciante de roupas..." (O reino do amanhã).

A prodigalidade é mais que antiga: é bíblica. Gastar em excesso e dilapidar o patrimônio, foi atividade que chegou a ser associada a outros pecados. Luxúria, na Antiguidade, foi palavra empregada também para referir-se à prodigalidade. Paradoxalmente, a prodigalidade, nos séculos XVII e XVIII, passou a ser associada, senão à virtude, a atributo da nobreza, em contraste com o comedimento burguês. Mas o que nos interessa é a atualidade. Como compor a prodigalidade em face do incentivo à gastança não só na sociedade de consumo, mas numa sociedade em que governos, além de incitar os gastos e o endividamento dos cidadãos, como forma de blindar o crescimento da economia contra o fantasma de recessão, dão maus exemplos quanto ao controle de seus gastos?

Amparado por idéias de Claude Levi Strauss (1908-2009) (O suplício do Papai Noel), Zygmunt Bauman (1925 -) (Vida para consumo), e Jean Baudrillard (1927-2007) (A sociedade de consumo), esse jovem mestre colore seu discurso jurídico. Se a moderação nos gastos foi virtude, até a era industrial, na atual sociedade pós-industrial e de consumo é defeito: sovinice.

Com base no entendimento da psiquiatria moderna de que gastar em excesso, embora não uma doença em si, é um dos sintomas de doença maníaco depressiva e de outros transtornos mentais, o autor indica, na conclusão do trabalho, uma proposta de revisão legal. Segundo essa sugestão, os pródigos cessariam de ser nomeados de modo expresso, nas hipóteses de incapacidade relativa do Código Civil, passando a ser acolhidos na categoria da enfermidade mental.

Isso no plano individual. No plano público, do Estado, outro cenário se impõe, relacionado, por um lado, à prodigalidade emulada pelo governo (por meio de políticas de acesso fácil ao crédito como forma ou de turbinar PIBs combalidos ou de proteger a economia contra impactos das recessões internacionais), e, de outro, pela prodigalidade adotada pela Administração em seus gastos. Todavia, a expansão do crédito, via empréstimos bancários ou cartões de crédito, induziu a criação de exércitos de consumidores endividados. Por sua vez, o Estado é perdulário: a Administração Pública, em todos os níveis (Federal, Estaduais e Municipais), por meio de seus três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), dá mostras de mau governo de seus bens. As evidências estão na mídia.

Para quem quiser conferir, o trabalho "Da natureza jurídica da prodigalidade na sociedade de consumo" em breve estará disponível na biblioteca digital de teses (e dissertações) da USP. Entretanto, os originais estão sendo preparados para edição comercial. O título será um pouco diferente, menos acadêmico certamente. O conteúdo, porém, o mesmo. No momento em que nas Faculdades de Direito faz-se o elogio aos "operadores do Direito", a dissertação de Tiago Luiz Pavinatto Gonçalves, com todos os requisitos de uma tese de doutoramento, recupera, com verve e estilo, o lugar do Direito no escaninho das Ciências Humanas, onde o estudo das leis convive com as lições da Literatura, da História, da Filosofia e da Sociologia. Longe das reduções.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 11/9/2014


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2014
01. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
02. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
03. O pródigo e o consumo - 11/9/2014
04. Livros para um cruzeiro - 30/1/2014
05. Tons por detrás do rei de amarelo - 26/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AVENTURAS NA HISTÓRIA - 31 - MAR/2006
VÁRIOS
ABRIL
(2006)
R$ 5,50



BANQUETE COM OS DEUSES - SEMINOVO-CORTE BRANCO
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2017)
R$ 10,00



OS PECADOS DOS PAIS
LAWRENCE BLOCK
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 15,90



UMA PARÁBOLA REAL - 1ª EDIÇÃO
MARISA MELLO MARTINS
ABBA
(1996)
R$ 10,00



BORLAND DELPHI 6
MARCELO LEÃO
AXCEL
(2001)
R$ 53,90



O PODER INFINITO DA SUA MENTE
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1980)
R$ 15,00
+ frete grátis



O TEXTO , OU A VIDA - UMA TRAJETÓRIA LITERÁRIA
MOACYR SCLIAR
BERTRAND BRASIL
(2007)
R$ 27,10



SALA DE AULA - DISCIPLINA E GESTAO - UM GUIA PRATICO PARA PROFESSOR...
OLLIE E. GIBBS E JERRY L. HADDOCK
ACSI
(2002)
R$ 24,00



SÁBADOS AZUIS - 75 HISTÓRIAS DE UM BRASIL QUE DÁ CERTO
MÁRCIO MOREIRA ALVES
LÉO CHRISTIANO EDITORIAL LTDA
(1999)
R$ 14,30



EL TEATRO DE LOS NIÑOS - GIUSEPPE BATOLUCCI (TEATRO NA EDUCAÇÃO)
GIUSEPPE BATOLUCCI
EDITORIAL FONTANELLA
(1975)
R$ 18,00





busca | avançada
25643 visitas/dia
757 mil/mês