Cavaleiros e o Inexplicável | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
>>> Cabelo faz finissage no BNDES Rio
>>> Palombar realiza temporada gratuita em Cidade Tiradentes durante o mês de Junho.
>>> VIVA NANÁ! homenageia o saudoso percussionista pernambucano Naná Vasconcelos no Sesc 24 de Maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
>>> O último Shakespeare
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Meu Tom Jobim
Mais Recentes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
>>> Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> Asterix Entre os Bretões- Número 4
>>> Apresentação de Jorge de Lima
>>> Rei Negro
>>> A Literatura no Brasil volume 5 Modernismo
>>> Miragem
>>> O Rajá do Pendjab - vol. 1
>>> A Aldeia Ancestral
>>> Inocência Heróica
>>> A Colheita
>>> -Inéditos - Revista volume 2
>>> A Literatura no Brasil Volume 3
>>> A Revolução das Moedas Digitais- Bitcoins e Altcoins
>>> O Menino de Capivari - Volumes I, II e III
>>> Por uma Geografia Nova
>>> Oriundi - os Italianos em Capivari
>>> Filosofia da Realidade e da Projeção
>>> Astrojildo Pereira - in Memoriam
>>> J. Prata - Belas Páginas
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Ensinar a Pensar -Teoria e Aplicação
>>> Na Escola que Fazemos - Uma reflexão interdisciplinar em edução popula
>>> Educação e Mudança
>>> Acompanhantes Terapêuticos e Pacientes Psicóticos
>>> A Beleza da Arte
>>> A Ronda das Ruas
>>> O Combate a Corrupçao Nas Prefeituras do Brasil
>>> Ciencias e Tecnologias Col. Pesquisas e Praticas Em Educacao
>>> Prática Pedagógica Competente: Ampliando os Saberes do Professor
>>> Os Segredos do Gerente 8020
>>> Excelência no Secretariado: A Importância da Profissão nos...
>>> Segurança E Medicina Do Trabalho
>>> Gestão de Investimentos - Pocket
>>> Plano de Negócios
>>> Marinheiros e professores: crônicas simples ade, construtivismo
>>> Jogo de Areia
>>> Pare de Dar Murro em Ponta de Faca
>>> Administração de Vendas
>>> A Grande História da Evolução. Na Trilha dos Nossos Ancestrais
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Os Verdadeiros Líderes da Mudança
>>> 50 Técnicas Essenciais Da Administração
COLUNAS

Terça-feira, 7/10/2014
Cavaleiros e o Inexplicável
Duanne Ribeiro

+ de 3500 Acessos

Com a armadura despedaçada, o herói avança cambaleante pela longa escadaria. Flores entorpecentes ao redor lhe nublam os sentidos, os ferimentos acumulados em uma sequência de batalhas torturam seu corpo, os olhos nem se abrem mais, no entanto ele não esquece o custo pago por seus companheiros para que ele e só ele conseguisse chegar ali. Não esquece sobretudo o objetivo: salvar a vida de sua protegida e protetora, a reencarnação da deusa Atena, a quem resta não mais do que uma hora de vida. A cena tem o gosto do épico e tons de tragédia (ou mesmo do melodrama) e é extraída de um desenho animado: Cavaleiros do Zodíaco.

Criada na década de 1980 no Japão por Masami Kurumada e trazida ao Brasil em 1994, Cavaleiros é uma história do bem contra o mal, do conflito entre escolhidos para a defesa de Atena e as ameaças que surjam. Cada um destes é representante de uma constelação - são cavaleiros de Pégaso, Andrômeda, etc. Outros animes são melhores (como Evangelion), mas tenho apego por este. Assisti a ele há cerca de 20 anos; eu era uma criança e ainda me lembro da cena que abre esta coluna e outras. Existe na série uma ética peculiar, dor e conquista, sacrifício e superação, que permaneceu em mim. Foi por ter sido marcado que fui ao cinema assistir à anêmica nova versão Cavaleiros do Zodíaco - A Lenda do Santuário.

O filme desseca o original. Aquela ética deixa de existir; há apenas uma sucessão de lutas mal ajambradas em que o esforço por resistir e por se tornar mais capaz desaparece, sendo substituído por derrotas e vitórias igualmente simplistas. Não há evolução; só a passagem mágica do estado de fraqueza ao de força. A violência é também toda extirpada - até mesmo um personagem que incrustra as paredes de seu templo com os rostos de adversários mortos, que abre caminho ao inferno e que se chama "Máscara da Morte" se transmuta na adaptação em uma figura de produção da Disney, com cantoria e personalidade caricatural. Ninguém, daqui a 20 anos, vai escrever sobre ele no Digestivo. É uma obra para ser esquecida.

Fui por nostalgia ao cinema, é por nostalgia que escrevo este texto: algo que teve sentido, que foi forte e bonito nos limites do seu gênero, foi traído. Quero trazer à tona a força, beleza e significado que havia na série. Se vocês me permitem tratar com seriedade do que não se espera ser tratado assim, tentarei reaver tudo isso.

Conquista, Aprendizado, Persistência
Diferente dos super-heróis americanos, os heróis japoneses (em Cavaleiros, e de mesma forma em Yu Yu Hakusho e Dragon Ball) não recebem, de forma completa e inescapável, seus poderes. Principalmente, não "recebem": é quase sempre pelo treino que se tornam capazes do que são. Acaso e destino, palavras fundamentais para kriptonianos e mutantes, são menos importantes que a vontade contínua de conquista. Os quadrinhos americanos com frequência apreendem o poder como um fardo (nesse sentido, o lema do Homem-Aranha, "com grandes poderes vêm grandes responsabilidades", é sintomático). Os japoneses veem nele sempre um degrau; são sempre longas viagens de desenvolvimento pessoal.

Em Cavaleiros, tornar-se dono de cada uma das armaduras exige o cumprimento de um desafio particular. Um precisa chegar ao ponto de poder inverter, com um soco, o fluxo de água de uma cachoeira. Outro, assassinar o próprio mestre. Além disso, o desenvolvimento cobra na carne. Por exemplo, após a primeira saga (a fase que é resumida pelo novo filme), as armaduras estão destruídas, e só podem ser regeneradas fruindo a vida dos portadores: eles cortam os pulsos e deixam o sangue escorrer sobre os pedaços de metal, que fluorescem e se recuperam.

Isso está ausente de A Lenda do Santuário. Não há esforço - o crescimento ou é instantâneo (o único caso é o do cavaleiro de Pégaso, Seiya, e ainda assim só pela transmissão do poder da divindade) ou inexistente. Pelo contrário, a série dá aos personagens oportunidades de transbordar limites. Primeiro, pelo aprendizado. Um dos lemas é "um cavaleiro nunca é atingido pelo mesmo golpe duas vezes" - o que implica num nietzscheano "o que não me mata me fortalece", um superar-se a partir do golpe tomado, do ferimento, do inimigo. Segundo, pela persistência, no tom do verso "não aprendi a me render, que caía o inimigo, então". O cavaleiro de Cisne, Hyoga, ainda tentando avançar, rastejando, após ter o corpo varado 15 vezes por ataques do cavaleiro de Escorpião, é um exemplar maior disto.

Também se torna insosso o grande significado da entrega que existe na produção original. Nesta primeira saga, os protagonistas precisam passar por doze "casas" - templos guardados por outros cavaleiros - em cerca de doze horas, sob risco de morte da deusa que protegem. A entrega se repete a cada vez que um fica para que os outros sigam (na nova versão, esse percurso é demasiado fácil e confuso). É sempre um sacrifício pelo outro, pelo "bem maior" do grupo. Mas nesse campo a cena icônica é a que segue. Hyoga é encerrado em um cubo de gelo. É libertado, todavia debilitado, e quase não apresenta sinais vitais. Um companheiro o abraça no chão e queima sua energia, exaura-se, põe-se em risco para aquecê-lo.

A Luta é Tudo Isso
A Lenda do Santuário tem qualidades. É bem humorado e as batalhas convencem até certo ponto. A personalidade dos cavaleiros principais é razoavelmente fiel e a animação em computação gráfica, por bem feita, deve ajudar a seduzir gerações mais novas. O melhor é o design das armaduras, modernoso, até mais verossímil em alguns aspectos (sobre fantasia e verossimilhança, leia esta coluna). Além do mais, um menino na fileira à frente pareceu se divertir, e ele deve saber mais de alguma coisa do que eu, que sou um velho.

Porém, insisto, a série a que eu e todas as crianças da minha idade assistimos acumulava todos aqueles significados ao longo das lutas. Sua narrativa era muita vez arrastada e de poucos recursos, mas compunha uma releitura mais poderosa da mitologia grega. Uma última imagem: no filme, os golpes são só energia sendo descarregada. Na série, mesmo que o "meteoro de Pégaso" apareça como vários pequenos globos de força, são de fato as mãos do cavaleiro usadas com tremenda rapidez. Isto é: o poder se enraíza no humano, na habilidade humana. Não existe nada de inexplicável, melhor, o inexplicável é alcançável - e só pelo empenho.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope' de Duanne Ribeiro
02. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
03. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
04. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo
05. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade de Marilia Mota Silva


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014
05. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOTÂNICA - 9ª EDIÇÃO
WALDEMIRO POTSCH
FAHXP
(1964)
R$ 7,00



TRATADO DE QUIROLOGIA MÉDICA
KRUMM HELLER
ROSACRUCIANA
(1950)
R$ 50,00



BR-050 COLEÇÃO CAMINHOS DO BRASIL A ESTRADA DE ANHANGUERA
KAREN CAMACHO; MARCELO MAZURAS
MINISTÉRIO DA CULTURA
R$ 139,00



CRIAÇÃO EM DEBATE
CLAUDIA AMIGO PINO
HUMANITAS
(2007)
R$ 25,00
+ frete grátis



MANDALAS PARA CRIANÇAS
MARIE PRÉ
VERGARA & RIBA
(2007)
R$ 14,79



VYGOTSKY E BAKHTIN - PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO
MARIA TERESA DE ASSUNÇÃO FREITAS
ÁTICA
(2002)
R$ 30,00



O CONGRESSO DOS ESTADOS UNIDOS
GERALD W. JOHNSON
RECORD
(1964)
R$ 7,00



INTRODUÇÃO AO MÉTODO TEOLÓGICO
JARED WICKS
LOYOLA
(1999)
R$ 20,00



TÁ GRAVANDO. E AGORA?
KÉFERA BUCHMANN
PARALELA
(2016)
R$ 9,00



PARIS UMA AGENDA DOS BONS ENDEREÇOS
BETH VANZOLINI DE PAULA MACHADO
EDIOURO
(1998)
R$ 8,75





busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês