Eu quero é rosetar | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
44135 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Curso de redação retorna a Universidade do Livro com foco na objetividade do texto
>>> Editora Unesp promove evento em homenagem à historiadora Emília Viotti da Costa
>>> Sarau recebe o livro "Dormindo no verbo"
>>> GABRIELZINHO DO IRAJÁ SE APRESENTA NO PAGODE DO ARRUDA & GUINÉ
>>> Caminhos da Reportagem investiga a história da tatuagem nesta quinta (5)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nunca fomos tão vulgares
>>> Submissão, oportuno, mas não perene
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
>>> O suicídio na literatura
>>> 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton
>>> E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez
Colunistas
Últimos Posts
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
Últimos Posts
>>> Maternidade
>>> o zum zum continua...
>>> Improvável amor de São João
>>> O Samba da minha Terra
>>> Mão Inglesa
>>> A eterna valsa dos amantes
>>> Oficina em Belém em abril
>>> Assistindo ao Super-Homem com a Catarina
>>> Pedras que abrem caminhos
>>> -Habemus tocha....
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um outro mundo
>>> Um Bonde Chamado Desejo
>>> Tristezas tropicais
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
>>> A Farsa de 2012
>>> Os filmes mais significativos da década
>>> Partimpim 2, de Adriana Calcanhotto
>>> O suicídio na literatura
>>> Um estranho incidente literário
>>> Teste-se a si mesmo
Mais Recentes
>>> Passaporte Para a Vida
>>> Nunca Desista dos Seus Sonhos
>>> Controle Seu Estresse
>>> Vá Mais Longe
>>> Proteja Sua Emoção
>>> Sonhos e Disciplinas
>>> Antes do Baile Verde
>>> O QUE VOCÊ DIZ DEPOIS DE DIZER OLÁ?- A psicologia do destino
>>> A ARTE CAVALHEIRESCA DO ARQUEIRO ZEN
>>> O KITSCH- A arte da felicidade
>>> O que é pós- moderno.
>>> O CÓDIGO de DEUS- o segredo do nosso passado, a promessa do nosso futuro
>>> O ESPÍRITO DA POLÍTICA -HOMO POLITICUS
>>> A ETERNA PRIVAÇÃO DO ZAGUEIRO ABSOLUTO- as melhores crônicas de futebol, cinema e literatura
>>> GESTALT-TERAPIA- Teorias, Técnicas e Aplicações
>>> Que imagem de Deus é você?- O eneagrama potencializando a espiritualidade
>>> ORTEGA Y GASSET- a aventura da razão
>>> A corte de Portugal no Brasil
>>> O ouro brasileiro e o comércio anglo-português
>>> Rinha de Gatos. Madri 1936
>>> Foi alguma coisa que você comeu?
>>> O recurso
>>> DO PAU BRASIL À ANTROPOFAGIA E ÀS UTOPIAS- Manifestos, teses de concursos e ensaios
>>> MIMESIS-A REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE NA LITERATURA OCIDENTAL
>>> ERA DOS EXTREMOS- O breve século XX 1914-1991
>>> DICIONÁRIO ESCOLAR DA LÍNGUA PORTUGUESA- com a nova ortografia
>>> HENRI BERGSON
>>> O SEGREDO LIVRO DA GRATIDÃO
>>> FREUD conflito e cultura- ensaios sobre sua vida, obra e legados
>>> O GRITO PRIMAL- TERAPIA PRIMAL- A CURA DAS NEUROSES
>>> PROFUNDA SIMPLICIDADE- Uma Nova Consciência do Eu Interior
>>> Desembarcando o Sedentarismo
>>> NÃO PERDOE CEDO DEMAIS- estendendo as duas mãos que curam
>>> CURSO ADIANTADO DE FILOSOFIA YOGUE
>>> O DUPLO CHAMAMENTO- O Declínio e a Restauração do Testemunho de Deus
>>> NOVA GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA uma comunicação interativa
>>> A FILOSOFIA PAGÃ- Do século VI a.C ao século III d.C- Volume 1
>>> A HISTÓRIA DO NASCIMENTO DE MARIA- PROTO EVANGELHO DE TIAGO
>>> O FIM DOS EMPREGOS- O declínio inevitável dos Níveis dos empregosea Redução da Força Global de Trabalho
>>> Marxisme et theorie de la personnalité
>>> REVIVAL
>>> MR MERCEDES
>>> COMO EU ERA ANTES DE VOCE
>>> DE VOLTA AO JOGO
>>> A Louca de Maigret
>>> O Burgomestre de Furnes
>>> Maigret e o Ministro
>>> A Fuga do Sr.Monde
>>> Maigret e o Corpo Sem Cabeça
>>> Mulher no Escuro
COLUNAS >>> Especial Carnaval

Terça-feira, 12/2/2002
Eu quero é rosetar
Bruno Garschagen

+ de 5400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Todo carnaval é a mesma chatice. Se não fosse o feriadão a nos livrar do flagelo bíblico que é o trabalho, esta época do ano não passaria da modorrenta e tradicional comemoração dos bárbaros. Haja álcool e charuto para agüentar desfile de escola de samba na tevê, a turma do funk explodindo os alto-falantes dos carros, musica de axé (seja lá o que isso signifique) e falsos sorrisos de satisfação.

Aliás, não há nada que represente tão bem a felicidade do que o canibal, digo, carnaval brasileiro. É aquela festança toda, neguinho gastando os tubos, soltando cheque pré-datado aos quatro cantos — que nunca serão cobertos ou, se cobertos, babau o bife da semana —, gargalhando no maior nível possível de decibéis para disputar com o trio elétrico, enfim, aquele rompante de alegria com prazo de validade: a quarta-feira de cinzas, que não poderia ter recebido um nome melhor.

Por isso considero Aristóteles um grande sujeito. Dizia que ao ser humano é muito melhor o bem-estar, pela constância do sentimento de prazer, do que a felicidade, composta de fagulhas breves e pequenas cócegas.

Desde criança ouço a tal previsão, exata como matemática, de que o ano só começa depois do carnaval. Nunca falha. Isso nos leva a uma outra previsão altamente temerosa e praticamente infalível, como a de que terminando fevereiro, inexoravelmente, entraremos sem pudor no mês de março: quem precisar de alguma coisa em 2002 vai ter que se mudar para o Japão. Porque, depois da festa, o país envereda pelo estresse da Copa do Mundo (com esses “craques” e o tal de Chimarrão, haja Lexotan) e, em seguida, na curiosa torcida nas eleições: que venha o menos pior (essa frase em espanhol deve soar bem pacas).

Para não ser tão rabugento — e, nesse caso, seria absolutamente indispensável — o bacanal, digo carnaval, além dos dias de ócio contemplativo, suscita belas imagens. A simbiose de calor, música frenética (e inaudível), dança e álcool, libera as mulheres de todos os pruridos. Pecado capital? Só em marchinha de carnaval. A turma feminina sai às ruas com algumas tiras de tecido e tornam qualquer ambiente mais agradável... e quente!

Deixemos esses comentários de lado, para não cair no machismo barato — vala em que todos os homens, não raro, caem ao tentar descrever a libido. Já que escrevi sobre marchinha de carnaval e, aproveitando o aniversário de morte do Francis (gostaria de saber quem foi o mágico que inventou essa comemoração funesta), sinto saudades do tempo em que aquelas musiquinhas eram cantadas nas ruas. Bem, sentir falta é uma figura de linguagem barata, porque dos anos 30 aos 60 eu nem pretendia entrar neste mundo de desejos ilimitados para realizações limitadas (com a devida licença de meu caro Schopenhauer). É uma saudade desencarnada, creio. Sabe, aquele papo de ter vivido em outras épocas e encarnado nesta atual. Se for verdade, acho que vivi, pelo menos, na Europa Iluminista e nos anos 30 nos EUA. Sinto como se tivesse passeado na companhia de Voltaire e de ter bebido horrores com a tropa do Hotel Algonquin. A brasileirada se esbaldando no carnaval e este pretensioso signatário feliz até o último gole de uísque na prosa com Edna Saint Vincent Milay, Dorothy Parker, Edmund Wilson, John dos Passos. Ah!, se Paris era uma festa os EUA daquela década eram um desbunde!

Muito embora a mente viaje sem visto, não devo esquecer da condição de estar preso ao presente "in real time". O que significa dizer que quando este texto for lido meu presente já será passado por culpa da ampulheta e o leitor estará num futuro próximo — o que, quase equivale a uma nova dimensão espaço-temporal, sacaram? Espero, pois não tenho condições de elaborar certas explicações.

Se vocês nada entenderam de minha análise sobre o carnaval, não esquentem, porque eu me perdi no segundo parágrafo. E, para encerrar de forma triunfal meu arrazoado, me vem à cabeça uma música que nem é da festa popular, mas o refrão é um primor de originalidade: "não me importa que a mula manque/ o que eu quero é rosetar".

Para não dizer que...

Uma situação interessante do carnaval de rua é a mudança que vem ocorrendo no perfil da festa nas últimas décadas. Se antes a folia tinha um caráter eminentemente popular, a onda agora é ficar com a patota isolado do populacho pelas cordas dos blocos ou nos camarotes.

...não falei das flores

Em Salvador (BA) os blocos ganham horrores encarcerando a classe média e os novos ricos (os velhos também) nos abadás — aquela roupinha ridícula que identifica quem pagou. O único trio famoso que continua tocando para o baixo clero é o de Armandinho, Dodô e Osmar. Com patrocínio da prefeitura (sempre na última hora), o trio dos irmãos filhos do falecido Osmar tenta manter a festa popular. O resto vai na base do "farinha muita meu pirão vem com acarajé".

De qualquer forma, não suporto os trios nem a turma que vai atrás deles. É preferível ser um morto (não Caetano Veloso?) a um moribundo que vai atrás do caminhão amplificado. E tenho dito.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 12/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges
02. Sultão & Bonifácio, parte IV de Guilherme Pontes Coelho
03. Umas armadilhas suaves de Ana Elisa Ribeiro
04. Superdeuses, de Grant Morrison de Gian Danton
05. Serge Daney: o cinema como espelho de Humberto Pereira da Silva


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


Mais Especial Carnaval
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2002
13h09min
São incríveis e verdadeiras todas estas palavras. Parabéns pela "coragem" de escrever este texto!
[Leia outros Comentários de Clóvis Hostin]
6/3/2002
10h22min
Carnaval, festa da carne-seca, da carne-de-sol, da canícula, da canelada e do pincel, na acepção oriental da palavra. Claridade: No carnaval os machos que se vestem de mulher.Gostei muito escutar Cristina Buarque cantando Wilson Batista, de escutar Nelson Sargento, Nei Lopes e Olívia cantando Araci de Almeida, através dos seus discos - foram antídotos para o festival de sons pasteurizados, ruins mesmo, que a televisão expelia. Carnaval de camarote, festa do rosbife. Gosto mesmo é de uma cachacinha... Parabéns pelo texto, Bruno... (Galdino)
[Leia outros Comentários de Galdino Moreira Neto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FALSA RELIGIÃO E A AMIZADE ENGANADORA- O LIVRO DE JÓ
LUIZ ALEXANDRE SOLANO ROSSI
PAULUS
(2005)



THE GREAT WAVE - GILDED AGE MISFITS, JAPANESE ECCENTRICS AND THE OPENING OF OLD JAPAN
CHRISTOPHER BENFEY
RANDOM HOUSE
(2003)



SUSHI
MARIAN KEYES
BERTRAND BRASIL
(2007)



ADFP: CEGUEIRA OU LUCIDEZ DO CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE?
VALÉRIA RIBAS DO NASCIMENTO
LTR
(2006)



MOXOTÓ BRABO
ULYSSES LINS DE ALBUQUERQUE
CEPE
(2012)



I CHING: O LIVRO DAS MUTAÇÕES
JUAN ECHENIQUE PÉRSICO
MELHORAMENTOS
(2015)



O CÉREBRO DESCONHECIDO
HÉLION PÓVOA
OBJETIVA
(2002)



REALIDAD Y JUEGO
WINNICOT,D.W.
GRANICA
(1972)
+ frete grátis



VIENA NO TEMPO DE MOZART E DE SCHUBERT
MARCEL BRION
COMPANHIA DAS LETRAS
(1991)
+ frete grátis



REBELDES E CONTESTADOREES
MARCO AURÉLIO GARCIA E MARIA ALICE VIEIRA (ORGS.)
PERSEU ABRAMO
(2008)
+ frete grátis





busca | avançada
44135 visitas/dia
1,1 milhão/mês