Eu quero é rosetar | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
65765 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Orquestra de Câmara da USP convida violinista Cármelo de Los Santos, Tomie Ohtake, 02/09, 21h
>>> Brasilianas.org recebe o Ministro da Educação Renato Janine Ribeiro
>>> Partituras lança ferramenta de manipulação de áudio para episódio especial
>>> Papo de Mãe discute o fenômeno da "geração ganguru" na TV Brasil
>>> Michel Melamed fala sobre filme rodado em Nova York neste sábado (29) na TV Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pantanal
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
>>> Fake-Fuck-Fotos do Face
>>> Silêncio
>>> Dando conta de Minas
>>> Em noite de lua azul
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> O testemunho de Bernanos
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> 16 de Agosto
>>> Elvis 2015
>>> Eugênio Christi
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> Monica Cotrim
>>> Solange Rebuzzi
>>> Aden Leonardo Camargos
>>> Helena Seger
>>> Camila Oliveira Santos
>>> Cassionei Niches Petry
Últimos Posts
>>> DÍZIMA PERIÓDICA
>>> Um poeta e três esposas
>>> Um poeta e três esposas
>>> Continuísmo - A Praga Maior
>>> É para ter medo de Virginia Woolf
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Monumento a Noël Rosa
>>> SUPERLUA
>>> A grandiosa máquina em busca do êxito
>>> Trilogia de um texto só
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O dia em que traduzi Renato Russo
>>> Música Folclórica: Bahia Singular e Plural
>>> 50 Contos e 3 Novelas de Sérgio Sant'Anna
>>> O caminho rumo ao som e a fúria
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> Hoje a festa é nossa
>>> Babenco traz sua visão do país Carandiru
>>> O fundamentalismo headbanger
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Um thriller desengonçado: A máscara de Atreu
Mais Recentes
>>> DIÁRIO ÍNTIMO e PENSAMENTOS - NOBEL DE LITERATURA DE 1901
>>> INTERESSES CRIADOS e ROSAS DE OUTONO - NOBEL DE LITERATURA DE 1922
>>> MANCHA QUE LIMPA - NOBEL DE LIETARATURA DE 1904
>>> MIRÉIA
>>> HISTÓRIA MODERNA DOS ESTADOS UNIDOS - 3 VOLs.
>>> OS SERTÕES - 3 volS.
>>> Uma mesa no deserto
>>> O LIVRO DE ENOCH - O LIVRO DAS ORIGENS DA CABALA
>>> Realidad y Juego
>>> O Visconde Que Me Amava
>>> Os Evangelhos: Jesus Cristo
>>> MBA Curso Prático de Marketing
>>> Freakonomics o lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta
>>> 1001 dicas e conselhos úteis para melhor usar seu computador: um guia práticopara aproveitar todas as possibilidades do seu PC e da internet
>>> Nadando para o século XXI
>>> O amor é mais um labirinto
>>> O Barroco no Brasil
>>> Evandro Carneiro Esculturas
>>> Stores of the year / 7
>>> Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal
>>> Jogos sem Regras Game Without Rules
>>> Santiago de Compostela Os 8 portais do caminhos
>>> Museu Imperial
>>> Spanish Style
>>> Candido Portinari 1903-1962
>>> Larousse Encyclopedia of Byzantine and Medieval Art
>>> A América Latina de colonização espanhola
>>> Leilão de novembro de 2006 Pequena História da Arte Moderna e Cont...
>>> Educando os educadores em turismo: manual de educação em Turismo e Hospitalidade
>>> Exposição Vista Alegre Porcelana Portuguesa testemunho da História
>>> A pintura depois do quadro
>>> O ADVOGADO
>>> O CORRETOR
>>> O RELATÓRIO DA CIA - COMO SERÁ O MUNDO EM 2020
>>> À ESPERA DE UM MILAGRE
>>> O FIM DA INFÂNCIA
>>> MERLIM, O MAGO
>>> AS PROFECIAS MAIAS
>>> A VERDADE SOBRE OS INCAS
>>> HISTÓRIA DA AMÉRICA LATINA - VOL. 1 - AMÉRICA LATINA COLONIAL
>>> APRENDER ANTROPOLOGIA
>>> CURSO DE FILOSOFIA - VOL 2
>>> CURSO DE FILOSOFIA - VOL. 1
>>> OLIVRO DAS RELIGIÕES
>>> O IMPÉRIO AMERICANO -HEGEMONIA OU SOBREVIVÊNCIA
>>> HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA
>>> HISTÓRIA MEDIEVAL DA PENINSULA IBÉRICA
>>> HISTÓRIA E VERDADE
>>> O ENIGMA DOS MAIAS
>>> INTRODUÇÃO À HISTÓRIA COMTEPORÂNEA
COLUNAS >>> Especial Carnaval

Terça-feira, 12/2/2002
Eu quero é rosetar
Bruno Garschagen

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Todo carnaval é a mesma chatice. Se não fosse o feriadão a nos livrar do flagelo bíblico que é o trabalho, esta época do ano não passaria da modorrenta e tradicional comemoração dos bárbaros. Haja álcool e charuto para agüentar desfile de escola de samba na tevê, a turma do funk explodindo os alto-falantes dos carros, musica de axé (seja lá o que isso signifique) e falsos sorrisos de satisfação.

Aliás, não há nada que represente tão bem a felicidade do que o canibal, digo, carnaval brasileiro. É aquela festança toda, neguinho gastando os tubos, soltando cheque pré-datado aos quatro cantos — que nunca serão cobertos ou, se cobertos, babau o bife da semana —, gargalhando no maior nível possível de decibéis para disputar com o trio elétrico, enfim, aquele rompante de alegria com prazo de validade: a quarta-feira de cinzas, que não poderia ter recebido um nome melhor.

Por isso considero Aristóteles um grande sujeito. Dizia que ao ser humano é muito melhor o bem-estar, pela constância do sentimento de prazer, do que a felicidade, composta de fagulhas breves e pequenas cócegas.

Desde criança ouço a tal previsão, exata como matemática, de que o ano só começa depois do carnaval. Nunca falha. Isso nos leva a uma outra previsão altamente temerosa e praticamente infalível, como a de que terminando fevereiro, inexoravelmente, entraremos sem pudor no mês de março: quem precisar de alguma coisa em 2002 vai ter que se mudar para o Japão. Porque, depois da festa, o país envereda pelo estresse da Copa do Mundo (com esses “craques” e o tal de Chimarrão, haja Lexotan) e, em seguida, na curiosa torcida nas eleições: que venha o menos pior (essa frase em espanhol deve soar bem pacas).

Para não ser tão rabugento — e, nesse caso, seria absolutamente indispensável — o bacanal, digo carnaval, além dos dias de ócio contemplativo, suscita belas imagens. A simbiose de calor, música frenética (e inaudível), dança e álcool, libera as mulheres de todos os pruridos. Pecado capital? Só em marchinha de carnaval. A turma feminina sai às ruas com algumas tiras de tecido e tornam qualquer ambiente mais agradável... e quente!

Deixemos esses comentários de lado, para não cair no machismo barato — vala em que todos os homens, não raro, caem ao tentar descrever a libido. Já que escrevi sobre marchinha de carnaval e, aproveitando o aniversário de morte do Francis (gostaria de saber quem foi o mágico que inventou essa comemoração funesta), sinto saudades do tempo em que aquelas musiquinhas eram cantadas nas ruas. Bem, sentir falta é uma figura de linguagem barata, porque dos anos 30 aos 60 eu nem pretendia entrar neste mundo de desejos ilimitados para realizações limitadas (com a devida licença de meu caro Schopenhauer). É uma saudade desencarnada, creio. Sabe, aquele papo de ter vivido em outras épocas e encarnado nesta atual. Se for verdade, acho que vivi, pelo menos, na Europa Iluminista e nos anos 30 nos EUA. Sinto como se tivesse passeado na companhia de Voltaire e de ter bebido horrores com a tropa do Hotel Algonquin. A brasileirada se esbaldando no carnaval e este pretensioso signatário feliz até o último gole de uísque na prosa com Edna Saint Vincent Milay, Dorothy Parker, Edmund Wilson, John dos Passos. Ah!, se Paris era uma festa os EUA daquela década eram um desbunde!

Muito embora a mente viaje sem visto, não devo esquecer da condição de estar preso ao presente "in real time". O que significa dizer que quando este texto for lido meu presente já será passado por culpa da ampulheta e o leitor estará num futuro próximo — o que, quase equivale a uma nova dimensão espaço-temporal, sacaram? Espero, pois não tenho condições de elaborar certas explicações.

Se vocês nada entenderam de minha análise sobre o carnaval, não esquentem, porque eu me perdi no segundo parágrafo. E, para encerrar de forma triunfal meu arrazoado, me vem à cabeça uma música que nem é da festa popular, mas o refrão é um primor de originalidade: "não me importa que a mula manque/ o que eu quero é rosetar".

Para não dizer que...

Uma situação interessante do carnaval de rua é a mudança que vem ocorrendo no perfil da festa nas últimas décadas. Se antes a folia tinha um caráter eminentemente popular, a onda agora é ficar com a patota isolado do populacho pelas cordas dos blocos ou nos camarotes.

...não falei das flores

Em Salvador (BA) os blocos ganham horrores encarcerando a classe média e os novos ricos (os velhos também) nos abadás — aquela roupinha ridícula que identifica quem pagou. O único trio famoso que continua tocando para o baixo clero é o de Armandinho, Dodô e Osmar. Com patrocínio da prefeitura (sempre na última hora), o trio dos irmãos filhos do falecido Osmar tenta manter a festa popular. O resto vai na base do "farinha muita meu pirão vem com acarajé".

De qualquer forma, não suporto os trios nem a turma que vai atrás deles. É preferível ser um morto (não Caetano Veloso?) a um moribundo que vai atrás do caminhão amplificado. E tenho dito.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 12/2/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
02. Dando conta de Minas de Marta Barcellos
03. Influências da década de 1980 de Guilherme Carvalhal
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti
05. O cão da meia-noite de Gian Danton


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


Mais Especial Carnaval
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2002
13h09min
São incríveis e verdadeiras todas estas palavras. Parabéns pela "coragem" de escrever este texto!
[Leia outros Comentários de Clóvis Hostin]
6/3/2002
10h22min
Carnaval, festa da carne-seca, da carne-de-sol, da canícula, da canelada e do pincel, na acepção oriental da palavra. Claridade: No carnaval os machos que se vestem de mulher.Gostei muito escutar Cristina Buarque cantando Wilson Batista, de escutar Nelson Sargento, Nei Lopes e Olívia cantando Araci de Almeida, através dos seus discos - foram antídotos para o festival de sons pasteurizados, ruins mesmo, que a televisão expelia. Carnaval de camarote, festa do rosbife. Gosto mesmo é de uma cachacinha... Parabéns pelo texto, Bruno... (Galdino)
[Leia outros Comentários de Galdino Moreira Neto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


CULTURA BRASILEIRA - UTOPIA E MASSIFICAÇÃO
MARCOS NAPOLITANO

De R$ 25,10
Por R$ 12,55
50% off
+ frete grátis



SARTORIS
FAULKNER, WILLIAM

De R$ 79,00
Por R$ 39,50
50% off
+ frete grátis



O DIA D - 6 DE JUNHO DE 1944
STEPHEN E. AMBROSE

De R$ 79,00
Por R$ 39,50
50% off
+ frete grátis



POIS É
PAULO RONAI

De R$ 39,00
Por R$ 19,50
50% off
+ frete grátis



SITUACOES I
SARTRE, JEAN PAUL

De R$ 75,00
Por R$ 37,50
50% off
+ frete grátis



A CONQUISTA DE RIO BRANCO MOVIMENTOS COMUNITÁRIOS E DIREITOS HUMANOS
DANIEL DA SILVA KLEIN

De R$ 30,00
Por R$ 15,00
50% off
+ frete grátis



ECLIPSE - CAPA DO FILME
STEPHENIE MEYER

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



MENINO PERPLEXO
ISRAEL MENDES

De R$ 23,00
Por R$ 11,50
50% off
+ frete grátis



RECEITAS SABOROSAS - MASSAS
ANDRÉ BOCCATO

De R$ 69,00
Por R$ 34,50
50% off
+ frete grátis



ROSÁLIA ROSEIRAL
MARIA GUIMARÃES SAMPAIO

De R$ 48,00
Por R$ 24,00
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
65765 visitas/dia
1,5 milhão/mês