Zizitinho Foi Para o Céu | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
>>> E Benício criou a mulher...
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
Mais Recentes
>>> Nevernight - A Sombra Do Corvo 01 - Crônicas Da Quasinoite
>>> Casa Das Fúrias
>>> Quase 1000 Absurdos De Todos Os Tempos
>>> 1000 Curiosidades Olímpicas Que Todo Recordista Deveria Saber
>>> Quase 1000 Dados Nojentos Para Saber Que Este Mundo É Imundo
>>> 1000 Curiosidades Do Mundo Da Bola - Que Todo Craque Deveria Saber
>>> 1000 Curiosidades Insólitas
>>> 1000 Coisas Inúteis Que Um Garoto Deveria Saber Antes De Crescer
>>> Tríade Deutsch Perfekt - revistas
>>> Os Terceiros 2000 anos
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
>>> Criando filhos ( o modo de Deus )
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
COLUNAS

Quarta-feira, 10/6/2015
Zizitinho Foi Para o Céu
Marilia Mota Silva

+ de 1900 Acessos

Era de se esperar, ele já estava velho, já quase não dançava, nem quando cantávamos ai ai ai ai, está chegando a hora, ou Trem das Onze, as preferidas dele. Não que fosse um grande dançarino, seu repertório era modesto: andava de lado, dois, três passinhos, ida e volta, ou mergulhava a cabeça e reerguia depressa, o pescocinho obliquo, seguindo o ritmo, as garras firmes no poleiro.

Não era muito falador mas se comunicava: Batia o bico na treliça da gaiola e fazia um escarcéu danado quando alguém chegava em casa e não ia falar com ele. Em dias mais rebeldes, jogava sementes no chão, ou fingia indiferença, camuflado no seu cobertorzinho de pelúcia verde-mato. Solteirão, ranzinza, afetuoso, apreciador de música e de festa, tinha nascido em cativeiro e o mais longe que ousava, com a gaiola aberta, era o ombro ou a cabeça de alguém próximo. Ou o chão, o que era um perigo, porque seria fácil pisar inadvertidamente naquele feixezinho de penas verdes.

Um dia, no café da manhã, Theo, sete anos, foi levar um pedaço de fruta para ele e voltou dizendo que Zizitinho estava dormindo numa posição esquisita: no piso da gaiola, as perninhas pra cima. Foi uma correria, uma choradeira!

Seguiu-se o inevitável, os rituais do enterro, a caixa de sapato enfeitada com mensagens e desenhos das crianças, Zizitinho aconchegado na pelúcia verde, ao lado, seu espelho, seus brinquedos; a cova esperando ao pé da macieira.

Mas o caçula dos irmãos, inconsolável, tentava interromper o ritual estranho:

- Quedê o Zizitinho? - perguntava, tocando o montinho frio de penas. - Onde ele foi?

Onde foi a vida que existia nele? A pergunta que com todo o avanço da ciência não sabemos responder.

- Zizitinho foi para o céu, - disse o pai.

A mãe e os irmãos vieram em seu socorro: - Ele está muito feliz, foi encontrar a família dele! E, aos poucos, surgiu um céu em tons de azul e verde, com árvores, crianças, água de riacho e música, naturalmente.

Como viver sem mitos? Mesmo que um dia todas religiões e crenças fossem abolidas pelo bem da humanidade, eles renasceriam cada vez que nascesse uma criança. E não seria apenas porque precisamos de criar histórias para responder às perguntas que não tem resposta. É porque que o sublime faz parte de nós, a intuição da beleza, da harmonia.

Nem o mais tranquilo dos ateus está imune à transcendência, nem que seja sob a forma de pensamento mágico. Nietzsche, que famosamente declarou a morte de Deus e influenciou meio mundo com sua filosofia, escreveu a sua amiga Malwida von Meysenbug, em 1877: Como vim parar em Lugano? Realmente eu não queria vir para cá, mas é onde estou. Quando eu cruzava a fronteira da Suiça, debaixo de uma tempestade, caiu um único raio seguido de um forte trovão. Tomei isso como um bom presságio.

Não há como negar: a magia, os deuses nos habitam. Mesmo que obscuramente, ouvimos em nós, às vezes, um murmúrio de oração, um senso íntimo de deslumbramento, de devoção a um todo que nos acolhe e dá sentido, não importa o nome que lhe damos, Tupã, Zeus, natureza, amor divino. Faz parte de nossos genes, tanto quanto nossas misérias.

No entanto, temos negado esse nosso lado há muito tempo. As ideologias que dominaram o século passado e ainda nos dominam, o consumismo, o materialismo, com liberdade ou sob opressão totalitária, deixam à míngua nossas necessidades e recursos espirituais.

E onde isso nos trouxe? À banalidade, ao vazio, ao aumento do consumo de drogas legais e ilegais, ao aumento da violência. Nossos valores hoje são a ganância, o egoísmo, a desonestidade, a mentira sistemática, o enriquecimento ilícito, a exploração dos que trabalham em benefício dos que se locupletam, a perda de confiança nas instituições, a truculência como norma social.Todos os sistemas de governo e organização social dão sinais de esgotamento.

É um momento crítico esse que atravessamos, e por isso mesmo, um momento carregado de promessas, de energia transformadora; fértil para o surgimento de uma nova filosofia e novas lideranças.


Marilia Mota Silva
Arlington,VA, 10/6/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
02. O testemunho de Bernanos de Celso A. Uequed Pitol
03. A literatura em transe de Marta Barcellos
04. Paixões e baratas de Elisa Andrade Buzzo
05. Um mês depois de Julio Daio Borges


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
02. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
03. Memorial de Berlim - 23/12/2015
04. Pendurados no Pincel - 18/3/2015
05. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SÍMBOLO PERDIDO
DAN BROWN
SEXTANTE
(2009)
R$ 15,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 1
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,00



CIVILIZAÇÃO NORTE AMERICANA - VOLUME 1
MAX LERNER
FUNDO DE CULTURA
(1960)
R$ 8,99



O MANUSCRITO DE UM LOUCO E OUTRAS HISTÓRIAS
CHARLES DICKENS
EDIOURO
(2005)
R$ 19,98



NAS TRILHAS DA CRÍTICA - COLEÇÃO: CRÍTICAS POÉTICAS
MARCEL PROUST
EDUSP
(1994)
R$ 39,99



LEITURA E AUTORIA: PLANEJAMENTO EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA
LUCIENE JULIANO SIMÕES ET AL
EDELBRA
(2012)
R$ 64,90



COURAÇA MUSCULAR DO CARÁTER
JOSÉ ANGELO GAIARSA
AGORA
(1984)
R$ 40,00



OS LUSÍADAS - LUÍS DE CAMÕES (LITERATURA PORTUGUESA)
LUÍS DE CAMÕES
KLICK
R$ 12,00



CRESCIMENTO ECONÔMICO E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA
JACQUES MARCOVITVH
EDUSP
(2007)
R$ 14,02



O FANTÁSTICO MISTÉRIO DE FEIURINHA - PEDRO BANDEIRA (TEATRO PARA CRIANÇAS)
PEDRO BANDEIRA
FTD
(2001)
R$ 7,00





busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês