Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda Silibrina apresenta Jazz brasileiro no Teatro Brincante
>>> Festival Ferrock movimenta a Ceilândia
>>> Dragão7 apresenta-se em Bauru, Lencóis e Garça nos 10 Anos do Circuito Cultural Paulista
>>> Show com grupo Tambora faz um mergulho na obra de compositoras de diversos países da América Latina
>>> Pianista revelação, Juliana D'agostini mostra seu talento no Natal Musical do VillaLobos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Rios inversos
>>> Você pertence a um não lugar
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lula e o Genocídio Negro
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> Souza Dantas, Almoço e Chocolate
>>> Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor
>>> Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor
>>> Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor
>>> Proxxima: primeiro dia
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Ária da Rainha da Noite
>>> Let us protect you in the labyrinth
Mais Recentes
>>> Não Morda A Isca: Como Escapar Da Pornografia
>>> Ensino de Ciencias e Cidadania
>>> Temas Transversais e a Estratégia de Projetos
>>> Sagarana
>>> Justiça e Esperança para Hoje
>>> Atlas Geográfico Escolar
>>> Trocando a Negação pela Graça de Deus
>>> Passagem para o Poético
>>> Atlas Geográfico Melhoramentos
>>> Morri para Viver Meu Submundo de Fama, Drogas e Prostituição
>>> Em Manhattan do terceiro Mundo
>>> Dança do fogo estudo sobre o Desejo
>>> Itinerário Espiritual de Santa Tereza de Ávila
>>> O Demônio e a Sra. Prym
>>> Inimigo Rumor 20
>>> Viena, Guia visual da Folha
>>> A Cura
>>> Pensamento Complexo: suas aplicações à liderança, à aprendizagem e ao desenvolvimento sustentável
>>> Dictionnaire D'Analyse du Discours (1ª ed.)
>>> Defenda seus direitos
>>> O momento da sua virada
>>> Uma Viagem Aos Reinos
>>> Trilha para os Jovens
>>> Titan - O mundo de aventuras fantásticas
>>> Sonhos Lúcidos
>>> Raiva. Seu Bem, Seu Mal
>>> O Shadowdale Vale Das Sombras
>>> O perdedor
>>> O livro secreto da maçonaria
>>> O livro da quituteira
>>> O caso Schreber
>>> O Caminho do mago
>>> Lobisomem O - Apocalipse - Rpg
>>> Livro do Mestre - Advanced Dungeons e Dragons
>>> Gurps. Modulo Básico
>>> Francisco de Assis e Francisco de Roma: Uma Nova Primavera na Igreja
>>> Forgotten Realms 3 Guia De Campanha Para Undermontain
>>> Cinema: O Divã e a Tela
>>> Até os Felizes Sofrem
>>> Assessoria de Imprensa
>>> As Virtudes da Casa
>>> Além do bem e do mal
>>> Aleister Crowley - A Biografia de um Mago
>>> A realização espontânea do desejo
>>> Belo Desastre
>>> Nao deixe para depois o que voce pode fazer agora
>>> Ecos Dos Mortos
>>> O pai sessenta minutos
>>> A Noite dos Quatro Furacões
>>> Caixa de Pássaros
COLUNAS

Terça-feira, 3/11/2015
Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1900 Acessos


Palavra é uma revista editada pelo SESC Literatura em Revista. A revista tem publicado dossiês, ensaios, resenhas, contos, poemas e trabalhos de artes visuais. Além da qualidade de seus textos, a revista é notável em seu trabalho gráfico, apresentando vários formatos para seus ensaios, imagens e poemas, fazendo de cada publicação uma aventura visual.

Nesse sentido, quando a atenção sobre o projeto gráfico é tão importante quanto o conteúdo dos escritos, vale reproduzir trecho do texto "O corpo da linguagem", de Maurício Ianês, publicado no primeiro ensaio da revista desta edição:

"Pensar o corpo, ao se pensar em uma revista, é também pensar o corpo do leitor, em suas ações, nas mãos que folheiam as páginas, no seu toque, nos olhos que percorrem o texto, na performatividade da leitura, na voz que dá vida à matéria impressa. Pensar o corpo, ao se pensar em uma revista, é também pensar no corpo da linguagem, em seus corpos invisíveis, em sua matéria mais crua, em seus silêncios, em seus buracos e seus vazios, suas potências e suas meias palavras, seus pontos finais e espaços, sua matéria gravada em preto e branco."


Na edição de número 6 (2015), a revista traz um dossiê sobre o poeta Armando Freitas Filho, que é o que nos interessa aqui. Seguindo a ordem das páginas, a revista apresenta um artigo de Antonio Cícero, denominado "A poesia de Armando Freitas Filho e a apreensão trágica do mundo"; de Mariana Quadros, um artigo denominado "De corpo presente"; em seguida, a revista apresenta uma biografia sucinta de Armando Freitas Filho, dos idos anos de 1940 até 2015; também aparece uma entrevista que o poeta concedeu a Flavia Tebaldi e Frederico Girauta; após a entrevista, as páginas da revista publicam o longo poema "Suíte para o Rio", de Armando Freitas Filho; na seção "Depoimento" há textos sobre Armando Freitas Filho escritos por Laura Liuzzi, Eduardo Coelho, Eucanaã Ferraz e Mário Alex Rosa.


Como presente para seus leitores a revista ainda publica um encarte com o poema "A flor da pele" (do qual reproduziremos trechos no final do nosso texto), com fotos de Roberto Maia.

No texto de Antonio Cícero, o ensaísta aposta na ideia de que a poesia de Armando tende a uma profunda "apreensão trágica do mundo", consequência de uma poética em que é importante a relação entre vida e poesia. Assim, o ensaísta procura o embate entre Armando Freitas e João Cabral, tema que desenvolverá ao longo do seu texto.

Nesses termos, diz Antonio Cicero, para Armando "o inaceitável é o beletrismo, l´art pour l´art, o poema que não passa de repetição dos antigos artifícios, a negação da sujeira vital e da liberdade da poesia. Paradoxalmente, para salvar a vida do poema, vale até "abrir os pulsos/ as gavetas/ e cortar as veias": figurativamente abrir os pulsos e as veias, isto é, ir até o limite da vida, para que o sangue jorre e corra no próprio poema; abrir as gavetas para o que não passa de rascunho, de experimentação, de risco, passe para o poema."

No ensaio de Mariana Quadros, é a importância do corpo na poesia de Armando Feitas que é o problema a ser discutido. Desde os títulos de suas obras, a nomes de poemas, o corpo sempre foi uma temática clara na obra do poeta. Segundo a ensaísta, na poesia de Armando Freitas "o corpo individual nasce complexo, espécie de inimigo cúmplice a quem o eu é submetido". Para dar continuidade à sua análise, aprofunda a leitura de alguns poemas e os contextos nos quais foram criados. Como na leitura interessante que empreende do poema "A flor da pele", escrito durante a ditadura militar: "o evento que se noticia e, portanto, também o da linguagem em busca de tornar-se permeável para o momento histórico".

No ensaio de Mário Alex Rosa, "A máquina do poema", é a questão da palavra e sua importância ao ser transformada em concretude por Armando Freitas que é o tópico de sua análise. Buscando colar palavra e corpo, corpo da linguagem e corpo da vida, Rosa fala que "palavra e corpo são batalhas enfrentadas" por esse poeta.


Na pequena biografia de Armando Freitas, publicada entre as páginas 48 e 56, há o relato de seu encontro com Manuel Bandeira, que o aconselhou a procurar jovens poetas para comentarem seu primeiro livro "Palavra", conselho que o levou a José Guilherme Merquior que o incentiva a publicar o livro (1963), com capa do artista plástico Rubens Gerchman. Sob impacto do golpe militar, Armando participa junto com Mario Chamie da "Instauração Práxis" até 1975, movimento que estimula o poema engajado, com forte participação política sem abrir mão da dicção renovadora." Após estes anos, busca uma linguagem pessoal, publicando livros como "De corpo presente", "À mão livre", "Longa vida", "3X4", "De cor", "Duplo cego" e outros. Edita ainda, em 1985, o primeiro livro póstumo de sua antiga namorada, a poeta Ana Cristina Cesar, "Inéditos e dispersos". Recebe o prêmio Fundação Biblioteca Nacional por seu livro "Dever", em 2014.

A poesia de Armando Freitas torna-se tema de várias dissertações de mestrado e teses de doutorado, defendidos nas mais importantes universidades do Rio de Janeiro e São Paulo, por pesquisadores como Cristiane Lemos Rodrigues, Marcelo Diniz, Mariana Quadros Pinheiro, Mario Alex Rosa, José Felipe Mendonça da Conceição, André Barbugiani Goldfeder.

Na entrevista que "Palavra" publica, Armando fala da influência que poetas como Drummond e Bandeira tiveram na sua vida. Também fala da sua situação de poeta espremido entre a geração de 45 e os concretos. Sobre a poeta Ana Cristina Cesar e sua obra diz: "cuido da minha morta-viva há mais de 30 anos. Cuido porque ela quis assim. Cuido com raiva por ela ter feito o que fez. Cuido com o amor possível. No contexto brasileiro ela é um dos poetas mais vivos. Ela não parou de viver um minuto sequer".


Sobre seu processo de criação diz: "Sou um escritor trifásico e rápido e um reescritor lento: não é por acaso que gosto da fábula da lebre e da tartaruga". Sobre seus "eixos temáticos", ou temas, como o fazer poético, o tempo, a memória e o corpo, ele os considera "problemas e não temas, questões sempre presentes para quem escreve".

Os outros textos mereceriam um resumo aqui, mas o espaço é pequeno. No entanto, acho imperdível a oportunidade que a revista Palavra nos dá de entrar em contato com um dos mais importantes poetas brasileiros, autor de no mínimo 15 excelentes livros de poesia, o poeta Armando Freitas Filho.

Resumo do poema "Pele", de Armando Freitas Filho.

PELE. [Do lat. Pelle.] 1. Membrana mais ou menos espessa que veste exteriormente o corpo humano na hora da tortura do amor (e de outras torturas), bem como a dos animais vertebrados e de muitos outros seres sem nome ou feitio. 2. Fam. A camada mais externa da pele foi alcançada pela mão do carrasco. 3. Cútis em carne viva, tez: não é bonita, mas tem uma linda pele que eu, aos poucos arranco com carinhos, unhas e fúrias. 4. Pelanca que como e cuspo. 5. Couro que estendo no chão, debaixo dos passos das botas. (...) cair na pele de, com o cassetete em punho e espancar até a morte. Bras. Pop. Zombar ou escarnecer de você algemado no pau-de-arara; gozar! Cortar a pele de. Fazer mal (a alguém); torturar até morrer; tosar a pele de um suposto inimigo. (...).


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
02. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
03. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
04. Os novos filmes de Iñárritu de Guilherme Carvalhal
05. Fui pra Cuba de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
03. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final) - 28/7/2015
04. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015
05. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENEIDA - VIRGÍLIO (LITERATURA LATINA)
VIRGÍLIO
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 18,00



MULHER E LITERATURA
LÚCIA HELENA VIANNA (ORG.)
UFF- ABRALIC
(1992)
R$ 23,90



MIMO - EL ARTE DEL SILENCIO
PETER ROBERTS
TTARTTALO
(1990)
R$ 55,00



REVISTA BRASILEIRA DE ALERGIA E IMUNOPATOLOGIA VOL 18 Nº 2 MARÇ/ABRIL
NÃO INFORMADO
S.B.A.I
(1995)
R$ 3,00



ALÉM DO VÉU E FORA DO ARRAIAL
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(1999)
R$ 6,10



SIMÃO PEDRO E OS PRIMEIROS CRISTÃOS
LÉA CARUSO - ESPÍRITO JOSÉ
IDE
(2015)
R$ 29,15



RESPOSTA A JÓ
C.G. JUNG
VOZES
(1986)
R$ 32,00



LÁGRIMAS DE COMPAIXÃO
PIERRE WEIL
PENSAMENTO
(2005)
R$ 10,80



OS HOMENS E A HERANÇA NO MEDITERRÂNEO
BRAUDEL
MARTINS FONTES
(1988)
R$ 30,00



REVISTA CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA - 1 (CADERNO ESPECIAL)
VÁRIOS
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)
R$ 4,00





busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês