O que não fazer em época de crise | Fabio Gomes | Digestivo Cultural

busca | avançada
40789 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Exposição Olho Cru de Bonga Mac na ALESP
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Chris Cornell
>>> Jano
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 1964-2004: Da televisão à internet - um balanço
>>> Passe Livre no Roda Viva
>>> A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> A Nova Intimidade
>>> Reflexões na fila
>>> Elon Musk
>>> Nossa classe média é culturalmente pobre
>>> Ricardo Aleixo em Sampa
Mais Recentes
>>> Arte da Estratégia
>>> Vivendo, Amando e Aprendendo/Para compreender melhor a vida e o amor
>>> Divâ
>>> O Melhor das Comédias da Vida Privada
>>> Sexo na Cabeça
>>> O Clube dos Anjos
>>> Band of Brothers (Companhia de Heróis)
>>> A Extravagante Dorothy Parker - Biografia
>>> Era uma vez Dom Quixote (adaptação de Agustín Sánchez Aguilar)
>>> Estranhos Estrangeiros
>>> Conte-me seus sonhos
>>> Borges e os orangotangos eternos
>>> A Dona da História
>>> Clube dos Anjos - Gula
>>> O Hobbit
>>> On the road (Pé na estrada)
>>> Terapia
>>> Moreira da Silva - O Último dos Malanddros
>>> Estudo-Vida de Atos Volumes I e II
>>> Ramayana - Poema épico Hindu - William Buck - Livro Rarissimo
>>> O Alcorão - Mansour Challita
>>> Terapia da Regressão - Teorias e tecnicas - Herminia Prado Godoy,Livro Raro
>>> As Varias Vidas da Alma - Roger J. Woolger psicoterapelta junguiano Livro rarissimo!!
>>> Confederação Intergaláctica II - Esoterico
>>> Movida pela Ambição
>>> Leite Derramado
>>> Teatro da Obsessão/Nelson Rodrigues
>>> A Distância entre nós
>>> Quem Sobreviverá?
>>> Centúrias sobre a Caridade e Outros Escritos Espirituais
>>> Teria Deus morrido?
>>> Operação Cavalo 4 De. Troia Nazaré
>>> Photoshop CS para Fotógrafos Digitais
>>> Viagens no Scriptorium
>>> Este Lado do Paraíso
>>> Amor Líquido - Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos
>>> Quinta Avenida, 5 da Manhã - Audrey Hepburn- Bonequinha de Luxo e o Surgimento da Mulher Moderna
>>> La Consolante
>>> Notre-Dame de Paris
>>> A Arte da Guerra
>>> A Sociologia de Norbert Elias
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Cântico dos Cânticos
>>> La femme de trente ans
>>> The Notebook
>>> Foe
>>> Os Versos Satânicos
>>> Terra Sonâmbula
>>> Caim
COLUNAS

Segunda-feira, 7/12/2015
O que não fazer em época de crise
Fabio Gomes

+ de 1300 Acessos

Que o Brasil atravessa uma profunda crise econômica, não é novidade alguma, já há meses os noticiários deixam isto bem claro. Inclusive me surpreendi ao escutar, em pleno mês de setembro, um jingle de Natal tocando no som de uma grande loja de departamentos, em Salvador (ouvi certa vez que, quanto piores as vendas ao longo do ano, mais cedo as lojas canalizam a atenção do consumidor para as compras natalinas, consideradas o ápice do movimento anual). Se o momento é de crise, seria de imaginar as empresas buscassem aproveitar todas as oportunidades para faturarem, certo? Bem, a julgar por uma recente experiência que tive, talvez a resposta a esta pergunta seja "errado".

Vamos aos fatos: no começo de novembro, entrei em contato com diversas gráficas, de vários estados do Brasil, no intuito de solicitar orçamento para impressão de um livro (a obra, prevista para lançamento no primeiro semestre de 2016, dará continuidade a meu projeto As Tias do Marabaixo). Ainda em outubro, sondei alguns profissionais de design para fazerem a diagramação da obra, e imaginei que as pessoas contatadas pudessem me indicar gráficas para eu consultar, o que não se confirmou. O jeito foi eu reservar uma tarde para ir a uma livraria e procurar livros semelhantes ao que eu pretendo fazer, anotando então os nomes das gráficas onde eles foram impressos. Juntando essas informações com mais algumas indicações recebidas de amigos, cheguei então a uma lista de 11 empresas, cujo nome fui jogando no Google visando encontrar o site de cada uma.

Nessa etapa, a lista já reduziu um pouco, seja porque algumas empresas já haviam saído do mercado (o que pode ser considerado natural, afinal uma livraria não é uma banca de revistas, onde só há publicações do mês atual; os livros que encontrei foram publicados em diversos momentos ao longo dos últimos 10 anos), seja porque algumas delas não tinham site ou mesmo algum contato localizável, fosse e-mail, fosse telefone.

Enviei e-mail para todas as 8 empresas que sobraram na lista. Apenas 4 me responderam. Uma somente para informar que só trabalha com tiragens superiores a 20 mil exemplares. Outra indicou uma página em seu site onde eu poderia fazer a cotação e o pedido e até mesmo enviar o arquivo com a arte do livro - um tanto quanto impessoal, é verdade, mas bem fácil de operar, salvo a questão de excesso de termos técnicos que quem não é da área não domina (afinal, ninguém é obrigado a saber o que significa uma capa 4/0 ou um acabamento PUR). A mesma questão aparecia nas mensagens das outras duas gráficas, a quem então solicitei a 'tradução' dos termos, consultando ainda a designer que fará a arte e cheguei então ao seguinte impasse: as duas empresas ofereciam, no geral, condições, prazos e valores semelhantes; a distância entre a cidade onde cada uma delas está situada e Macapá (informação fundamental para o cálculo do frete) também era quase idêntica, de modo que o desempate se deu por um detalhe, justamente o já citado acabamento PUR (que nada mais é que uma cola resistente para evitar que as folhas do livro se soltem); uma das gráficas não aceita fazer o acabamento PUR para a tiragem que eu pretendo (1.000 exemplares), trabalhando apenas com costura de linha. Como a designer me assegurou que o PUR é melhor, escrevi então para as duas empresas que ainda estavam no páreo: à que oferece o acabamento PUR, informei que ela foi a escolhida por mim; à outra, agradeci a atenção dispensada e informei o motivo de ter escolhido a outra empresa.

Qual não foi minha surpresa em receber, no dia seguinte, uma resposta da empresa preterida, agradecendo minha informação, não sem também dar uma alfinetada na minha designer, dizendo que ela "parece não entender nada de gráfica", pois na concepção de quem respondeu, costura de linha é melhor que PUR.

Creio não ser necessário dizer que, em situação de crise ou não, tal manifestação é completamente equivocada - ou alguém pode acreditar que desqualificar a profissional que eu selecionei irá fazer com que eu resolva mudar o local onde irei imprimir meu livro, optando justamente por quem assim se posicionou?

Mas enfim, afora esta postura indefensável, duas coisas me preocupam no conjunto dos fatos relatados, ainda mais se considerarmos que vivemos um momento de crise:

1) a insistência em usar termos técnicos que só quem trabalha na área conhece. Por que criar essa barreira com um possível cliente? Por que já não explicar logo ao que a gráfica está se referindo?

2) mas, muito pior, é a pura e simples ausência de resposta. Enquanto quatro empresas contatadas responderam, nem que fosse para dizer que não poderiam me atender, outras quatro ignoraram solenemente uma mensagem na qual eu solicitava um orçamento; ou seja, em última análise eu estava oferecendo dinheiro a estas empresas, em troca de um serviço que elas poderiam me prestar - caso, claro, ao menos respondessem a mensagem.

Atitudes como ignorar um contato do consumidor, não facilitar a comunicação com ele ou mesmo desqualificar seus parceiros evidentemente não são recomendáveis em qualquer conjuntura, mas em período de crise me parecem se assemelhar a um tiro no pé.



Fabio Gomes
Macapá, 7/12/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
02. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
03. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
04. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
05. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry


Mais Fabio Gomes
Mais Acessadas de Fabio Gomes
01. Etapas em combustão - 18/4/2016
02. Longa vida à fotografia - 20/2/2017
03. Eu blogo, tu blogas? - 4/7/2016
04. Em 2016, pare de dizer que você tem problemas - 11/1/2016
05. Você sabe quem escreveu seu show preferido? - 21/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CRIME NOSSO DE CADA DIA
GEVAN DE ALMEIDA
IMPETUS
(2004)
R$ 38,00



CIÊNCIA & VIDA - PSIQUE - 13
VÁRIOS
ESCALA
(2007)
R$ 6,50



MELHOR HISTORIA ESTÁ POR VIR
MARIA DUENAS
PLANETA
(2014)
R$ 14,00



EM BUSCA DA BRASILIDADE - TEATRO BRASILEIRO NA PRIMEIRA REPÚBLICA
CLAUDIA BRAGA
PERSPECTIVA
(2003)
R$ 19,00



A MEDICINA TEM CURA?
WILSON LUIZ SANVITO
ATHENEU
(1994)
R$ 14,50



FOCUS ON ENGLISH AND AMERICAN LITERATURE
KENNETH BRODEY / FABIO MALGARETTI
MODERN LANGUAGES
(2002)
R$ 120,00



TENTAÇÃO SEM LIMITES
ABBI GLINES
ARQUEIRO
(2014)
R$ 20,00



DISCURSO DO MÉTODO
RENÉ DESCARTES
MARTINS FONTES
(2016)
R$ 15,40



AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE VIVENCIAM
DOROTHY LAW NOLTE - RACHEL HARRIS
SEXTANTE
(2009)
R$ 5,00



TEATRO GREGO: TRAGÉDIA E COMÉDIA
JUNITO DE SOUZA BRANDÃO
VOZES
(1984)
R$ 14,00





busca | avançada
40789 visitas/dia
896 mil/mês