O regresso, a última viagem de Rimbaud | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com o poeta Régis Bonvicino
>>> Pascal e a condição humana
>>> Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos
>>> O gato diz adeus
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
Mais Recentes
>>> Platero E Eu
>>> O Piano
>>> Blue Like Jazz - Nonreligious Thoughts On Christian Spirituality
>>> A Prece Ucraniana na Pressa da Cidade- as renegociações das práticas religiosas ucranianas nos espaços da cidade de Curitiba, a partir de 1960
>>> Harmonia
>>> O Muro
>>> Tetralogia Monstro
>>> O Poder da Mulher que Ora
>>> Historia Geral Da Africa, Vol.2 Africa Antiga
>>> Revista de Cultura Brasileña - Número 39, junho de 1975 (ESPANHOL/PORTUGUÊS)
>>> Perspectivas da Cultura Brasileira - Miguel Reale
>>> Cenas de um casamento sueco - Ingmar Bergman (Cinema)
>>> Movimento Brasileiro: Contribuição ao estudo do Modernismo - Maria Eugênia da Gama Alves Boaventura (Arte e Ciências Humanas)
>>> André Malraux: Três aspectos e uma síntese (A aventura, a política, a arte) Frederico dos Reys Coutinho (Literatura Francesa)
>>> A música na Revolução Francesa - Enio Squeff
>>> A Invasão Cultural Norte-Americana - Júlia Falivene Alves (Cultura)
>>> Arte-Educação no Brasil - Ana Mae T. B. Barbosa
>>> Informação. Linguagem.Comunicação. - Decio Pignatari (Comunicação)
>>> Mito e Realidade - Mircea Eliade (Filosofia)
>>> A Holanda no tempo de Rembrandt - Paul Zumthor (Artes Plásticas)
>>> Portinari: Exposição de sua obra de 1920 até 1948 (Artes Plásticas)
>>> O Surrealismo - Yvon Duplessis (Arte/Estética)
>>> Museu Lasar Segall - 50 obras do acervo (Artes Plásticas)
>>> Arte & Deformação - Como entender a estética moderna - Assis Brasil
>>> El Arte: Formas de la conciencia social - V. Kelle/M. Kovalson (Em Espanhol) (Arte e Política)
>>> A Perspectiva - R. Taton & A. Flocon (Artes Plásticas)
>>> Cultura de Massa e Política de Comunicações - Waldenyr Caldas
>>> Problemas del arte en la revolución - Carlos Ragael Rodríguez (Em Espanhol)
>>> Itinerario estético da la Revolución Cubana - José Antonio Portuondo EM ESPANHOL(Estética)
>>> O Livro Perdido de Enki-Memórias e Profecias de um Deus Extraterrestre
>>> A Igreja
>>> Blecaute - 28ª ed.
>>> O Populismo na Política Brasileira
>>> Livro de Colorir Reino Animal
>>> Nas Trilhas da Crítica - Coleção: Críticas Poéticas
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
COLUNAS

Quinta-feira, 4/2/2016
O regresso, a última viagem de Rimbaud
Eugenia Zerbini

+ de 8400 Acessos



Oh arthur arthur. we are in Abyssinia Aden. making love smocking cigarettes. we kiss. but it's much more. azure.blue pool. oil slick lake.sensations telecope, animate. crystaline gulf. balls of colored glass exploding. seam of barber tent splitting. opennings, open as a cave.open wider. total surrender.
Path Smith, Dream of Rimbaud

Há escritores conhecidos mais por suas vidas que por suas obras. Arthur Rimbaud (1854-1891) está certamente entre eles. O adolescente interiorano que deixou Paris boquiaberta ao declamar seus versos em pé, sobre a mesa de um café. O jovem loiro - "filho primitivo do Sol", como se auto intitulou em seus versos - que tomou por amante Paul Verlaine (1844-1896) (ou foi tomado?), poeta à época já conhecido, mais velho e casado. O questionador de toda ordem que, aos 20 anos, encerra sua carreira de poeta e deixa um legado (“Le bateau ivre”, “Une saison en enfer” e “Illuminations”) que irá influenciar a poesia do século XX, dos surrealistas à geração beat (sem mencionar referências importantes no rock&roll como Bob Dylan, Jim Morrison e Patty Smith). Abraça, então, uma vida itinerante que o levará a viajar pela a Europa, Oriente Médio e África. No Iêmen, depois na Abissínia, irá comerciar, primeiro café, depois armas.

Numa vida feita de rupturas e partidas, a escritora carioca Lucia Bettencourt, ao se debruçar sobre a vida de Rimbaud, discorre sobre uma volta. Em O regresso, a última viagem de Rimbaud com engenho e talento, Lúcia, explorando uma dobra na biografia de Rimbaud, recria os últimos dias desse gênio enigmático. “Je est un autre” (equivalente a “Eu é um outro”) , de início afirma o poeta, rompendo com não só a gramática como o senso comum. Nessa obra, a autora nos entrega um Rimbaud menos tonitruante (mais humano, portanto), sabedor da proximidade do fim, tendo como consolo a querida irmã, Isabelle, e as gotas de láudano para mitigar a dor do câncer ósseo que, antes de o matar, levou-o a amputar a perna direita. Bem alto, perto do tronco.

"Tratei de me curar. Raspei a cabeça e untei com essência de violetas. Era assim que os doutores do passado pretendiam tratar dos loucos, dos desvairados. Está escrito, nos livros antigos, que as dores de cabeça são produto do orgulho e da falta de humildade. Inflatio capitis. Raspando a cabeça dos pacientes com enxaqueca, Hugues de Fouloi acreditava eliminar as cogitações supérfluas. Todos os meus pensamentos eram supérfluos? Numa sociedade em que o que importava era o pão, o ouro, o poder, meu desejo de liberdade total, minha certeza de que qualquer frase minha valia mais do que os tratados de retórica que me obrigavam a estudar, todas as minhas idéias eram supérfluas. Raspei os cabelos. Juntei-os e atirei no fogo. O odor que exalaram foi próximo ao infernal. Eram pensamentos impuros, sem dúvida, a julgar pelo cheiro. Depois, seguindo a receita do século XII, passei por todo o crânio a essência de violeta" (O regresso, a última viagem de Rimbaud p. 46).

Em linguagem poética, Lúcia tece sua ficção. Os fatos da vida de Rimbaud surgem em páginas intercaladas, destacados não só pelo tom mais objetivo como pela adoção de um tipo tipográfico distinto:

"Dizem que ele desapareceu aos 21 anos, que foi traficar no desconhecido, que teve amantes nativas, que comerciou com café, que andava com um cinturão de ouro. Dizem que em Paris ninguém soube mais dele, que achavam que ele tinha morrido. Dizem que sua mãe e suas irmãs não choraram quando ele se foi. Dizem que ele foi enganado por chefes e reis africanos, que olhavam para aquele homem branco e seco, de pele bronzeada nos tons quase nativos, de olhos azuis como um dia de sol, cabelos raspados rente ao crânio, cujo nome nunca era pronunciado, e riam, enquanto o traíam. Não sei. Não estava presente quando estas coisas aconteceram" (idem, p.16).

Colocando lado a lado fantasia e biografia, a autora esmaece, na justa medida, as fronteiras dos gêneros literários, o que parece ser a grande tônica do nosso tempo. Não se trata de romance biográfico. Porém, não é só romance. Como advertem as orelhas do volume, O regresso conjuga "de maneira notável história e ficção. Lúcia Bettencourt leva Rimbaud a aventurar-se por novos gêneros de escrita. O relato resultante desse experimento narrativo, híbrido entre livro de memórias e caderno de viagem, se alterna com os comentários de um profundo conhecedor de seus versos e histórias de vida". Soma-se, nessa experimentação, friso eu, até um tom bíblico, que ressoa no capítulo de Isabelle, em sua epístola aos franceses, parafraseando a voz do aposto Paulo.

“Irmãos! Que enfim ecoem seus versos perfeitos e que todos possam conhecer e compreender a bem aventurança obtida através do mais atroz sofrimento. Meu irmão Arthur era um puro, um inocente. Ele foi conspurcado, arrastado na lama, vilipendiado e caluniado por aqueles que, sem sua grandeza d’ alma, não podiam compreender sua atitude tão altruísta e desligada das maquinações humanas” (ibidem, p. 70).

Escritora e ensaísta de sucesso, Lucia fez sua estréia com pé direito no mundo literário. Vencedora do Prêmio Sesc Literatura com seu livro de contos A secretária de Borges, conquistou os prêmios Josué Guimarães e Osman Lins, nesse mesma categoria. Sua tese de doutorado em Literatura Comparada, na Universidade Federal Fluminense, serviu de base para o ensaio O Banquete : uma degustação de textos e imagens (Vermelho Marinho, 2012), premiado pelo Academia Brasileira de Letras. Além de dois livros infantis, publicou outro romance, O amor acontece, e mais uma coletânea de contos,Linha de Sombra (Record, 2008).

Hábil leitora e com refinada cultura, Lucia atinge seu máximo exatamente quando esmiúça fendas pouco exploradas nas histórias. Como, por exemplo, escreve sobre a misteriosa secretária que assiste Jorge Luis Borges, na fase da cegueira; sobre a vida familiar de Lázaro , após o milagre da ressurreição; sobre o jantar de shabat na família de Marcel Proust ... Segue, dessa forma, a lição de Eça de Queiroz (1845-1900), jogando o manto diáfano da fantasia sobre a nudez da realidade. Daí minha predileção pessoal pelo O regresso, a última viagem de Rimbaud, em que Lucia Bettencourt recria, com maestria e pertinência , a agonia desse grande "ladrão do fogo", como ele mesmo dizia, junto com fagulhas e labaredas que saltaram de sua curta vida. Prometeu pode ter dado o fogo aos homens, mas com ele veio também o grande incêndio.

Para ir além, duas colunas aqui e aqui, no Digestivo Cultural, em que Guilherme Pontes escreve sobre Rimbaud adulto, o africano.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 4/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
02. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
03. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
05. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini
01. O regresso, a última viagem de Rimbaud - 4/2/2016
02. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
03. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
04. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem - 21/2/2013
05. O pródigo e o consumo - 11/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO LER A CARTA DE JUDAS- CORAGEM PARA LUTAR PELA FÉ
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2001)
R$ 18,00
+ frete grátis



O EXECUTIVO SEM CULPA
JOÃO ERMIDA
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 13,16



O ÚLTIMO E GRANDE DIA DA FESTA
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(2007)
R$ 5,00



A TESTEMUNHA OCULAR DO CRIME
AGATHA CHRISTIE
CÍRCULO DO LIVRO
(1986)
R$ 4,90



O HOMEM EM TEILHARD DE CHARDIN
CHAUCHARD
HERDER
(1973)
R$ 6,30



CIRCUITOS LINEARES
CHARLES M. CLOSE
LTC - LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1975)
R$ 65,00



O QUE FREUD NÃO EXPLICOU
MAURÍCIO SITA
SER MAIS
R$ 12,45
+ frete grátis



A REBELDE APAIXONADA
FRANK G. SLAUGHTER
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 3,00



LIBERTINOS LIBERTÁRIOS
ADAUTO NOVAIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1996)
R$ 89,90



O TEATRO DE ANTONIO ROCCO (TEATRO BRASILEIRO)
ANTONIO ROCCO
IMPRENSA OFICIAL
(2009)
R$ 7,00





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês