O regresso, a última viagem de Rimbaud | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
34284 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
>>> DAMA DE COPAS - O LIVRO É LANÇADO PELA SOUL EDITORA
>>> Novo livro do Padre Lício propõe reflexão para prevenção ao suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Rios inversos
>>> Você pertence a um não lugar
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Sobre o gênio que é Harold Pinter
>>> Gente que corre
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Sem lero-lero
>>> A droga da felicidade
>>> Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade
>>> Símbolos e Identidade Nacional
>>> Animismo
>>> Um monstro que ri
Mais Recentes
>>> Cadernos do nosso tempo Cinema Brasileiro
>>> Ciência Contemplativa
>>> O Absurdo e a Graça
>>> Farra no Formigueiro
>>> Picasso - Coleção Crianças Famosas
>>> Roman Games - 3
>>> Arte para Criança Arcangelo Ianelli no Mundo das Nuvens
>>> O Santinho
>>> Raul da Ferrugem Azul
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha
>>> Meninos, Eu Conto - Contos - Vol. 2
>>> O Porta-lápis Encantado - Col. Biblioteca Marcha Criança
>>> Os Lusíadas - Série Reencontro
>>> Guia do Escoteiro Noviço
>>> The Gospel of the Kingdom
>>> Cartas ao Papa João Paulo II
>>> An Outline Of American Geography
>>> Pinheiros - Estudo Geográfico de Um Bairro Paulistano
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro
>>> A Oração dos Cinco Dedos com o Papa Francisco
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2010. Avançado
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2010
>>> Teilhard de Chardin. Ensaio de leitura crítica
>>> World Of Warcraft - Crônica - Vol. 1
>>> Reflexões e Orações no Espaço Tempo
>>> Janelas para a Vida
>>> Alimentação Moderna
>>> O Dia em que os Deuses Chegaram - 11 de Agosto de 3114 a.C
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules - I
>>> Os Santos Evangelhos
>>> Inculta & Bela - 1
>>> Inculta & Bela - 1
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Pessoa e Amor segundo Teilhard de Chardin
>>> O Meio Divino
>>> Gramática Resumida
>>> Enfermagem em Centro Cirúrgico: atualidades e perspectivas no ambiente cirúrgico
>>> Guia completo de Procedimentos e Competências de Enfermagem
>>> PRocedimentos especializados de Enfermagem
>>> Hospitalização
>>> A psicanálise, sua imagem e seu público
>>> Estudo Dirigido para Microsoft Office Word 2010
>>> Família contemporânea e saúde: significados, práticas e políticas públicas
COLUNAS

Quinta-feira, 4/2/2016
O regresso, a última viagem de Rimbaud
Eugenia Zerbini

+ de 8500 Acessos



Oh arthur arthur. we are in Abyssinia Aden. making love smocking cigarettes. we kiss. but it's much more. azure.blue pool. oil slick lake.sensations telecope, animate. crystaline gulf. balls of colored glass exploding. seam of barber tent splitting. opennings, open as a cave.open wider. total surrender.
Path Smith, Dream of Rimbaud

Há escritores conhecidos mais por suas vidas que por suas obras. Arthur Rimbaud (1854-1891) está certamente entre eles. O adolescente interiorano que deixou Paris boquiaberta ao declamar seus versos em pé, sobre a mesa de um café. O jovem loiro - "filho primitivo do Sol", como se auto intitulou em seus versos - que tomou por amante Paul Verlaine (1844-1896) (ou foi tomado?), poeta à época já conhecido, mais velho e casado. O questionador de toda ordem que, aos 20 anos, encerra sua carreira de poeta e deixa um legado (“Le bateau ivre”, “Une saison en enfer” e “Illuminations”) que irá influenciar a poesia do século XX, dos surrealistas à geração beat (sem mencionar referências importantes no rock&roll como Bob Dylan, Jim Morrison e Patty Smith). Abraça, então, uma vida itinerante que o levará a viajar pela a Europa, Oriente Médio e África. No Iêmen, depois na Abissínia, irá comerciar, primeiro café, depois armas.

Numa vida feita de rupturas e partidas, a escritora carioca Lucia Bettencourt, ao se debruçar sobre a vida de Rimbaud, discorre sobre uma volta. Em O regresso, a última viagem de Rimbaud com engenho e talento, Lúcia, explorando uma dobra na biografia de Rimbaud, recria os últimos dias desse gênio enigmático. “Je est un autre” (equivalente a “Eu é um outro”) , de início afirma o poeta, rompendo com não só a gramática como o senso comum. Nessa obra, a autora nos entrega um Rimbaud menos tonitruante (mais humano, portanto), sabedor da proximidade do fim, tendo como consolo a querida irmã, Isabelle, e as gotas de láudano para mitigar a dor do câncer ósseo que, antes de o matar, levou-o a amputar a perna direita. Bem alto, perto do tronco.

"Tratei de me curar. Raspei a cabeça e untei com essência de violetas. Era assim que os doutores do passado pretendiam tratar dos loucos, dos desvairados. Está escrito, nos livros antigos, que as dores de cabeça são produto do orgulho e da falta de humildade. Inflatio capitis. Raspando a cabeça dos pacientes com enxaqueca, Hugues de Fouloi acreditava eliminar as cogitações supérfluas. Todos os meus pensamentos eram supérfluos? Numa sociedade em que o que importava era o pão, o ouro, o poder, meu desejo de liberdade total, minha certeza de que qualquer frase minha valia mais do que os tratados de retórica que me obrigavam a estudar, todas as minhas idéias eram supérfluas. Raspei os cabelos. Juntei-os e atirei no fogo. O odor que exalaram foi próximo ao infernal. Eram pensamentos impuros, sem dúvida, a julgar pelo cheiro. Depois, seguindo a receita do século XII, passei por todo o crânio a essência de violeta" (O regresso, a última viagem de Rimbaud p. 46).

Em linguagem poética, Lúcia tece sua ficção. Os fatos da vida de Rimbaud surgem em páginas intercaladas, destacados não só pelo tom mais objetivo como pela adoção de um tipo tipográfico distinto:

"Dizem que ele desapareceu aos 21 anos, que foi traficar no desconhecido, que teve amantes nativas, que comerciou com café, que andava com um cinturão de ouro. Dizem que em Paris ninguém soube mais dele, que achavam que ele tinha morrido. Dizem que sua mãe e suas irmãs não choraram quando ele se foi. Dizem que ele foi enganado por chefes e reis africanos, que olhavam para aquele homem branco e seco, de pele bronzeada nos tons quase nativos, de olhos azuis como um dia de sol, cabelos raspados rente ao crânio, cujo nome nunca era pronunciado, e riam, enquanto o traíam. Não sei. Não estava presente quando estas coisas aconteceram" (idem, p.16).

Colocando lado a lado fantasia e biografia, a autora esmaece, na justa medida, as fronteiras dos gêneros literários, o que parece ser a grande tônica do nosso tempo. Não se trata de romance biográfico. Porém, não é só romance. Como advertem as orelhas do volume, O regresso conjuga "de maneira notável história e ficção. Lúcia Bettencourt leva Rimbaud a aventurar-se por novos gêneros de escrita. O relato resultante desse experimento narrativo, híbrido entre livro de memórias e caderno de viagem, se alterna com os comentários de um profundo conhecedor de seus versos e histórias de vida". Soma-se, nessa experimentação, friso eu, até um tom bíblico, que ressoa no capítulo de Isabelle, em sua epístola aos franceses, parafraseando a voz do aposto Paulo.

“Irmãos! Que enfim ecoem seus versos perfeitos e que todos possam conhecer e compreender a bem aventurança obtida através do mais atroz sofrimento. Meu irmão Arthur era um puro, um inocente. Ele foi conspurcado, arrastado na lama, vilipendiado e caluniado por aqueles que, sem sua grandeza d’ alma, não podiam compreender sua atitude tão altruísta e desligada das maquinações humanas” (ibidem, p. 70).

Escritora e ensaísta de sucesso, Lucia fez sua estréia com pé direito no mundo literário. Vencedora do Prêmio Sesc Literatura com seu livro de contos A secretária de Borges, conquistou os prêmios Josué Guimarães e Osman Lins, nesse mesma categoria. Sua tese de doutorado em Literatura Comparada, na Universidade Federal Fluminense, serviu de base para o ensaio O Banquete : uma degustação de textos e imagens (Vermelho Marinho, 2012), premiado pelo Academia Brasileira de Letras. Além de dois livros infantis, publicou outro romance, O amor acontece, e mais uma coletânea de contos,Linha de Sombra (Record, 2008).

Hábil leitora e com refinada cultura, Lucia atinge seu máximo exatamente quando esmiúça fendas pouco exploradas nas histórias. Como, por exemplo, escreve sobre a misteriosa secretária que assiste Jorge Luis Borges, na fase da cegueira; sobre a vida familiar de Lázaro , após o milagre da ressurreição; sobre o jantar de shabat na família de Marcel Proust ... Segue, dessa forma, a lição de Eça de Queiroz (1845-1900), jogando o manto diáfano da fantasia sobre a nudez da realidade. Daí minha predileção pessoal pelo O regresso, a última viagem de Rimbaud, em que Lucia Bettencourt recria, com maestria e pertinência , a agonia desse grande "ladrão do fogo", como ele mesmo dizia, junto com fagulhas e labaredas que saltaram de sua curta vida. Prometeu pode ter dado o fogo aos homens, mas com ele veio também o grande incêndio.

Para ir além, duas colunas aqui e aqui, no Digestivo Cultural, em que Guilherme Pontes escreve sobre Rimbaud adulto, o africano.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 4/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Noel Rosa de Fabio Gomes
02. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
03. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
04. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling de Celso A. Uequed Pitol
05. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini
01. O regresso, a última viagem de Rimbaud - 4/2/2016
02. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
03. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
04. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem - 21/2/2013
05. O pródigo e o consumo - 11/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LINHA DE RISCO: O MOVIMENTO DA MORTE DE DEUS
CHARLES BENT
MORAES
(1968)
R$ 16,00



11 DE SETEMBRO
NOAM CHOMSKY
BERTRAND BRASIL
(2002)
R$ 35,00



AOS PAIS - 1ª EDIÇÃO
JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA; ÁRVORE DA VIDA
ÁRVORE DA VIDA
(2001)
R$ 5,00



COM OS OLHOS NO FUTURO - TESES DO CONGRESSO BATISTA BRASILEIRO
VÁRIOS AUTORES
JUERP
(1991)
R$ 20,00



O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR: COMPRANDO, POSSUINDO E SENDO
MICHEL R SOLOMON
BOOKMAN
(2008)
R$ 59,00



PROSOPOPEIA - BENTO TEIXEIRA (POESIA BRASILEIRA)
BENTO TEIXEIRA
VALER
(2010)
R$ 8,00



NO JARDIM DO PENSADOR
SILAS BARBOSA DIAS
CULTRIX
(2008)
R$ 7,90



LIVRO DE COLORIR JARDIM SECRETO
JOHANNA BASFORD
SEXTANTE
(2014)
R$ 15,00



COMPRAR OU VENDER?
EDUARDO MATSURA
SARAIVA
(2007)
R$ 5,00



O MELHOR DE MIM
NICHOLAS SPARKS
ARQUEIRO
(2012)
R$ 10,00





busca | avançada
34284 visitas/dia
1,1 milhão/mês