Sinédoque São Paulo | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
40417 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Em agosto, o Largo do Machado receberá a segunda edição do Hoje é dia de comer na rua
>>> ÀTMA - De que tamanho é o teu deserto?
>>> Vivo EnCena traz Paulo Betti a São Paulo com Autobiografia Autorizada
>>> EAS, novo filme de ação brasileiro tem toque de Hollywood
>>> Memória da Eletricidade realiza a terceira edição do Preserva.ME
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Ponto cruz
>>> Elevador divino
>>> Na hora do rush
>>> Cubica(mente)
>>> Adentrando o mundo humano - Pensamento
>>> Modelar(mente)
>>> Trans(corrente)
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leitura, curadoria e imbecilização
>>> Legião Urbana 1994
>>> Um menino à solta na Odisseia
>>> Gratitude
>>> Ajudando um amigo
>>> O Conselheiro também cozinha (e come)
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Asno que me leve, quero, e não cavalo folião
>>> O rei nu do vestibular
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
Mais Recentes
>>> O Desafio de nosso Tempo ( Change and Habit)
>>> Hobbes e a Moral Política
>>> Hobbes Leviathan. Uma Visão Teológica
>>> Brevilóquio Sobre o Principado Tirânico
>>> De Cive. Elementos Filosóficos a respeito do cidadão
>>> O Problema do Ser e outros ensaios
>>> Antropologia Filosófica
>>> Merleau-Ponty na Sorbonne. Resumo de Cursos Filosofia e Linguagem
>>> Merleau-Ponty na Sorbonne. Resumo de Cursos Psicossociologia e Filosofia
>>> O Muro
>>> A Anarquia dos Valores. Será o Relativismo Fatal?
>>> Ética & Direito, Moral e Religião no Mundo Moderno
>>> Um Lugar para os Excluídos
>>> Chico Buarque
>>> Literatura comentada Oswald de Andrade
>>> Pensamentos de Freud
>>> Compreder a história da vida. Do átomo ao pesamento humano
>>> O Homem à procura de si mesmo
>>> Matrizes do Pensamento Psicológico
>>> A Natureza da inteligência
>>> O que é Vida? 50 anos depois. Especulações sobre o futuro da Biologia
>>> O que é Vida? O aspecto físico da célula viva. Seguido de Mente e Matéria e Fragmentos Autobiográficos
>>> Os Métodos De Administração De Jesus
>>> Manhã, Tarde E Noite
>>> Conte-me Seus Sonhos
>>> Cultura Pós-Moderna - Introdução às teorias do contemporâneo
>>> A Anatomia da Destrutividade humana
>>> Ter ou Ser
>>> O Espírito de Liberdade
>>> O Dogma de Cristo
>>> O mistério do homem na obra de Drummond
>>> Revista Super Interessante edição 201 - junho 2004
>>> A propriedade intelectual e as novas leis autorais - 2ª ed. revista e ampliada
>>> Vivenciando Erickson
>>> Teoria da Cultura de Massa
>>> O morro dos ventos uivantes
>>> Pecado Original
>>> História das teorias da comunicação
>>> Sobre a televisão
>>> Chatô, o rei do Brasil
>>> Estrela Solitária - um brasileiro chamado Garrincha
>>> Feira de Versos - para Gostar de Ler (vol. 36)
>>> Sementes de sol
>>> O homem que matou Getúlio Vargas
>>> Dona Benta - Comer Bem
>>> A questão judaica
>>> AION - Estudos sobre o simbolismo do Si-Mesmo
>>> Psicologia e Religião Oriental
>>> Psicologia e Religião
>>> Resposta a Jó
COLUNAS

Terça-feira, 15/3/2016
Sinédoque São Paulo
Duanne Ribeiro

+ de 1400 Acessos

O espetáculo está acontecendo agora: olhe à sua volta. Ao passo em que você atravessa a rua da avenida movimentada, entra na fila da lanchonete para o seu lanche usual, por acaso levanta os olhos do livro ou celular para espiar o mundo — está acontecendo. Corpo_Cidade_Rotinas, peça dirigida por André Capuano, não precisa ser montada: sua matéria é a urbe, e nós estamos inscritos na urbe. Menos uma composição cênica e mais a disposição de cotidianos particulares, vidas comuns que devemos perseguir pelas vias e praças por algumas horas, a montagem parece extrair sua força, no entanto, do fato de que as experiências possíveis da cidade se mediocrizam em ruído branco — a obra, como que se opondo a isso, procura nos devolver a vivência. Ensinar ritmos, curiosidades e pontos de vista. Responder: como voltar a ver?

Capuano começou as pesquisas que desembocariam na peça de que tratamos em 2005. De estudos sobre teatro e performance, âmbitos público e privado, espaços de grande circulação de pessoas, cunhou o nome Corpo_Cidade em 2013. Em 2014, com a bailarina Paula Petreca, realizou Corpo_Cidade_Bom_Retiro, montada no bairro paulistano de mesmo nome. O projeto Rotinas foi iniciado em 2015. Fazem parte do elenco Erika Kobayashi, Evandro Zampiere, Gilka Verana, Jennifer Glass, Rodrigo Rodrigues. O grupo mantém um perfil no Instagram.

O espetáculo acontece até o fim de 2016 nas imediações da Praça da República, em São Paulo; percorre as ruas Barão de Itapetininga, Dom José de Barros, 24 de maio e a avenida Ipiranga. Os interessados se inscrevem pelo site e recebem por e-mail instruções sobre como assistir à peça. Devemos nos posicionar em certo ponto de um dos logradouros citados no horário marcado. “Sentar, ficar e observar” por 23 minutos. Então, um “atuante” (não um “ator”) nos encontrará; devemos segui-lo por uma hora e dois minutos. Pela hora seguinte, poderemos seguir qualquer um dos outros atuantes, ou não seguir nenhum. Nos sessenta minutos finais, temos de voltar a perseguir apenas um deles. Além disso, recomenda-se que nós estejamos sós com a narrativa, que a experiência seja “individual”; e proíbe-se filmar ou fotografar.

É a rigidez formal de um ritual; pede uma entrega, uma seriedade, e inspira alguma estranheza. Pois bem. Estou às 14h à frente de uma porta de ferro, típica de loja, marcada com a tipografia do pixo. Há dois bancos de plástico branco, sem encosto, como na foto que me enviaram como orientação. Sobre um deles, há um jogo de tabuleiro (isso é parte da peça?). Sento-me. Vejo as várias barracas dos camelôs formando um corredor atabalhoado de objetos margeado de rua. Duas crianças, uma negra e uma branca, aparentemente filhos dos comerciantes informais, se aproximam: são os donos do jogo de tabuleiro (isso é parte da peça?). Uma construção fechada de tapume está a minha direita, também as manchas de mijo nas pedras portuguesas, os toletes de bosta de cão ou de gente. O cheiro chega a mim às vezes. Lembro de uma música:

Aqui estou eu
Há meia hora parado
No cruzamento da Brigadeiro Luiz Antônio com a Avenida Paulista

Que dialoga tão de perto com a experiência que parecem me propor. O menino branco pega um cabo de vassoura quebrado, cutuca a merda e ameaça passar no outro, rindo. Uma mulher loira e gorda ralha com eles alguma coisa; possivelmente é a mãe. Os meninos levam o banco com o jogo de tabuleiro para o outro lado da barraca (isso é parte da peça?). Eu devaneio assistindo à variedade de pessoas que passa; quanto tempo são vinte e três minutos, não? De repente, vem um rapaz de roupa social preta e se agacha ao meu lado. Ou é doido ou é o atuante. Mantenho-me indiferente por via das dúvidas. Então, ele começa a descrever-se cada passante. “Todo dia eu ando pela rua olhando no celular”; “Todo dia eu limpo o nariz quando passo na frente da loja fechada”. Vê — e narra a multidão em primeira pessoa (seria essa a chave da peça?).

Parte do que declama se refere propriamente ao personagem: todos os dias, bebe um suco em tal lanchonete, liga, do celular, à namorada que está no Japão, e, do orelhão, para uma prostituta. Quando se ergue, se não estávamos, estamos na narrativa.

Desacelerar, Repetir, Compilar
O rapaz de roupa social anda vagaroso pela rua. Sigo, tanto a frente, tanto atrás, esperando; um corpo educado pela pressa é inquieto. Caminha pé ante pé; telefona: “Tentativa de te acordar nº 1”; confere as propagandas: Fábia Chupetão (1,80, carioca, morenaça, oral até a última gota, anal na faixa), Índia Coroa 47ª (peluda, ativa e passiva, chupo sem, faço anal); bebe um suco de caixinha. Repete; repete outra vez. Primeiro, rompemos com a velocidade; segundo, rompemos com a novidade, o evento — nada está acontecendo, ou nada “novo” está acontecendo. Sobra a cidade palmilhada e repalmilhada. As voltas sucessivas no mesmo lugar me entregam lugares diferentes: o quarteirão de imigrantes africanos, o negro da sua pele tão intenso, os vestidos de estampas geométricas; o camelô de rosto todo tatuado; a loja que anunciava calças com preços ao meu gosto; o vendedor de quadros de personalidades pop.

A lembrança retorna coesa e íntegra, mas foi fragmentária: o que me foi invisível na vez inicial, pode ser visto nas seguintes. Ver é desacelerar, ver é repetir, ver é compilar?

Ao fim da primeira hora, reúnem-se os atuantes em um espaço aberto, encontro de vias. Como que param no tempo, pés, pernas e braços flexionados, gestos paralisados. Por si só, trata-se de uma performance; os habitantes no centro param para ver (uma mulher com uns quarenta anos empaca na frente de um deles, debochada, imitando). Na sequência, seguirei uma menina baixa e japonesa, acompanharei sua pausa para fumar, seu almoço no quilo (a atuante pede para ela e para mim duas linguiças, comemos com limão, estava ótima); sentarei no meio-fio com o moço magrelo que vende origamis, expondo-os em um caixinha colorida escrito “Quanto vale?”; irei à livraria e verei a menina que faz pesquisas de opinião pedir Toda Poesia, do Paulo Leminski (é o aniversário dela, descobre-se quando ela faz o cadastro; e há lá um senhor que aniversaria no mesmo dia ou próximo; eles se congraçam). O corpo, a essa altura, educou-se contemplativo.

É como se pudéssemos pegar o bonde de uma das vidas que passam por nós. É difícil precisar a categoria de visibilidade em que estamos. Observadores? Muito focado e objetivo — sendo que a urbe vaza dentro o tempo todo e não sabemos bem o que estamos fazendo. Espiões, voyeurs? Há pragmatismo e reificação de menos no nosso olhar. Espectador, público? Mas só de maneira débil se reconstroem os distanciamentos de um palco, pois estamos na mesma ação, e a quem está de fora devo ser tão curioso quanto o ator (por essa possibilidade, sinto alguma vergonha). Flâneurs? Não há frivolidade forçada. Turistas? Não há peculiaridades pré-montadas. Um tipo de vazio, portanto, é construído por Corpo_Cidade_Rotinas: apenas veja. Interessado, às vezes, ou nunca; desatento, se quiser. Uma liberdade tamanha e irregular como a cidade.

O espetáculo é “chato”, pois sem justificativa, sem uma desculpa para o “o que eu estou fazendo aqui”; e é profundamente curioso, porque toda uma fertilidade nos é apresentada. Na dialética entre esses dois sentimentos está talvez o maior valor da peça.

O Avesso do Avesso do Avesso do Avesso
O personagem central de Sinédoque Nova York, do diretor e roteirista Charlie Kaufman, em dado momento professa: “Há quase 13 milhões de pessoas no mundo. Tente imaginar esse tanto de pessoas! Nenhuma dessas pessoas é coadjuvante. Eles são os heróis das suas próprias histórias. Eles devem receber o que lhes é devido”. Uma compreensão de que toda vida é preciosa: existe um pouco disso em Corpo_Cidade_Rotinas também. A figura de linguagem que dá nome à obra de Kaufman também lhe cai bem: “sinédoque”, todo pela parte ou parte pelo todo — na película e na peça, é por pedaços da urbe que se mostra a urbe (aqui, pelas vidas que seguimos nas ruas; lá, pela reprodução monumental da cidade).

Os percursos valiosos de cada um se cruzam — a cada vez em que os atuantes passam um pelo outro, eles se observam, imóveis, por um instante. Novamente, a música:

Pessoas com mundos totalmente diferentes
mas que, naquele momento, naquele cruzamento, se cruzaram.
Interessante, né?

Os artistas da peça usam o termo “fricção” para designar um dos elementos que exploram. É o que se passa aqui, de fato, com as resistências e permeabilidades que a palavra implica. Eles se imobilizam também frente aos locais dos quais o espetáculo parte (a minha porta de ferro e os demais). Esses lugares deixaram de ser passagem, pano de fundo, pontos insignificantes, estão potentes de sentido — sabemos que poderiam nos levar a descobertas diversíssimas. Conforme a montagem se aproxima do final, esses “marcos” vão se tornando mais frequentes, o ritmo fica sincopado.

Podemos ver todos os atuantes na extensão da rua, indo de um lado ao outro, parando em frente às lojas, sentando-se nos cafés; um momento, uma atividade. Acelerados, singulares e despedaçados — como continuar vendo? Eles se alinham em uma reta, depois partem à cena final. Persigo-os, em particular a atriz mais bonita, que eu tinha escolhido seguir por último. Os atores estão espalhados, de um lado e outro da avenida Ipiranga, distantes quarteirões um do outro, até que o devir se detém definitivamente à beira da avenida São João. A imagem é forte — as esquinas, o canteiro central, pontuado, enriquecido de atores. E quem vem de um sonho feliz de cidade, reaprende depressa a chamar o que se deixa ver de realidade.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 15/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
02. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
03. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
04. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
05. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
04. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010
05. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CINQUENTA TONS DE CINZA
E. L. JAMES
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 9,99



CONTOS FANTÁSTICOS DO SÉCULO XIX ESCOLHIDOS POR ITALO CALVINO
ITALO CALVINO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 10,00



UM SONHO DENTRO DE MIM
JULIO EMILIO BRAZ
MODERNA
(2005)
R$ 3,00



MURDER IN THE CIA
MARGARET TRUMAN
FAWCETT
(1988)
R$ 10,00



A MÁGICA
MARTYN BEDFORD
RECORD
(2002)
R$ 25,00



THE GREEKS
JEAN-PIERRE VERNANT
THE UNIVERSITY OF CHICAGO PRESS
(1995)
R$ 49,00



NA ESPERANÇA DE UMA NOVA VIDA
IRENE PACHECO MACHADO PELO ESPIRTO LUIZ SÉRGIO
NÃO CONSTA
R$ 3,00



A CONFRARIA
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2000)
R$ 10,00



CORDÉIS DE NATAL (CAIXINHA COM 5 CORDÉIS) - LITERATURA DE CORDEL
LUIZ DE ASSIS MONTEIRO
CONFRARIA DA PAIXÃO
(2015)
R$ 18,00



QORPO SANTO - AS RELAÇÕES NATURAIS E OUTRAS COMÉDIAS
QORPO SANTO
MOVIMENTO
(1976)
R$ 15,00





busca | avançada
40417 visitas/dia
862 mil/mês