O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Escritor Alexandre Hallais fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
Últimos Posts
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
>>> A mandioca e o canário da terra
>>> Lua nova
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> Casa Arrumada
>>> Anti-Jô Soares
>>> Algo em común
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Entrevista com Claudio Willer
Mais Recentes
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
>>> O Último Godot
>>> Pós Modernismo: Repensando a Arquitetura
>>> Mario Botta
>>> Cinematógrafo: Um Olhar Sobre A História
>>> Desenho a Cores: Técnicas de Desenho de Projeto para Arquitetos 2ª Ed
>>> A Mão Livre 2 Técnicas de Desenho
>>> Cachaça- Edição: 1ª
>>> Preparatório Para O Exame De Pmp - 6ª Edição
>>> As origens da adoração crista
>>> A Técnica de Edificar - 6°edição Revisada e Atualizada
>>> Malba Tahan
>>> Direito Comercial Volume 21 - Sinopses Jurídicas
>>> Iniciacao a Psicologia
>>> Trilogia Deutsch Perfekt
>>> As 36 Estratégias Secretas
>>> Los Efectos Perversos Del Petróleo
COLUNAS

Terça-feira, 5/4/2016
O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3200 Acessos


Dedicado ao Ronald Polito, na ocasião do seu aniversário

O Centre Pompidou, em Paris, está com uma esplêndida exposição retrospectiva da carreira artística de Anselm Kiefer, oferecendo ao espectador um passeio por nada menos que 150 de suas obras. A exposição teve seu início em 16 de dezembro de 2015 e irá até 18 de abril de 2016.

A obra de Kiefer é arrebatadora, nos levando a crer que estamos diante do mais fulminante artista da contemporaneidade. Todo artista que se colocar ao seu lado será visto como uma pulga, essa é a sensação que a exposição nos transmite.

Em 1969, Kiefer irrompeu na cena artística alemã com uma série de obras controversas, visando reavivar a história da Segunda Guerra mundial e desfazer a amnésia coletiva que pesava sobre a Alemanha. Em seguida, a obra prolífica de Kiefer é marcada pelo selo da desmesura, tanto por sua monumentalidade, pela força de sua materialidade, quanto pela infinita riqueza das fontes que ela possui, usadas para investigar o passado e a memória, com indicações do sentido do presente.


É uma imersão nesse universo titânico e eminentemente reflexivo que propõe a exposição do Centre Pompidou. Apresentada de forma cronológica, ela revela a tentativa obsessiva do artista, nascido em 1945, de elaborar uma nova linguagem, poética e catártica, mergulhada na cultura germânica, na história universal, plena de pensamentos místicos e filosóficos. Kiefer convive com poetas, pensadores e escritores (Genet, Celan, Heidegger, Benjamin etc), usando suas citações como elo entre o tempo passado e o presente.

A poética das suas ruínas é construída com uma pintura que usa tinta, argila, cinzas à base de plantas e chumbo, material alquímico por excelência, que reflete a melancolia no coração do seu processo criativo.


Um dos principais poetas que influenciaram Kiefer foi Paul Celan, escritor judeu sobrevivente dos campos nazistas de extermínio. Na sua obra “Für Paul Celan: Aschenblume” (Para Paul Celan: flor de cinzas), ele faz uso de matérias perturbadoras no contexto da obra, desde trechos de poemas de Celan até cinza, palha e livros queimados. Poesia e palavras de Paul Celan assombram o trabalho de Kiefer. A citação, onipresente no trabalho do artista, se torna o instrumento da memória, unindo passado e presente. A paisagem de cor cinza com os livros carbonizados faz eco na sonoridade dos poemas de Celan, exigindo o repensar a língua alemã e o sentido da cultura após os campos de concentração. A previsão de Heinrich Heine, poeta do século 19, também ressoa gravemente na obra: "Onde se queimam livros, acabam por se queimar pessoas".


O que Kiefer propõe ao espectador de “Für Paul Celan” é que ele se defronte sensorialmente com a história a partir da monumentalidade da obra e do cheiro forte das cinzas de livros e palha queimados, pois o que o artista deseja é fazer uma sondagem em profundidade na espessura da história. Os componentes queimados presentes nesta obra (e em outras), e que invadem a sala de exposição penetrando o pulmão dos espectadores, os força, no tempo presente, a estar sensorialmente nos campos de extermínio da história, mergulhando-os na paisagem de morte e desolação que se perdeu na história (virou informação), mas que é retomado em forma de uma obra de arte como memória viva e perturbadora.


Ruína, morte e destruição não são elementos apenas do passado. Kiefer intui o presente como lugar também da devastação. E uma das obras significativas dessa exposição, nesse sentido, é a série “Lilith”. Baseada na figura mitológica da primeira mulher de Adão, protetora das cidades decaídas, em ruínas, sem futuro, também representa a figura do mal que toma conta do mundo.

A série foi inspirada num sobrevoo que Kiefer fez sobre a cidade de São Paulo, e pode servir como a metáfora das ruínas que estão reservadas à vida nas grandes metrópoles. Nesse sentido, o artista aproxima realidades históricas distantes, fazendo-as retornarem na forma de imagens como um espectro do holocausto redivivo no contexto da contemporaneidade. O cenário de fumaça e poluição que mergulha a metrópole numa indefinição total remete às obras sobre a devastação da guerra. Dos extermínios do dia a dia nas grandes metrópoles e a desumanização do homem e o rumo da humanidade em direção à devastação da natureza e sua referência aos campos de guerra, estamos numa mesma clave de desolação.

O que fica em obras monumentais como essas de Kiefer, e que são ruínas também monumentais, é a desesperança, talvez, na própria possibilidade da arte em poder produzir uma consciência feliz. Ao contrário, depois de uma exposição como essa no Centre Pompidou, todos nossos nervos são ativados, nossos músculos ficam como que desgastados: caímos em ruínas, frangalhos de nós mesmos. Estamos diante da ideia da impossibilidade da arte? Ou de sua essência, pós-holocausto, ter se convertido numa terra estéril? Será que a ideia de uma deusa tutelar e protetora do mundo profano – Lilith – seria um auto-engano interpretativo numa obra que transforma pesadas massas de tinta em cinza queimada?

A presença fantasmagórica da cidade, de seus personagens (quase em sobrevoo como o anjo da história de Klee/Walter Benjamin)- feixes de cabelo, vestimentas vazias – não seriam a descrença nesse mesmo anjo da história que redimiria o passado no presente? A possível correspondência entre Kiefer e Benjamin não me parece de mão única. Kiefer não tem em si a fé judaica nem a crença positiva do marxismo, tal como era o caso do filósofo da escola de Frankfurt.


As referências possíveis dentro das obras de Kiefer são mais assombrações do que certezas claras para o espectador. Não são pistas, ao contrário, são elementos perturbadores causados pela matéria plástica e signos verbais que nos fazem mergulhar na desolação das terras arrasadas. Fornos crematórios, florestas desérticas e incendiadas, cidades em ruínas, estradas destruídas e que levam nossa vista para o nada, livros incendiados, natureza seca... tudo remete à destruição, à morte e ao desencanto.

De todo esse horror, o que sobra? Podemos invocar as palavras do poeta Paul Celan para uma possível resposta: "Acessível, próxima e não-perdida permaneceu no meio das perdas somente isso: a linguagem".


Se o artista é a antena da raça, Kiefer está adiantando a ideia de que estamos frente a um grande colapso, bem próximo, o da existência humana e da natureza como um todo. E só ele, me parece, tem dito isso de forma tão titânica.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Novos velhos e lagostas de Carla Ceres
02. Deus Sabia de Tudo e Não Fez Nada de Nanda Rovere


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO SELECTO - JOSE ZORRILLA (TEATRO ESPANHOL)
JOSE ZORRILLA
NACIONAL
(1970)
R$ 15,00



CINEMATÓGRAFO: UM OLHAR SOBRE A HISTÓRIA
JORGE NOVOA
EDUFBA
(2009)
R$ 75,00



O MELODRAMA
JEAN-MARIE THOMASSEAU
PERSPECTIVA
(2005)
R$ 25,00



OS 100 SEGREDOS DAS PESSOAS FELIZES
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2001)
R$ 17,00



O MACACO CALVO - GRUPO 1 MAMÍFEROS TERRESTRES - FASCÍCULO Nº 83
AUTOR IMP
IMP
R$ 9,90



O PODER DA EDUCAÇÃO - 3ª EDIÇÃO
THEODORE BRAMELD
ZAHAR
(1977)
R$ 7,00



A ARTE DE ESCREVER
ARTHUR SCHOPENHAUER
L&PM POCKET
(2007)
R$ 13,00



MEU TESTAMENTO FILOSÓFICO- EXPERIÊNCIA CRISTÃ DE UM PENSADOR CONTEMPORÂNEO
JEAN GUITTON
PAULINAS
(1999)
R$ 41,50



MANUAL PRÁTICO DE COACHING
NOSCILENE SANTOS
LAÇOS
(2011)
R$ 15,00



VINHOS
SÉRGIO DE PAULA SANTOS
T A QUEIROZ
(1983)
R$ 7,09





busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês