Literatura engajada | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
33609 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Flávia Galli ministra a palestra "O Novo mundo descobre a Ásia" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Dia 27 de maio em Campinas: nova edição do "Casa Flamenca" do Café Tablao
>>> Conferência de Celso Amorim celebra 30 anos da Editora Unesp e do Cedem
>>> "E o vento vai levando tudo embora", de Regiana Antonini, no Fashion Mall
>>> Dia 25 de maio a Orquestra Brasileira de Sapateado se apresenta no Fashion Mall
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
>>> Inquietações de Ana Lira
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
>>> Ringue vago
>>> Presidenta e presidento
>>> O antagonismo de um povo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os desafios de publicar o primeiro livro
>>> Um ano na Provence
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio
>>> O mundo explicado por T.S. Spivet
>>> Minha casa, sua casa
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Os premiados da Mostra
>>> Cenas de um casamento
>>> Rafael Spregelburd e o novo teatro argentino
Mais Recentes
>>> O Texto na TV Manual de Telejornalismo
>>> A Biografia de Roger Federer
>>> Não Há Silêncio Que Nunca Termine
>>> EDGE - Coleção de quadrinhos
>>> O Cortiço
>>> Contos
>>> Indomada - The House of Night - Livro 4
>>> Olhinhos de Gato
>>> Janela Mágica
>>> Escolhida The House of The Night - 3
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma
>>> Vôo Noturno
>>> Traída - The House of Night 2
>>> Um Sentido para a Vida
>>> Manual do Ator
>>> Meu Corpo, Minha Prisão - Autobiografia de um Transexual
>>> Teu Amor Voltará
>>> Moisés - Príncipe do Egito
>>> O Caderno Secreto de Leonardo - O Deserto Iniciático - Tomo II
>>> O Caderno Secreto de Leonardo - A Catedral da Memória - Tomo I
>>> Conversações com Iberê camargo
>>> Ciberespaço: um Hipertexto Com Pierre Lévy
>>> A Linguagem Esquecida - Uma Introdução ao Entendimentos dos Sonhos
>>> O Testemunho do Senhor e a Necessidade do Mundo
>>> Imagens e Símbolos - Ensaio sobre o Simbolismo Mágico-Religioso
>>> O Sagrado e o Profano- a essência das religiões
>>> Antologia volumes 1 e 2
>>> Hora de Mudar - Richard Bandler- best seller
>>> Mensageiros do Amanhecer - Ensinamentos das Plêiades
>>> Terra Chaves Pleiadianas para a Biblioteca Viva
>>> Onde Existe Luz
>>> Nova gramática comparativa do grego e latin (Text: English, Greek, Latin)
>>> Fordlândia Ascensão e Queda da Cidade Esquecida de Henry Ford na Selva
>>> Amestrando Orgasmos Bípedes, Quadrúpedes E Outras Fixações Animais
>>> Como Ser Irresistível Para O Sexo Oposto
>>> A Última Grande Lição
>>> A Coragem Da Inocência
>>> O Lado Bom Da Vida
>>> Criando Meninas
>>> Jornalismo Internacional
>>> Contos
>>> O Pequeno Filósofo
>>> A Vitória Da Páscoa
>>> A Magia Dos Grandes Negociadores
>>> Fora De Mim
>>> Marley & Eu
>>> A Individuação nos Contos de Fadas
>>> Evangelhos Apócrifos
>>> Taras Bulba
>>> O Bosque das Ilusões Perdidas
COLUNAS

Sexta-feira, 8/4/2016
Literatura engajada
Marta Barcellos

+ de 1800 Acessos

Filha da “revolução”, burguesa sem religião, geração coca-cola. Nascida pós-golpe de 1964, eu tinha tudo para ser a típica adolescente alienada da música da Legião Urbana (em disco lançado em 1984, no finalzinho da ditadura). Mas fui salva da desinformação – então alimentada pelo medo e pela censura – graças à biblioteca do meu pai, com quem morei dos 10 aos 15 anos.

Era apenas uma estante, mas ocupava toda a parede e se estendia até o teto. Com a empregada proibida de mexer nela, estava sempre repleta de poeira. Lembro-me de minhas primeiras leituras, romances “para conhecer o verdadeiro Brasil”: Jorge Amado, Érico Veríssimo, Graciliano Ramos. E das obras do chamado realismo mágico latino-americano, que meu pai me indicava quase como lição de casa: nelas, eu deveria procurar as explicações para o que “estava acontecendo”.

O que “estava acontecendo” tinha relação com os cochichos dele com os amigos, também professores, com os cartazes das peças de teatro que decoravam a sala, com as músicas estranhamente alegres do Chico Buarque (“apesar de você, amanhã há de ser...”), e com o fato de lermos o Jornal do Brasil – e não o Globo, como o vizinho nada confiável.

Privilegiada por crescer neste ambiente politizado, eu convivia com um vocabulário que – só depois perceberia – muita gente da minha geração ignorava: ditadura, tortura, censura, abertura (quantos sufixos de ação!), exílio, anistia. Sabia que “revolução” era o nome dado pelo “outro lado” ao golpe militar. Por sinal, o único vício de linguagem equivocado do qual fui vítima talvez tenha sido o de falar “golpe militar” (estranhando quando alguém mencionava a “revolução” de 64), e não nomear corretamente aquele episódio histórico: um golpe civil-militar (sucedido por um regime militar).

Palavras são poderosas. Como diz Roland Barthes, a língua “não é nem reacionária, nem progressista; ela é simplesmente fascista; pois o fascismo não é impedir de dizer, é obrigar a dizer.” Que o digam as aulas de Moral e Cívica, obrigatórias na escola.

Hoje, quando percebo – por causa do atual momento político – de que forma foi possível que o golpe de 1964 tenha recebido apoio de boa parte da população, reflito sobre o motivo de ter afastado a palavra “civil” do episódio que tanto me horrorizava. Sim, houve apoio da população. Sim, muitos eram “bem intencionados”.

Nunca houve, porém, um mea culpa da sociedade civil. Somente alguns poucos apoiadores do golpe se explicaram depois, alegando-se enganados, ou desinformados. Além disso, nada viram, nada sabiam.

Só que, graças à biblioteca do meu pai, acabei sabendo mais do que talvez fosse suportável para a minha idade. Depois dos romances lidos como alegorias do autoritarismo vigente (com a republicação das obras de José J. Veiga, recordei-me da impressão causada por Sombras de reis barbudos, por exemplo), surgiram, na estante empoeirada, livros bem mais explícitos. Foi assim que li Em busca do tesouro, da Alex Polari, O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira, até chegar ao livro que passou a me dar pesadelos, Brasil: nunca mais.

Os relatos frios, precisos e detalhados da tortura e da repressão política, coletados em um projeto liderado por Dom Paulo Evaristo Arns, não me permitiam digerir o jantar sem esforço. Com frequência, me flagrava pensando na estratégia que adotaria caso fosse torturada. O quanto seria corajosa?

Muitos anos depois, fui informada de ter perdido meu tempo com literatura ruim: era tudo “apenas” literatura engajada. Sei não. Acho que essas leituras teriam sido bastante úteis para a formação de muita gente.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/4/2016


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIAGEM DE INVERNO E OUTROS POEMAS
HELDER MACEDO
RECORD
(2000)
R$ 15,00



DIÁRIO DE UM BANANA: A VERDADE NUA E CRUA - VOLUME 5
JEFF KINNEY
V&R
(2011)
R$ 12,00



MONTESQUIEU - OS PENSADORES
COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 15,00



O DIÁLOGO COMO MÉTODO: CINCO REFLEXÕES SOBRE HERMILO BORBA FILHO
LÚCIA MACHADO (ORG.)
PREFEITURA DO RECIFE/SECRETARIA DE CULTURA
(2006)
R$ 35,00



AS VALKIRIAS
PAULO COELHO
ROCCO
(1993)
R$ 5,00



SIN CITY - O ASSASSINO AMARELO
FRANK MILLER
DEVIR
(2005)
R$ 35,00



A MÃE
MÁXIMO GORKI
EUROPA AMÉRICA
(1978)
R$ 8,90



DESENVOLVIMENTO MEDIÚNICO
EDGARD ARMOND
ALIANÇA
(2013)
R$ 10,00



FAÇA O SEU CORAÇÃO VIBRAR
OSHO
SEXTANTE
(2005)
R$ 6,00



DICIONÁRIO DA SORTE: O VERDADEIRO LIVRO DOS SONHOS
AHMED AL-KHATIB
RIGEL
(2013)
R$ 35,00





busca | avançada
33609 visitas/dia
896 mil/mês