Literatura engajada | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
29464 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
Mais Recentes
>>> O príncipe e o mendigo
>>> Dicionário de Ciências Ocultas 1 e 2
>>> Jonas
>>> O desafio historiográfico
>>> Decifrando o Genoma
>>> O Baudolino
>>> O Império do Sol
>>> Encanto Mortal
>>> A Ilha do Dia Anterior
>>> Ciência Política
>>> O Trabalho Infantil na Cidade de São Paulo
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Encantando Totalmente o Cliente
>>> As Vinhas da Ira _ Volume II
>>> Ser Mãe
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Nada Dura Para Sempre
>>> Dioniso & Cia. na moqueca do dendê: desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado
>>> Ciência & Realidade 6ª série
>>> Redação Curso Básico Vol 1
>>> Redação Curso Básico Vol 2
>>> A Conquista da Matemática 7ª Série
>>> Redação Curso Básico Vol 3
>>> Português Através de Textos 5
>>> Português Através de Textos 7
>>> Ciência & Realidade 7ª série
>>> Ciência & Realidade 5ª série
>>> A Conquista da Matemática 6ª Série
>>> Caderno de Português Fundamental 5ª série
>>> Bom Tempo Estudos Sociais Ciências 4
>>> Língua Portuguêsa Vol 4
>>> Descobrindo a Gramática
>>> Português Através de Textos 6
>>> Verdades Fundamentais da Parábola do Rico e de Lázaro
>>> Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos Vol. 1 (2ª ed.)
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
>>> A câmara clara - nota sobre a fotografia (2ª ed.)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/4/2016
Literatura engajada
Marta Barcellos

+ de 2100 Acessos

Filha da “revolução”, burguesa sem religião, geração coca-cola. Nascida pós-golpe de 1964, eu tinha tudo para ser a típica adolescente alienada da música da Legião Urbana (em disco lançado em 1984, no finalzinho da ditadura). Mas fui salva da desinformação – então alimentada pelo medo e pela censura – graças à biblioteca do meu pai, com quem morei dos 10 aos 15 anos.

Era apenas uma estante, mas ocupava toda a parede e se estendia até o teto. Com a empregada proibida de mexer nela, estava sempre repleta de poeira. Lembro-me de minhas primeiras leituras, romances “para conhecer o verdadeiro Brasil”: Jorge Amado, Érico Veríssimo, Graciliano Ramos. E das obras do chamado realismo mágico latino-americano, que meu pai me indicava quase como lição de casa: nelas, eu deveria procurar as explicações para o que “estava acontecendo”.

O que “estava acontecendo” tinha relação com os cochichos dele com os amigos, também professores, com os cartazes das peças de teatro que decoravam a sala, com as músicas estranhamente alegres do Chico Buarque (“apesar de você, amanhã há de ser...”), e com o fato de lermos o Jornal do Brasil – e não o Globo, como o vizinho nada confiável.

Privilegiada por crescer neste ambiente politizado, eu convivia com um vocabulário que – só depois perceberia – muita gente da minha geração ignorava: ditadura, tortura, censura, abertura (quantos sufixos de ação!), exílio, anistia. Sabia que “revolução” era o nome dado pelo “outro lado” ao golpe militar. Por sinal, o único vício de linguagem equivocado do qual fui vítima talvez tenha sido o de falar “golpe militar” (estranhando quando alguém mencionava a “revolução” de 64), e não nomear corretamente aquele episódio histórico: um golpe civil-militar (sucedido por um regime militar).

Palavras são poderosas. Como diz Roland Barthes, a língua “não é nem reacionária, nem progressista; ela é simplesmente fascista; pois o fascismo não é impedir de dizer, é obrigar a dizer.” Que o digam as aulas de Moral e Cívica, obrigatórias na escola.

Hoje, quando percebo – por causa do atual momento político – de que forma foi possível que o golpe de 1964 tenha recebido apoio de boa parte da população, reflito sobre o motivo de ter afastado a palavra “civil” do episódio que tanto me horrorizava. Sim, houve apoio da população. Sim, muitos eram “bem intencionados”.

Nunca houve, porém, um mea culpa da sociedade civil. Somente alguns poucos apoiadores do golpe se explicaram depois, alegando-se enganados, ou desinformados. Além disso, nada viram, nada sabiam.

Só que, graças à biblioteca do meu pai, acabei sabendo mais do que talvez fosse suportável para a minha idade. Depois dos romances lidos como alegorias do autoritarismo vigente (com a republicação das obras de José J. Veiga, recordei-me da impressão causada por Sombras de reis barbudos, por exemplo), surgiram, na estante empoeirada, livros bem mais explícitos. Foi assim que li Em busca do tesouro, da Alex Polari, O que é isso, companheiro?, de Fernando Gabeira, até chegar ao livro que passou a me dar pesadelos, Brasil: nunca mais.

Os relatos frios, precisos e detalhados da tortura e da repressão política, coletados em um projeto liderado por Dom Paulo Evaristo Arns, não me permitiam digerir o jantar sem esforço. Com frequência, me flagrava pensando na estratégia que adotaria caso fosse torturada. O quanto seria corajosa?

Muitos anos depois, fui informada de ter perdido meu tempo com literatura ruim: era tudo “apenas” literatura engajada. Sei não. Acho que essas leituras teriam sido bastante úteis para a formação de muita gente.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 8/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol
02. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
03. Pendurados no Pincel de Marilia Mota Silva
04. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade de Marilia Mota Silva
05. Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM AMOR DIFERENTE - NOSSAS ESCOLHAS
JOÃO ALBERTO TEODORO - PELO ESPÍRITO AUGUSTO CÉSAR VANNUCCI
MUNDO MAIOR
(2012)
R$ 19,65



O PÃO NO DESERTO
THOMAS MERTON
VOZES
(2008)
R$ 42,00



O PÃO NOSSO PARA 365 DIAS
EDIR MACEDO
UNIPRO
(2014)
R$ 30,00



CATECISMO ANTI-SABÁTICO
REV. B HIRTH
BIBLOS
(1937)
R$ 68,00



A FLAUTA MÁGICA
DIONISIO JACOB
SM
(2007)
R$ 15,00



FALA SÉRIO, PAI!
THALITA REBOUÇAS
ROCOO
(2009)
R$ 20,00



O PRISIONEIRO - 1ª EDIÇÃO (3ª IMPRESSÃO)
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1968)
R$ 4,90



O TEATRO DE MOLIÈRÉ - PAULO RÓNAI (TEATRO FRANCÊS)
PAULO RÓNAI
UNB
(1981)
R$ 8,00



ARGENTINOS - MITOS, MANIAS E MILONGAS
MARCIA CARMO & MONICA YANAKIEW
PLANETA
(2005)
R$ 22,00



A MANEIRA DE CUMPRIR A VISÃO- VOLUME 3
WITNESS LEE
ÁRVORE DA VIDA
(2000)
R$ 24,90
+ frete grátis





busca | avançada
29464 visitas/dia
1,1 milhão/mês