Tricordiano, o futebol é cardíaco | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
40789 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Exposição Olho Cru de Bonga Mac na ALESP
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Chris Cornell
>>> Jano
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 1964-2004: Da televisão à internet - um balanço
>>> Passe Livre no Roda Viva
>>> A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> A Nova Intimidade
>>> Reflexões na fila
>>> Elon Musk
>>> Nossa classe média é culturalmente pobre
>>> Ricardo Aleixo em Sampa
Mais Recentes
>>> Arte da Estratégia
>>> Vivendo, Amando e Aprendendo/Para compreender melhor a vida e o amor
>>> Divâ
>>> O Melhor das Comédias da Vida Privada
>>> Sexo na Cabeça
>>> O Clube dos Anjos
>>> Band of Brothers (Companhia de Heróis)
>>> A Extravagante Dorothy Parker - Biografia
>>> Era uma vez Dom Quixote (adaptação de Agustín Sánchez Aguilar)
>>> Estranhos Estrangeiros
>>> Conte-me seus sonhos
>>> Borges e os orangotangos eternos
>>> A Dona da História
>>> Clube dos Anjos - Gula
>>> O Hobbit
>>> On the road (Pé na estrada)
>>> Terapia
>>> Moreira da Silva - O Último dos Malanddros
>>> Estudo-Vida de Atos Volumes I e II
>>> Ramayana - Poema épico Hindu - William Buck - Livro Rarissimo
>>> O Alcorão - Mansour Challita
>>> Terapia da Regressão - Teorias e tecnicas - Herminia Prado Godoy,Livro Raro
>>> As Varias Vidas da Alma - Roger J. Woolger psicoterapelta junguiano Livro rarissimo!!
>>> Confederação Intergaláctica II - Esoterico
>>> Movida pela Ambição
>>> Leite Derramado
>>> Teatro da Obsessão/Nelson Rodrigues
>>> A Distância entre nós
>>> Quem Sobreviverá?
>>> Centúrias sobre a Caridade e Outros Escritos Espirituais
>>> Teria Deus morrido?
>>> Operação Cavalo 4 De. Troia Nazaré
>>> Photoshop CS para Fotógrafos Digitais
>>> Viagens no Scriptorium
>>> Este Lado do Paraíso
>>> Amor Líquido - Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos
>>> Quinta Avenida, 5 da Manhã - Audrey Hepburn- Bonequinha de Luxo e o Surgimento da Mulher Moderna
>>> La Consolante
>>> Notre-Dame de Paris
>>> A Arte da Guerra
>>> A Sociologia de Norbert Elias
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Cântico dos Cânticos
>>> La femme de trente ans
>>> The Notebook
>>> Foe
>>> Os Versos Satânicos
>>> Terra Sonâmbula
>>> Caim
COLUNAS

Terça-feira, 26/4/2016
Tricordiano, o futebol é cardíaco
Luís Fernando Amâncio

+ de 2400 Acessos

Atualmente, há quem afirme que o futebol está agonizando. Embora seja uma posição embebida no saudosismo - “ódio eterno ao futebol moderno” – é um sentimento legítimo. Assusta ver o business dominando o esporte. É o tanto de dinheiro envolvido. É o padrão FIFA de estádios, opa, arenas, que mais parecem anfiteatros. São os clássicos com torcida única. São os gols da Alemanha. Às vezes, o melhor é mesmo assistir ao filme do Pelé. O futebol ficou gourmetizado demais.

Mas toda regra tem exceção. Ainda que “todos os caminhos levem a Roma” – ou seja qual for a cidade onde será a final da Champions League – há trilhas mais tortuosas do que outras. A do Clube Atlético Tricordiano, clube modesto do sul de Minas, é torta como as três curvas do Rio Verde.

O Tricordiano é um time novo, fundado em 2008. Porém, ele veio ao mundo com carcaça e alma de velho. De um velho bem específico, aliás: o Atlético Clube Três Corações (ACTC), agremiação que, entre períodos amadores e profissionais, completaria 100 anos em 2013. Antes, porém, de soprar sua 94ª velinha, com uma desastrosa participação no Módulo II do Campeonato Mineiro de 2007 - sem dinheiro e sem estádio para mandar seus jogos, precisou abandonar o certame depois de cinco jogos - o Atlético de Três Corações fechou as portas atolado em dívidas.

O Tricordiano surgiu no ano seguinte com uma missão bem definida: não deixar órfã de futebol a cidade que se orgulha de ter o Rei como filho ilustre. E, ao ter a existência atrelada a um torrão, o Tricordiano já nasceu rebelde, quebrando a tendência itinerante dos times jovens. Observem só: o Grêmio Barueri já foi Prudente, o Ipatinga passou por Betim, o Guaratinguetá já foi à Americana, o Audax deixou a zona sul paulistana para ir à Osasco e o Nacional Esporte Clube já passou por Coronel Fabriciano, Nova Serrana, Muriaé e, ufa, chegou a Esmeraldas. Dentre outros.

O simpático símbolo do Tricordiano

Os times que nasceram nas últimas décadas já vieram com o DNA do futebol moderno. Eles surgem atrelados ao capital de grupos de empresários ou empresas multinacionais, com centros de treinamentos melhores do que os de times tradicionais, estrutura administrativa, CEO e tantas outras papagaiadas. Surgiu a curiosa figura do “dono do time”, empresário que não entra no futebol para perder dinheiro. Se a mão invisível do mercado apontar para outra direção, um abraço. O dono leva embora o investimento, o time e a ilusão da torcida.

Se existe algo que não manda no Tricordiano, é o dinheiro. Até porque ele falta. Sem mecenas para descarregar dinheiro no clube, seu maior patrocinador costuma ser a prefeitura municipal. O que, convenhamos, passa longe de ser o ideal. Tornar o time sustentável, com receitas estáveis, é o árduo desafio. O perrengue financeiro é tanto que, em um dos primeiros mantos sagrados do Tricordiano, uma igreja evangélica constava entre os patrocinadores. Um verdadeiro time ungido.

Mas, se há um proprietário do Tricordiano, é a sua torcida. Poucos times do interior têm seguidores tão fanáticos quanto os de Três Corações. A Galofúria, sua torcida organizada, transforma o Elias Arbex, o estádio, num caldeirão. Ou caldeirinha, já que a cancha, acanhada e com arquibancadas arcaicas, tem público liberado para 2500 pessoas. Os “desorganizados” também cumprem o seu papel. Tem fumaça vermelha, ola, tios cuspindo marimbondos no alambrados, do ladinho dos bandeirinhas, churrasquinho, cantoria... Quando vou ao Elias Arbex, me sinto a Globo contabilizando as manifestações pelo impeachment da Dilma: saio sempre com a impressão de ter uns 50 bilhões de torcedores. Jogar como adversário em Três Corações não é fácil. Assistir a jogos lá, um espetáculo.

O terreiro do Galo, onde o lugar mais concorrido é o alambrado

Sinta só como foi o clima na cancha de Três Corações em 2009, quando o time ficou em terceiro na Segunda Divisão do Campeonato Mineiro – que, na prática, é nossa terceirona – e ganhou a dignidade mínima de disputar um campeonato onde há o risco do rebaixamento.



Destaque para a torcida ovacionando Binho CACHACEIRO, ídolo do time. Um craque com essa alcunha é uma prova de que o futebol respira.

O êxtase não foi diferente na virada épica contra o Uberlândia, em 2015. Ora, um time sair perdendo de 4 a 0 em casa parece uma catástrofe irremediável. Eu, que estava no estádio, já me intrigava com a temperatura glacial dos meus pés. Não os arredei de lá, todavia, numa das decisões mais acertadas da minha vida. No segundo tempo, a reação espetacular, uma das maiores da História – com agá maiúsculo mesmo, me permitam. Fim de jogo e 5 a 4 para o Tricordiano. Só não foi 6 a 4 para não parecer que foi fácil. Dizem que nas semanas seguintes um DVD com a partida na íntegra estava sendo vendido em Três Corações. Eu compraria sem perguntar o preço.



Neste ano, outro dia histórico: nova virada, desta vez contra o poderoso Atlético Mineiro, no Independência, La Bombonera de Minas (“caiu no Horto, tá morto”?). 4 a 2 para os visitantes. Fora o baile. Um feito para um time que fazia um campeonato atrapalhado e parecia destinado ao rebaixamento – sobre a jornada de 2016, indico o texto do amigo Thales Machado. Farra para os 131 torcedores adversários que puderam cantar “o Independência é nosso, aha uhu”. Esses caipiras do interior, uns abusados, fizeram até “olé”. Nunca antes na história desse modesto time, amigos. E não me venham com mesquinharias de que o time da capital era o reserva, de que o terceiro gol foi, na verdade, um cruzamento errado. Erro é não reconhecer uma pintura daquelas. Foi diante dos meus olhos.

O Independência foi nosso

Por tudo isso, para a turma que está se arrumando para o velório do futebol, um conselho: mude de canal. Ou melhor, desligue a tv. Há partidas extraordinárias acontecendo naquele campinho que você não dá nada por ele. É só arriscar. O Tricordiano está arriscando. Em tempos de futebol gourmet, o Tricordiano é aquele lanche X-Podrão do trailer da esquina. Sem firulas. Só sabor.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 26/4/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
02. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
03. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal
04. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
05. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
02. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
03. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
05. A futebolização da política - 29/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CRIME NOSSO DE CADA DIA
GEVAN DE ALMEIDA
IMPETUS
(2004)
R$ 38,00



CIÊNCIA & VIDA - PSIQUE - 13
VÁRIOS
ESCALA
(2007)
R$ 6,50



MELHOR HISTORIA ESTÁ POR VIR
MARIA DUENAS
PLANETA
(2014)
R$ 14,00



EM BUSCA DA BRASILIDADE - TEATRO BRASILEIRO NA PRIMEIRA REPÚBLICA
CLAUDIA BRAGA
PERSPECTIVA
(2003)
R$ 19,00



A MEDICINA TEM CURA?
WILSON LUIZ SANVITO
ATHENEU
(1994)
R$ 14,50



FOCUS ON ENGLISH AND AMERICAN LITERATURE
KENNETH BRODEY / FABIO MALGARETTI
MODERN LANGUAGES
(2002)
R$ 120,00



TENTAÇÃO SEM LIMITES
ABBI GLINES
ARQUEIRO
(2014)
R$ 20,00



DISCURSO DO MÉTODO
RENÉ DESCARTES
MARTINS FONTES
(2016)
R$ 15,40



AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE VIVENCIAM
DOROTHY LAW NOLTE - RACHEL HARRIS
SEXTANTE
(2009)
R$ 5,00



TEATRO GREGO: TRAGÉDIA E COMÉDIA
JUNITO DE SOUZA BRANDÃO
VOZES
(1984)
R$ 14,00





busca | avançada
40789 visitas/dia
896 mil/mês