Tricordiano, o futebol é cardíaco | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Show com grupo Tambora faz um mergulho na obra de compositoras de diversos países da América Latina
>>> Pianista revelação, Juliana D'agostini mostra seu talento no Natal Musical do VillaLobos
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Rios inversos
>>> Você pertence a um não lugar
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ária da Rainha da Noite
>>> Let us protect you in the labyrinth
>>> Um coral de 10 mil vozes
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Steve Jobs sobre o mundo
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Sobre o gênio que é Harold Pinter
>>> Gente que corre
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Sem lero-lero
Mais Recentes
>>> Pensamento Complexo: suas aplicações à liderança, à aprendizagem e ao desenvolvimento sustentável
>>> Dictionnaire D'Analyse du Discours (1ª ed.)
>>> Defenda seus direitos
>>> O momento da sua virada
>>> Uma Viagem Aos Reinos
>>> Trilha para os Jovens
>>> Titan - O mundo de aventuras fantásticas
>>> Sonhos Lúcidos
>>> Raiva. Seu Bem, Seu Mal
>>> O Shadowdale Vale Das Sombras
>>> O perdedor
>>> O livro secreto da maçonaria
>>> O livro da quituteira
>>> O caso Schreber
>>> O Caminho do mago
>>> Lobisomem O - Apocalipse - Rpg
>>> Livro do Mestre - Advanced Dungeons e Dragons
>>> Gurps. Modulo Básico
>>> Francisco de Assis e Francisco de Roma: Uma Nova Primavera na Igreja
>>> Forgotten Realms 3 Guia De Campanha Para Undermontain
>>> Cinema: O Divã e a Tela
>>> Até os Felizes Sofrem
>>> Assessoria de Imprensa
>>> As Virtudes da Casa
>>> Além do bem e do mal
>>> Aleister Crowley - A Biografia de um Mago
>>> A realização espontânea do desejo
>>> Belo Desastre
>>> Nao deixe para depois o que voce pode fazer agora
>>> Ecos Dos Mortos
>>> O pai sessenta minutos
>>> A Noite dos Quatro Furacões
>>> Caixa de Pássaros
>>> Qualidade em Serviços
>>> O Quarto Poder - Uma Outra História - 1ª Edição
>>> Sem Vestígios - Revelações de um Agente Secreto da Ditadura
>>> O Arroz de Palma - Edição Comemorativa
>>> Cisnes Selvagens - Três Filhas da China
>>> Sobre o Céu e a Terra - As Ideias do Papa Francisco
>>> Sobre Heróis e Tumbas - 2002
>>> O Homem de Beijing - 1ª Edição
>>> Compêndio de Análise Institucional e Outras Correntes - Teoria e Prática
>>> As Cartas Ácidas da Campanha de Lula de 1998 - 1ª Edição
>>> A Igreja Universal e Seus Demônios - Um Estudo Etnográfico
>>> Eugene H peterson ( o caminho de Jesus e os atalhos da igreja)
>>> Cadernos do nosso tempo Cinema Brasileiro
>>> Ciência Contemplativa
>>> O Absurdo e a Graça
>>> Farra no Formigueiro
>>> Picasso - Coleção Crianças Famosas
COLUNAS

Terça-feira, 26/4/2016
Tricordiano, o futebol é cardíaco
Luís Fernando Amâncio

+ de 2500 Acessos

Atualmente, há quem afirme que o futebol está agonizando. Embora seja uma posição embebida no saudosismo - “ódio eterno ao futebol moderno” – é um sentimento legítimo. Assusta ver o business dominando o esporte. É o tanto de dinheiro envolvido. É o padrão FIFA de estádios, opa, arenas, que mais parecem anfiteatros. São os clássicos com torcida única. São os gols da Alemanha. Às vezes, o melhor é mesmo assistir ao filme do Pelé. O futebol ficou gourmetizado demais.

Mas toda regra tem exceção. Ainda que “todos os caminhos levem a Roma” – ou seja qual for a cidade onde será a final da Champions League – há trilhas mais tortuosas do que outras. A do Clube Atlético Tricordiano, clube modesto do sul de Minas, é torta como as três curvas do Rio Verde.

O Tricordiano é um time novo, fundado em 2008. Porém, ele veio ao mundo com carcaça e alma de velho. De um velho bem específico, aliás: o Atlético Clube Três Corações (ACTC), agremiação que, entre períodos amadores e profissionais, completaria 100 anos em 2013. Antes, porém, de soprar sua 94ª velinha, com uma desastrosa participação no Módulo II do Campeonato Mineiro de 2007 - sem dinheiro e sem estádio para mandar seus jogos, precisou abandonar o certame depois de cinco jogos - o Atlético de Três Corações fechou as portas atolado em dívidas.

O Tricordiano surgiu no ano seguinte com uma missão bem definida: não deixar órfã de futebol a cidade que se orgulha de ter o Rei como filho ilustre. E, ao ter a existência atrelada a um torrão, o Tricordiano já nasceu rebelde, quebrando a tendência itinerante dos times jovens. Observem só: o Grêmio Barueri já foi Prudente, o Ipatinga passou por Betim, o Guaratinguetá já foi à Americana, o Audax deixou a zona sul paulistana para ir à Osasco e o Nacional Esporte Clube já passou por Coronel Fabriciano, Nova Serrana, Muriaé e, ufa, chegou a Esmeraldas. Dentre outros.

O simpático símbolo do Tricordiano

Os times que nasceram nas últimas décadas já vieram com o DNA do futebol moderno. Eles surgem atrelados ao capital de grupos de empresários ou empresas multinacionais, com centros de treinamentos melhores do que os de times tradicionais, estrutura administrativa, CEO e tantas outras papagaiadas. Surgiu a curiosa figura do “dono do time”, empresário que não entra no futebol para perder dinheiro. Se a mão invisível do mercado apontar para outra direção, um abraço. O dono leva embora o investimento, o time e a ilusão da torcida.

Se existe algo que não manda no Tricordiano, é o dinheiro. Até porque ele falta. Sem mecenas para descarregar dinheiro no clube, seu maior patrocinador costuma ser a prefeitura municipal. O que, convenhamos, passa longe de ser o ideal. Tornar o time sustentável, com receitas estáveis, é o árduo desafio. O perrengue financeiro é tanto que, em um dos primeiros mantos sagrados do Tricordiano, uma igreja evangélica constava entre os patrocinadores. Um verdadeiro time ungido.

Mas, se há um proprietário do Tricordiano, é a sua torcida. Poucos times do interior têm seguidores tão fanáticos quanto os de Três Corações. A Galofúria, sua torcida organizada, transforma o Elias Arbex, o estádio, num caldeirão. Ou caldeirinha, já que a cancha, acanhada e com arquibancadas arcaicas, tem público liberado para 2500 pessoas. Os “desorganizados” também cumprem o seu papel. Tem fumaça vermelha, ola, tios cuspindo marimbondos no alambrados, do ladinho dos bandeirinhas, churrasquinho, cantoria... Quando vou ao Elias Arbex, me sinto a Globo contabilizando as manifestações pelo impeachment da Dilma: saio sempre com a impressão de ter uns 50 bilhões de torcedores. Jogar como adversário em Três Corações não é fácil. Assistir a jogos lá, um espetáculo.

O terreiro do Galo, onde o lugar mais concorrido é o alambrado

Sinta só como foi o clima na cancha de Três Corações em 2009, quando o time ficou em terceiro na Segunda Divisão do Campeonato Mineiro – que, na prática, é nossa terceirona – e ganhou a dignidade mínima de disputar um campeonato onde há o risco do rebaixamento.



Destaque para a torcida ovacionando Binho CACHACEIRO, ídolo do time. Um craque com essa alcunha é uma prova de que o futebol respira.

O êxtase não foi diferente na virada épica contra o Uberlândia, em 2015. Ora, um time sair perdendo de 4 a 0 em casa parece uma catástrofe irremediável. Eu, que estava no estádio, já me intrigava com a temperatura glacial dos meus pés. Não os arredei de lá, todavia, numa das decisões mais acertadas da minha vida. No segundo tempo, a reação espetacular, uma das maiores da História – com agá maiúsculo mesmo, me permitam. Fim de jogo e 5 a 4 para o Tricordiano. Só não foi 6 a 4 para não parecer que foi fácil. Dizem que nas semanas seguintes um DVD com a partida na íntegra estava sendo vendido em Três Corações. Eu compraria sem perguntar o preço.



Neste ano, outro dia histórico: nova virada, desta vez contra o poderoso Atlético Mineiro, no Independência, La Bombonera de Minas (“caiu no Horto, tá morto”?). 4 a 2 para os visitantes. Fora o baile. Um feito para um time que fazia um campeonato atrapalhado e parecia destinado ao rebaixamento – sobre a jornada de 2016, indico o texto do amigo Thales Machado. Farra para os 131 torcedores adversários que puderam cantar “o Independência é nosso, aha uhu”. Esses caipiras do interior, uns abusados, fizeram até “olé”. Nunca antes na história desse modesto time, amigos. E não me venham com mesquinharias de que o time da capital era o reserva, de que o terceiro gol foi, na verdade, um cruzamento errado. Erro é não reconhecer uma pintura daquelas. Foi diante dos meus olhos.

O Independência foi nosso

Por tudo isso, para a turma que está se arrumando para o velório do futebol, um conselho: mude de canal. Ou melhor, desligue a tv. Há partidas extraordinárias acontecendo naquele campinho que você não dá nada por ele. É só arriscar. O Tricordiano está arriscando. Em tempos de futebol gourmet, o Tricordiano é aquele lanche X-Podrão do trailer da esquina. Sem firulas. Só sabor.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 26/4/2016


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
02. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
03. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
05. Lira da resistência ao futebol gourmet - 1/2/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOON IN A DEWDROP: WRITINGS OF ZEN MASTER DOGEN
EIHEI DOGEN
NORTH POINT PRESS
(1995)
R$ 65,00



SPENCER JOHNSON
QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO
RECORD
(2016)
R$ 4,90



GUERNICA: A TELA DE PICASSO - GIJS VAN HENSBERGEN (PINTURA/BIOGRAFIA)
GIJS VAN HENSBERGEN
JOSÉ OLYMPIO
(2009)
R$ 8,00



FINE ART LIÇÕES EM PHOTOSHOP DE DESENHO E PINTURA DIGITAIS
MICHAEL J. NOLAN E RENÉE LEWINTER
QUARK BOOKS
(1998)
R$ 10,00



O VERDE VIOLENTOU O MURO - 2ª EDIÇÃO
IGNACIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1984)
R$ 7,90



CUIDANDO DA VIDA NO PLANETA
FERNANDO CARRARO
FTD
(2010)
R$ 20,00



MOBY DICK VOL. 26
HERMAN MELVILLE
ABRIL CULTURAL
(1972)
R$ 7,90



SHORT STORY THEORIES
CHARLES E. MAY
OHIO UNIVERSITY PRESS
(1997)
R$ 35,00



TÉCNICAS DE NATAÇÃO EM FIGURAS
BOB HORN
EDIÇÕES DE OURO
(1974)
R$ 12,00



PÁSSARO DO PARAÍSO
JOYCE CAROL OATES
ALFAGUARA
(2012)
R$ 21,56





busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês