São Paulo e o medo no cinema | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Nesta quinta-feira, consumidores da capital poderão adquirir milhares de produtos com descontos
>>> Dois solos compõem a Terça Aberta no Kasulo
>>> Mídia em Foco debate as novas perspectivas do mercado da música
>>> "A PALAVRA FORA DO LUGAR: ESCRITORES REFUGIADOS E EM RISCO no CCBB RJ
>>> Escritora Regina Zappa fala sobre maio de 1968 no Sem Censura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O último Shakespeare
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Meu Tom Jobim
>>> Links & Links
>>> A suprema nostalgia
>>> O mundo aos olhos de um pescador
>>> A vingança dos certinhos
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> Sobre o Digestivo, minhas colunas e nossa história
Mais Recentes
>>> Depressão!?!?!
>>> Viagem
>>> Matadouro 5
>>> Infância
>>> Memórias do Cárcere - 02 vols.
>>> O diário de
>>> Philobiblon
>>> Alexandre e outros heróis
>>> Insônia
>>> Vidas Secas
>>> Viventes das Alagoas
>>> Unidos Para Sempre
>>> Textos Clássicos de Português Contemporâneo
>>> Debates Sociais 63/64 Desafios - Araxás 30 Anos Depois
>>> Mandado de segurança - Técnica Processual - VOl. 3
>>> Análise Económica e Financeira de Projectos
>>> Cravo e Canela
>>> Luxúria
>>> Echos de Paris
>>> Tijolo de Segurança
>>> Amar, Verbo Intransitivo
>>> O Continente- Tomo 1
>>> Sebastiana Quebra-Galho
>>> As Origens da Cabala
>>> O Simbolo Secreto
>>> O Simbolo Secreto
>>> Deus Não Está Morto
>>> Die Botschaft der Nahrung
>>> Asterix e os Normandos
>>> Asterix na Hispania
>>> Rio Bossa Nova
>>> 1001 Livros Para Ler Antes de Morrer
>>> Dom Quixote
>>> Casa-grande & senzala
>>> Os Clássicos da Política 2
>>> Os Clássicos da Política 1
>>> Aprender a Viver
>>> Os devaneios do caminhante solitário
>>> Olga
>>> Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem
>>> Obras
>>> Prepare-se para Enriquecer
>>> O Deus presente
>>> A Velhinha de Taubaté
>>> Meninos Sem Pátria
>>> Elite Intelectual e Debate Político nos Anos 30
>>> Didática
>>> Psicomotricidade seu objeto, seu espaço, seu tempo
>>> Vestido de Noiva
>>> Didática do Nível Pré-Silábico - Didática da Alfabetização - Vol. 1
COLUNAS

Quinta-feira, 28/7/2016
São Paulo e o medo no cinema
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1100 Acessos

Nada mais natural do que representações cinematográficas sobre o medo em uma cidade como São Paulo. Medo de lugares, medo do desconhecido, medo do feio, medo da violência, medo do outro, medo de si mesmo. Uma cidade violenta e de desconfianças, mas também de muitas possibilidades e aberturas.

Dois filmes que estiveram em cartaz, nos últimos meses do primeiro semestre de 2016, referenciam São Paulo como grande paisagem e apresentam como tema o medo e, mais além, seus desdobramentos possíveis nos habitantes da cidade – por um lado, a imobilidade, o cerceamento em si mesmo, as crenças arraigadas; de outro, a superação e o vislumbrar de outras e mais vigorosas possibilidades a partir da experiência inicial do medo, o autoconhecimento.

Sinfonia da necrópole, escrito e dirigido por Juliana Rojas, é por si só um longa corajoso e original por sua temática cemiterial. Ainda, surpreendentemente, é um musical. A trama é centrada no jovem Deodato (Eduardo Gomes), um jovem aprendiz de coveiro que não tem afinidade com o entorno mórbido e as atribuições da profissão. O cotidiano “pacato” do cemitério no entanto será desfeito com a chegada de uma funcionária, Jaqueline (Luciana Paes), que irá liderar um recadastramento dos túmulos a fim de aumentar o número de jazigos. Aí temos também uma questão capitalista forte que acomete até mesmo a morte.

O simples e cordato Deodato irá se apaixonar pela eficiente Jaqueline, permanecendo em seu estágio no cemitério apesar de sua repulsa e melancolia pelas coisas da morte. Por outro lado, de espírito prático, a dinâmica Jaqueline encara os trâmites que envolvem a morte como um trabalho, e ali ele consiste em ser otimizado. As músicas do filme, que falam sobre o amor, a morte, as questões práticas do cemitério retrabalham sobre os temas de forma a reforçar e incluir novos elementos na mensagem a ser passada, ou seja, não consistem em meros coadjuvantes ornamentais.

Reconhece-se como cenário a avenida Dr. Arnaldo, um bar e os cemitérios do Santíssimo Sacramento e do Araçá localizados na própria avenida. Dado interessante para quem gosta de reconhecer e encontrar São Paulo no cinema. O mesmo acontece no longa Uma noite em Sampa, escrito e dirigido por Ugo Giorgetti. Toda a ação se passa em apenas uma noite nas escadarias do mirante na rua dos Ingleses e na fachada do Teatro Ruth Escobar.

Será lá que as personagens ficarão aterrorizadas diante da possibilidade de algo terrível lhes acontecer, mesmo não sabendo exatamente o quê... Um grupo de pessoas marcadas por traumas de violência urbana reais ou imaginários, após uma sessão de teatro, aguarda um ônibus de turismo com a guia. No entanto, o motorista misteriosamente desaparece, deixando-os ao relento e ao sabor de uma confabulação sobre a violência paulistana.

Uma fauna variada compõe o grupo: casais jovens, de meia-idade, idosos, empregada e patroa, uma filha e sua mãe cega. Esta, aliás, carrega o melhor da ironia no longa, pois é a única que não sente medo e se mistura com moradores de rua e consumidores de drogas do mirante. Outro ponto de interesse é a inserção de manequins como personagens literalmente imobilizadas, uma metáfora do ridículo da situação. Não sabermos se eles são percebidos ou não como tais pelos medrosos personagens de carne e osso torna ainda melhor a ideia.

Deodato e as personagens da noite paulistana são reféns de si mesmos. Pelo bem ou pelo mal, Deodato é um personagem mais forte pois, ainda que levado mais pelo amor à Jaqueline do que à profissão de coveiro, ele tem a coragem necessária para ir além do entorno que o aflige (mesmo que as coisas não aconteçam da forma que ele mais desejaria). O mundo em que vivia não lhe fazia sentido, mas ele também não tinha ferramentas para discernir outras possibilidades.

Enquanto isso, as personagens de Uma noite em Sampa não ultrapassam o medo que as acometem. O episódio só serve para aumentar suas inseguranças e preconceitos, imobilizando-as dentro de si mesmas e em seus conceitos rígidos de classe social. Assim, os filmes falam sobre o medo, mas um medo sem razão de ser, pelo sobrenatural, ou pela fobia social. Medo que beira ao supersticioso. Medo que beira ao patético.

Sinfonia da necrópole parte de algo complicado que é uma comédia musical que se passa num cemitério (relacionando a necrópole com a metrópole), com um desenvolvimento simples e que convence exatamente pela sua simplicidade, singeleza e boas atuações. Uma noite em Sampa parte de uma ideia simples (uma saída teatral seguida de um jantar malfadados), mas que se embaraça em atuações teatrais e inexplicáveis voltas em torno de si, dificultando um enredo factível.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
02. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural de Wellington Machado
04. Uma fábula anticatólica de Daniel Lopes
05. Lady Gaga, uma aula do pastiche de Relivaldo de Oliveira


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2016
01. Um safra de documentários de poesia e poetas - 2/6/2016
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius - 25/8/2016
03. Antonia, de Morena Nascimento - 14/4/2016
04. Meu querido mendigo - 18/8/2016
05. O bosque das almas infratoras - 23/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O VENTRE - ROMANCE
CARLOS HEITOR CONY
COMPANHIA DAS LETRAS
(1998)
R$ 8,99



O MENSAGEIRO
LESLIE POLES HARTLEY
NOVA ALEXANDRIA
(2002)
R$ 15,00



DIREITO ADMINISTRATIVO - QUESTÕES DA ESAF COM GABARITO COMENTADO
GUSTAVO BARCHET
ÍMPETUS
(2004)
R$ 19,85



MISTÉRIOS DA HISTÓRIA DA MÚSICA - MORTE DE MOZART E MUITAS OUTRAS
EDGARD DE BRITO CHAVES JÚNIOR
EDIOURO
R$ 8,09



TRÓPICO DE CÂNCER - HENRY MILLER (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
HENRY MILLER
NOVA CULTURAL
R$ 8,00



O SISTEMA TRIBUTÁRIO DA CONSTITUIÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES
DAGOBERTO LIBERATO CANTIZANO
RIO
(1978)
R$ 5,00



TAQUICARDIA SUPRAVENTRICULAR - VOL. 3
MELVIN M. SCHEINMAN DR ROBERTO LAURO LANA
INTERLIVROS
(1990)
R$ 9,04



ANCIENT EGYPT THE BOOK OF THOTH
ALEX RAYNHAM
MACMILLAN EDUCATION
(2014)
R$ 15,00



QUANDO DOIS OLHARES SE CRUZAM - AUTOGRAFADO
IZA MARIA
LIVRE EXPRESSÃO
(2011)
R$ 30,00



AQUELE VERÃO
SARAH DESSEN
MODERNA
(2012)
R$ 13,00





busca | avançada
23157 visitas/dia
708 mil/mês