Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
22843 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> Rogério Skylab lança novo trabalho
>>> Tassia Tercero, Confeiteira Gourmet, lança o livro Brigadeiro - Do Brasil Para o Mundo
>>> Educadora compara manuais pedagógicos que viajaram entre Brasil e Portugal
>>> Francisco Marto de Moura ministra aula sobre o Novo Acordo Ortográfico na Universidade do Livro
>>> Trabalhador brasileiro é homenageado em exposição no Sesc D.Pedro II
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Homenagem a Yumi Faraci
>>> Transei com minha mãe, matei meu pai
>>> A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima
>>> Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois
>>> Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois
>>> Apresentação
>>> Proibir ou não proibir?
>>> Os Franceses, de Ricardo Corrêa Coelho
>>> Jogando uma pedra no poço sem fundo
>>> A arte contemporânea refém da insensatez
Mais Recentes
>>> Dicionário de Linguística
>>> Civilizações Misteriosas
>>> Dragon Lords: O Reino dos Dragões (Disney)
>>> Primeira lição uma cartilha metafísica
>>> Livro A Arte Da Estratégia
>>> O Estrangeiro
>>> O ultimo reino
>>> O livro perdido das bruxas de salem
>>> As treze reliquias
>>> Iluminadas
>>> Caçadores de almas segredos e maldições
>>> A formula da Eterna Juventude e outros experimentos nazistas
>>> Eixo Especial 2 - Vingadores - X-Men
>>> Eixo Especial - Vingadores - X-Men
>>> Como pegar a joia do dragão, por Soluço Spantosicus Strondus III
>>> A história dos Novos Bahianos e outros versos
>>> O ancião que saiu pela janelas e desapareceu
>>> Elis Regina: Nada será como antes
>>> O novo paradigma para os mercadso financeiros: a crise atual e o que ela significa
>>> Give your speech, change de world: how to comunicate your audience to action
>>> Desvendadno os Segredos da Linguagem Corporal
>>> A sense of urgency
>>> O poder dos quietos: como os tímidos e introvertidos podem mudar um mundo que não para de falar
>>> O mundo imaginário de ...
>>> Missão dada é missão cumprida: as regras do exército
>>> Projetado para mudar: Inovação organizacional na Hewlett-Packard
>>> Emgreça com a Dieta dass Calorias do Bem
>>> O Corpo Fala
>>> Lendas Do Mundo Emerso 3 - Os últimos Heróis
>>> Lendas Do Mundo Emerso 2 - Filha Do Sangue
>>> Lendas Do Mundo Emerso 1 - O Destino De Adhara
>>> Crônicas Do Mundo Emerso 3 - O Talismã do Poder
>>> Crônicas Do Mundo Emerso 2 - A Missão de Senar
>>> Crônicas Do Mundo Emerso 1 - A Garota da Terra Do Vento
>>> As Guerras Do Mundo Emerso 3 - Um Novo Reino
>>> As Guerras Do Mundo Emerso 1 - A Seita Dos Assassinos
>>> As Guerras Do Mundo Emerso 2 - As Duas Guerreiras
>>> Para Viver Bem
>>> Albert Einstein - personagens que marcaram época
>>> Mitologia Nórdica
>>> O Livro dos Arteiros: Arte Grande e Suja!
>>> Leila Diniz - Personagens que marcaram época
>>> A 5ª Onda
>>> O Mar Infinito
>>> Contos Brasileiros Contemporâneos
>>> A dissertação
>>> Mensagem para você
>>> Cartas de Amor aos Mortos
>>> Arte o Guia Visual Definitivo da Arte da Pre Historia ao Seculo XXI
>>> Princípios Básicos de Análise ddo Comportamento
COLUNAS

Terça-feira, 9/8/2016
Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3300 Acessos



Em seu sétimo livro de poesia, Nós, os dinossauros”, editado pela Patuá, André Luiz Pinto nos reserva uma tensão difícil de solucionar. O encontro da poesia com a reflexão sobre sua própria existência e, como se não bastasse, com a “questão social”, que soma-se ao “problema” do próprio sistema da poesia.

Esta questão, tanto séria quanto nebulosa para a arte, já foi enfrentada por T. W. Adorno e Walter Benjamin, dois dos mais importantes teóricos do século XX. Adorno em seu ensaio “Lírica e sociedade” e Benjamin, ao estudar Baudelaire, quando aproveitou para refletir sobre o mercado de trabalho literário de sua época.

Segundo Benjamin, “o poeta sabia bem a situação do literato: como flaneur ele vai ao mercado para olhá-lo, mas no fundo procura um comprador. Livros e prostitutas se assemelham: ambos têm seu tipo de homens, que vivem às suas custas e os atormentam. Quem escreve livros se oferece ao mercado como uma prostituta; quem escreve sobre livros, vive às custas deles como um gigolô. O poeta lírico oferece a sua própria intimidade no mercado: poderá devassá-la quem quiser e pagar o preço. Uma resenha literária serve para difundir um livro, isto é, para que ele seja mais vendido: faz parte do processo de propaganda. A crítica literária geralmente faz o mesmo, só que não sabe disso”. (Flavio Kothe)

No caso de Adorno, “a lírica é vista como expressão do individual íntimo, livre e oposto à práxis. Afirma que a expressão do individual na lírica deve transcender duplamente o individual: pelo mergulho nele, descobrindo o subjacente, o ainda não captado nem realizado no social; e pela expressão, encontrando através da forma uma participação no universal. O poema acaba se tornando o sonho de uma sociedade diversa da existente, que é entendida como sendo fria, opressiva, inimiga e estranha. Nesta, o poder de coisificação é visto como sendo tão grande que ele não pode mais ser dourado por nenhuma aura lírica.” (Flavio Kothe)

A poesia de André Luiz navega nessas águas turbulentas. Nela se apresentam o social, a crise da poesia, do poeta (e seu leitor) e o desencantamento do mundo. Ou seja, uma crise infindável.

A questão que se coloca é: como resolver esse problema, não deixando a poesia de ser, antes de tudo, poesia? Nenhum leitor sério de poesia consegue ler uma poesia que seja simplesmente um panfleto político ou uma espécie de confessionário sebento de dores que não transcendam o individual.

Salvaguardar a autonomia da arte em relação ao mundo ou à sociedade é o dever do artista. Mas como realizar essa tarefa? Quando sabemos que o engajamento não passa, muitas vezes, de falta de talento, qual a saída para a poesia se opor à sociedade?

Dar uma orientação à arte é traí-la. Comentar o social (apenas tematicamente) num poema também. Seria cair no discurso programático, que é parte do mundo ordinário da linguagem, diferente da poesia, que se apossa do mundo recusando-o justamente ali, onde o jogo é claramente definido enquanto linguagem comum.

Picasso não fez um tratado sociológico sobre “Guernica”, ao contrário, pôs-se a destruir a possibilidade de uma linguagem comprometida com o real. Destruiu na própria forma a possibilidade de um entendimento objetivo da “realidade” histórica de Guernica. Se não fosse pelo título da obra quem saberia que ela trata de Guernica? A desarticulação da forma traduziu uma vontade de romper com uma realidade objetiva que traduziria o mundo que possibilita a desumanização do homem na guerra (ou como condição ontológica do próprio homem).

André Luiz sabe que a arte é a promessa da felicidade que se esfacela. Por isso seus versos dizem que “a poesia/ não há/ de vingar”. A moeda do mercado é quem está organizando os “nichos” de sua existência. Os próprios poetas enterrarão a poesia: “o pior já foi confirmado”. Está consumado.

A crítica percorre vários poemas, desde a ironização dos saraus onde o poeta ou a marca de relógio não se diferenciam mais, até a (des)compostura do poeta que se veste "com estilo": “a echarpe, aliás,/ caiu super bem na noite/ de autógrafos”.

O elemento irônico é constante nos poemas de André Luiz. É pisoteando na má fé dos fatos sociais que ele aponta a saída, essa promessa frustrada de felicidade, como no poema de versos picoteados e/ou entrecortados “Nikita”: “dizia/ com o picolé na mão/ adoro/ tragédias/ tarados/ & promessas/ quando vou/ às festas/ de meu pai/ nos leilões/ imagino/ mst/ invadindo/ deto/ nando/ a festinha/ dos/ barões/ bois premiados/ agora/ servem/ de churrasco/ no prato/ das crianças/ “não me/ queira mal/ é que eu só desejo/ o pior”/ dizia/ enquan/ to/ chupava/ picolé saindo/ da boate/ aindademanhã”.

Às vezes alguns poemas caem inesperadamente como uma bomba no nosso colo, como é o caso de “Sobrenome”, onde transcende-se o elemento individual (como na exigência de T. W. Adorno) em nome de uma “dor do mundo”, comum a todos, fruto da dialética das relações de força entre os humanos.



O elemento social aparece na poesia de André Luiz em vários poemas. Mas esse “social” não é a denúncia simples da violência sobre os oprimidos, mas a resposta enigmática da resistência quase surreal das imagens da poesia, como em Zumbi: “zumbi, a estátua/ uma cabeça que mesmo depois de cortada/ continua a encarar/ os algozes.”



O fato da poesia de André Luiz se fazer crítica, no sentido de ser uma operação da linguagem como “écriture”, em oposição à fala ordinária, de não se render ao discurso do óbvio nem do sumariamente ideológico, torna essa criação necessária e potente.

A poesia de André Luiz tem nos alimentado com a beleza, sem deixar de nos dar, também, o gosto amargo de sua relação com o mundo.

Por isso, ele aposta na imagem dos dinossauros ainda resistentes. Desde Homero, aqui estamos (nadando contra a utopia autoritária da República de Platão). Atravessamos a história da humanidade. O ocaso se anuncia. Mas os dinossauros resistem. Sempre resistem. Não é esse o caso do livro de André Luiz?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Madame Bovary, Flaubert e a permanência no tempo de Aline Pereira


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MORAL DE ATITUDES. II: ÉTICA DA PESSOA
MARCIANO VIDAL
SANTUÁRIO
(1988)
R$ 20,00



UM NOVO EU- AUTOTERAPIA PELA ANÁLISE TRANSACIONAL
MURIAEL JAMES, LUIS SAVARY
IBRASA
(1986)
R$ 28,90



CARTA VIVA O QUE É SER JUSTO Nº 23
R. R. SOARES
IGREJA INTERNACIONAL DA GRAÇA DE DEUS
(1997)
R$ 3,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 3
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2007)
R$ 9,99



RUPTURAS POSSÍVEIS: REPRESENTAÇÃO E COTIDIANO NA SÉRIE OS ASSUMIDOS (QUEER AS FOLK)
SOFIA ZANFORLIN
ANNABLUME
(2005)
R$ 39,48



IOGA SECRETO - BIBLIOTECA PLANETA Nº 11
AUTOR MOLINERO
TRÊS
(1973)
R$ 7,00



ZÉLIA, UMA PAIXÃO
FERNANDO SABINO
RECORD
(1989)
R$ 7,00



MINHAS HISTORIAS DOS OUTROS
ZUENIR VENTURA
PLANETA
(2005)
R$ 7,00



LANNY BUDD CONTRA ...
UPTON SINCLAIR
HEMUS
(1967)
R$ 8,00



A LUTA PELA ÁFRICA (ESTRATÉGIA DAS POTÊNCIAS)
GERARD CHALIAND
BRASILIENSE
(1982)
R$ 8,00





busca | avançada
22843 visitas/dia
829 mil/mês