Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
40082 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Big Band Infanto-Juvenil do Guri traz o melhor do Jazz para Casa-Museu Ema Klabin
>>> Pátio Alcântara realiza a '6ª Mostra de Orquídeas'
>>> Espetáculo 'Ana Bastarda' dança o feminismo no Brasil
>>> Série Bravos! apresenta a trajetória da artista maranhense Thabata Lorena
>>> Caminhos da Reportagem discute preconceito, tabu e silêncio em torno do suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O que sei do tempo V
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
>>> Julie (Powell) & Julia (Child), com Meryl Streep
>>> MPTA, Dança feita de Afetos Condensados
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Bonecas russas, de Eliana Cardoso
>>> O Meu Mundo das Idéias
>>> O Filho da Noiva
>>> Entrevista com Guilherme Fiuza
>>> A literatura de Giacomo Casanova
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
Mais Recentes
>>> Casados Com Paris
>>> Atividade Física E Osteoporose
>>> Encargos Sociais
>>> Viva Como Você Quer Viver - 5 passos para a realização
>>> Escrevendo e Normalizando Trabalhos Acadêmicos - Um guia metodológico
>>> Pais, Educando Para O Século 21
>>> Treinando Profissionais
>>> Macromedia Dreamweaver M X - Guia Prático
>>> Fundamentos do Direito Tributário
>>> Estações
>>> Band Of Brothers (Companhia de Heróis)
>>> Gestão Racional Empresa Excepcional
>>> Cidade De Ladrões
>>> Fora de Controle - Como o Acaso e a Estupidez Mudaram a História do Mundo
>>> Pedagogia e Pedagogos, para quê?
>>> Eu Creio, nós Cremos: Tratado da Fé
>>> Desistir? Nunca!
>>> A Guerra Do Macarrão
>>> Uma Historia de Deus - Quatro Milênios de Busca do Judaísmo, Cristianismo e Islamismo
>>> Você Mais Jovem - Descubra como sentir-se e parecer 15 anos mais jovem
>>> Jesus Mestre de Nazaré
>>> A Lira Da Lida
>>> A Febre do Ouro
>>> Jesus e Javé. Os Nomes Divinos
>>> Terceirização - Uma Alternativa De Flexibilidade Empresarial
>>> Humanidade, Fracasso Da Natureza?
>>> Grande Enciclopédia Larousse Cultural Vol. 2
>>> Grande Enciclopédia Larousse Cultural Vol. 1
>>> As mulheres das tragédias gregas: Poderosas? 1ª ed.
>>> A Literatura Brasileira Através dos Textos
>>> Gramática Construtural da Língua Portuguesa Volumes 1 e 2
>>> Português Funcional Volume 8
>>> Português Funcional Volume 7
>>> Português Funcional Volume 6
>>> Português Funcional Volume 5
>>> Português Funcional Volume 4
>>> Português Funcional Volume 3
>>> Português Funcional Volume 2
>>> Português Funcional Volume 1
>>> Gramática da Língua Portuguesa
>>> O livro de J
>>> O Juízo Moral na Criança
>>> O Desaparecimento de Deus - Um Misterio Divino
>>> 50 Tons de Liberdade
>>> Mil Anos de Felicidade: uma história do Paraiso
>>> Jesus Existiu? História e Hermenêutica
>>> Gestalt - Terapia: Refazendo um Caminho
>>> Encontro Fatal
>>> Asterios Polyp
>>> Sin City A Cidade do Pecado
COLUNAS

Quinta-feira, 11/8/2016
Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida
Heloisa Pait

+ de 2100 Acessos

Bonito de ver o espetáculo “A Última Dança”, no pequeno teatro Viga, em São Paulo, que fica em cartaz até o dia 15 de agosto. As cadeiras desconfortáveis e o cheiro de plástico queimado – intencional, acredito – fazem nosso corpo querer sair dali. Em contraposição, a beleza dos movimentos da atriz e a estranha delicadeza das máquinas espalhadas pelo palco nos fazem ficar. Nesse cabo de guerra, vamos aos poucos tomando consciência de estarmos lá, num processo semelhante ao que passou Simone Weil, cujos escritos e experiência inspiram a peça.

A peça faz a gente querer saber mais sobre ela, suas idéias, seu tempo, sua vida. Sobre seu irmão André Weil, um matemático brilhante que chegou a dar aulas na USP, ao final da guerra. Mas “a última dança” consegue evocar esse mal estar sublime que parece ser um dos pontos centrais do pensamento – e da vida – de Simone Weil.

Filósofa, professora e erudita, Weil voluntariamente se emprega em fábricas nos arredores de Paris nos anos 1930, em busca de um conhecimento visceral das tribulações do operariado, por quem militava. O drama da vida de Weil é maior que essa experiência. Uma judia que encontra no cristianismo refúgio espiritual; uma mulher brilhante que, rejeitando tanto a “carreira” feminina quanto a intelectual, se lança no ativismo político; uma refugiada que retorna ao palco de guerra como que por dever.

É na experiência fabril, entretanto, que a peça se firma, e isso é bom. O resto da biografia de Weil – ou melhor, da experiência – se revela nos gestos tão interessantes da atriz Natalia Gonsales, brigando com as máquinas, com o tempo, com as idéias. Natalia só não briga com a platéia. Resgatando outras figuras femininas e sua própria voz, com impressionante naturalidade, ela vai trazendo o público para a fábrica e para as reflexões da filósofa. Viramos um pouco Simone no processo, alcançando alguma graça, alguma ascensão, em meio ao ambiente degradado e cruel da produção industrial.

Se essa graça de Weil tem ressonâncias cristãs, de elevação espiritual em meio ao sofrimento, ou se pode ser uma espécie de aliá, elevação espiritual também, só que moderna, não temos como saber. Nessa aliá parodiada, Weil não sobe ao tablado para ler a Torá, a Bíblia, como na tradição judaica, mas responde à sirene da fábrica e se prostra diante da máquina, obra humana dos tempos daquele hoje. De um jeito ou outro, a graça é alcançada e a peça tem algo de sublime.

Tanto a peça como a vida de Weil estão repletas de entregas. Entrega aos operários, aos famintos, às vítimas da guerra, de modo visceral, talvez sem razão. Mas Weil não é só corpo, não pode ser apenas entrega. Não faria sentido o gesto que ignorasse todo o seu conhecimento e suas inquietações; é uma entrega com sabor de descoberta e não de martírio. É querer conhecer o outro, romper as barreiras que nos separam da experiência do outro que sente. Querer compreender a fábrica, a guerra, as revoluções, mas pelo seu avesso. Um saber feminino?

Reparei que a beleza da atriz não está nas partes do corpo, digamos, comercializáveis como nas pneumáticas mulheres de Aldous Huxley. Está nos gestos e nas mãos, esse nosso membro meio cerebral, meio corporal, exigido, maltratado, enfeitado, expressivo, frágil, forte. Sentimos pavor de que suas mãos se machuquem no processo fabril, como se perder a destreza fosse o pior perigo do mundo. Mãos que rezam e que escrevem.

E, se aquela entrega e sofrimento têm esse caráter também intelectual e especulativo, me dou o direito de ver a peça como um alerta mais que como expiação. Um alerta para os objetos que botamos na bimá, no altar de devoção. Que livros, que máquinas, que ideais, que objetivos, que organizações e que pessoas. O ano fabril de Weil pode ser interpretado, claro, como um ano em que ela se entrega à experiência do operário francês ainda desprotegido por leis trabalhistas adequadas. Pode ser interpretado como uma espécie de martírio. Já eu vi como a resposta a uma pergunta muito conceitual: o que acontece quando cultuamos a máquina como se ela fosse o Ensinamento, quando a colocamos no lugar da Torá?

Se a experiência de Weil é um modo corporal de fazer uma pergunta, como eu a entendo, a verdade é que sua pergunta, arcaica, permanece viva até hoje. Que acontece conosco quando botamos máquinas no altar? Ou ideais que lá não pertencem? Ou pessoas tão frágeis como nós? A peça, compartilhando a experiência física de Weil, repõe a pergunta, num jogo envolvente entre corpo e alma, razão e sentido, desejo e pavor.



Heloisa Pait
São Paulo, 11/8/2016


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait
01. A Garota do Livro: uma resenha - 16/6/2016
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida - 11/8/2016
04. Diálogos no Escuro - 4/8/2016
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker - 29/6/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POR FAVOR, IGNORE VERA DIETZ
A S KING
NOVO SÉCULO
(2015)
R$ 17,90



ESCUTAR, RECORDAR, DIZER
LUÍS CLÁUDIO FIGUEIREDO
ESCUTA/EDUC
(1994)
R$ 25,00



LUXO
ANNA GODBERSEN
ROCCO JOVENS LEITORES
(2009)
R$ 24,00



CHICO XAVIER ENCONTROS NO TEMPO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER - ESPÍRITOS EMMANUEL E HÉRCIO MARCOS C. ARANTES
IDE
(2005)
R$ 20,90



O CRIME DO PADRE SÓRIO: MAÇONARIA E IGREJA CATÓLICA NO RIO GRANDE DO
LUIZ EUGÊNIO VÉSCIO
UFSM
(2001)
R$ 22,90



APENAS UMA MULHER
D. H. LAWRENCE
RECORD
(1951)
R$ 4,90



LOVE - POEMS BY DANIELLE STEEL
DANIELLE STEL
DELL BOOK
(1989)
R$ 11,00



MILAGRES DE AMOR E AMIZADE
YITTA HALBERSTAN E JUDITH LEVENTHAL
BUTTERFLY
(2005)
R$ 6,00



TEATRO CUBANO: TEATRO ESCOGIDO DE EUGENIO HERNÁNDEZ ESPINOSA
EUGENIO HERNÁNDEZ ESPINOSA
LETRAS CUBANAS
(2006)
R$ 20,00



EXCELÊNCIA NO SECRETARIADO
BETE D'ELIA, MAGALI AMORIM E MAURICIO SITA
SER MAIS
R$ 29,45
+ frete grátis





busca | avançada
40082 visitas/dia
993 mil/mês