A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
22843 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> Rogério Skylab lança novo trabalho
>>> Tassia Tercero, Confeiteira Gourmet, lança o livro Brigadeiro - Do Brasil Para o Mundo
>>> Educadora compara manuais pedagógicos que viajaram entre Brasil e Portugal
>>> Francisco Marto de Moura ministra aula sobre o Novo Acordo Ortográfico na Universidade do Livro
>>> Trabalhador brasileiro é homenageado em exposição no Sesc D.Pedro II
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Homenagem a Yumi Faraci
>>> Transei com minha mãe, matei meu pai
>>> A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima
>>> Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois
>>> Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois
>>> Apresentação
>>> Proibir ou não proibir?
>>> Os Franceses, de Ricardo Corrêa Coelho
>>> Jogando uma pedra no poço sem fundo
>>> A arte contemporânea refém da insensatez
Mais Recentes
>>> Dicionário de Linguística
>>> Civilizações Misteriosas
>>> Dragon Lords: O Reino dos Dragões (Disney)
>>> Primeira lição uma cartilha metafísica
>>> Livro A Arte Da Estratégia
>>> O Estrangeiro
>>> O ultimo reino
>>> O livro perdido das bruxas de salem
>>> As treze reliquias
>>> Iluminadas
>>> Caçadores de almas segredos e maldições
>>> A formula da Eterna Juventude e outros experimentos nazistas
>>> Eixo Especial 2 - Vingadores - X-Men
>>> Eixo Especial - Vingadores - X-Men
>>> Como pegar a joia do dragão, por Soluço Spantosicus Strondus III
>>> A história dos Novos Bahianos e outros versos
>>> O ancião que saiu pela janelas e desapareceu
>>> Elis Regina: Nada será como antes
>>> O novo paradigma para os mercadso financeiros: a crise atual e o que ela significa
>>> Give your speech, change de world: how to comunicate your audience to action
>>> Desvendadno os Segredos da Linguagem Corporal
>>> A sense of urgency
>>> O poder dos quietos: como os tímidos e introvertidos podem mudar um mundo que não para de falar
>>> O mundo imaginário de ...
>>> Missão dada é missão cumprida: as regras do exército
>>> Projetado para mudar: Inovação organizacional na Hewlett-Packard
>>> Emgreça com a Dieta dass Calorias do Bem
>>> O Corpo Fala
>>> Lendas Do Mundo Emerso 3 - Os últimos Heróis
>>> Lendas Do Mundo Emerso 2 - Filha Do Sangue
>>> Lendas Do Mundo Emerso 1 - O Destino De Adhara
>>> Crônicas Do Mundo Emerso 3 - O Talismã do Poder
>>> Crônicas Do Mundo Emerso 2 - A Missão de Senar
>>> Crônicas Do Mundo Emerso 1 - A Garota da Terra Do Vento
>>> As Guerras Do Mundo Emerso 3 - Um Novo Reino
>>> As Guerras Do Mundo Emerso 1 - A Seita Dos Assassinos
>>> As Guerras Do Mundo Emerso 2 - As Duas Guerreiras
>>> Para Viver Bem
>>> Albert Einstein - personagens que marcaram época
>>> Mitologia Nórdica
>>> O Livro dos Arteiros: Arte Grande e Suja!
>>> Leila Diniz - Personagens que marcaram época
>>> A 5ª Onda
>>> O Mar Infinito
>>> Contos Brasileiros Contemporâneos
>>> A dissertação
>>> Mensagem para você
>>> Cartas de Amor aos Mortos
>>> Arte o Guia Visual Definitivo da Arte da Pre Historia ao Seculo XXI
>>> Princípios Básicos de Análise ddo Comportamento
COLUNAS

Quinta-feira, 25/8/2016
A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2700 Acessos


ilustra: Renato Lima

Até poucos dias antes do início dos Jogos do Rio, eu ainda não estava no clima olímpico e mantinha certa distância da tão esperada chegada da estrela Usain Bolt, velocista jamaicano. Mas meu maior pecado era ignorar completamente até o final da primeira semana olímpica a mascote dos Jogos; e ainda não saber que tínhamos não apenas uma mascote, mas duas, e incrivelmente bonitas e carismáticas.

No dia 14 de agosto, final dos 100 m rasos masculino, a mais esperada prova das Olimpíadas, as atenções eram todas voltadas a Bolt e à expectativa de um tricampeonato olímpico nessa prova. Antes de ligar a TV eu já estava sentada com um bonequinho do Vinicius, que tinha ganhado naquele mesmo dia. A mascote dos Jogos Olímpicos Rio 2016 era muito cativante e já fui com a cara dela dentro da embalagem de plástico. Demorou bastante para cair a ficha de que seu nome era uma homenagem ao poeta Vinicius de Moraes e que o bicho em equilibradas cores amarelo, verde, azul e laranja era um ser híbrido que “nasceu da explosão de alegria” da notícia dos jogos por aqui.

Mistura de macaco, felino e ave, Vinicius conseguiu um feito digno de medalhista: uma mascote que representa o Brasil, sem ser caricatural e que inspira bom humor e alto-astral. Adjetivos talvez batidos, mas que resumem meu sorriso ao ver a pelúcia pela primeira vez. Assim como a mascote Tom, dos Jogos Paralímpicos, Vinicius tem olhos e boquinhas felizes, e também bochechas coradas, corpo ágil e flexível - um resultado que conectou em minha mente algo tão ou mais significativo do que uma antiga fissura de 1992: a mascote Cobi.

Com o urso Misha, Cobi foi uma das mais populares e bem-sucedidas comercialmente mascotes da história. Cachorro desenhado em estilo cubista, ficou muito tempo no meu imaginário de criança, coisa que talvez tenha sido potencializada com o desenho animado “Cobi, um mascote genial”, que foi ao ar no programa Glub Glub, da TV Cultura. Mais ainda, talvez, com a imagem de uma criança numa arquibancada dos jogos de Barcelona com uma pelúcia da mascote...

O fato é que Bolt venceu a prova dos 100 m há uma semana, na noite do 14 de agosto no Engenhão, estádio tão inacessível para mim quanto a Catalunha. Assim que Bolt inicia sua comemoração, aparece uma mascote Vinicius carregando uma enorme pelúcia de si próprio nas mãos. Seguramente, um presente para ele, pois haveria melhor propaganda para uma mascote do que estar nas mãos do atleta que por certo seria o mais fotografado dos Jogos (e no momento final do evento mais prestigiado)? Em 2012, Londres conseguiu, na mesma final, que a sisuda mascote em forma de gota de aço Wenlock fosse fotografada com Bolt, até mesmo em sua célebre pose de “raio”.

Aquele magnífico Vinicius de pelúcia era uma dez vezes maior do que o meu mirrado exemplar. E a mascote em escala humana aguarda Bolt passar por ela, em sua comemoração pela vitória. Mas Bolt deixa Vinicius no vácuo... Por acaso teria ele tempo ou pensasse em mascotes felizes e infantis diante de tal feito olímpico de homem? Meu peito ficou congestionado. Provavelmente, apenas o meu no mundo todo. A TV mostra lentamente Vinicius ir atrás do “raio”; ele não desistiu de entregar seu presente e ganhar uma foto. Me tranquilizo quando Bolt finalmente dá a atenção a Vinicius, pega a pelúcia e os fotógrafos eternizam o momento. E o que será que ele fará com aquela comprida e incômoda pelúcida nas mãos, não mais gigante do que ele próprio? Olho para meu pequeno Vinicius sentado no sofá, e um novo objeto de desejo se desenha diante de minha atenção. A pelúcia é deixada com uma jamaicana na arquibancada, para meu desespero imenso.

Aproveitemos as horas finais das Olimpíadas como esses seres felizes e empolgantes que boa sorte trazem, e que não se abatem por nada nesse mundo, mesmo quando são ignoradas, em um singelo e marqueteiro oferecimento, pelo homem mais rápido do planeta. E que tenhamos uma dose de otimismo necessária para sermos fortes e virar o jogo em qualquer nível, federal ou pessoal. De todos os modos, agora tenho minha própria mascote olímpica, e isso não é pouco para uma ex-criança aficionada por esportes que já tinha se esquecido do encanto dessas criaturas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 25/8/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2016
01. Um safra de documentários de poesia e poetas - 2/6/2016
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius - 25/8/2016
03. Antonia, de Morena Nascimento - 14/4/2016
04. Meu querido mendigo - 18/8/2016
05. O bosque das almas infratoras - 23/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MORAL DE ATITUDES. II: ÉTICA DA PESSOA
MARCIANO VIDAL
SANTUÁRIO
(1988)
R$ 20,00



UM NOVO EU- AUTOTERAPIA PELA ANÁLISE TRANSACIONAL
MURIAEL JAMES, LUIS SAVARY
IBRASA
(1986)
R$ 28,90



CARTA VIVA O QUE É SER JUSTO Nº 23
R. R. SOARES
IGREJA INTERNACIONAL DA GRAÇA DE DEUS
(1997)
R$ 3,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 3
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2007)
R$ 9,99



RUPTURAS POSSÍVEIS: REPRESENTAÇÃO E COTIDIANO NA SÉRIE OS ASSUMIDOS (QUEER AS FOLK)
SOFIA ZANFORLIN
ANNABLUME
(2005)
R$ 39,48



IOGA SECRETO - BIBLIOTECA PLANETA Nº 11
AUTOR MOLINERO
TRÊS
(1973)
R$ 7,00



ZÉLIA, UMA PAIXÃO
FERNANDO SABINO
RECORD
(1989)
R$ 7,00



MINHAS HISTORIAS DOS OUTROS
ZUENIR VENTURA
PLANETA
(2005)
R$ 7,00



LANNY BUDD CONTRA ...
UPTON SINCLAIR
HEMUS
(1967)
R$ 8,00



A LUTA PELA ÁFRICA (ESTRATÉGIA DAS POTÊNCIAS)
GERARD CHALIAND
BRASILIENSE
(1982)
R$ 8,00





busca | avançada
22843 visitas/dia
829 mil/mês