Aqui sempre alguém morou | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
40789 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Exposição Olho Cru de Bonga Mac na ALESP
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Chris Cornell
>>> Jano
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 1964-2004: Da televisão à internet - um balanço
>>> Passe Livre no Roda Viva
>>> A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> A Nova Intimidade
>>> Reflexões na fila
>>> Elon Musk
>>> Nossa classe média é culturalmente pobre
>>> Ricardo Aleixo em Sampa
Mais Recentes
>>> Arte da Estratégia
>>> Vivendo, Amando e Aprendendo/Para compreender melhor a vida e o amor
>>> Divâ
>>> O Melhor das Comédias da Vida Privada
>>> Sexo na Cabeça
>>> O Clube dos Anjos
>>> Band of Brothers (Companhia de Heróis)
>>> A Extravagante Dorothy Parker - Biografia
>>> Era uma vez Dom Quixote (adaptação de Agustín Sánchez Aguilar)
>>> Estranhos Estrangeiros
>>> Conte-me seus sonhos
>>> Borges e os orangotangos eternos
>>> A Dona da História
>>> Clube dos Anjos - Gula
>>> O Hobbit
>>> On the road (Pé na estrada)
>>> Terapia
>>> Moreira da Silva - O Último dos Malanddros
>>> Estudo-Vida de Atos Volumes I e II
>>> Ramayana - Poema épico Hindu - William Buck - Livro Rarissimo
>>> O Alcorão - Mansour Challita
>>> Terapia da Regressão - Teorias e tecnicas - Herminia Prado Godoy,Livro Raro
>>> As Varias Vidas da Alma - Roger J. Woolger psicoterapelta junguiano Livro rarissimo!!
>>> Confederação Intergaláctica II - Esoterico
>>> Movida pela Ambição
>>> Leite Derramado
>>> Teatro da Obsessão/Nelson Rodrigues
>>> A Distância entre nós
>>> Quem Sobreviverá?
>>> Centúrias sobre a Caridade e Outros Escritos Espirituais
>>> Teria Deus morrido?
>>> Operação Cavalo 4 De. Troia Nazaré
>>> Photoshop CS para Fotógrafos Digitais
>>> Viagens no Scriptorium
>>> Este Lado do Paraíso
>>> Amor Líquido - Sobre a Fragilidade dos Laços Humanos
>>> Quinta Avenida, 5 da Manhã - Audrey Hepburn- Bonequinha de Luxo e o Surgimento da Mulher Moderna
>>> La Consolante
>>> Notre-Dame de Paris
>>> A Arte da Guerra
>>> A Sociologia de Norbert Elias
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Bhagavad Gita - Como ele é
>>> Cântico dos Cânticos
>>> La femme de trente ans
>>> The Notebook
>>> Foe
>>> Os Versos Satânicos
>>> Terra Sonâmbula
>>> Caim
COLUNAS

Quinta-feira, 29/9/2016
Aqui sempre alguém morou
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1500 Acessos

Alguém já morou aqui, e sem perceber subiu a guilhotina, abriu a janela de treliça verde, num gesto automático. Morar aqui de início foi algo diferente, extraordinário, as paredes todas brancas, um prédio pequenino como o da infância, uma estreita varanda. E também, sem perceber, de repente esse alguém dormia como se navegasse, e já acordava num novo dia, um corpo que o mar devolve fresco à terra – rolando na areia, com algas secas nos olhos. Assim como águas turvas começam a envolver este corpo numa noite de inverno.

Sempre morou alguém aqui, e sentiu por anos o som do viaduto subindo, vir o transporte das peças gigantes, e quanto bate-estacas e transtornos e ruído de construção de grandes proporções. Cada vez mais longe, a elevação foi se distanciando como barulhos bruscos do fundo do mar, de pedras batendo. E pela primeira vez numa manhã sentiu a fúria dos carros do oeste ao centro. Todo esse sofrimento agora é uma corrente constante a se desenhar no sono todas as manhãs.

Antes, ainda outros acompanharam a aparição da igreja, que também subira bem ao lado desse lugar de morar, pedra a pedra, torre, capitéis e arcos, seus anjos e suas trombetas douradas e mudas, e o sino da independência a ser alçado. E ele ainda toca aos finais de tarde e nas manhãs de domingo e, mesmo que esvaziado, atravessa os rincões ressequidos desse lago recortado.

No grande viaduto face à igreja blocos de carnaval passariam incólumes ao desejo de sossego no bairro. E aqueles que mais tarde aqui se instalaram observaram de cima da varanda a passagem amena dos foliões, como perdizes despenadas, e aquele som de alegria se desvanecendo no ar.

Quem quer que aqui tenha residido não esteve a tempo de obter um gordo galho de fícus em sua janela. O caule e as raízes cada vez mais grossas, agressivas, superficiais. Que esse conjunto de fícus transpirou, hauriu com línguas a princípio pequeninas e altivas essa água da terra logo ao lado deste prédio. E não havia nem há apenas uma árvore, mas um grupo tão grudado que de qual exemplar é esta verde parede alvissareira que recobre esta janela não se pode mais saber.

Diante dessa visão maravilhosa e definitiva de grandes construções e destruição do largo, quem aqui morasse ficaria ilhado nos ruídos domésticos, como a água espiralando pelo encanamento ou os vizinhos subindo ofegantes e cansadamente a escadaria. Aos sábados, a vassoura bruxa raspando os degraus e a água escorrendo abundante em pequena cascata de três andares, até a última umidade ser bebida pelo piso. Quem sabe o cheiro de cigarro, cebola e alho ou bacon empesteando tudo. Espere, há um ruído indistinto, de coisa parada ou se mexendo, de vento, quem sabe roçar de folhagem, talvez aquele que o próprio mundo emite pela natureza nas madrugadas recortadas esparsamente por carros.

E como seres vivos e latentes aqui vivemos, nunca exatamente juntos, mas sempre concomitantes a outros seres e rituais, a certos estalos particulares do edifício. E numa madrugada, escura como essa, haveria quem esperasse pelo jornal, pelo leite, pelo pão, pelo toque delicado da campainha, como neste momento espero pelo amanhecer, no formato de um bico de pássaro que se abrirá frente ao futuro, neste mesmo lugar, onde alguém sempre morará.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 29/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
02. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
03. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2016
01. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius - 25/8/2016
02. Antonia, de Morena Nascimento - 14/4/2016
03. Meu querido mendigo - 18/8/2016
04. Um safra de documentários de poesia e poetas - 2/6/2016
05. O bosque das almas infratoras - 23/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CRIME NOSSO DE CADA DIA
GEVAN DE ALMEIDA
IMPETUS
(2004)
R$ 38,00



CIÊNCIA & VIDA - PSIQUE - 13
VÁRIOS
ESCALA
(2007)
R$ 6,50



MELHOR HISTORIA ESTÁ POR VIR
MARIA DUENAS
PLANETA
(2014)
R$ 14,00



EM BUSCA DA BRASILIDADE - TEATRO BRASILEIRO NA PRIMEIRA REPÚBLICA
CLAUDIA BRAGA
PERSPECTIVA
(2003)
R$ 19,00



A MEDICINA TEM CURA?
WILSON LUIZ SANVITO
ATHENEU
(1994)
R$ 14,50



FOCUS ON ENGLISH AND AMERICAN LITERATURE
KENNETH BRODEY / FABIO MALGARETTI
MODERN LANGUAGES
(2002)
R$ 120,00



TENTAÇÃO SEM LIMITES
ABBI GLINES
ARQUEIRO
(2014)
R$ 20,00



DISCURSO DO MÉTODO
RENÉ DESCARTES
MARTINS FONTES
(2016)
R$ 15,40



AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE VIVENCIAM
DOROTHY LAW NOLTE - RACHEL HARRIS
SEXTANTE
(2009)
R$ 5,00



TEATRO GREGO: TRAGÉDIA E COMÉDIA
JUNITO DE SOUZA BRANDÃO
VOZES
(1984)
R$ 14,00





busca | avançada
40789 visitas/dia
896 mil/mês