O tremor na poesia, Fábio Weintraub | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
20714 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> Eduardo Ferraz faz palestra gratuita em Curitiba
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jogando uma pedra no poço sem fundo
>>> A arte contemporânea refém da insensatez
>>> Quem é Gian Danton
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O pós-modernismo morreu
>>> Nelson ao vivo, como num palco
>>> Furo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
>>> E Benício criou a mulher...
Mais Recentes
>>> La Acentuación
>>> Garamond: Letras que Bailam
>>> Cool Shops Hong Kong
>>> Design em Espaços
>>> Design: Olhares Sobre o Livro
>>> Faces do Design: Cultura, Arte, Educação, Web, Design Digital
>>> A Proteção Legal Do Design - Volume 2
>>> História Concisa da Musica
>>> Musica E Tecnologia: Um Novo Tempo, Apesar Dos Perigos
>>> Musica Clássica Brasileira Hoje
>>> O Teatro à Moda
>>> Óperas Famosas
>>> Oxigênio
>>> Édipo em Colono de Sófocles
>>> Uma Introdução À Arquitetura
>>> Victor Burton: Design Gráfico
>>> Das Vanguardas à Tradição: Arquitetura, Teatro e Espaço Urbano
>>> Comunismo da Forma
>>> Una Fabula Del Arte Moderno
>>> Sutilezas do Grito
>>> Martim Cererê
>>> Queen - História Ilustrada da Maior Banda de Rock de Todos os Tempos
>>> Berra, Coração - Novela
>>> Manual do engenheiro eletrônico 6 volumes
>>> O tao da física
>>> 3 revistas Deutsch Perfekt
>>> As esganadas
>>> Jeremias 1 a 6
>>> A Nova Jerusalém- A Noiva Ataviada
>>> Perversão - Coleção Conceitos da Psicanálise
>>> Contando Gatos
>>> Toda a Mudança Começa em Você
>>> Antes que Seja Tarde
>>> A Bíblia do Vencedor
>>> O Investidor Inteligente
>>> Segredos de Administração de Tempo
>>> Você e Seu Sangue
>>> Segredos de Liderança
>>> As Práticas Para a Prosperidade Extraídas de O Homem Mais Rico da Babilônia
>>> O Ciclo da Autossabotagem
>>> Como Convencer Alguém em 90 Segundos
>>> O Manuscrito Original - As Leis Do Triunfo E Do Sucesso
>>> Pense e Enriqueça
>>> O Maior Vendedor do Mundo
>>> Você Merece Uma Segunda Chance
>>> Pense Simples
>>> Escola de Negócios
>>> A Ciência de Ficar Rico
>>> HBase: The Definitive Guide (livro em Inglês)
>>> Big Data (livro em português) - Como Extrair Volume, Variedade, Velocidade e Valor da Avalanche de Informação Cotidiana 
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2016
O tremor na poesia, Fábio Weintraub
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1200 Acessos



Quem é você... ainda? Parece ser a pergunta que a poesia de Treme ainda (ed. 34), novo livro de Fábio Weintraub, parece nos fazer. Somos apenas (a duras penas) uma espécie de ferida aberta, de restos humanos que reivindicam o que sobrou de si “no moedor de mundos”.

O vocabulário da poesia de Weintraub não está fácil de digerir. Torcicolosos (se é que essa palavra existe) seus versos quebram a espinha dorsal de nossa apatia. Cancro, mênstruos, infecção, gosma, micose, sêmen, treva, feridas, merda, imolação etc. Uma violência cravada em existências para lá de encardidas roça a nossa couraça. Agride nossa carapaça, mas nos aquece... ao mesmo tempo. Abrimos nossa dor, comunhão de perdas “num país que se faz com homens e tiros”.

Não há manual de instrução para o bem-viver, ou bem-morrer, se se quiser, dana-se tudo nos poemas. A poesia de Weintraub decidiu ser dura, fria, cortante, impiedosa... Eu não vi isso nos livros anteriores do poeta.

Existe razão para se fazer poesia nos tempos de hoje? Sim, se essa poesia não é espelho do mundo, mas resposta a ele, uma ranhura na sua carcaça podre.

O organismo perece, como também nosso sentimento de humanidade. É o que expõe o poema “Táxi”. Não sabemos mais se somos rodeados por homens ou bichos, mas sua aspereza desconfortável nos agride, a nós “ratos” ou “cobaias imaculadas” incapazes de agir diante da desumanização do outro e de nós mesmos.

TÁXI

com unha grossa de tanta micose

o velho me estende a pata

quando me sento a seu lado



infecto e amável

não lembra leão algum

embora eu me sinta rato

(não quero saber do espinho

cravo na carne de espasmos)



lavar, abluir

flambar se preciso for

a pele imolada ao contato



quando a corrida acabar

dispenso toque ou troco



sou cobaia imaculada

que não tira nem redime

os fungos do mundo



Um poema atrás do outro parece conjugar a desumanidade e os traumas que se completam nos outros. Uma rede de pesca que acumula cacos de carne, sofrimentos, angústias, desespero, enfim, a existência do animal humano, não abatido totalmente, pois “treme ainda”, como sugere o título muito bem escolhido para o conjunto dos poemas.

E esse tremor é o que os poemas captam sem dourar a pílula. Os poemas falam por si. Veja-se o caso de “Ferida”, do qual reproduzo partes:

FERIDA

I

esta ferida é uma boca

com lábios tão convincentes

que me arrisco a ordenar:

parla!



ela só sabe latir.



Ferida é uma espécie de cão amestrado, que incomoda, mas que se deseja manter ao lado (resquício ainda de alguma esperança de vida?), pois ao ser levado, gera a súplica do seu dono:

II

(...)

por isso agora suplico

aos que na noite passada

levaram meu doce bicho

que por favor o devolvam

o restituam a seu dono

de seu carinho carente

feito criança com febre



No velório, no restaurante ou na padaria, seja onde for, o poeta observa a fratura instaurada no corpo humano e a poesia-bisturi de Weintraub remexe as feridas, sem se ver, no entanto, na possibilidade de curá-las. Poetas não curam, mas podem ampliar o tremor, até que sejam percebidos. A frase de Marx que diz que se você quiser saber o que é o capitalismo basta olhar o que ele faz no corpo do trabalhador aqui se afirma. Esse corpo onde “feridas vão brotar instantaneamente” povoa os poemas de Weintraub.

“Ringue” e “Game over” são poemas da violência. Em “Ringue”, as imagens são impactantes. O médico, que deveria curar, “veste as luvas do boxeur”, o “chão te beija/ sem protetor bucal”, “o feto chuta/ como a alma soca”.

“Chuva” e “Pensão” tratam do imbróglio das relações sociais e humanas em transe: no primeiro caso, “subir custa, cair/ é dois segundos”, no segundo caso, “ele bulindo com a faca/ do outro lado da cama// cortou a camisa, o braço/ e já ia enfiar no peito/ quando tomei a peixeira” (...)/ “depois vira fera/ rasgou até na minha cara/ a certidão de casamento/ pra eu não receber pensão”.



Até no ambiente microscópico, o vocabulário duro se impõe na poesia de Weintraub. É o caso do poema “Delével” onde a gosma espermática, infecunda, comparada ao frio leite dos vampiros, fenece numa quase inutilidade sobre o lençol marcado por sua nódoa fácil de apagar. Até onde sei, o primeiro poema que vejo sobre o esperma.

DELÉVEL

com odor penetrante

a pocinha de sêmen

tonteia o mosquito



rapidamente

a gosma empapa o lençol

vai nutrir os ácaros em cópula

oxidar as molas do colchão

manchar o pinho da cama

onde o moço se deitou



é bem frio o sêmen

como deve ser

o leite dos vapiros

os lábios do moço



a pocinha de sêmen

nada adoece

nada fecunda

deixa contudo uma nódoa

leve

delével



E eis que uma flor, como a flor-carniça do mal de Baudelaire, um hibisco amassado se transforma em carne abjeta, rejeitada por cachorros, desprezada pelas pombas e que, sendo apenas um despojo, “a chuva não apodrece”. No entanto, o poema se faz pintura, tal qual uma obra de Delacroix, que dramatiza e sensualiza as cores com sua “confusão de vermelhos/ raiados de branco/ qual paz ou gordura/ fechando o canal”.

A profusão de poemas “sórdidos”, a dureza dos versos, a impiedade das situações, fazem desse livro de Weintraub porta de entrada para uma fenomenologia (e não sociologia) da vida atual, onde restos humanos baqueiam por aí, sem possibilidade de gritarem sua existência (o Grito de Munch silenciado). A vida despencando, sem caixa-preta.

CAIXA-PRETA

com quase todos aqui

acontece desse jeito:

aviões sem caixa-preta

despencados em silêncio



Talvez agora estejamos vendo, com esse livro de Weintraub, o seu nascimento como um poeta completo. Não há mais volta para o escritor, que agora confronta a página branca com seus versos sem meios tons, que despeja a verdade calcinante da poesia contra a sombra dourada do discurso. Daqui para frente o poeta tornou-se aquele que não teme a revelação da poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
04. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
05. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEQUENA VIAGEM PELO MUNDO DA ARTE - 9ª IMPRESSÃO
HILDEGARD FEIST
MODERNA
(2003)
R$ 15,00



ASTROLOGIA DO KARMA
PAULINE STONE
PENSAMENTO
(1997)
R$ 30,00



DESCOBERTA DA ARCA DE - REVISTA PLANETA Nº 23
EDITORA TRÊS
TRÊS
(1974)
R$ 8,89



JACÓ E SEU FILHO JOSÉ VOL 7
GORDON LINDSAY
GRAÇA
(2001)
R$ 9,00



ARLEQUIM SERVIDOR DE DOIS AMOS - CARLO GOLDONI (TEATRO ITALIANO)
CARLO GOLDONI
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 10,00



ALFABETIZAÇÃO VIDA NOVA - CONTEXTUALIZANDO A ESCRITA
ANGIOLINA BRAGANÇA E ISABELA CARPANEDA
FTD
(1998)
R$ 28,00



SONHOS FANTÁSTICOS
COLIN THOMPSON
BRINQUE-BOOK
(2007)
R$ 7,00



TRÊS AMORES - CAPA DURA
A. J. CRONIN
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1961)
R$ 10,00



O CABELEIRA
FRANKLIN TÁVORA
ÁTICA
(1993)
R$ 6,00



HISTÓRIAS POSITIVAS - A LITERATURA DESCONSTRUINDO A AIDS
MARCELO SECRON BESSA
RECORD
(1997)
R$ 7,00





busca | avançada
20714 visitas/dia
829 mil/mês