Em nome dos filhos | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37091 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Bangalafumenga recebe amigos e ex batuqueiros para um encontro de felicidade no Carioca Club, dia 25
>>> SISEM-SP disponibiliza vídeos com conteúdo do 9º Encontro Paulista de Museus
>>> Em agosto, o Largo do Machado receberá a segunda edição do Hoje é dia de comer na rua
>>> ÀTMA - De que tamanho é o teu deserto?
>>> Vivo EnCena traz Paulo Betti a São Paulo com Autobiografia Autorizada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Maturidade
>>> Ponto cruz
>>> Elevador divino
>>> Na hora do rush
>>> Cubica(mente)
>>> Adentrando o mundo humano - Pensamento
>>> Modelar(mente)
>>> Trans(corrente)
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O País da Fila
>>> Edvaldo Pereira Lima
>>> Editar bem, com Matinas Suzuki Jr.
>>> Palhaço
>>> Ópera fora do circuito
>>> Muito barulho por nada
>>> Leitura, curadoria e imbecilização
>>> Legião Urbana 1994
>>> Um menino à solta na Odisseia
>>> Gratitude
Mais Recentes
>>> A crítica de arte: como entender o contemporâneo
>>> Autoridade Espiritual
>>> Os botões de Napoleão
>>> O mestre das iluminuras
>>> Mensagem - 2ª ed. Texto Integral
>>> A catedral do mar
>>> Amanhecer
>>> Lua Nova
>>> Crepúsculo
>>> Fundamentos da Logoterapia. Na clínica psiquiátrica e psicoteraêutica (Vol. I)
>>> A história do conceito de "Latin America" nos Estados Unidos
>>> Os Lusíadas
>>> O faroeste (1860-1890)
>>> O herege
>>> A Moreninha (Clássicos Saraiva)
>>> Rio das flores
>>> Edição em Jornalismo - Ensino, Teoria e Prática -1ª ed.
>>> Comentários à lei sobre Desportos 2ª ed.
>>> Dicionário Descartes
>>> Dicionário Rousseau
>>> Discurso do Método. Comentários: Denis Huisman
>>> Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Comentários: Jean Francois Braunstein
>>> Cadernos do nosso tempo Fascínio e Repulsa
>>> Apresentação do mundo. Considerações sobre o pensamento de Ludwig Wittgenstein
>>> Condições da Liberdade. A Sociedade Civil e Seus Rivais
>>> Destinação Antropológica
>>> Antropologia. Ousar para reinventar a humanidade
>>> Tempus Fugit
>>> Abençoai o suborno!
>>> O Pós Guerra Fria No Mundo
>>> Os Iguais Sob O Arco-Íris
>>> Quem Mexeu No Meu Queijo?
>>> Estratégia Para O Sucesso
>>> Faz Escuro Mas Eu Canto
>>> Pai Rico Pai Pobre
>>> Bases Para Sua Conduta
>>> O Apanhador no Campo de Centeio
>>> Busca do Campo Espiritual pela Ciência
>>> O Pensamento de Assis Chateaubriand
>>> A História Íntima do Beijo (Sociologia/Antropologia Cultural)
>>> Noites Agradáveis - Straparola (Contos Renascentistas Italianos)
>>> Haverá uma ciência da Alma?
>>> Dias Melhores Virão
>>> O Desafio de nosso Tempo ( Change and Habit)
>>> Hobbes e a Moral Política
>>> Hobbes Leviathan. Uma Visão Teológica
>>> Brevilóquio Sobre o Principado Tirânico
>>> De Cive. Elementos Filosóficos a respeito do cidadão
>>> O Problema do Ser e outros ensaios
>>> Antropologia Filosófica
COLUNAS

Terça-feira, 31/1/2017
Em nome dos filhos
Luís Fernando Amâncio

+ de 1700 Acessos

É difícil nomear algo. Pior ainda quando se trata de nomear uma pessoa. E complica ainda mais se for uma pessoa com quem você vai conviver a vida toda. Mais difícil do que dar nome aos bois é dar nome aos filhos. Já imaginou, seu rebento querido, no auge da rebeldia, se virar para você e soltar a clássica frase, “eu não pedi pra nascer”, acrescida de um “muito menos ter essa m**** de nome”?

Gerar um outro ser e, ainda por cima, criar uma alcunha para ele, é brincar de deus. Mas a grande maioria não aprendeu com o Homem-Aranha, que “grandes poderes trazem grandes responsabilidades”. Então, as pessoas saem por aí desferindo nomes no impulso, ao bel-prazer, sem pensar no futuro do cidadão que o ostentará por toda uma vida. Apenas nomeiam, porque acham que soa bem, porque viram o nome na tv, porque é o nome do pai misturado com o da mãe ou, simplesmente, PORQUE SIM.

Minha família sofre da “maldição do nome composto”. Talvez tenha começado na geração da minha mãe, quando filha mulher era quase sempre “Maria” e filho homem era “José”. Aí, quando vinha o segundo filho do mesmo gênero – e naquela época filho vinha de braçada –, já havendo um José ou uma Maria, era preciso diferenciar com um complemento. Além disso, os batismos ainda ricocheteavam em nomes de santos, num combo completo de benção.

Na minha geração, os pais já começaram a deixar de lado a beatice na hora de ir ao cartório. Só que um nome simples, sem complemento, continuou não servindo. Muitos dizem que tenho nome de galã de novela mexicana, por exemplo.

Hoje, a composição dupla de nomes continua. Os nomes ficaram mais enxutos, coisa da moda – Sofia, Alice, Miguel, Pedro, Arthur e por aí vai – mas raramente é um só. E para aplicar o nome composto há as mais variadas justificativas: o pai queria um nome, a mãe, outro; um nome é o da avó materna, o outro é o da avó paterna; o primeiro nome é de uma música e o outro é da cidade aonde ouvi essa música...

Mas a minha família e os nomes compostos são só uma tendência em meio ao turbilhão de escolhas questionáveis imortalizadas em certidões de nascimento. Quem não se lembra da febre do “K”? Quem se chama Kelly, Kaio, Kellen, Karolina, dentre outros, sabe do que estou falando.

Houve também o tempo das consoantes dobradas, dos ipsilons marotos roubando o lugar do “i”, e do “e” tornando o nome feminino “diferentão” – “’Mariana’” é comum, vou sapecar um “e” no fim e vai ficar bom, ‘Mariane’”.

Sem falar nos nomes gringos que ainda desembarcam por aqui. Quanta “versão brasileira: Herbert Richers” não fez a cabeça de papais e mamães? Washingtons, Kathlyns, Wellingtons, Charles e Rachels que o digam. E atores, atrizes e músicos também batizaram mais crianças do se pode imaginar. Se gritar “Michael Douglas” na rua, uns três vão virar. Sem falar nos exóticos “Waltdisney da Silva”, das “Whitney Houston dos Santos”, ou dos “Christopher Tiagos” da vida.

Enfim, quando a criatividade é grande, o céu – que no caso é o alfabeto – é o limite. Não estou aqui para julgar, tem gosto para tudo e o meu não é melhor do que o de ninguém. Mas se um dia eu quiser fazer algo de importante da vida, talvez eu crie uma ONG para estimular as pessoas a darem nomes a seus filhos com consciência. Não é dizer que tal nome é certo e o outro é errado. Mas é que às vezes, antes de tomar uma decisão, é preciso ouvir alguém dizer: “sério?”.

Afinal, adaptando a infeliz campanha publicitária do governo federal, gente boa também erra a mão na hora de dar nome aos outros.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 31/1/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
02. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
03. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
04. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
05. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2017
01. Em nome dos filhos - 31/1/2017
02. O dia que nada prometia - 26/5/2017
03. Revolusséries - 21/3/2017
04. Brasil, o buraco é mais embaixo - 7/7/2017
05. On the Road, 60 anos - 5/5/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS CULTURAS EUROPÉIAS E EUROPEIZADAS
ARTHUR RAMOS
CASA DO ESTUDANTE DO BRASIL
(1975)
R$ 10,00



SABER VIVER PROFISSIONALMENTE
LAIR RIBEIRO
LEITURA
(2003)
R$ 11,00



UM GUIA PARA OS PAIS PRESERVANDO UMA SEMENTE DE JUSTIÇA
JOYCE THOMPSON
THOPSON
(1999)
R$ 1,00



BRECHT - A ESTÉTICA DO TEATRO
GERD BORNHEIM
GRAAL
(1992)
R$ 52,00



MÃES DA BIBLIA
MARCOS VERÍSSIMO
ÁGAPE
(2014)
R$ 13,90



ÍLIADA E ODISSÉIA - 2 VOLUMES (CAIXA EDIÇÃO ESPECIAL)
HOMERO
EDIOURO SARAIVA
(2009)
R$ 70,00



REVISTA EM QUADRINHOS - CICLOPE E FÊNIX
MARVEL COMICS
ABRIL
(1996)
R$ 10,00



PLANETA 52
VÁRIOS
TRÊS
(1977)
R$ 13,00



A DECADÊNCIA DO OCIDENTE
OSWALD SPENGLER
UNB
(1982)
R$ 59,00



A PORTUGUESE GRAMMAR
E. C. HILLS J. D. M. FORD
D C HEATH
(1944)
R$ 25,00
+ frete grátis





busca | avançada
37091 visitas/dia
862 mil/mês