Mais espetáculo que arte | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe D'arc - Dark de Dinah Perry e Jorge Garcia
>>> Última semana para prestigiar as exposições de Alex Flemming e Marcius Galan na Fundação Ema Klabin
>>> Casa da Memória Italiana realiza debate sobre fotografia
>>> Letícia Sekito, Cia Tentáculo e Marcos Moraes fazem o último Cartografia do Possível no CRDSP
>>> Duo CasaDois se apresenta no Zé do Hamburger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caindo na Real - Você Aproveitou as Oportunidades
>>> Ilustrado
>>> Fascínio cotidiano
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Gene Egoísta, de Richard Dawkins
>>> Te cuida, rapaz
>>> As cores de Pamuk
>>> Morreu Vinicius de Moraes
>>> 20 anos de cultura no brasil
>>> Rua da passagem
>>> Olhando pela fresta
>>> Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
>>> Era uma vez o conto de fadas
>>> Alma Nua
Mais Recentes
>>> Livro, Isto - Cartuns
>>> Quelques Sentiments de Culpabilité
>>> A Ilha Sob o Mar
>>> Criança 44 - 3ª Edição
>>> Sefarad - Um Romance de Romances
>>> Tiro no Coração - A História de Um Assassino - 1ª Edição
>>> Bartleby, O Escrevente - Uma História de Wall Street
>>> O Homem que Comeu de Tudo - 1ª Edição
>>> Como a Música Ficou Grátis - O Fim de Uma Industria... 1ª Edição
>>> Pensando o Século XX - 1ª Edição
>>> Hemorragias Elétricas
>>> Derriça Elétrica
>>> O Sequestro do Santa Maria - Um Sonho de Liberdade
>>> Artigos, Análises e Tutoriais de Telecomunicações
>>> O Desafio da Inovação - A Revolução do Conhecimento nas Empresas Brasileiras
>>> Sob O Olhar de Deus ... - 4ª Edição
>>> Lendas do Deserto - 11ª Edição
>>> Céu de Allah - 11ª Edição
>>> Lendas do Povo de Deus - 8ª Edição
>>> Minha Vida Querida - 12ª Edição
>>> Maktub (Estava Escrito) - 9ª Edição
>>> Seleções (Os Melhores Contos) - 5ª Edição
>>> O Homem que Calculava - 19ª Edição
>>> Mil Histórias Sem Fim... Volume 2 - 5ª Edição
>>> Novas Lendas Orientais - Livro Virgem
>>> Os Filósofos Pré-Socráticos
>>> O Caminho da Cura, o Chi Kung para a Energia e a Saúde
>>> Respiração, pura alquimia
>>> Nossa Senhora dos Heréticos
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo
>>> Os 100 Segredos das Pessoas Felizes
>>> O blog da família
>>> Comer, rezar, amar
>>> Sabor de vitória
>>> Tarô Madame Lenormand
>>> Foundation IELTS Masterclass
>>> Baralho Cigano Lenormand Clássico
>>> Golden Lenormand Oracle Cards
>>> Easy Lenormand: Quick Answers to Everyday Questions
>>> The Lenormand Fortune-telling Cards: The Legendary 18th-Century Oracle
>>> Aleister Crowley Thoth Tarot Deck
>>> A árvore do medo
>>> A invasão francesa do brasil
>>> Coleção 70o Aniversário da II Guerra Mundial
>>> Do outro lado do muro
>>> O advinhador
>>> Rita está crescendo
>>> Fenomenologia da Percepção
>>> A Condição Humana
>>> Carrego no peito
COLUNAS

Quinta-feira, 16/3/2017
Mais espetáculo que arte
Guilherme Carvalhal

+ de 1700 Acessos



Em tempos de sociedade hipermidiática e em que pequenos e insignificantes acontecimentos sobrepõem fatos relevantes, a visão referente à cerimônia do Oscar foi de certo frisson em torno da gafe na entrega do prêmio de Melhor Filme e um pouco menos no que importa, a imensa qualidade do ganhador Sob a Luz do Luar. Essa visão se estende ainda para a disputa entre o ganhador e aquele que vinha sendo apontado como o favorito, La La Land e sua pegada estilo arrasa-quarteirão. Justamente por contar com maior relevância midiática e maiores comentários é que essa obra se estabeleceu como a potencial ganhadora.

Chamar La La Land de arrasa-quarteirão é um certo exagero, até mesmo por conta de seu diretor Damien Chazelle, que produziu o excelente Whiplash e assim se mostrou capaz de abordar temas que saem do lugar comum. Porém, dos indicados ao Oscar, La La Land é o que mais se vale das ferramentas de atração do público: casal de protagonistas simpáticos, felicidade para dar e vender durante boa parte do filme, uma dose de comédia de situação (mesmo que descambe em um drama). Para ser mais preciso, o filme foi um meio termo em Hollywood entre as megaproduções e o cinema autoral. Ele busca apresentar uma história mais profunda e utiliza atores renomados e belas técnicas de filmagem, tanto que ganhou Oscar de Design de Produção, Fotografia e Direção.

Foi justamente desse modelo que Sob a Luz do Luar escapa completamente, sendo o filme mais barato já realizado a ganhar o Oscar de Melhor Filme. Algo aliás que tem ocorrido frequentemente nas últimas premiações, de filmes que estão longe de serem sucesso de bilheteria levando a estatueta. As últimas grandes produções a disputarem, como Avatar e O Regresso, resultaram em derrota e em filmes com menor recepção do público sendo premiados.

Essa a circunstância que envolve Sob a Luz do Luar. Um filme de baixa repercussão popular recebendo a maior premiação do cinema expõe mais ainda a realidade que os últimos anos têm demonstrado, a de um desencaixe entre o cinema de qualidade e o cinema de alta bilheteria. Não apenas no cinema, mas em todas as formas de cultura se percebe isso, a de uma reprodução de conteúdo de fácil assimilação como o ponto forte de um empreendimento financeiro. E aquilo que se pretende enquanto inovador, questionador, reflexivo, etc, anda entre as margens da grande indústria.

A falta de contato com a obra gera más interpretações na recepção de Sob a Luz do Luar, qualificando-o como um filme negro e LGBT, que seria premiado como uma espécie de cota, principalmente após a série de protestos ano passado em decorrência da ausência de negros indicados. Nada mais distante da verdade, já que Sob a Luz do Luar possui um roteiro que conta uma história bela e humana e é muito bem amarrado, sem deixar nenhuma aresta sobrando.

Sob a Luz do Luar conta a vida de Chiron da sua infância até a fase adulta. O filme é recortado em três partes segundo a cronologia do rapaz: sua infância, adolescência e depois de adulto. Em todas essas partes, acompanhamos Chiron em busca de sua própria identidade, querendo se encaixar em algum lugar do mundo.

A construção da personalidade de Chiron e essa busca por quem ele de fato é se apoia em várias situações. Inicialmente temos o conflito familiar, da mãe viciada e da ausência do pai. Essa ausência o leva a buscar conforto na casa de Juan, um traficante, e sua esposa Teresa. E a imagem de Juan serve de parâmetro de Chiron por toda vida. Ao longo do filme outros conflitos surgem, como o gatilho da homossexualidade na adolescência e o contato com a violência, onde todas as suas influências (e as ausências, como a do vínculo familiar) o levam a fortes dilemas, o da busca por sua real identidade.

O verdadeiro valor inclusivo de Sob a Luz do Luar não é o de ser um filme negro vencendo o Oscar, mas a da quebra de esteriótipos dentro da narrativa. A indústria do cinema tem poucos protagonistas negros, e em muitos desses casos eles se encaixam dentro de um determinado padrão de personagem. Negros no papel de bandidos ou de operários eram comuns, mas não tanto em papéis de médicos ou juízes.

Sob a Luz do Luar tem um pouco de esteriótipos, como a visão do negro como uma classe excluída, a pobreza, a violência. Mas dentro desse esteriótipo (que eu particularmente encaro como a exposição de um problema social e não de um esteriótipo) os roteiristas e o diretor criaram uma história profunda, intrigante e humana, que não se limita a um panfleto social como se esperaria de um filme sobre negros e sobre homossexuais, mas a uma perspectiva mais existencial, sobre o papel do eu no mundo.

Da abordagem a esse filme, podemos olhar o perfil dos outros indicados ao Oscar e notar o quanto as indicações nesse ano de 2017 se deram em primazia dos roteiros do que de outros atributos técnicos. Manchester à Beira-Mar, ganhador do Oscar de Melhor Roteiro Original, apresenta um homem que tenta se estabelecer após um acidente matar seus filhos. Um limite entre nós é outra obra que apela bastante para a história e para o lado humanístico, sobre um homem brutalizado pela vida e sua relação com esposa e filhos. Basta pensar que das grandes produções do ano passado (como 50 Tons de Cinza, Star Trek: Sem Fronteiras, Rogue One) nenhuma foi indicada a Melhor Filme.

O que se poderia colocar como exceção seriam o já citado La La Land e A Chegada. Não que seus roteiros sejam mais fracos, porém são filmes com maior orçamento e com um apelo maior de efeitos e de elenco. A Chegada foi até uma surpresa, por ser um filme de ficção científica entre tantas obras com um pé bem fincado na terra, superando bastante o insosso Perdido em Marte, indicado ano passado.

E, mesmo entre tantas obras que possuem valores distintos e que podem agradar aos mais variados gostos por cinema e entretenimento, o que ficou marcado da entrega do Oscar foi a gafe com o ganhador do Oscar. Mais um marco de uma sociedade em que há pouca profundidade e o espetáculo fala mais alto do que qualquer análise mais profunda, tempos em que o comportamento de manada e a padronização de gostos se exacerba diante da indústria de entretenimento. Acabou que essa cena foi a redenção de si mesmo: se os filmes não causaram o impacto desejado pelo público, a falha proporcionou a dose de emoção que todos aguardavam.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 16/3/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
02. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado
03. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. de Guilherme Pontes Coelho
04. Eleição para boi dormir? de Jardel Dias Cavalcanti
05. 2009 e minhas leituras de Rafael Fernandes


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
02. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
03. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
04. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BAND OF BROTHERS (COMPANHIA DE HERÓIS)
STEPHEN E. AMBROSE
BERTRAND BRASIL
(2003)
R$ 43,50



TEATRO DE RUA
FABRIZIO CRUCIANI E CLELIA FALLETTI
HUCITEC
(1999)
R$ 65,00



CONTOS ANTOLÓGICOS
SILVANO SANTIAGO
NOVA ALEXANDRIA
R$ 30,00
+ frete grátis



A TODO VAPOR! UMA PARÁBOLA DE NEGÓCIOS
KEN BLANCHARD, JESSE STONER
DISTRINUIDORA RECORD DE SERVIÇOS DE IMPRENSA
(2004)
R$ 10,00



REVISTA DIONYSOS - Nº 24 (ESPECIAL: TEATRO DE ARENA)
ORLANDO MIRANDA (ORG.)
MEC/SEAC/FUNARTE/SNT
(1978)
R$ 70,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



RODA VIVA - CHICO BUARQUE DE HOLLANDA (TEATRO BRASILEIRO)
CHICO BUARQUE DE HOLLANDA
SABIÁ
(1968)
R$ 90,00



GUIA CAPRICHO MAQUIAGEM
MANUELA AQUINO
MARCO ZERO
(2008)
R$ 6,30



DESERTO VIVO POUSTINIA
CATHERINE DE HUECK DOHERTY
LOYOLA
(1989)
R$ 20,00



MARKETING PARA COSMÉTICOS UMA ABORDAGEM INTERNACIONAL
MENCIA DE GARCILLAN
THOMSON LEARNING
(2008)
R$ 32,00





busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês