Correio | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
31663 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Jano
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser escritor ou estar escritor?
>>> Nouvelle Vague: os jovens turcos
>>> O Oscar e a reencarnação
>>> Tunturi, de António Vieira
>>> Sexteto da Filarmônica de Berlim, no Teatro Alfa
>>> Wittgenstein, o fazedor de símiles
>>> Blogo, logo existo
>>> Antes da filosofia
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> O humor no divã de Freud
Mais Recentes
>>> O Monge e o Executivo - Uma História sobre a Essência da Liderança
>>> O Beijo Infame
>>> Antes da Coisa Toda Começar
>>> Estruturas da Mente - A Teoria das Inteligências Múltiplas
>>> Guia Politicamente Incorreto da América Latina
>>> O Contrato Social
>>> Tess of the D´Urbervilles
>>> O Grande Conflito
>>> Ágape
>>> Dicionário Enciclopédico Ilustrado Veja Larousse - Volume 1
>>> O Cantor De Tango
>>> 1.000 Lugares Para Conhecer Antes De Morrer
>>> Nietzsche para Estressados
>>> Estorvo
>>> Cozinheiros Demais
>>> A Outra Face Da Doença - A Saúde Revelada Por Deus
>>> L'approche par compétences dans l'enseignement des langues
>>> Pensar Por Conta Própria
>>> O Evangelho Da Meninada
>>> Sinal De Contradição
>>> Limites Sem Trauma
>>> Desta Vez Eu Emagreço!
>>> Alucinado Som De Tuba
>>> Cidade Partida
>>> A Dama Do Lago
>>> Meditação Ocidental
>>> O X Da Questão - Trajetória Do Maior Empreendedor Do Brasil
>>> Carne Trêmula
>>> Frankeinstien
>>> Uma Garrafa No Mar De Gaza
>>> Três Mulheres De Três Pppês
>>> A linha de sombra
>>> Dublinenses
>>> Angústia
>>> A Bíblia e os discos voadores
>>> A consciência de Zeno
>>> No caminho de Swann
>>> Trópico de Câncer
>>> O Ensino de Lacan Volumes 1 e 2
>>> Curso Completo de Tarô (não acompanha as cartas)
>>> Casa de pedra
>>> O fim sem resposta
>>> Eu fico Loko
>>> História Econômica do Brasil
>>> O Tesouro dos Alquimistas
>>> Tao da Física
>>> Forma e Design
>>> A Aprendizagem do Ator
>>> Senhor das Sombras- Ele é Destruição...
>>> Le Guide Pratique des Nouvelles Thérapies
COLUNAS

Quinta-feira, 11/5/2017
Correio
Elisa Andrade Buzzo

+ de 500 Acessos

Não porque a noite anterior foi de tempestade que se evidencia esse conjunto de paisagens ser afeito à devastação. É algo inerente à sucessiva tarefa humana da ocupação do espaço. São algumas das artérias de acesso ao coração da cidade. Em pinceladas nervosas nas seis pistas de grandes avenidas centrais são bombeados pessoas, carros, motos e ônibus. Dentre estes, surge em letras garrafais e espaçadas o destino: Correio; e um passageiro observa pela janela como um glóbulo ingênuo.

Por mais uma vez, tudo pode ser daqui varrido, levado num vento mais forte; exceto as colunas e as entradas monumentais dos velhos edifícios. Mas esse território não é mais virgem e sempre guardará ruínas das ocupações que nem em sonho se imaginariam relegadas. E a reconstrução utópica das avenidas São João, Duque de Caxias e Rio Branco se dará pelos pórticos sobreviventes de épocas áureas.

Estas duas últimas avenidas ainda parecem esquecidas em meio a uma “revitalização” do centro. Aqui a sobrevivência se alimenta dos escombros, e estes se degradam mais como o alimento dos sobreviventes. Roupas estendidas na janela da sala. Pinturas malfeitas. Persianas em estado avançado de deterioração. Lençóis estampados fazendo as vezes de cortinado. Marquises se esfacelando. Ausência de comércio aos moradores. Grandes edifícios residenciais. Vida real, sem parafernálias milimetradas. E o CORREIO passa dando de ombros.

Prédios com nomes imponentes de cidadãos desconhecidos. Calixto Espiridião. Cornélia Toledo. Gente morta e esquecida. Mesmo porque ninguém presta atenção nesses letreiros pendentes pelo peso do tempo e do desprezo. Outlet Heliomoto. Rei dos Racks. Curinga Som. Skina das Motos. Dois manequins com capacete e roupa de motoqueiro pendentes como enforcados num prédio. Oficinas mecânicas preenchem os espaços, carentes de pedestres.

É mesmo num repente que a visão se abre numa praça quase sem plantas. Uma gigantesca estátua equestre surge reluzente no alto da praça. A espada do Duque de Caxias espeta a atmosfera úmida e macia do outono. E, na última aresta da praça Princesa Isabel, os dizeres “Crack, é possível vencer” na base comunitária é uma terrível recordação de batalhas íntimas.

Há um silêncio quando a avenida Duque de Caixas cruza com a Rio Branco. Um amplo horizonte se anuncia. A esmaecida torre da Júlio Prestes com a bandeira do Estado de São Paulo é um prenúncio ao contrário de glórias passadas. Agora é ZIT centro, rua dos Gusmões, um mural dos Trapalhões. Cruzamos a Ipiranga: tudo acontece. E descemos pela abertura amarelecida do Paissandu.

Não por aqui ter havido noturna e violenta chuva, mas nessas imediações ruína circunda. O ônibus aporta na inexistente praça do Correio, no terminal logo abaixo do viaduto Santa Ifigênia, aos pés do Mirante do Vale. Mais pequenos ainda se sentem os glóbulos nesse desembarque em que se cruzam construções grandiosas. E, no caminho para a entrada da agência central dos Correios, na praça Pedro Lessa, uma árvore caída é retirada em rodelas. Diana Caçadora caminha, sem o braço esquerdo, nua e desacompanhada, na calmaria inabalável.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 11/5/2017


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2017
01. Vocês, que não os verei mais - 2/2/2017
02. Essas moças de mil bocas - 9/3/2017
03. Minha finada TV analógica - 6/4/2017
04. Dilapidare - 27/4/2017
05. Correio - 11/5/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DOMINANDO SUA CÂMERA DIGITAL - COMO OBTER O MÁXIMO DA SUA DSLR
CHRIS WESTON
BOOKMAN
(2011)
R$ 88,00



ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA
VÁRIOS
VOZES
(1976)
R$ 21,90
+ frete grátis



HOMO SACER - O PODER SOBERANO E A VIDA NUA I
GIORGIO AGAMBEN
UFMG
(2010)
R$ 100,00



BATALHAS ELEITORAIS
CHICO SANTA RITA
GERAÇÃO EDITORIAL
(2002)
R$ 8,00



A SANTÍSSIMA TRINOSOFIA
CONDE DE SAINT GERMAIN
THOT
R$ 36,10
+ frete grátis



ATRAVÉS DO UNIVERSO
REVIS, BETH
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 30,00



ACORDE, MULHER!
FIORÂNGELA M. DESIDÉRIO
EDIÇÕES PAULINA
(1989)
R$ 7,00



CASA DE MARIANA
JOSÉ CARLOS IMPARATO
ZAGODONNI
(2015)
R$ 5,00



OS ÚLTIMOS DIAS DE POMPÉIA
BULWER LYTTON
EDIOURO
(2002)
R$ 6,90



TEATRO DE ANCHIETA - JOEL PONTES
JOEL PONTES
SNT/FUNARTE
(1978)
R$ 18,00





busca | avançada
31663 visitas/dia
896 mil/mês