Senhor Amadeu | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
27313 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Aspirando & Expelindo
>>> EXPOSIÇÃO NA CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO TRAÇA LINHA DO TEMPO DA ARTE DE FRANCISCO BRENNAND
>>> Cunha recebe Verão na Montanha - Festival levará à cidade música de qualidade e artistas renomados
>>> PUBLIQUE SEU LIVRO - SOUL EDITORA ESTÁ RECEBENDO ORIGINAIS
>>> TV Brasil exibe maratona com shows de astros como Bell Marques e Nando Reis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Barrados no baile
>>> Fluxogramas
>>> Fio de Eros II
>>> Bipolaridade
>>> Filme Fisionomia Belém está disponível no Youtube
>>> Bem-vindo
>>> A vida sem calendário
>>> Avesso a fim de semana
>>> Trump e Jerusalém
>>> Circun(instâncias)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Internet & Ensino, de Júlio César Araújo
>>> O Brasil na capa da Economist
>>> Isenta, mas jamais neutra
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Jogos de escritores
>>> Discurso de formatura do Ensino Médio
>>> Discurso de formatura do Ensino Médio
>>> From push to pull
>>> João Gilberto na Casa de Chico Pereira
>>> Se quiser tirar algo de mim, tire o trabalho, a mulher não
Mais Recentes
>>> Caixão fechado- Agatha Christie - a nova aventura do detetive Poirot
>>> Um dia na Vida do Século XXI
>>> Jesus Cristo
>>> A Bíblia e seus segredos
>>> The Garden Party and Others Stories - Stage 5
>>> Tango - Livello Due B1
>>> The Great Gatsby - Intermediate Level 5
>>> Jurassic Park - Intermediate Level 5
>>> Casino Royale - Level 4
>>> Superbird - Level 2
>>> The Prince of Egypt - Brothers in Egypt - Level 3
>>> Wuthering Heights - Intermediate Level 5
>>> The Perfect Storm - Intermediate Level 5
>>> The Hound of the Baskervilles - Elementary Level
>>> Outstanding Short Stories - Level 5
>>> The Adventures of Tom Sawyer - Stage 1
>>> Grandes Mestres- sabedoria milenar hoje
>>> Lições da Cidade Questionamentos e desafios do Desenvolvimento
>>> Plano de Bairro: No Limite do Seu Bairro Uma Experiência Sem Limites
>>> Bíblia Sagrada: Edição Pastoral
>>> Minidicionário Espanhol-português Português-espanhol
>>> O espelho e outros contos machadianos
>>> 1984 (Mil novecentos e oitenta e quatro)
>>> Bia na África
>>> Felpo Filva
>>> O Gato de botas
>>> A cidade do sol
>>> Lolo Barnabé
>>> De Cara com o espelho
>>> Falando pelos cotovelos
>>> O Guardião da Bola
>>> Se essa rua fosse minha
>>> O Processo de Comunicação: introdução à Teoria e à Prática
>>> A Casinha do Tatu
>>> Novas Lições de Análise Sintática (9ª ed.)
>>> Corpo Humano - Real e Fascinante
>>> Divergente
>>> O Santuário de S. Geraldo Ano XLVI - Jan nº 4
>>> Mensageiro de Santa Rita - Janeiro - Fevereiro nº340
>>> Mensageiro de Santa Rita - Outubro nº392
>>> Mensageiro de Santa Rita - Abril nº406
>>> Mensageiro de Santa Rita - Abril nº387
>>> Estrela do Mar - Julho
>>> Estrela do Mar - Janeiro
>>> Estrela do Mar - Março
>>> Estrela do Mar - Maio
>>> Estrela do Mar - Outubro
>>> Estrela do Mar - Abril
>>> Estrela do Mar - Junho
>>> Estrela do Mar - Agosto
COLUNAS

Sexta-feira, 12/5/2017
Senhor Amadeu
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3900 Acessos

No dia em que eu nasci, talvez quase naquele momento exato - passava da meia noite -, a mãe do senhor Amadeu morreu. Não sei de quê, mas de velhice. Não sei em que circunstância, mas estava internada no hospital fazia um tempo. Não sei como foi. Mas o senhor Amadeu, filho único, a acompanhava.

O senhor Amadeu era velho. Há pessoas que são sempre velhas para nós. Nossos avós, anos atrás, eram já velhos quando nascemos. Hoje, podem ser apenas avós. E nem ser propriamente velhos, idosos. É sempre estranho, quando nasce um filho, um sobrinho, um neto, sermos percebidos como velhos. Meu filho, por exemplo, me acha velha desde que ele nasceu. E eu preciso sempre confirmar para ele que fui jovem, fui criança e fui bebê.

O senhor Amadeu era dessas pessoas que para mim sempre foram velhas. Sempre se vestiram igual - talvez um colete, um pulôver, uma calça social. Talvez eu o esteja confundindo com o meu avô materno. Minha memória já me trai?

Amadeu era velho desde sempre, desde que nasci. Isso costuma ser o sempre de todas as pessoas. Amadeu tinha nome de velho. Um nome perfeitamente velho, como Cícero, com que não me deixaram batizar o meu filho, alegando justamente isso: é nome de velho. E se for? Qual é o problema? É mais problema ser novo com nome de velho? Ou ser velho com nome de novo, como Lucas ou Iuri? (Devíamos ter o direito de trocar de nome como as cobras trocam de pele).

Senhor Amadeu, para mim, era o nome completo dele. Senhor Amadeu, não apenas Amadeu. Chamá-lo de Amadeu me dá, ainda, a sensação de irreverência e desrespeito que jamais passou pela minha cabeça. O senhor Amadeu era velho e respeitável. E ainda é. Discreto, tímido e acompanhante da mãe, até a morte.

O senhor Amadeu perdeu a mãe no dia em que eu nasci. Meu pai era o médico que a acompanhava, desde havia dias, no leito do hospital. E havia ali uma relação de cuidado, seriedade e gratidão. Dona Elisa morreu quando eu nasci. E nasci para me chamar Elisa.

Elisa é nome de velha. Sempre achei. Ana, não. Ana é nome que atravessa vidas. Pode-se nascer e morrer como Ana. A passagem difícil é o dia em que o "dona" aparece. Dona Ana. Don'Ana. Não cheguei lá. Nem pretendo. Mas nasci Elisa, enquanto dona Elisa morria, em algum quarto do mesmo prédio. E Amadeu ficava triste e perdido, por alguns momentos, em sua solidão de filho único. Órfão.

Nunca soube quase nada sobre a vida de Amadeu. Mas ele soube da minha. Soube que nasci, uma Elisa bebê. Um dia ou dois depois, o senhor Amadeu veio visitar a filha do doutor, Elisinha, para dar a ela um presente. Ganhei, com alguns dias, um relógio de pulso, de corda, com pulseiras pretas e vidro protuberante. Um luxo, uma joia que só pude tocar muito mais velha.

Amadeu me elegeu, quase me adotou. Durante 14 anos, quase 15, fez-me uma visita, em casa, em meu aniversário. Quatorze aniversários, todos, para me dar um presente, que era sempre um bom presente. Uma boa boneca, um disco de vinil da minha banda favorita, uma casinha inteira, um objeto valioso ou valoroso. E eu o atendia, sob o olhar carinhoso da minha mãe. Eu me emocionava com as visitas do senhor Amadeu, que devia sempre lembrar da morte da própria mãe quando me dava um tímido abraço.

Nos meus 14 anos, eu e minha mãe chegamos a comentar sobre a possível festa dos 15. Falta um ano! Amadeu era discreto, tímido, quieto. Só aparecia antes de qualquer convidado. Não aceitava os convites para festinhas. Não se exibia. Fazia sua visita à Elisinha e pronto. À tarde, antes de ser visto por outras pessoas. Amadeu parecia uma lenda.

Os 15 anos se aproximaram. Era hora de Amadeu me visitar. Quais seriam suas palavras? E qual presente ele traria para esta debutante? Que ideia ele teria? Não haveria festa, porque eu não era menina disso, mas o abraço dele não faltaria.

Mas o senhor Amadeu não pôde vir. Dez dias antes dos meus 15 anos, ele morreu. Foi encontrado morto, sozinho, em seu apartamento. Morreu discretamente, sem que alguém soubesse. Amadeu não veio à tarde e muito menos para a festa.

Meu pai me deu essa notícia como se não fosse nada. Baixei a cabeça e chorei quinze anos de lágrimas. Achei que não fosse mais me levantar a mesma. Não teve abraço, não teve presente. Amadeu não veio porque morreu. O senhor Amadeu era uma lenda. Uma espécie de avô adotivo que dava flor uma vez ao ano.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 12/5/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Noel Rosa de Fabio Gomes
02. Sabemos pensar o diferente? de Guilherme Carvalhal
03. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
04. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
05. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTORIA DEL TEATRO EUROPEO (DESDE LA EDAD MEDIA HASTA NUESTROS DIAS) (5 VOLUMES)
G.N.BOIADHIEV; A. DZHIVELÉGOV Y S. IGNATOY
EDITORIAL NACIONAL DE CUBA
R$ 210,00



TÉCNICAS DE RELAXAMENTO
PETHÖ SANDOR
VETOR
(1974)
R$ 20,00



COLAS BREUGNON - NOBEL DE LITERATURA DE 1915
ROMAIN ROLLAND
OPERA MUNDI
(1973)
R$ 40,00



AU PAYS DES ANTIQUAIRES
ANDRÉ MAILFERT
ERNEST FLAMMARION
(1954)
R$ 50,00



PELOS CAMINHOS DA HISTÓRIA
ADHEMAR MARQUES
POSITIVO
(2006)
R$ 60,00



O BEIJO INFAME
TONI MARQUES
RECORD
(2011)
R$ 30,00



MOMENTOS COM DEUS DEVOCIONAL PARA CASAIS
JAMES E SHIRLEY DOBSON
BETÂNIA
(2004)
R$ 10,00



DA MORTE, METAFÍSICA DO AMOR, DO SOFRIMENTO DO MUNDO
ARTHUR SCHOPENHAUER
MARTIN CLARET
(2001)
R$ 5,40



AMORES PERFEITOS
JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
GENTE
(1994)
R$ 8,90



SCHELLING - OS PENSADORES
COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 9,00





busca | avançada
27313 visitas/dia
1,0 milhão/mês