Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe D'arc - Dark de Dinah Perry e Jorge Garcia
>>> Última semana para prestigiar as exposições de Alex Flemming e Marcius Galan na Fundação Ema Klabin
>>> Casa da Memória Italiana realiza debate sobre fotografia
>>> Letícia Sekito, Cia Tentáculo e Marcos Moraes fazem o último Cartografia do Possível no CRDSP
>>> Duo CasaDois se apresenta no Zé do Hamburger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caindo na Real - Você Aproveitou as Oportunidades
>>> Ilustrado
>>> Fascínio cotidiano
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morreu Vinicius de Moraes
>>> 20 anos de cultura no brasil
>>> Rua da passagem
>>> Olhando pela fresta
>>> Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
>>> Era uma vez o conto de fadas
>>> Alma Nua
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
Mais Recentes
>>> Capitão Swing
>>> A Experiência Burguesa - A Paixão Terna
>>> 3001- A Odisseia Final
>>> Zacarias 1 a 3
>>> O Justo viverá pela Fé
>>> Contos Novos
>>> O Noviço
>>> Fogo Morto
>>> Macunaíma
>>> Antologia de Estética Teoria e Crítica Literária
>>> Ana Karenina
>>> Suas Mãos Podem Curá-lo
>>> Mudras - As Mãos Como Símbolo do Cosmos
>>> Dos Crimes Contra o Patrimônio V. 9
>>> O Gerente Minuto e a Administração do Tempo
>>> Peça e Será Atendido - Aprendendo a Manifestar seus desejos
>>> O Encantador de Cães
>>> Paz Interior
>>> Marley & Eu
>>> Poder Sem Limites
>>> Milagres da Cura Prânica
>>> Um Dia Minha Alma se Abriu por Inteiro
>>> Auto-estima, Liberdade e Responsabilidade
>>> O Paraíso Fica Perto
>>> A Nova Dieta dos Pontos
>>> O Poder Dentro de Você
>>> Contos Antológicos
>>> Nova Gramática do Português Contemporâneo - 3ª ed. revista
>>> Prime Time (inglês para o ensino médio) - Volume Único - 2ª ed.
>>> Essential Grammar In Use - second edition
>>> As Medicinas Tradicionais Sagradas
>>> Espanha - Pequena História das Grandes Nações
>>> O Homem
>>> Teatros Do Corpo - O Psicossoma em Psicanálise
>>> Direito Tributário - Parte Geral
>>> Direito Civio - Contratos
>>> Meu Primeiro Milhão
>>> Lições Práticas de Processo Penal - O Caderninho do Criminalista
>>> Direito Financeiro na Constituição de 1988
>>> Poderosa - Diário de Uma Garota que Tinha o Mundo na Mão
>>> O Diário da Rua
>>> Os Invertebrados: uma Síntese
>>> Carta Aberta aos Gurus da Economia que nos Julgam Imbecis
>>> O Fim do Euro
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios
>>> O Futuro dos empregos
>>> A Economia Irracional
>>> O texto na TV- Manual de Telejornalismo
>>> Conto de escola
>>> O inimigo secreto
COLUNAS

Quinta-feira, 13/7/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Heloisa Pait

+ de 1800 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

A sorte é que era no cineclube do museu paleológico, gostava do lugar. As poltronas rasgadas, baloiçantes, os tacos soltos, a luz fraca em alguns lugares e ofuscante em outros, o lugar lhe dava paz. É que em algum momento o prédio tinha sido novo, mas não naquele momento. Isso é que lhe dava paz. O museu paleológico não cobrava nada deles, estava até contente em receber visitas. E como a cobrança a matava. O Lattes, os clientes do avô, a diretora da faculdade.

Ela ia entrando na sala, o público do cinema ia saindo.

Pediu para seu orientando se sentar ao seu lado. Estava apreensiva e queria apoio. Depois pediu que ele se sentasse na primeira fila, pois queria poder ancorar o olhar em porto amigo. Mas a sala ainda estava vazia, não fazia sentido subir ao tablado tão cedo.

– Alcebíades, enquanto o debate não começa, vamos dar uma volta e tomar um café?

Alcebíades tinha dificuldade em dizer não à professora.

– Claro, professora. Onde a senhora pensa em ir?

– Sei lá, dar uma volta, pensar no que vou dizer à platéia. Não é fácil, né?

– Imagine, a senhora conhece tanta coisa, é tão segura, vai ser fácil.

Mónika tinha sempre um pé atrás quanto aos elogios dos alunos. Achava que trocavam entre si os seus comentários mais estapafúrdios, conferindo em qual insanidade a mestra acreditava. Um dia perguntou ao Alcebíades: “Escuta, aquela idéia que você teve de eu me candidatar pra deputada, aquilo foi ironia sua, né? Foi um comentário a respeito de minha arr... da minha cara de pau, algo assim? Pode falar, não há problema.” O aluno respondeu que não, que achava mesmo que a professora tinha que submeter suas idéias ao crivo eleitoral.

Verdade ou mentira, os elogios ajudavam. Ao aluno, a professora expôs com clareza e desenvoltura o que queria dizer ali ao público do debate “Jovens e Política: esperanças”. Começava, claro, com a infalível Hannah Arendt, uma espécie de Delenda Carthago contemporânea. E daí a coisa se desenrolava. Subiram escadas e desceram, se perderam no prédio e se acharam, comeram um cup cake que uma senhora vendia no andar térreo. De volta ao cineclube, um branco.

– Que era mesmo que eu ia falar, Alcebíades?

– Começava com Hannah Arendt, professora.

– E depois?

– Depois não lembro. Depois a senhora falava dos partidos.

– Ah, é isso mesmo! Os partidos! Puxa, Alcebíades, você é um menino de ouro.

A sala se enchia. As caras a assustavam. Onde estavam os meninos barbados e as meninas de chinelo? Havia poucas meninas. E os meninos estavam de terno. Que juventude era aquela? Nas salas de aula, gostava de provocar. Um dia falou: “Esqueçam essa categoria de classe social, pois isso explica pouco da vida humana.” Os alunos tiveram um treco, foi engraçado. Tinha medo de repetir ali a frase e ser aplaudida. Ia ser aplaudida. Não estava preparada. Olhou para o Alcebíades e sorriu cúmplice, como se ele lhe acompanhasse o raciocínio. “Agora devo sorrir de volta”, o aluno pensou.

O organizador do debate listava as organizações jovens que estavam participando do evento:

– Ambaíba Livre, Vem pra Rua Interior, UNE-Particulares, Negros Contra Cotas, Segunda Emenda Brasil, Campo Jovem, Amigos de Samaria, PSDB-Esquerda pra valer...

– Esquerda pra valer? Onde é que ‘tá? – O problema de Mónika era sempre essa espontaneidade.

Do fundo da sala, uma moça de bata de pano cru com um colete estampado por cima levantou a mão, sorridente:

– Estamos aqui, Mónika! Pra valer.

O rapaz ao seu lado completou:

– Pela mudança, com os mesmos valores. – Os dois se aplaudiram. E se beijaram. Eram namorados.

O moderador pediu então uma salva de palmas a todas as organizações, desfazendo qualquer mal estar pela atenção da palestrante. E Mónika começou sua fala.

Falava do liberalismo e de como a luta liberal no Brasil era fragmentada. Não porque estivesse fora do lugar. A idéia de uma idéia fora do lugar era uma idéia tão tosca que não havia o que dizer. Que idéia estava no lugar? Uma idéia se destaca de algo costumeiro, impensado. Por isso aglutina as pessoas. Uma idéia diz: “Vamos!” Puxa as gentes para algum lugar.

Mas o liberalismo aglutinava o Brasil? Ou, ao contrário, era ele mesmo algo costumeiro, que outras idéias deslocavam? O liberalismo era nossa raiz, nossa mandioca, que abandonávamos para seguir uma ou outra moda européia?

Um aluno levantou a mão e perguntou se Mónika era a favor do impeachment. Outro, do parlamentarismo. Uma discussão se sucedeu. Mónika olhava os jovens disparando certezas uns para os outros, não conseguia brecha para voltar à sua fala. Aproveitou para recuperar a respiração, olhar para a platéia. Começava a gostar deles, a lhes entender a perspectiva.

A discussão continuava. Não sabia por que tudo o que ela dizia causava tanta alvoroço. Por que nas reuniões de departamento, nas aulas, era só respirar fundo e pronto, começava aquele carnaval todo, nunca a deixavam terminar. Não sabia se isso era bom ou ruim, mas era assim. Ficou um pouco triste, também não sabia por quê. A moça do PSDB percebeu lá do alto da sala, sorriu e acenou. Ela sorriu de volta, e retomou a fala.

– A democracia brasileira... as idéias que realmente sustentam nossas instituições, nosso convívio pacífico, tolerante e progressista, são as idéias liberais de igualdade, liberdade e propriedade? Ou foi o corporativismo, o “conosco ninguém mexe” e o “a gente se entende entre nós” que impediu, em tantos momentos, que a nação brasileira descambasse no caos ou na opressão totalitária?

Os jovens voltaram ao debate acalorado. E ela não pode mais falar.

Recostou-se na cadeira e ficou assistindo ao debate como se fosse ela a platéia. Talvez um regente. Talvez só platéia. Era isso mesmo que gostava de fazer, para quê resistir? Desde criança, adorava mexer nos formigueiros e ver como as formigas se reorganizavam, frenéticas. Por que seria diferente agora que tinha cargo público e era docente? “As pessoas não mudam”, havia dito o seu pai. Nunca? “Não”, ele havia garantido. Talvez por isso fosse tão reservado, por saber que certas coisas não podia mudar nele mesmo.

. . .

Mónika caminhou sozinha até o hotel, que ficava a duas quadras do Museu. Era perto demais, por isso deu antes algumas voltas pelo bairro. Havia um congresso de evangélicos na cidade e o hotel estava lotado. Mas o pessoal adorava Mónika e não iam deixá-la na mão. A atendente é que explicou:

– Mô, tudo bem? Então, a gente até achou que você vinha, não tem mais quarto vago mas fica aqui no saguão, vou te mostrar o cantinho que arrumamos para você.

Mónika ficou tocada com o carinho dos funcionários. Lá era não era a professora, nem a estrangeira, era a apenas a Mô que a cada semana vinha para Ambaíba se hospedar. No sofá do saguão haviam feito uma caminha para ela, com lençóis, travesseiros, coberta, um pequeno abajur. Um lençol cobria o janelão de vidro para a rua. Por que cuidavam dela? Como sabiam que ela viria hoje?

– Puxa...

– ‘Magina!

Pela manhã acordou com o pessoal do congresso indo tomar café da manhã. Andavam em turma, pareciam felizes, falavam alto. Mónika se perguntou o que seria exatamente um congresso de evangélicos. Discutiam o quê? Deliberam sobre o quê? Que diversão, que prazer haveria para quem se dispusesse a vir a Ambaíba louvar o senhor? Do nada, lhe veio uma raiva e uma inveja intensa daqueles crentes que andavam em bando, começou a tossir e olharam para ela, que logo dobrou os cobertores e entrou no elevador para ir tomar banho no chuveiro da ginástica.

Um evangélico perguntou se cabia mais um no elevador. Os outros grunhiram algo. Ele entrou como se pulasse para um outro plano e louvou:

– Glória a Deus!

Os outros assentiram:

– Glória a Deus!

Mónika demorou um pouco mas logo repetiu:

– Glória a Deus.

Olharam pela ela. Pelo sono, pelo sotaque que do nada voltava, pareceu aos crentes que louvava o senhor com um certo sarcasmo. Repetiu com ênfase:

– Glória a Deus!

O elevador ainda desconfiava. Ela ficou brava:

– Glória a Deus!!!

Exigia, agora, que eles a seguissem:

– Glória a Deus!

Finalmente, o fizeram, engolindo qualquer desconfiança que restasse.

– Glória a Deus!, clamou todo o elevador.

Mas de onde tamanho sentimento de inadequação, o leitor pode se perguntar, mesmo em situações tão prosaicas como quando, tendo nascido em um país comunista, repartia um elevador lotado de fiéis? Será que algo nos escapa na trajetória de Mónika? Façamos um flashback que nos levará ao momento anterior ao encontro de nossa heroína com a cisterna radioativa.

É que Mónika desta vez havia mexido com uma bela colméia...

Está no ar a quinta aventura de Mónika, Um certo Pavel Batitsky.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência

Heloisa Pait
São Paulo, 13/7/2017



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
02. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
03. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
04. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
05. Senna de Paulo Polzonoff Jr


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait
01. A Garota do Livro: uma resenha - 16/6/2016
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida - 11/8/2016
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico - 13/7/2017
05. Diálogos no Escuro - 4/8/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIÁRIO DA SOLIDÃO
TIAGO PENA
LYNCE
(2016)
R$ 32,33



HABITANTES DE BABEL
JORGE LARROSA E CARLOS SKLIAR
AUTÊNTICA
(2001)
R$ 33,00



ARTE NOS SÉCULOS VOL I DA PRÉ HISTÓRIA AO CLASSICISMO
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1969)
R$ 25,00



PSIQUIATRIA
ANA FERNÁNDEZ ESPINOSA
MCGRAW HILL
(2002)
R$ 15,00



CONJUGAÇÃO DOS VERBOS EM PORTUGUÊS
MARIA APARECIDA RYAN
ÁTICA
(1998)
R$ 16,00



PÁSSAROS DA LIBERDADE + JOVENS, JUDEUS E REVOLUCIONÁRIOS NO BRASIL
CARLA BASSANEZI PINSKY
CONTEXTO
(2000)
R$ 10,00



PORTUGUÊS PARA O CURSO TÉCNICO PRIMEIRO ANO
JOSÉ CRETELLA JÚNIOR
COMPANHIA NACIONAL
(1954)
R$ 30,00



A BELA ADORMECIDA - PRINCESAS INESQUECIVEIS
NÃO CONSTA
BICHO ESPERTO
R$ 5,00



ISIS SEM VEU:4 VOLUMES-OBRA COMPLETA(LIVROS NOVOS)
HELENA BLAVATSKY
PENSAMENTO
(2013)
R$ 300,00



EFÉSIOS 4 A 6 - ALIMENTO DIÁRIO
DONG YU LAN - EDITOR
ÁRVORE DA VIDA
(1993)
R$ 4,90





busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês