Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dia 22 tem a festa
>>> Cia Fragmento de Dança convida para sessão de cinema e Festa no Kasulo
>>> Punk 77: Tributo aos 40 anos do Punk com shows gratuitos em SP (29/7)
>>> Teatro do Incêndio promove oficina de teatro e artes integradas para jovens e crianças na Bela Vista
>>> A artista Claudia Malaguti participa de coletiva no Centro Cultural Light
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Náiades
>>> Equino
>>> Vágado
>>> Raízes II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fragmentos para a História da Filosofia, de Schopenhauer
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Auto lá!
>>> Seu minuto, meu segundo
>>> A internet e os blogs
>>> Cleópatra, a rainha enigmática
>>> Sempre cabe mais um
>>> De fato e ficção
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> O amor é um jogo que ganha quem se perde
Mais Recentes
>>> Trilogia Completa A Seleçao
>>> A Escolha (da trilogia A Seleção)
>>> A Vida do Toxicômano
>>> O Livro que revela Deus Tao - te King
>>> Ela disse, Ele disse: o namoro - Nova Ortografia
>>> Hotel Atlântico
>>> Jung e Astrologia
>>> Breve História das Heresias
>>> Apócrifos. Os proscritos da Bíblia
>>> Meditação e Gnose - Como Desenvolver Tranquilidade e Sabedoria
>>> O Evangelho É a Força de Deus que Salva
>>> Arte como Terapia
>>> A Vida Eterna hoje;
>>> Qualidade e Produtividade nos Transportes
>>> O Homem e suas relações. Ciência humanas e experiências religiosas
>>> Sociologia da Religião
>>> Sociologia da Religião
>>> Testemunhas da Esperança
>>> O Cristo Místico de São João da Cruz
>>> Vinho novo em odres velhos. Sacramentos da Libertação
>>> História do Poder Legislativo no Brasil
>>> Por que não ser místico. Um convite irresistível para experimentar a presença de Deus
>>> O ministério da amizade
>>> A Religião e o desenvolvimento da ciência moderna
>>> Nascido a tempo. Vida de Paulo, o apóstolo
>>> Cristo minha vida
>>> PENSAR A FÉ teologicamente
>>> O Evangelho de Paulo
>>> Salmos Favoritos
>>> Paulo. Um documento ilustrado sobre a vida e os escritos de uma figura chave do cristianismo
>>> A Unidade Transcendente das Religiões
>>> Compreender Nietzsche
>>> A origem da obra de arte
>>> Harry Potter e a pedra filosofal -
>>> A Mãe ( Saúde e Cura no Yoga)
>>> O Progresso
>>> 1 Corintios 11 a 16
>>> Uma Introdução à Bíblia. (Coleção completa, 8 volumes)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs a partir da segunda geração (Vol. VIII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs da primeira geração (Vol. VII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Período Grego e Vida de Jesus (Vol. VI)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Exílio babilônico e dominação persa (Vol. V)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Reino dividido (Vol. IV)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Império de Davio e Salomão (Vol. III)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Povo de Israel (Vol. II)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Porta de entrada (Vol. I)
>>> O mercador de tapetes
>>> O Sári Vermelho
>>> Contos De Todos Os Cantos - Projeto Literário 2013
>>> Quem é Quem na Bíblia
COLUNAS

Quinta-feira, 13/7/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Heloisa Pait

+ de 200 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

A sorte é que era no cineclube do museu paleológico, gostava do lugar. As poltronas rasgadas, baloiçantes, os tacos soltos, a luz fraca em alguns lugares e ofuscante em outros, o lugar lhe dava paz. É que em algum momento o prédio tinha sido novo, mas não naquele momento. Isso é que lhe dava paz. O museu paleológico não cobrava nada deles, estava até contente em receber visitas. E como a cobrança a matava. O Lattes, os clientes do avô, a diretora da faculdade.

Ela ia entrando na sala, o público do cinema ia saindo.

Pediu para seu orientando se sentar ao seu lado. Estava apreensiva e queria apoio. Depois pediu que ele se sentasse na primeira fila, pois queria poder ancorar o olhar em porto amigo. Mas a sala ainda estava vazia, não fazia sentido subir ao tablado tão cedo.

– Alcebíades, enquanto o debate não começa, vamos dar uma volta e tomar um café?

Alcebíades tinha dificuldade em dizer não à professora.

– Claro, professora. Onde a senhora pensa em ir?

– Sei lá, dar uma volta, pensar no que vou dizer à platéia. Não é fácil, né?

– Imagine, a senhora conhece tanta coisa, é tão segura, vai ser fácil.

Mónika tinha sempre um pé atrás quanto aos elogios dos alunos. Achava que trocavam entre si os seus comentários mais estapafúrdios, conferindo em qual insanidade a mestra acreditava. Um dia perguntou ao Alcebíades: “Escuta, aquela idéia que você teve de eu me candidatar pra deputada, aquilo foi ironia sua, né? Foi um comentário a respeito de minha arr... da minha cara de pau, algo assim? Pode falar, não há problema.” O aluno respondeu que não, que achava mesmo que a professora tinha que submeter suas idéias ao crivo eleitoral.

Verdade ou mentira, os elogios ajudavam. Ao aluno, a professora expôs com clareza e desenvoltura o que queria dizer ali ao público do debate “Jovens e Política: esperanças”. Começava, claro, com a infalível Hannah Arendt, uma espécie de Delenda Carthago contemporânea. E daí a coisa se desenrolava. Subiram escadas e desceram, se perderam no prédio e se acharam, comeram um cup cake que uma senhora vendia no andar térreo. De volta ao cineclube, um branco.

– Que era mesmo que eu ia falar, Alcebíades?

– Começava com Hannah Arendt, professora.

– E depois?

– Depois não lembro. Depois a senhora falava dos partidos.

– Ah, é isso mesmo! Os partidos! Puxa, Alcebíades, você é um menino de ouro.

A sala se enchia. As caras a assustavam. Onde estavam os meninos barbados e as meninas de chinelo? Havia poucas meninas. E os meninos estavam de terno. Que juventude era aquela? Nas salas de aula, gostava de provocar. Um dia falou: “Esqueçam essa categoria de classe social, pois isso explica pouco da vida humana.” Os alunos tiveram um treco, foi engraçado. Tinha medo de repetir ali a frase e ser aplaudida. Ia ser aplaudida. Não estava preparada. Olhou para o Alcebíades e sorriu cúmplice, como se ele lhe acompanhasse o raciocínio. “Agora devo sorrir de volta”, o aluno pensou.

O organizador do debate listava as organizações jovens que estavam participando do evento:

– Ambaíba Livre, Vem pra Rua Interior, UNE-Particulares, Negros Contra Cotas, Segunda Emenda Brasil, Campo Jovem, Amigos de Samaria, PSDB-Esquerda pra valer...

– Esquerda pra valer? Onde é que ‘tá? – O problema de Mónika era sempre essa espontaneidade.

Do fundo da sala, uma moça de bata de pano cru com um colete estampado por cima levantou a mão, sorridente:

– Estamos aqui, Mónika! Pra valer.

O rapaz ao seu lado completou:

– Pela mudança, com os mesmos valores. – Os dois se aplaudiram. E se beijaram. Eram namorados.

O moderador pediu então uma salva de palmas a todas as organizações, desfazendo qualquer mal estar pela atenção da palestrante. E Mónika começou sua fala.

Falava do liberalismo e de como a luta liberal no Brasil era fragmentada. Não porque estivesse fora do lugar. A idéia de uma idéia fora do lugar era uma idéia tão tosca que não havia o que dizer. Que idéia estava no lugar? Uma idéia se destaca de algo costumeiro, impensado. Por isso aglutina as pessoas. Uma idéia diz: “Vamos!” Puxa as gentes para algum lugar.

Mas o liberalismo aglutinava o Brasil? Ou, ao contrário, era ele mesmo algo costumeiro, que outras idéias deslocavam? O liberalismo era nossa raiz, nossa mandioca, que abandonávamos para seguir uma ou outra moda européia?

Um aluno levantou a mão e perguntou se Mónika era a favor do impeachment. Outro, do parlamentarismo. Uma discussão se sucedeu. Mónika olhava os jovens disparando certezas uns para os outros, não conseguia brecha para voltar à sua fala. Aproveitou para recuperar a respiração, olhar para a platéia. Começava a gostar deles, a lhes entender a perspectiva.

A discussão continuava. Não sabia por que tudo o que ela dizia causava tanta alvoroço. Por que nas reuniões de departamento, nas aulas, era só respirar fundo e pronto, começava aquele carnaval todo, nunca a deixavam terminar. Não sabia se isso era bom ou ruim, mas era assim. Ficou um pouco triste, também não sabia por quê. A moça do PSDB percebeu lá do alto da sala, sorriu e acenou. Ela sorriu de volta, e retomou a fala.

– A democracia brasileira... as idéias que realmente sustentam nossas instituições, nosso convívio pacífico, tolerante e progressista, são as idéias liberais de igualdade, liberdade e propriedade? Ou foi o corporativismo, o “conosco ninguém mexe” e o “a gente se entende entre nós” que impediu, em tantos momentos, que a nação brasileira descambasse no caos ou na opressão totalitária?

Os jovens voltaram ao debate acalorado. E ela não pode mais falar.

Recostou-se na cadeira e ficou assistindo ao debate como se fosse ela a platéia. Talvez um regente. Talvez só platéia. Era isso mesmo que gostava de fazer, para quê resistir? Desde criança, adorava mexer nos formigueiros e ver como as formigas se reorganizavam, frenéticas. Por que seria diferente agora que tinha cargo público e era docente? “As pessoas não mudam”, havia dito o seu pai. Nunca? “Não”, ele havia garantido. Talvez por isso fosse tão reservado, por saber que certas coisas não podia mudar nele mesmo.

. . .

Mónika caminhou sozinha até o hotel, que ficava a duas quadras do Museu. Era perto demais, por isso deu antes algumas voltas pelo bairro. Havia um congresso de evangélicos na cidade e o hotel estava lotado. Mas o pessoal adorava Mónika e não iam deixá-la na mão. A atendente é que explicou:

– Mô, tudo bem? Então, a gente até achou que você vinha, não tem mais quarto vago mas fica aqui no saguão, vou te mostrar o cantinho que arrumamos para você.

Mónika ficou tocada com o carinho dos funcionários. Lá era não era a professora, nem a estrangeira, era a apenas a Mô que a cada semana vinha para Ambaíba se hospedar. No sofá do saguão haviam feito uma caminha para ela, com lençóis, travesseiros, coberta, um pequeno abajur. Um lençol cobria o janelão de vidro para a rua. Por que cuidavam dela? Como sabiam que ela viria hoje?

– Puxa...

– ‘Magina!

Pela manhã acordou com o pessoal do congresso indo tomar café da manhã. Andavam em turma, pareciam felizes, falavam alto. Mónika se perguntou o que seria exatamente um congresso de evangélicos. Discutiam o quê? Deliberam sobre o quê? Que diversão, que prazer haveria para quem se dispusesse a vir a Ambaíba louvar o senhor? Do nada, lhe veio uma raiva e uma inveja intensa daqueles crentes que andavam em bando, começou a tossir e olharam para ela, que logo dobrou os cobertores e entrou no elevador para ir tomar banho no chuveiro da ginástica.

Um evangélico perguntou se cabia mais um no elevador. Os outros grunhiram algo. Ele entrou como se pulasse para um outro plano e louvou:

– Glória a Deus!

Os outros assentiram:

– Glória a Deus!

Mónika demorou um pouco mas logo repetiu:

– Glória a Deus.

Olharam pela ela. Pelo sono, pelo sotaque que do nada voltava, pareceu aos crentes que louvava o senhor com um certo sarcasmo. Repetiu com ênfase:

– Glória a Deus!

O elevador ainda desconfiava. Ela ficou brava:

– Glória a Deus!!!

Exigia, agora, que eles a seguissem:

– Glória a Deus!

Finalmente, o fizeram, engolindo qualquer desconfiança que restasse.

– Glória a Deus!, clamou todo o elevador.

Mas de onde tamanho sentimento de inadequação, o leitor pode se perguntar, mesmo em situações tão prosaicas como quando, tendo nascido em um país comunista, repartia um elevador lotado de fiéis? Será que algo nos escapa na trajetória de Mónika? Façamos um flashback que nos levará ao momento anterior ao encontro de nossa heroína com a cisterna radioativa.

É que Mónika desta vez havia mexido com uma bela colméia...

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 13/7/2017



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol
02. O que te move? de Fabio Gomes
03. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
04. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
05. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait
01. A Garota do Livro: uma resenha - 16/6/2016
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida - 11/8/2016
04. Diálogos no Escuro - 4/8/2016
05. América Latina, ainda em construção - 3/7/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM JOGADOR (LACRADO)
FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
34
(2004)
R$ 22,90



ENSAIOS DE MAQUINAS ELETRICAS
ALFONSO MARTIGNONI
GLOBO
(1987)
R$ 9,00



OS BALCÃS HISTÓRIA E CRISE
JAYME BRENER
ÁTICA
(1996)
R$ 11,00



GABRIELA, CRAVO E CANELA - 2ª EDIÇÃO
JORGE AMADO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 12,90



O CAÇADOR DE TATU
RAQUEL DE QUEIROZ
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
R$ 15,00



MOVIMENTO ESTUDANTIL E DITADURA MILITAR (1964-1968)
JOÃO ROBERTO MARTINS FILHO
PAPIRUS
(1987)
R$ 18,00



ATITUDE 3
JUSTIN HERALD
FUNDAMENTO
(2005)
R$ 5,99



ENCONTRE DEUS NA CABANA
RANDAL RAUSER
PLANETA
(2009)
R$ 15,00



O TEATRO NO BRASIL - J. GALANTE DE SOUSA (2 VOLUMES)
J. GALANTE DE SOUSA
MEC/INL
(1960)
R$ 90,00



ANJO DA ESCURIDÃO
SIDNEY SHELDON E TILLY BAGSHAWE
RECORD
(2013)
R$ 35,00
+ frete grátis





busca | avançada
27294 visitas/dia
862 mil/mês