Estevão Azevedo e os homens em seus limites | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe D'arc - Dark de Dinah Perry e Jorge Garcia
>>> Última semana para prestigiar as exposições de Alex Flemming e Marcius Galan na Fundação Ema Klabin
>>> Casa da Memória Italiana realiza debate sobre fotografia
>>> Letícia Sekito, Cia Tentáculo e Marcos Moraes fazem o último Cartografia do Possível no CRDSP
>>> Duo CasaDois se apresenta no Zé do Hamburger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caindo na Real - Você Aproveitou as Oportunidades
>>> Ilustrado
>>> Fascínio cotidiano
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morreu Vinicius de Moraes
>>> 20 anos de cultura no brasil
>>> Rua da passagem
>>> Olhando pela fresta
>>> Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
>>> Era uma vez o conto de fadas
>>> Alma Nua
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
>>> Proposta Decente?
Mais Recentes
>>> Capitão Swing
>>> A Experiência Burguesa - A Paixão Terna
>>> 3001- A Odisseia Final
>>> Zacarias 1 a 3
>>> O Justo viverá pela Fé
>>> Contos Novos
>>> O Noviço
>>> Fogo Morto
>>> Macunaíma
>>> Antologia de Estética Teoria e Crítica Literária
>>> Ana Karenina
>>> Suas Mãos Podem Curá-lo
>>> Mudras - As Mãos Como Símbolo do Cosmos
>>> Dos Crimes Contra o Patrimônio V. 9
>>> O Gerente Minuto e a Administração do Tempo
>>> Peça e Será Atendido - Aprendendo a Manifestar seus desejos
>>> O Encantador de Cães
>>> Paz Interior
>>> Marley & Eu
>>> Poder Sem Limites
>>> Milagres da Cura Prânica
>>> Um Dia Minha Alma se Abriu por Inteiro
>>> Auto-estima, Liberdade e Responsabilidade
>>> O Paraíso Fica Perto
>>> A Nova Dieta dos Pontos
>>> O Poder Dentro de Você
>>> Contos Antológicos
>>> Nova Gramática do Português Contemporâneo - 3ª ed. revista
>>> Prime Time (inglês para o ensino médio) - Volume Único - 2ª ed.
>>> Essential Grammar In Use - second edition
>>> As Medicinas Tradicionais Sagradas
>>> Espanha - Pequena História das Grandes Nações
>>> O Homem
>>> Teatros Do Corpo - O Psicossoma em Psicanálise
>>> Direito Tributário - Parte Geral
>>> Direito Civio - Contratos
>>> Meu Primeiro Milhão
>>> Lições Práticas de Processo Penal - O Caderninho do Criminalista
>>> Direito Financeiro na Constituição de 1988
>>> Poderosa - Diário de Uma Garota que Tinha o Mundo na Mão
>>> O Diário da Rua
>>> Os Invertebrados: uma Síntese
>>> Carta Aberta aos Gurus da Economia que nos Julgam Imbecis
>>> O Fim do Euro
>>> Gestão de Riscos nos Modelos de Negócios
>>> O Futuro dos empregos
>>> A Economia Irracional
>>> O texto na TV- Manual de Telejornalismo
>>> Conto de escola
>>> O inimigo secreto
COLUNAS

Quinta-feira, 10/8/2017
Estevão Azevedo e os homens em seus limites
Guilherme Carvalhal

+ de 1000 Acessos



Pensar a literatura brasileira sempre foi perceber uma produção que se associou aos panoramas da sociedade de sua época. O ímpeto pela construção de um sentimento nacionalista levou a obras ufanistas como O Guarani e Iracema. O prenúncio de uma cidade complexa e repleta de conflitos como o Rio de Janeiro ficou estampado em O Cortiço. O modernismo e sua antropofagia igualmente mostravam uma busca por um modelo artístico nacional, condizente com as características do país, em consonância com os questionamentos artísticas que surgiam pela Europa.

Um movimento literário de grande força e que marcou a literatura nacional foi o chamado regionalismo. Marcado através de nomes como José Lins do Rêgo, Rachel de Queiroz, Graciliano Ramos, Autran Dourado, e cujas influências se estenderam até autores mais atuais como João Ubaldo Ribeiro, esse movimento primou por mostrar o Brasil pelo seu viés rural, aspecto majoritário dessa época, muitas vezes se referindo a problemas de caráter social do país.

O processo de urbanização do país provocou mudanças na literatura. À medida em que a população das cidades crescia e a realidade nacional migrava da fazenda para os prédios, o foco da literatura também mudou. Tanto que nos tempos atuais, majoritariamente a nossa literatura não é apenas urbana, como também globalizada, com muitas obras apontando personagens que moram no exterior ou até mesmo se passando em outros países (como no caso da série Amores Expressos).

Assim sendo, Tempo de Espalhar Pedras, de Estevão Azevedo, é uma grata surpresa ao resgatar esse estilo que, apesar de representar uma importantíssima parte da nossa literatura, perdeu bastante espaço nos últimos tempos. E some a isso duas outras qualidades. Uma delas é o estilo de prosa do autor, brilhantemente desenvolvida. A outra, por retratar um ambiente bastante presente na nossa história e não retratada pela literatura: o garimpo.

A história se passa em uma vila cuja única sustentação econômica é o garimpo de diamantes. No período abordado, as pedras escassearam e a falta de perspectivas começa a afetar as pessoas. As relações jurídicas carecem de instituições formais e as pendengas são resolvidos pelo coronel, que possui direito de juiz e de vida ou morte sobre as pessoas. O coronel também detém o comércio local, tornando todos os garimpeiros seus dependentes, além de proibir através da força que vendam diamantes a outros compradores que não ele.

É nesse ambiente que um núcleo variado de personagens interage entre si. Homens desesperados atrás de pedras, esposas, filhas e outras mulheres que vivem em torno deles, um modelo de justiça inteiramente baseado no princípio da honra pessoal e toda forma de relação que advém desse tipo de sociedade. O fim de sua sustentação econômico torna essa rede de relações cada vez mais tensa, incitando a desconfiança e a violência.

O marco maior que guia sua narrativa são as restrições que envolvem todos os personagens. Faltam possibilidades de ganho financeiro, e isso leva a contendas violentas, desconfianças e inimizades. Falta o poder público, e isso cria um relativismo de regras que termina sempre na palavra do coronel.

Nesse meio de tantas restrições que Rodrigo tenta provar seu valor para o pai e em que o rezador Silvério conquista corações desafortunados com suas pregações. É o ser humano posto em uma situação um tanto quanto limítrofe, onde há cada vez menos alternativas e o desespero toma conta de todos.

A prosa de Estevão Azevedo remete à oralidade interiorana. Ele reconstrói, com qualidade poética, os modos de falar regionalistas, e nesse aspecto remete bastante a autores do modernismo, como Autran Dourado. Se vemos em muitos prosistas contemporâneos a busca pelo linguajar de periferia e outros modelos de dialetos urbanos, aqui encontramos a valorização de outra expressão calcada na fala, uma que tem se tornado mesmo expressiva nos tempos modernos.

O resgate realizado por Estevão proporcionou uma bela pérola literária para os tempos atuais. Em termos do que o brasileiro lê e do que temos em produção literária, ele foge da onda de autoficções e de literaturas urbanizadas que muitas vezes dão as costas para o Brasil e tentam ser mais estadunidenses e europeias do que brasileiras (sem contar o sonho da tradução). Ele resgata um pedaço precioso de nossa literatura e o faz com um livro rico e bem atual em seus dilemas, colocando o ser humano em seus limites.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 10/8/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
02. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
05. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
02. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
03. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
04. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
CEDIC
(2010)
R$ 5,00



REVISTA DIONYSOS - Nº 26 (ESPECIAL: TEATRO OFICINA)
FERNANDO PEIXOTO (ORG.)
MEC/SEC/SNT
(1982)
R$ 80,00



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
CELSO FERREIRA DA CUNHA
FENAME
(1985)
R$ 6,00



YARGO - JACQUELINE SUSANN (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
JACQUELINE SUSANN
CÍRCULO DO LIVRO
(1979)
R$ 8,00



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 10,00



FORÇA INTERIOR - ENSINAMENTOS PRÁTICOS PARA UMA VIDA MELHOR
CARLOS FRANÇA
CÍRCULO DO LIVRO
(1992)
R$ 4,90



VIOLIN PIECES THE WHOLE WORLD PLAYS- VIOLIN PART (REVISED EDITION)
D APPLETON CENTURY COMPANY
D APPLETON CENTURY COMPANY
(1928)
R$ 49,90



A PRECE DE TODAS AS COISAS
PIERRE CHERLES, S.J.
CULTRIX
(1995)
R$ 8,00



EIKE BATISTA: O X DA QUESTÃO
EIKE BATISTA, ROBERTO DAVILA
PRIMEIRA PESSOA
(2011)
R$ 5,50



CONIC - CONSELHO NACIONAL DE IGREJAS CRISTAS DO BRASIL - MANUAL
VÁRIOS AUTORES
SALECIANA
(2005)
R$ 12,00





busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês