Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
35052 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
>>> Lançamento: Smoked Rib Burger é a mais nova atração da Stage Burger
>>> JOALHERIA BRASILEIRA, HISTÓRIA, MERCADO E OFÍCIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
>>> Dinheiro não tem cheiro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Melhores Blogs
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Apontamentos de inverno
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Roubalheira vai parar o Brasil
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
Mais Recentes
>>> Para entender Michael Jackson - Margo Jefferson (Biografia)
>>> Michael Jackson: Uma história sem fim. Revista Pop Star - Antero Leivas
>>> Michael Jackson: A vida, a música, o fim. Revista Bizz (Edição de Tributo)
>>> Nos idos de Março: A ditadura militar na voz de 18 Autores Brasileiros
>>> Fúria - Salman Rushdie (Literatura Indiana)
>>> A Clemência - Sêneca (Literatura Latina)
>>> Guernica: A tela de Picasso - Gijs van Hensbergen (Pintura/Biografia)
>>> Hermandad de Bordadoras y Tejedoras de Belén y Gigantería - Em ESPANHOL (Bonecos e Cultura Popular em Cuba)
>>> O Brasil, o povo e o poder - Miguel Arraes (História do Brasil)
>>> Karaíba: Uma história do Pré-Brasil - Daniel Munduruku (História do Brasil)
>>> Gregos: Vida Cotidiana - John Guy (Cultura Grega)
>>> A sociedade de todos os povos - José Arrabal (Literatura brasileira)
>>> Brizola e o Trabalhismo - Moniz Bandeira (Política/Trabalhismo)
>>> O desafio Amazônico - Samuel Murgel Branco (Ecologia/Política)
>>> As veias abertas da América Latina - Eduardo Galeano
>>> A crise do "Milagre": Interpretação crítica da economia brasileira - Paul Singer
>>> Economia Política do Trabalho - Paul Singer
>>> Igreja e Estado em Tensaõ e Crise - Thales de Azevedo (História e Religião)
>>> A Hegemonia dos Estados Unidos e o Subdesenvolvimento da América Latina - Celso Furtado
>>> O Partido Comunista na Gênese do Populismo - Arnaldo Spindel
>>> Geopolítica na América Latina - Nelson Bacic Olic
>>> Política e Rebelião nos Anos 30 - Marly Vianna (História do Brasil)
>>> O Império de Carlos Magno - Carl Grimberg (História Universal)
>>> Reforma Agrária: A luta pela terra no Brasil - Isaac Akcelrud
>>> Eternidade por um Fio - Terceiro Livro da Trilogia do Século
>>> Inverno do Mundo - Livro 2 da Trilogia o Seculo
>>> A Fé de Abraão
>>> Variantes Na Visualidade
>>> Satisfação Do Cliente - A Outra Parte Do Seu Trabalho
>>> Relatos De Sonhos E De Lutas
>>> Exílio: Testemunho De Vida
>>> Botânica Criptogâmica Volume 1 - Algas E Fungos
>>> Histórias Para O Coração
>>> A Garota no Trem
>>> Teoria Geral Dos Sistemas
>>> A Doçura Do Mundo
>>> A Expedição Kon Tiki
>>> Loucuras Do Futebol - 288 Histórias Reais E Absurdas
>>> Nuances Da Memória
>>> O Batuque Afro-brasileiro De Nélson Silva
>>> Tibério: As Memórias Do Imperador
>>> Manual Del Karma
>>> Eras Livro 1: Despertar
>>> A Condição Humana
>>> Os Retratos De Oscar Wilde
>>> Romance Negro E Outras Histórias
>>> Dás Um Banho - Roberto Alves: O Rádio, o Futebol e a Cidade
>>> Essa História Está Diferente
>>> A Região Costeira Meridional De Santa Catarina
>>> Cidade Democrática
COLUNAS

Terça-feira, 22/8/2017
Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 300 Acessos



A Lapso, conjunto de poemas de Tarso de Melo, publicado pela Alfarrabio Edições, em 1999, situa o sentido da poesia entre os restos do humano (ossos) e os restos do mundo (sucata).

Adotando a exigência moderna da poesia de dar forma ao mundo no construto da linguagem, Tarso evoca a natureza humana e o mundo numa dicção complexa que procura tencionar esses dois universos numa perspectiva também moderna da oposição poeta-mundo.

O poema “Ainda” situa essa complexa relação em que o poeta se pensa numa perspectiva negativa, de “ser/ diferente” ou “talvez/ vazio/ estranho”, num espaço onde “sinais” ou “contatos” são nulos na sua passagem que se dá “ao léu.

O que se repete ao longo do livro é a forma pausada dos espaços inabitados como no poema “Soneto”, também de verve bem negativa, pois que não se tem nem alguém, nem espaço algum ou qualquer outra coisa: “noite, ninguém/ nenhum lugar/ coisa alguma.”

A questão dos espaços é frequente no livro, lugar que poderia ser o terreno do encontro mas que, no entanto, aparta o outro para o reino de um tempo apenas desejado ou de um lapso de memória: “guardo memórias inencontráveis/ memórias/ ausentes de outro/ lugar comedido/ se bem me recordo// troco o tempo/ por você, e paro// nada se passe”. (poema “Você).

Nessa mesma clave da relação entre o Eu e o espaço exterior, o poema “Guapé”, que vale ser citado na íntegra, também reclama essa memória opaca das cores da existência:

GUAPÉ



entre a rua e meus

óculos, janela

e algumas grades

- nuvens atrás –

a tarde fria

segura, secas

guias por onde

meninos passam



...

os dias gravados

no muro

com a cor indecisa

das tintas ausentes



Mesmo a poesia é colocada em situação negativa, como em “Um Poema”, que no entrecortar dos versos insinua sua inutilidade, ou apenas sua possibilidade de ser “mácula no branco”: “por trás dos -/ em preto e nítidos/ – caracteres/ à página presos,/ verdade que, in -/ útil, contra/ o que esperam,/ mácula no branco.”

Se considerarmos o valor da poesia como sua própria negatividade em relação ao mundo, ou ainda como contraprodução no mundo das coisas úteis, o poema elege esse inútil como útil ao fraturar a palavra em “in/ útil”. O que é positivo na poesia é sua inutilidade, seu desenraizamento que contraria os códigos esperados.

Um poema que podemos eleger como a metáfora da própria poesia é o belíssimo “Espessa”, que, se aceitamos a poesia como seu tema secreto, a temos guardada no recôndito dos abandonos do mundo, mas, mesmo encoberta pelos destroços, no entanto, eis que ela ressurge como uma lâmina iluminada:



ESPESSA

espessa como

certos ossos

sob a sucata



entre guardada

e esquecida jaz



mais que pura

intacta



a ferir quem

observa: lâmina,

lâmpada, límpida

luz



Para além das “cores em branco”, como diz o poema “Alegria”, o poeta às vezes se rejubila, depois da exaustão da procura pela palavra certa, com uma ideia luminosa. Mesmo que na adversidade da busca por um sentido num mundo que lhe parece desconexo, eis que lhe aparece “entre suas ideias/ uma que/ agrada e joga/ luz sobre as demais”.

No entanto, essa batalha, esse esgrima do poeta, como diz Baudelaire, nem sempre é o encontro. Entranhado em si mesmo, ou nos espaços fechados, como no “Quarto”, aqui está o poeta, este ser com “seu propósito de sempre// procurar/ nunca encontrar”.

Como no poema “Espaços”, o desencontro, não é ele mesmo, na poesia, esse lugar, ou os espaços da impostura da linguagem que nos oferece no seu “ofício mudo// lúdico/ (...)/ um pássaro/ em cada pulso”?

O pulso é a mão do poeta, o pássaro, sua poesia. O voo o livro A Lapso.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/8/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
04. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
05. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
03. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux - 17/1/2017
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt - 21/2/2017
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel - 25/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO - A EXPLICAÇÃO MILITAR
ARTHER FERRILL
JORGE ZAHAR
(1989)
R$ 8,60



ENQUANTO O AMOR NÃO VEM
IVANLA VANZANT
SEXTANTE
(1999)
R$ 5,00



SLEEPING ARRANGEMENTS
MADELEINE WICKHAM
THOMAS DUNNE BOOKS
(2009)
R$ 13,50



QUINCAS BORBA
MACHADO DE ASSIS
ESTADÃO / KLICK
(1997)
R$ 5,00



COMO ESTUDAR NOS EUA
AFONSO LIMA
RECORD
(1995)
R$ 7,00



MAGISTERIO ECLESIAL. EL SERVIVIO DE LA PALABRA
FRANCO ARDUSSO
SAN PABLO
(1998)
R$ 80,00



A VORAGEM
JOSÉ EUSTASIO RIVERA
FRANCISCO ALVES
(1982)
R$ 18,00



O PUNHAL ESCOCÊS
SHARYN MCCRUMB
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 5,80



ERA VERDE? - ECOSSISTEMAS BRASILEIROS AMEAÇADOS
ZYSMAN NEIMAN
ATUAL
(1989)
R$ 3,00



PRIMEIRA PAGINA ESPECIAL
FOLHA DE SÃO PAULO
FOLHA DE SAO PAULO
(1985)
R$ 3,00





busca | avançada
35052 visitas/dia
993 mil/mês