A poesia afiada de Thais Guimarães | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37760 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Companhia de Danças de Diadema leva "por+vir" ao palco do Teatro Clara Nunes
>>> 38ª Edição da Feira da Comunidade acontece no domingo, 29 de outubro, na A Hebraica
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Toscanini e o Hino da República
>>> A máquina de escrever.
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Pulga na praça
>>> Você vai ser grande
>>> Qual é a alma da cidade?
>>> Hellbox
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> Bio de Paulo Francis em vídeo
>>> Literatura engajada
>>> Entre o sertão e a biblioteca
Mais Recentes
>>> Patologia Estrutural e Funcional 5ª ed.
>>> Rosa Maria No Castelo Encantado
>>> Hino do Universo
>>> Al-Qaeda
>>> Falsificação de Remédios e Poder de Polícia
>>> A Ditadura Encurralada
>>> Semiologia Cardíaca-Diagnostico e Tratamento Junto ao Leito 5ª ed.
>>> Blackwater
>>> O Peixinho Azul E Outras Histórias
>>> Terrorista
>>> Manual de Sinais e Sintomas 3ª ed.
>>> Falcão Meninos do Tráfico
>>> Odontologia Hospitalar
>>> A Arte da Sedução
>>> Deraldo Motta realizador de sonhos
>>> Ventilação Mecânica em Neonatologia e Pediatria
>>> A Fonoaudiologia na Paralisia Cerebral-Diagnostico e Tratamento
>>> Disturbios do Sono e a Odontologia-Tratamento do ronco e Apineia
>>> Disturbios da Voz e seu Tratamento
>>> Educação em Saude-Com Enfoque em Odontologia e em Fonoaudiologia
>>> An Introduction to the Invertebrates 2ª ed.
>>> Fisioterapia em Pediatria 3ªed.
>>> Tratado de Yôga
>>> Moral Cristã em tempos de relativismos e fundamentalismos
>>> Otávio Mangabeira e sua Circunstância
>>> Guia para amar a si mesma e viver melhor a adolescência
>>> Ela disse, ele disse
>>> Controvérsias em Periodontologia-º1 - Periodontologia 2000
>>> Os Lusíadas - Reprodução paralela das duas edições de 1572
>>> Manual da Série Branca
>>> Saudades da Guanabara & O campo político da cidade do Rio de Janeiro (1960-1975)
>>> Step By Step Minimally Invasive Glaucoma Surgery
>>> O fiador dos brasileiros & Cidadania, escravidão e direito civil no tempo de Antônio Pereira Rebouças
>>> Mulato: negro-não negro, branco não-branco
>>> Tropeços da medicina bandeirante + Medicina paulista entre 1892-1920
>>> Apontamentos para a História da Revolução Riograndense de 1893
>>> A criação de periquitos e seus cuidados
>>> Gripe: história da pandemia de 1918
>>> Bilhões e bilhões & Reflexões sobre vida e morte na virada do milênio
>>> O mundo assombrado pelos demônios & A ciência vista como uma vela no escuro
>>> A Escravidão Reabilitada
>>> A Lógica do Mercado de Ações
>>> Emergencias em Edodontia-Diagnostico e Conduta Clinica
>>> O Ponto de Mutação
>>> Perspectivas na Clinica das Afasias:O Sujeito e o Discurso
>>> Sociologia do Negro Brasileiro
>>> lElite da Tropa
>>> Hospedagem - Front Office e Governança
>>> O Afegão
>>> Mulheres Boazinhas não Enriquecem
COLUNAS

Terça-feira, 3/10/2017
A poesia afiada de Thais Guimarães
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 500 Acessos



“Deixa... a escrita ser/ de palavras, lerda e rápida, cortante/ para atacar/ quieta para esperar,/ insone.” Esses versos de William Carlos Williams poderiam ser a epígrafe para o livro Jogo de Facas, de Thais Guimarães, publicado pela editora Quixote, de Belo Horizonte, em 2016.

Mas a epígrafe escolhida pela poeta para abrir seu livro, de autoria de João Cabral de Melo Neto, também não deixa de ter seu tom pesado no desejo de uma poesia “qual uma faca íntima/ ou faca de uso interno”. Podemos somar na densidade dos poemas do livro a luta da linguagem (a faca?) com os estratos da existência em sua dimensão cortante, insone e íntima.

João Cabral de Melo Neto escreveu um longo poema chamado “Uma faca só lâmina”, onde se percebe "a imagem de uma faca/ entregue inteiramente/ à fome pelas coisas/ que nas facas se sente". Aqui, no livro de Thais, o ordenamento de sentimentos, dramas, acontecimentos, não deixa de passar pelos cortes que a linguagem-faca tencionará a cada poema, matando essa fome que a lâmina-poesia tem de “alinhavar rasgos” da existência na linguagem. E a ideia de uma “faca só lâmina” de Cabral não deixa de ser a faca que ao cortar corta também seu portador. Por isso a escolha de Thais por uma poesia “faca íntima”, de “uso interno”. A linguagem vai alinhavar aquilo que ela própria cortou.

O livro é dividido em quatro partes: Planos de corte, Linhas de incisão, Prova de corte, Pontos de sutura. O que se desenha é o desenvolvimento do plano de corte ao ato da sutura como metáforas de uma linguagem que pretende esfaquear momentos da existência que são postos à prova a cada poema.

Uma aparição que chama a atenção no livro é a bela homenagem a poeta americana Sylvia Plath, com suas “palavra meteoro”, “palavra desterro” e a “sôfrega palavra - corte”, que indicam o caminho interno do próprio livro de Thais: esse jogo de facas perigoso como espécie de “último grito – abismo-”. A existência em crise é uma constante nas duas poetas, em Plath acaba na anulação da vida pelo suicídio, enquanto em Thais se resolve no poema “Sem título” como “uma ideia/ que perece/ sem ter sido”.

Afiados como uma lâmina, os versos de Thais tomam a vida como pretexto para a poesia. É na problemática da linguagem poética, “a mínima palavra/ o arremesso”, que a existência será redimensionada, mesmo sendo afiada “na frequência do silêncio”.

Uma bela metáfora para o sentido da poesia em si (e os sentidos da poesia de Thais) pode ser o poema “Leitura de mãos” que se propõe a “desafiar/ linhas rompidas// cavar/ plantar/ sementes desconhecidas// colher/ com luvas de aço/ as flores carnívoras do destino”.

Ferir o destino no preço que ele merece, colhendo-o como flor que é, com “luvas de aço”. Imagem forte para a poesia que apreende a vida devolvendo-lhe sua insensatez com a violência que a linguagem pode exercer.

Por isso, se em Maiakovski, como ele disse, “a anatomia ficou louca, sou todo coração”, em Thais não fica por menos o desvario anatômico no poema “às cegas” onde coloca o “caminho com o coração/ entre as pernas”. Cada coisa em seu não lugar, como desejam os bons poemas.

O desnorteamento da vida, que é o que a torna insone, como no poema “Desperta”, dá o tom existencial que sempre vai e vem na poesia de Thais: “nas dores miúdas da noite// vaso quebrado/ moído// espalho-me/ em cacos de vidro”. Desses cacos é que nasce a “outra meia verdade”, que é um reflexo de si mesma posado no espelho, como diz no poema “Nunca é tarde”.



A poesia também se faz catarse, dentro desse quadro de imagens cortadas e suturadas:



CATÁRTICA

descascar até o osso

sentir as falanges

em última instância

na jugular

apertar mais o pescoço

até sangrar

a língua

até que morra

à mingua

e se feche o ciclo

de tudo o que corrói



A luta da poeta com as palavras (e com a vida) perpassa todo o livro, fazendo com que o poema seja o lugar de uma batalha insana que se dá no momento da formação do verso por “palavras/ (as piores do tipo)/ ásperas” e a consequente leveza final no “último round” no seu apagamento:



ÚLTIMO ROUND

unidas pela raiva

as letras formam palavras

(as piores do tipo)

ásperas



dentro delas, um dragão

cospe fogo, longe



frases

piores ainda

unem

as piores palavras



queimam a língua

que as pronuncia

ferem o tímpano

que as capta



sob o manto rasgado

se esconde

um vocábulo

(violência)

delicadamente

apago



Esse apagar, que pode ser o desejo de evasão, retorna algumas vezes no livro de Thais, como no poema “Enquanto a espera é ponto”. Uma ave de porcelana quebrada “emudece na chuva/ lágrimas só lágrimas/ evaporam pela madrugada” e a libertação da dor, nas “mãos/ sem poesia/ nuas”.

A faca que corta seu portador é a poesia. A poesia que também descreve as mãos “nuas” que a escrevem como livres de sua dor. O fato da linguagem foi maior que a vida (que virou poesia) em si mesma.


Obs: A imagem usada neste texto é de autoria de Nuno Ramos (Lâmina) e a tradução do poema de W. C. Williams é de Andre Vallias.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/10/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
05. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
03. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux - 17/1/2017
04. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt - 21/2/2017
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel - 25/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA PLACAR Nº 713 20/01/1984
VARIOS
ABRIL
(1984)
R$ 20,00
+ frete grátis



JUCA PIRAMA & OUTROS POEMAS (OS TIMBIRAS) - GONÇALVES DIAS (POESIA BRASILEIRA)
GONÇALVES DIAS
VALER
(2010)
R$ 8,00



JUANRIBE PAGLIARIN (JESUS A VIDA COMPLETA )
JUANRIBE PAGLIARIN
BLESS PLESS
(2017)
R$ 22,00
+ frete grátis



A CASA DA MÃE JOANA - CURIOSIDADES NAS ORIGENS DAS PALAVRAS, FRASES E
REINALDO PIMENTA
CAMPUS
(2002)
R$ 10,90



QUALIDADE COMEÇA EM MIM
TOM CHUNG
NOVO SECULO
(2002)
R$ 3,00



SOBRE A TELEVISÃO
PIERRE BOURDIEU
JORGE ZAHAR EDITOR
(1997)
R$ 27,40



A MORTE TEM SETE HERDEIROS 3ª EDIÇÃO.
STELLA CARR & GANYMÉDES JOSÉ
MODERNA
(2014)
R$ 19,90



CRESCENDO COM O ENEAGRAMA NA ESPIRITUALIDADE
DOMINGOS CUNHA
PAULUS
(2005)
R$ 46,10



EÇA E O BRASIL
ARNALDO FARO
NACIONAL
(1977)
R$ 15,00



ALFA ROMEO: CLÁSSICOS DO BRASIL
ROGÉRIO DE SIMONE E ROGÉRIO FERRARESI
ALAUDE
(2010)
R$ 18,00





busca | avançada
37760 visitas/dia
947 mil/mês