Paul Ricoeur e a leitura | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O elogio do Silêncio ou duas ou mais antipolêmicas
>>> Máfia do Dendê
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
>>> Ilustres convidados
>>> Por que comemorar o dia das mães?
Mais Recentes
>>> Biologia 3 - Biologia das Populações - Completo - Box 5 Livros
>>> Biologia 2 - Biologia dos Organismos - Completo - Box 4 Livros
>>> Biologia 1 - Biologia das Células - Completo - Box 4 Livros
>>> Bio - Volume 1 - Ensino Médio - Manual do Professor
>>> Física - Mecânica - Volume 1 - Manual do Professor
>>> Física - Termologia, Óptica e Ondas - Volume 2 - Manual do Professor
>>> Física - Volume 3 - Manual do Professor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 3 - Coleção Aula Por Aula - Manual do Profesor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 1 - Mecânica - Col. Aula Por Aula
>>> Física 1 - Manual do Professor
>>> Química - Volume Único Para o Ensino Médio - 4ª Impressão
>>> Curso de Química - Volume 1
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 3º Volume
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 2º Volume
>>> Geometria Analítica
>>> Matemática - Volume 2 - Segundo Grau - Livro do Professor
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 1 - Livro do Professoe
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 3 - Série Compacta
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 3 - Manual do Professor
>>> Matemática - Segundo Grau - Volume 3
>>> Pirâmides
>>> Aventura em Bagdá
>>> O Visitante Inesperado
>>> Felicidade e Outros Contos - Tradução de Érico Veríssimo
>>> Introdução à Teoria da Contabilidade - para o Nível de Graduação
>>> Michael Jackson
>>> Psicoterapia e Sentido da Vida
>>> Biblia evangelho lucas
>>> Escola Frankfurt
>>> Pimentos & Compahia
>>> Cozinha Saudavél
>>> Beer Ultimate Word Tour
>>> The Great Wines Of France
>>> Viagem Pitoresca Do Brasil
>>> 100 Canetas de Sempre
>>> Fra Agélico
>>> O Prazer de Viver Ligjht
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Master of french Art
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> A Concepção Materialista da História
>>> Garbo
>>> Sucos Para a Saúde
>>> Whitney Houston
>>> Mecanismos Internos
>>> 1001 Discos para Ouvir Antes de Morrer
>>> Kyoto
COLUNAS

Terça-feira, 13/2/2018
Paul Ricoeur e a leitura
Celso A. Uequed Pitol

+ de 300 Acessos

No começo do segundo volume da sua obra magna “Tempo e Narrativa”, Paul Ricoeur lança, em meio às suas considerações sobre narratologia e leitura de textos literários, a seguinte frase: “Explicar mais é entender melhor”. Para que ela faça sentido, é preciso concatená-la com as reflexões do autor na área de hermenêutica, tarefa que nos dispomos a fazer aqui.

Inicialmente, devemos ressaltar a íntima relação que Ricoeur vê entre experiência humana e linguagem: para ele, a experiência humana contém uma dizibilidade que não pode jamais ser afastada. Ela pede para ser enunciada. A experiência humana carrega, portanto, o dizer - o dizer-se - em seu bojo, diante do qual o homem que a experiencia é convidado a articular.

A partir daí a narratividade ocupa espaço decisivo. A experiência, que pede para ser dita, ocorre no tempo humano, sendo este articulado, segundo Ricoeur, como um processo temporal. E tal processo só é reconhecido quando ele é narrado: é a narratividade que marca, clarifica e articula a experiência temporal humana , integrando o heterogêneo numa totalidade inteligível.

Diante dessa experiência que pede para ser narrativa, dessa narrativa que articula a experiência humana e que integra o heterogêneo, qual a tarefa da hermenêutica? Para compreendermos plenamente a proposta hermenêutica ricoeuriana e sua relação com a narrativa, é preciso termos em mente o diálogo que ela estabelece com a tradição da disciplina - em particular, com as reflexões operadas por Wilhelm Dilthey (1833-1911).

Dilthey parte de seus estudos em epistemologia para propor uma diferenciação radical entre as ciências da natureza (as Naturwissenschaften - a Física, a Química, a Biologia, a Matemática e outras) e as ciências humanas - ou, na terminologia por ele formulada, as Ciências do Espírito (Geisteswissenschaften): a História, a Sociologia, a Filosofia, o Direito, os Estudos Literários, etc. O primeiro grupo de ciências, o da natureza, opera a partir da explicação dos fenômenos da natureza; o segundo grupo, o das humanidades, opera a partir da compreensão dos processos vitais e da vida psíquica presentes na obra diante da qual se coloca o leitor ou intérprete.

Essa divisão radical proposta por Dilthey não é aceita por Ricoeur - ao menos, não nos termos em que Dilthey a coloca. No lugar dela, Ricoeur propõe que explicação e compreensão sejam considerados como dois momentos diferentes da interpretação, superando, assim, a antinomia irredutível que Dilthey coloca: em vez de oposição, Ricoeur vê aí complementaridade; a explicação e a compreensão não seriam, assim, dois modos irredutivelmente distintos de conhecer um objeto de estudo, mas dois momentos do processo de interpretação de um texto. A compreensão parte de uma ligação ontológica entre o homem e o objeto, marcada por um abrir-se “ingênuo” ao texto; a explicação, por sua vez, é um passo metodológico que, ao contrário do que pensava Dilthey, não é necessariamente alheio às “ciências do espírito”, às quais ele opunha as ciências da natureza. Nas palavras de Ricoeur, “explicar é destacar a estrutura, quer dizer, as relações internas de dependência que constituem a estatística do texto”

Estabelecida essa distinção nuclear, Ricoeur dispõe os elementos da dialética da compreensão e da explicação que funda a sua proposta interpretativa - que serve, em particular, para a interpretação de textos, como as narrativas.

O primeiro momento é a compreensão que ele denomina ingênua, ou seja, decorrente de um contato imediato com o texto, onde este apresenta-se ao leitor. No segundo momento, opera-se a explicação, onde ocorre um distanciamento entre o leitor e o texto, fundamental para que se perceba a estrutura das relações internas de dependência das partes do discurso. A este momento segue-se um terceiro, que é um retorno à compreensão, desta vez não mais “ingênuo” mas sim mediado pelo arcabouço metodológico da explicação.

A hermenêutica tem, assim, uma dupla tarefa:

(...) procurar, no próprio texto, por um lado, a dinâmica intenra que preside à estruturação da obra, por outro lado, o poder de a obra se projetar para fora de si mesma e engendrar um mundo que seria, verdadeiramente, a “coisa” do texto".

Fica claro, aí, o afastamento de Ricoeur em relação a Dilthey: ele recusa o que chama de “ilusão romântica” da compreensão imediata que Dilthey advoga, decorrente de um “transporte” do leitor em direção a uma consciência estranha. Dilthey, segundo Ricoeur, entendia que a interpretação era sinônimo de uma compreensão caracterizada pela apreensão de uma outra vida, expressa através das objetivações da escrita. Ao mesmo tempo, Ricoeur recusa uma leitura que se reduz a uma análise estrural do sistema de signos.

O que se faz no processo de leitura de uma narrativa, por exemplo, não é compreender aquele que fala através do texto, mas aquilo de que se fala, a coisa do texto, o mundo que a obra revela pelo texto. E aí Ricoeur faz apelo a Aristóteles, ao apontar a chave proposta para a composição:

“o poeta, ao compor uma fábula, uma intriga, um muthos, oferece uma mimesis, uma imitação criadora dos homens que agem. Do mesmo, uma lógica dos possíveis narrativos, a que pode aspirar uma análise dos códigos narrativos, só se conclui na função mimética pela qual a narrativa refaz o mundo humano da acção”

Quanto ao momento intermédio da explicação, onde o distanciamento metodológico tem lugar - e que constituía, segundo o pensamento de Dilthey, o processo típico das ciências naturais - Ricoeur afirma que, para que ele se dê, não precisamos nos preocupar com a divisão, também diltheyana, entre natureza e espírito . Ao contrário: dentro do próprio campo epistemológico da linguagem podemos encontrar um modelo de explicação em nada inferior aos da ciência da natureza e, ao mesmo tempo, bem ajustado às necessidades dos estudos de narrativa.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 13/2/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
03. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
04. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
05. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEMÓRIAS PERDIDAS - LIVRO NOVO
CHET BAKER
JORGE ZAHAR
(2002)
R$ 75,00



PODER, GRUPOS DE PRESSÃO E MEIOS DE COMUNICAÇÃO
DJALMA PATRÍCIO
FURB
(1998)
R$ 35,00



CRISTIANISMO- ÓPIO DO POVO?
DAVID GOODING E JOHN LENNOX
A VERDADE
(2013)
R$ 12,80



O ÚLTIMO ARTESÃO
WALTER AVANCINI
GRYPHUA
(2005)
R$ 19,90
+ frete grátis



READY FOR GOD ? EXPECTING THE UNEXPECTED
R T KENDALL
SCRIPTURE UNION PUBLISHING
(1995)
R$ 40,00
+ frete grátis



JOÃO E MARIA
CIRANDA CULTURAL
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 3,90



INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS: A TEORIA NA PRÁTICA
HOWARD GARDNER
PENSO
(1995)
R$ 100,00



INVESTIMENTOS: OS SEGREDOS DE GEORGE SOROS & WARREN BUFFETT
MARK TIER
CAMPUS
(2005)
R$ 10,00



QUESTÃO NACIONAL E MARXISMO
JAIME PINSKY
BRASILIENSE
(1980)
R$ 18,00



DOCUMENTO DE APARECIDA TEXTO CONCLUSIVO DA V CONFERÊNCIA
VÁRIOS AUTORES
PAULUS
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês