Paul Ricoeur e a leitura | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
20714 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem é Gian Danton
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O pós-modernismo morreu
>>> Nelson ao vivo, como num palco
>>> Furo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
>>> E Benício criou a mulher...
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
Mais Recentes
>>> 3 revistas Deutsch Perfekt
>>> As esganadas
>>> Jeremias 1 a 6
>>> A Nova Jerusalém- A Noiva Ataviada
>>> Perversão - Coleção Conceitos da Psicanálise
>>> Contando Gatos
>>> Toda a Mudança Começa em Você
>>> Antes que Seja Tarde
>>> A Bíblia do Vencedor
>>> O Investidor Inteligente
>>> Segredos de Administração de Tempo
>>> Você e Seu Sangue
>>> Segredos de Liderança
>>> As Práticas Para a Prosperidade Extraídas de O Homem Mais Rico da Babilônia
>>> O Ciclo da Autossabotagem
>>> Como Convencer Alguém em 90 Segundos
>>> O Manuscrito Original - As Leis Do Triunfo E Do Sucesso
>>> Pense e Enriqueça
>>> O Maior Vendedor do Mundo
>>> Você Merece Uma Segunda Chance
>>> Pense Simples
>>> Escola de Negócios
>>> A Ciência de Ficar Rico
>>> HBase: The Definitive Guide (livro em Inglês)
>>> Big Data (livro em português) - Como Extrair Volume, Variedade, Velocidade e Valor da Avalanche de Informação Cotidiana 
>>> Quem Roubou Minha Motivação?
>>> O Negócio do Século XXI
>>> Os Segredos da Mente Milionária
>>> Atitude Mental Positiva
>>> Aprendendo Inteligência
>>> Basta Pensar Diferente
>>> A Lei do Triunfo
>>> Pai Rico Pai Pobre
>>> Como Fazer Amigos
>>> Go Pro
>>> Filha das Trevas
>>> A Revolução das Mulheres
>>> Nevernight - A Sombra Do Corvo 01 - Crônicas Da Quasinoite
>>> Casa Das Fúrias
>>> Quase 1000 Absurdos De Todos Os Tempos
>>> 1000 Curiosidades Olímpicas Que Todo Recordista Deveria Saber
>>> Quase 1000 Dados Nojentos Para Saber Que Este Mundo É Imundo
>>> 1000 Curiosidades Do Mundo Da Bola - Que Todo Craque Deveria Saber
>>> 1000 Curiosidades Insólitas
>>> 1000 Coisas Inúteis Que Um Garoto Deveria Saber Antes De Crescer
>>> Tríade Deutsch Perfekt - revistas
>>> Os Terceiros 2000 anos
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
COLUNAS

Terça-feira, 13/2/2018
Paul Ricoeur e a leitura
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1100 Acessos

No começo do segundo volume da sua obra magna “Tempo e Narrativa”, Paul Ricoeur lança, em meio às suas considerações sobre narratologia e leitura de textos literários, a seguinte frase: “Explicar mais é entender melhor”. Para que ela faça sentido, é preciso concatená-la com as reflexões do autor na área de hermenêutica, tarefa que nos dispomos a fazer aqui.

Inicialmente, devemos ressaltar a íntima relação que Ricoeur vê entre experiência humana e linguagem: para ele, a experiência humana contém uma dizibilidade que não pode jamais ser afastada. Ela pede para ser enunciada. A experiência humana carrega, portanto, o dizer - o dizer-se - em seu bojo, diante do qual o homem que a experiencia é convidado a articular.

A partir daí a narratividade ocupa espaço decisivo. A experiência, que pede para ser dita, ocorre no tempo humano, sendo este articulado, segundo Ricoeur, como um processo temporal. E tal processo só é reconhecido quando ele é narrado: é a narratividade que marca, clarifica e articula a experiência temporal humana , integrando o heterogêneo numa totalidade inteligível.

Diante dessa experiência que pede para ser narrativa, dessa narrativa que articula a experiência humana e que integra o heterogêneo, qual a tarefa da hermenêutica? Para compreendermos plenamente a proposta hermenêutica ricoeuriana e sua relação com a narrativa, é preciso termos em mente o diálogo que ela estabelece com a tradição da disciplina - em particular, com as reflexões operadas por Wilhelm Dilthey (1833-1911).

Dilthey parte de seus estudos em epistemologia para propor uma diferenciação radical entre as ciências da natureza (as Naturwissenschaften - a Física, a Química, a Biologia, a Matemática e outras) e as ciências humanas - ou, na terminologia por ele formulada, as Ciências do Espírito (Geisteswissenschaften): a História, a Sociologia, a Filosofia, o Direito, os Estudos Literários, etc. O primeiro grupo de ciências, o da natureza, opera a partir da explicação dos fenômenos da natureza; o segundo grupo, o das humanidades, opera a partir da compreensão dos processos vitais e da vida psíquica presentes na obra diante da qual se coloca o leitor ou intérprete.

Essa divisão radical proposta por Dilthey não é aceita por Ricoeur - ao menos, não nos termos em que Dilthey a coloca. No lugar dela, Ricoeur propõe que explicação e compreensão sejam considerados como dois momentos diferentes da interpretação, superando, assim, a antinomia irredutível que Dilthey coloca: em vez de oposição, Ricoeur vê aí complementaridade; a explicação e a compreensão não seriam, assim, dois modos irredutivelmente distintos de conhecer um objeto de estudo, mas dois momentos do processo de interpretação de um texto. A compreensão parte de uma ligação ontológica entre o homem e o objeto, marcada por um abrir-se “ingênuo” ao texto; a explicação, por sua vez, é um passo metodológico que, ao contrário do que pensava Dilthey, não é necessariamente alheio às “ciências do espírito”, às quais ele opunha as ciências da natureza. Nas palavras de Ricoeur, “explicar é destacar a estrutura, quer dizer, as relações internas de dependência que constituem a estatística do texto”

Estabelecida essa distinção nuclear, Ricoeur dispõe os elementos da dialética da compreensão e da explicação que funda a sua proposta interpretativa - que serve, em particular, para a interpretação de textos, como as narrativas.

O primeiro momento é a compreensão que ele denomina ingênua, ou seja, decorrente de um contato imediato com o texto, onde este apresenta-se ao leitor. No segundo momento, opera-se a explicação, onde ocorre um distanciamento entre o leitor e o texto, fundamental para que se perceba a estrutura das relações internas de dependência das partes do discurso. A este momento segue-se um terceiro, que é um retorno à compreensão, desta vez não mais “ingênuo” mas sim mediado pelo arcabouço metodológico da explicação.

A hermenêutica tem, assim, uma dupla tarefa:

(...) procurar, no próprio texto, por um lado, a dinâmica intenra que preside à estruturação da obra, por outro lado, o poder de a obra se projetar para fora de si mesma e engendrar um mundo que seria, verdadeiramente, a “coisa” do texto".

Fica claro, aí, o afastamento de Ricoeur em relação a Dilthey: ele recusa o que chama de “ilusão romântica” da compreensão imediata que Dilthey advoga, decorrente de um “transporte” do leitor em direção a uma consciência estranha. Dilthey, segundo Ricoeur, entendia que a interpretação era sinônimo de uma compreensão caracterizada pela apreensão de uma outra vida, expressa através das objetivações da escrita. Ao mesmo tempo, Ricoeur recusa uma leitura que se reduz a uma análise estrural do sistema de signos.

O que se faz no processo de leitura de uma narrativa, por exemplo, não é compreender aquele que fala através do texto, mas aquilo de que se fala, a coisa do texto, o mundo que a obra revela pelo texto. E aí Ricoeur faz apelo a Aristóteles, ao apontar a chave proposta para a composição:

“o poeta, ao compor uma fábula, uma intriga, um muthos, oferece uma mimesis, uma imitação criadora dos homens que agem. Do mesmo, uma lógica dos possíveis narrativos, a que pode aspirar uma análise dos códigos narrativos, só se conclui na função mimética pela qual a narrativa refaz o mundo humano da acção”

Quanto ao momento intermédio da explicação, onde o distanciamento metodológico tem lugar - e que constituía, segundo o pensamento de Dilthey, o processo típico das ciências naturais - Ricoeur afirma que, para que ele se dê, não precisamos nos preocupar com a divisão, também diltheyana, entre natureza e espírito . Ao contrário: dentro do próprio campo epistemológico da linguagem podemos encontrar um modelo de explicação em nada inferior aos da ciência da natureza e, ao mesmo tempo, bem ajustado às necessidades dos estudos de narrativa.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 13/2/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
05. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
03. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
04. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
05. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O RAIO DA POSITIVIDADE
IEDA DE OLIVEIRA
QUINTETO
(1998)
R$ 14,00



ALMAS MORTAS - NICOLAI GOGOL (LITERATURA RUSSA)
NICOLAI GOGOL
ABRIL CULTURAL
(1972)
R$ 17,00



O PODER DO JOVEM - 62ª EDIÇÃO
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1981)
R$ 5,49



CORINTHIANS E PALESTRA ITÁLIA: FUTEBOL EM TERRAS BANDEIRANTES
ALFREDO OSCAR SALUN
TODAS AS MUSAS
(2015)
R$ 35,00
+ frete grátis



AMIGOS PARA SEMPRE
ANNE GEDDES
ALLES TRADE
(2008)
R$ 50,00



MAX PERKINS - UM EDITOR DE GÊNIOS
A. SCOTT BERG
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 39,99



O FUTURO DOS EMPREGOS
THOMAS W. MALONE
M. BOOKS DO BRASIL
(2006)
R$ 33,90



BLING RING: A GANGUE DE HOLLYWOOD
NANCY JO SALES
INTRINSECA
(2013)
R$ 10,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 2
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



NADA É POR ACASO
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2005)
R$ 11,54





busca | avançada
20714 visitas/dia
829 mil/mês