Paul Ricoeur e a leitura | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
24651 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> I CONCURSO DE CAIPIRINHA PAULISTA AGITA MERCADÃO
>>> Ian Carvalho lança EP 'Morpheo In Eros'
>>> Semivelhos lança inédita 'Vai Chover'
>>> O que há na mente de Deus?
>>> Antropólogo discute autonomia dos símbolos e seu papel na criação da cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
>>> Ação e reação
>>> Fio de Eros IV
>>> Fio da meada
>>> Interlocutores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amores serão sempre amáveis
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Discos que me mudaram
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Ensaio sobre a Cegueira, por Fernando Meirelles
>>> ConaLit
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> Porque assim é São Paulo
>>> Marçal Aquino: o Rei do Clima
>>> Aberta a temporada de caça
Mais Recentes
>>> Aritmética da Emília - edição comentada
>>> Mangá - O Livro Monstro do Mangá
>>> O Fim da Pobreza
>>> A Dieta do Suco
>>> A Dieta do arroz
>>> Bilionarios
>>> Acento em português - abordagens fonológicas
>>> Livro de um Desconhecido
>>> Questões de linguagem: passeio gramatical dirigido
>>> Pororoca, pipoca, paca e outras palavras do tupi
>>> Português ou brasileiro?
>>> Pesquisar no labirinto: a tese, um desafio possível
>>> Sete erros aos quatro ventos
>>> Sociolinguística quantitativa
>>> Semântica para a educação básica
>>> Todo mundo devia escrever
>>> Tradução: história, teorias e métodos
>>> Linguística computacional
>>> História concisa da semiótica
>>> A semântica
>>> Estrangeirismos: Guerras em Torno da Língua
>>> Quarto de Badulaques
>>> Raimundo de oliveira ( O progresso da Apostasia )
>>> A Revelação dos Sete Selos
>>> Fundamentos da economia
>>> Guia Prático de Conjugação de Verbos
>>> Cotidiano: Conhecimento e Crítica
>>> Estágio & Supervisão
>>> Educação, Ideologia e Contra Ideologia
>>> Wittgenstein - Os Pensadores
>>> Schelling - Os Pensadores
>>> Heidegger - Os Pensadores
>>> As Dores da Alma
>>> Animais da Fazenda - Brinque
>>> Cartilha do Bem
>>> Meninos em Guerra
>>> Reino Dividido- Uma Introdução à Bíblia- Volume 4
>>> A Assustadora História da Medicina
>>> A Sabedoria do Sutra de Lótus Volume 2
>>> Reflexologia- Um Método para Melhorar a Saúde
>>> Apocalipse - A Revelação de Jesus Cristo- Crescer e Amadurecer
>>> Ensaios (Sobre Arte e Literatura) - Olívio Montenegro
>>> Madre Coraje y suas hijos - Bertolt Brecht (Teatro alemão) - Em ESPANHOL
>>> Brasil: Manual de Instruções - Ziraldo (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Storia del Teatro Antico (Grécia e Roma) - Giovanni Antonucci (Em Italiano)
>>> A rosa do povo & Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade - Roteiro de Leitura)
>>> Seu Creysson - Vídia e Óbria (Casseta e Planeta) - Humorismo
>>> O melhor de Vinicius de Moraes (Poesia brasileira)
>>> O prazer das palavras 1 - Um olhar bem humorado sobre a Língua Portuguesa - Cláudio Moreno
>>> 20 Poemas de amor y una canción desesperada - Pablo Neruda (Literatura Chilena) Em ESPANHOL
COLUNAS

Terça-feira, 13/2/2018
Paul Ricoeur e a leitura
Celso A. Uequed Pitol

+ de 200 Acessos

No começo do segundo volume da sua obra magna “Tempo e Narrativa”, Paul Ricoeur lança, em meio às suas considerações sobre narratologia e leitura de textos literários, a seguinte frase: “Explicar mais é entender melhor”. Para que ela faça sentido, é preciso concatená-la com as reflexões do autor na área de hermenêutica, tarefa que nos dispomos a fazer aqui.

Inicialmente, devemos ressaltar a íntima relação que Ricoeur vê entre experiência humana e linguagem: para ele, a experiência humana contém uma dizibilidade que não pode jamais ser afastada. Ela pede para ser enunciada. A experiência humana carrega, portanto, o dizer - o dizer-se - em seu bojo, diante do qual o homem que a experiencia é convidado a articular.

A partir daí a narratividade ocupa espaço decisivo. A experiência, que pede para ser dita, ocorre no tempo humano, sendo este articulado, segundo Ricoeur, como um processo temporal. E tal processo só é reconhecido quando ele é narrado: é a narratividade que marca, clarifica e articula a experiência temporal humana , integrando o heterogêneo numa totalidade inteligível.

Diante dessa experiência que pede para ser narrativa, dessa narrativa que articula a experiência humana e que integra o heterogêneo, qual a tarefa da hermenêutica? Para compreendermos plenamente a proposta hermenêutica ricoeuriana e sua relação com a narrativa, é preciso termos em mente o diálogo que ela estabelece com a tradição da disciplina - em particular, com as reflexões operadas por Wilhelm Dilthey (1833-1911).

Dilthey parte de seus estudos em epistemologia para propor uma diferenciação radical entre as ciências da natureza (as Naturwissenschaften - a Física, a Química, a Biologia, a Matemática e outras) e as ciências humanas - ou, na terminologia por ele formulada, as Ciências do Espírito (Geisteswissenschaften): a História, a Sociologia, a Filosofia, o Direito, os Estudos Literários, etc. O primeiro grupo de ciências, o da natureza, opera a partir da explicação dos fenômenos da natureza; o segundo grupo, o das humanidades, opera a partir da compreensão dos processos vitais e da vida psíquica presentes na obra diante da qual se coloca o leitor ou intérprete.

Essa divisão radical proposta por Dilthey não é aceita por Ricoeur - ao menos, não nos termos em que Dilthey a coloca. No lugar dela, Ricoeur propõe que explicação e compreensão sejam considerados como dois momentos diferentes da interpretação, superando, assim, a antinomia irredutível que Dilthey coloca: em vez de oposição, Ricoeur vê aí complementaridade; a explicação e a compreensão não seriam, assim, dois modos irredutivelmente distintos de conhecer um objeto de estudo, mas dois momentos do processo de interpretação de um texto. A compreensão parte de uma ligação ontológica entre o homem e o objeto, marcada por um abrir-se “ingênuo” ao texto; a explicação, por sua vez, é um passo metodológico que, ao contrário do que pensava Dilthey, não é necessariamente alheio às “ciências do espírito”, às quais ele opunha as ciências da natureza. Nas palavras de Ricoeur, “explicar é destacar a estrutura, quer dizer, as relações internas de dependência que constituem a estatística do texto”

Estabelecida essa distinção nuclear, Ricoeur dispõe os elementos da dialética da compreensão e da explicação que funda a sua proposta interpretativa - que serve, em particular, para a interpretação de textos, como as narrativas.

O primeiro momento é a compreensão que ele denomina ingênua, ou seja, decorrente de um contato imediato com o texto, onde este apresenta-se ao leitor. No segundo momento, opera-se a explicação, onde ocorre um distanciamento entre o leitor e o texto, fundamental para que se perceba a estrutura das relações internas de dependência das partes do discurso. A este momento segue-se um terceiro, que é um retorno à compreensão, desta vez não mais “ingênuo” mas sim mediado pelo arcabouço metodológico da explicação.

A hermenêutica tem, assim, uma dupla tarefa:

(...) procurar, no próprio texto, por um lado, a dinâmica intenra que preside à estruturação da obra, por outro lado, o poder de a obra se projetar para fora de si mesma e engendrar um mundo que seria, verdadeiramente, a “coisa” do texto".

Fica claro, aí, o afastamento de Ricoeur em relação a Dilthey: ele recusa o que chama de “ilusão romântica” da compreensão imediata que Dilthey advoga, decorrente de um “transporte” do leitor em direção a uma consciência estranha. Dilthey, segundo Ricoeur, entendia que a interpretação era sinônimo de uma compreensão caracterizada pela apreensão de uma outra vida, expressa através das objetivações da escrita. Ao mesmo tempo, Ricoeur recusa uma leitura que se reduz a uma análise estrural do sistema de signos.

O que se faz no processo de leitura de uma narrativa, por exemplo, não é compreender aquele que fala através do texto, mas aquilo de que se fala, a coisa do texto, o mundo que a obra revela pelo texto. E aí Ricoeur faz apelo a Aristóteles, ao apontar a chave proposta para a composição:

“o poeta, ao compor uma fábula, uma intriga, um muthos, oferece uma mimesis, uma imitação criadora dos homens que agem. Do mesmo, uma lógica dos possíveis narrativos, a que pode aspirar uma análise dos códigos narrativos, só se conclui na função mimética pela qual a narrativa refaz o mundo humano da acção”

Quanto ao momento intermédio da explicação, onde o distanciamento metodológico tem lugar - e que constituía, segundo o pensamento de Dilthey, o processo típico das ciências naturais - Ricoeur afirma que, para que ele se dê, não precisamos nos preocupar com a divisão, também diltheyana, entre natureza e espírito . Ao contrário: dentro do próprio campo epistemológico da linguagem podemos encontrar um modelo de explicação em nada inferior aos da ciência da natureza e, ao mesmo tempo, bem ajustado às necessidades dos estudos de narrativa.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 13/2/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
05. Discos que me mudaram de Rafael Fernandes


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
03. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
04. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
05. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EROS E REPRESSÃO
ROLLO MAY
VOZES
(1982)
R$ 23,90



CASSINO
PIETER ASPE
FUNDAMENTO
(2008)
R$ 3,99



HELLO KITTY: UM DIA COM PAPAI
CAROLINE FURUKAWA
MADRAS
(2005)
R$ 20,00



NA FORÇA DA IDADE - VOLUME 1
SIMONE DE BEAUVOIR
DIFUSÃO EUROPÉIA DO LIVRO
(1961)
R$ 37,70



CRIANÇAS FRANCESAS NÃO FAZEM MANHA
PAMELA DRUCKERMAN
FONTANAR
(2013)
R$ 15,00



O MILIONÁRIO JOSUÉ
CATHERINE PONDER
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 12,90



PAZ INTERIOR
PARAMAHANSA YOGANANDA
SELF REALIZATION FELLOWSHIP
(2010)
R$ 11,00



OS SANTOS QUE ABALARAM O MUNDO
RENÉ FÜLÖP-MILLER
JOSÉ OLYMPIO
(2010)
R$ 39,99



ECOLOGIA MENTAL
MURILLO NUNES DE AZEVEDO
PENSAMENTO
(1995)
R$ 18,60



MANIQUEÍSMO HISTÓRIA FILOSOFIA E RELIGIÃO
MARCOS ROBERTO NUNES COSTA
VOZES
(2003)
R$ 49,99





busca | avançada
24651 visitas/dia
954 mil/mês