A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
22994 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> "A PALAVRA FORA DO LUGAR: ESCRITORES REFUGIADOS E EM RISCO no CCBB RJ
>>> Escritora Regina Zappa fala sobre maio de 1968 no Sem Censura
>>> Roberta Sá e Gilberto Gil lançam single
>>> Renova Centro promove evento de entrega do Prêmio Dom Quixote a quem faz a diferença no Cen
>>> Exposição gratuita retrata cultura underground de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
Últimos Posts
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
>>> Um velho adolescente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lilás da avenida sou eu
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Physica Curiosa: a feiura dos pés
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> Ficção Brasileira Contemporânea, por Karl Erik Schøllhammer
>>> Mário Botas ou o Regresso de Narciso
>>> Ficar ou não ficar?
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> Acordo Internetês Ortográfico
Mais Recentes
>>> Iemanjá/Ogum - Volume 1
>>> Corações de Pedra
>>> A Escolha de Sofia
>>> Pedagogia Do Amor
>>> Veja - A História é Amarela
>>> Os Segredos que não contei para as Donas de Casa
>>> Deficiência e Trabalho
>>> A Alegoria da Caverna
>>> O Duque e Eu - Os Bridgertons - 1
>>> Até que a Vida os Separe
>>> Nos Subterrâneos da Mente - Psiquiatria na Vida Diária
>>> Desenvolvimento da Linguagem Oral e Escrita em Criancas de 0 A 5 Anos
>>> Os Sentidos da Paixão
>>> As Marcas Diabólicas
>>> Entenda e Ponha em Prática as Ideias de Stephen Covey
>>> O Fardo da Nobreza
>>> Entenda e Ponha em Prática as Ideias de Andrew Grove
>>> A Dieta do Rabino ( A cabala da Comida)
>>> A guerra suja
>>> A Cabala do Dinheiro
>>> Secretário intimo preboste e juiz ou intendente dos edifícios ou mestre em Israel
>>> La Fête au Bouc
>>> O Retrato 2 Tomo
>>> O Continente- Tomo 2
>>> Esaú e Jacó
>>> Dom Casmurro
>>> Memorial de Aires
>>> A mão e a luva
>>> Obra Poética
>>> Obra completa - 02 vols.
>>> Os Sertões - 03 vols.
>>> O homem
>>> O mulato
>>> Casa de Pensão
>>> Livro de uma sogra
>>> Fantoches e Outros contos
>>> Noite e O prisioneiro
>>> Saga
>>> O resto é silêncio
>>> Caminhos Cruzados
>>> Israel em abril.
>>> A volta do gato preto
>>> Um lugar ao sol
>>> O Senhor Embaixador
>>> Gato preto em campo de neve
>>> Solo de clarineta - 02 vols.
>>> Clarissa
>>> Música ao longe
>>> Um certo Henrique Bertaso e Artigos diversos
>>> México
COLUNAS

Terça-feira, 8/5/2018
A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
Renato Alessandro dos Santos

+ de 600 Acessos



Quem gosta de cultura popular não pode deixar de conhecer o que escreveu Lúcio Rangel (1914-1979), cronista da música brasileira que, quando o relógio do século XX marcava por volta de meio-dia, registrou nas revistas A cigarra, Manchete, Senhor, Revista da Música Popular, e outras, o panorama do samba e do jazz que encantava toda a gente, que, do texto elegante dele, se aproximava.

É com esse estado de espírito que o leitor se dedica à experiência de leitura de Samba, jazz e outras notas, livro que o não menos admirável Sérgio Augusto organizou e que veio a lume em 2007, pelo selo editorial da Agir (mais tarde, comprado pelo grupo Ediouro). Obras assim deveriam surgir aos borbotões, em nosso mercado livresco, mas não é o que acontece, e quem perde são os leitores, que, à exceção de pesquisas isoladas em sites obscuros da internet e da escassa bibliografia disponível, ficariam à mercê do descaso à memória e à preservação de histórias que, se não fossem reunidas por jornalistas como Rangel, iriam se perder nas lianas do tempo.



Mas há este livro, e, nele, surge um Rio de Janeiro mítico, com consagradas boates em noites em que nefelibatas notívagos bebiam whisky como se fosse água de coco. Foram embora esses tempos e, hoje, moram naquela esquina onde o ônibus circular não chega, enquanto das sarjetas sambistas com seus cavaquinhos, violões e pandeiros parecem brotar feito geração espontânea, e as grandes estrelas deste livro são pessoas iguais a eles; gente como Noel Rosa (1910-1937), Nássara (1910-1996), Mário Reis (1907-1981), Chico Alves (1898-1952), Almirante (1908-1980), Pixinguinha (1897-1973), Moreira da Silva (1902-2000) e tantos outros que elevaram a música brasileira a uma categoria que poderia competir com o jazz americano, que na parte de cima do mapa vinha desafiando a espontaneidade dos músicos, não fosse a síndrome de cachorro vadio que a gente carrega nas costas, que nem uma corcova. Do calcanhar de Aquiles, uma das crônicas mais evidentes é a que retrata uma noite numa boate carioca em que a plateia, extasiada com os encantos vocais de uma cantora francesa, preservava um silêncio de monastério em que nenhum cigarro era fatalmente puxado, nenhum copo de whisky era à mesa pousado e nenhuma conversa era adiante levada, porque, entre acólitos, estava em jogo esse lado vergonhoso de não reconhecer a capacidade que a gente tem para ser grande e original, um passo além do ufanismo besta que, feito piolho, coça a cabeça, mas sem tirar nada de dentro dela, como uma lufada de vento que faz sacolejar de um lado a outro as franjas, para, em seguida, voltar ao mesmo estágio em que se encontravam antes, antes da brisa redentora.

Lúcio conta que tão logo a litografia mal feita de Piaf encerrou a cantoria, a garganta profunda a não suportar mais e a pedir arrego, a cantora, embevecida pela calorosa recepção carioca, retirou-se para repousar numa alcova à penumbra. Foi quando outra cantora pegou da pena para destilar sua poesia, mas havia um problema: era ela brasileira e, nem bem começou a cantarolar, o salão retornou da pausa e, como se alguém tivesse apertado a tecla play, a algaravia voltou a ecoar pela boate, por todo o show, num desrespeito que, hoje, faria corar qualquer um dos mais estúrdios políticos de nosso planalto. Vai Rangel:

Dois sujeitos disseram qualquer coisa e bateram palmas, numa mesa dos fundos. Foram as únicas. A cantora saiu discretamente e a orquestra tocou um fox-trot qualquer. No entanto, ela tinha cantado dois dos maiores sambas de um compositor chamado Noel Rosa, e é a maior intérprete do samba carioca. Chamava-se Aracy de Almeida.

Na imaginação de alguns o nome de Édith Piaf (1915-1963) deve acender umas luzinhas, já o de Aracy (1914-1988)... O texto chama-se, acertadamente, “Santo de casa” e foi publicado em 1956, no Jornal das Letras. Artigos como esse estão na seleção de Sérgio Augusto e vão apresentando o Lúcio Rangel boêmio, elegante, provocador, menos bairrista do que poderiam supor os mais atilados, porque o cronista, aqui, fala de outra de suas paixões, o jazz, e com a mesma ginga e segurança utilizadas em seus artigos sobre o universo do samba.

Mas nem tudo que reluz é alquimia para Rangel. Carmen Miranda fica atravessada no meio da sala, atrapalhando o trânsito, e, nela, o cronista vê menos a pequena notável do que a mulher que foi devorada pela indústria do entretenimento, que a alçou ao estrelado mundial com aquele chapéu tropical de frutas figurativas. Descomunal. E de gosto duvidoso. Sobra para Chico Viola também, nosso Francisco Alves, figura que causava admiração e, mais tarde, desconfiança em Rangel: onde fora parar o vozeirão de outrora? Mesmo assim, ele não se impediu de, por causa da morte do cantor, dedicar-lhe uma das mais belas crônicas do livro, dando conta de seu legado: Alves gravou mais de 1500 discos, numa época em que os LPs traziam apenas uma música de cada lado.



Rangel tinha convicção, como se nota em “Diário de Jazz”: “Aliás, é magnífica a orquestra de [Claude] Luter (1923-2006). Os músicos dão tudo, tocam o melhor que podem, ao contrário dos nossos que tocam lendo gibi.” Já em “Hugues Panassié em Nova York” afirma: “Como crítico, apesar de sua celebridade e de seus inúmeros livros, Panassié (1912-1974) continua um amador. Faz exatamente o que Michel Georges-Michel (1883-1985) fez em relação aos pintores. E não me consta que tenha alguém aprendido pintura nos livros desse outro francês, amigo de Cézanne e de Manet.” Era um facão afiado a abrir a trilha.

É um livro sobre o cancioneiro nacional, com a marca elegante de Rangel. Ressuscita textos publicados em páginas hoje amarelecidas pelo dobrar de década sobre década, e, em sebos on-line, pode ser encontrado pelo mesmo valor de três ou de duas garrafas de cerveja, a depender do ambiente. Samba, jazz e outras notas, o livro, feito água de mangueira num dia de sol, alegra a gente, com aquele arco-íris que se forma quando há crianças por perto.

Nota do Autor:
RENATO ALESSANDRO DOS SANTOS é editor do site tertuliaonline.com.br


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 8/5/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
02. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Renato Alessandro dos Santos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONHECIMENTO OBJETIVO - UMA ABORDAGEM EVOLUCIONÁRIA
KARL POPPER
ITATIAIA
(1975)
R$ 49,90



A ESPANTOSA VIDA DE OCTAVIAN NOTHING - TRAIDOR DA NAÇÃO
M. T. ANDERSON
WMF MARTINS FONTES
(2009)
R$ 14,90
+ frete grátis



BAZAR DO FOLCLORE - VOLUME 5 (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
RICARDO AZEVEDO
ÁTICA
(2001)
R$ 8,00



GRACILIANO RAMOS
ASSIS BRASIL
ORGANIZAÇÃO SIMÕES
(1969)
R$ 45,00



LIVRO DEPRESSÃO E ANSIEDADE
LINCOLN MIYASAKA E CELMA MIYASAKA
ABBA PRESS
(2008)
R$ 19,90



SR. GUM E OS CRISTAIS DE PODER
ANDY STANTON
GALERINHA RECORD
(2013)
R$ 11,50



COZINHA CAIPIRA DE CELIA E CELMA
CELIA MAZZEI
NOVA FRONTEIRA
(1994)
R$ 50,00



A VOLTA AO MUNDO EM OITENTA DIAS
JÚLIO VERNE
LIVRARIA BERTRAND
R$ 50,00



THE LENORMAND FORTUNE-TELLING CARDS: THE LEGENDARY 18TH-CENTURY ORACLE
HAROLD JOSTEN
STERLING ETHOS
(2017)
R$ 199,99



QUALIDADE DE V|IDA - 3ª EDIÇÃO
DR. WANDERLEY RIBEIRO PIRES
DO AUTOR
(1997)
R$ 7,00





busca | avançada
22994 visitas/dia
708 mil/mês