Quatro Mitos sobre Internet - parte 1 | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Boituva recebe cantor Jean William e grupo Jazz Trio em apresentação gratuita
>>> Exibição do documentário "ECO - Cantos da Terra" no Lab Mundo Pensante
>>> Sesc Birigui apresenta por+vir e A Mão do Meio - sinfonia lúdica com a Cia de Danças de Diadem
>>> "Orfãos de São Paulo" é tema de evento com entrada franca
>>> Sesc Ipiranga recebe Cris Narchi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
>>> Lugar comum
>>> Chaleira
>>> O que sei do tempo III
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de formatura do Ensino Médio
>>> Arena sangrenta
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> The Accidental Billionaires, de Ben Mezrich
Mais Recentes
>>> Batuque é um Privilégio
>>> João Cabral de Melo Neto o artista inconfessável
>>> O Círio perfeito
>>> Gênesis Volume I
>>> A Origem do Universo
>>> Restaurando o lugar da Habitação de Deus
>>> Estudo Vida de Gênesis Volume dois
>>> A Ligação
>>> Cahiers du Brésil contemporain Nº75/76
>>> A aventura grega
>>> História da guerra do Paraguai
>>> Fazer e Compreender
>>> Historia de Egipto
>>> A guerra do Peloponeso
>>> Travessias dificeis
>>> História da América Latina - Vol.1 América Latina Colonial
>>> Pobre Nação
>>> O império imóvel ou o choque dos mundos
>>> Lendas e Tradições
>>> Guerreiros e Camponeses
>>> Evolução agrária e pressão demográfica
>>> Nugae - teoría de la traducción
>>> Passagens da antiguidade ao feudalismo
>>> Nazismo: política, cultura e holocausto
>>> O templo da Aurora - Volume 3
>>> Getulio Vargas (coleção Perfis brasileiros)
>>> Bairros rurais paulistas
>>> Breve história de Africa
>>> O hino homérico a Apolo
>>> Israel At The Pools - The Knesset Elections of 1977
>>> The Teaching of politics
>>> A Cidade Antiga
>>> O Médico e o Monstro
>>> Código Brasileiro de Defesa do Consumidor - Comentado Pelos Autores do Anteprojeto
>>> Fundamentos de Direito da Seguridade Social
>>> A Luz da Ioga
>>> Direito Constitucional
>>> O Retrato de Dorian Gray
>>> Lei Orgânica Do Município De São Paulo
>>> Constituição Do Estado De São Paulo
>>> Dos Crimes Contra os Costumes Aos Crimes Contra a Administração
>>> A. w. pink ( Deus é soberano )
>>> O Tempo dos Assassinos- Um Estudo sobre Rimbaud
>>> Pierre Teilhard de Chardin
>>> Legislação Penal Especial - Fundamentos Jurídicos
>>> A Defesa Dos Interesses Difusos em Juízo
>>> Yoga Para o Corpo, a Respiração e a Mente
>>> As Mais Belas Técnicas de Reiki
>>> Manual de Petições Cíveis - Criminais - Trabalhistas
>>> A Arte Da Estratégia
COLUNAS

Quarta-feira, 20/11/2002
Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
Adrian Leverkuhn

+ de 1900 Acessos

A crise das empresas baseadas na internet (não tem nada mais vulgar que dizer "as pontocom", e "estouro da bolha", de tão repetido, já ficou irritante) já se afasta de nós, e o fim da era eufórica da "revolução digital" já foi decretado há tanto tempo que comentá-la, hoje, é mais um exercício de História que qualquer outra coisa. Internet parece um tema cada vez mais passé, cada vez mais anos-noventa, cada vez mais irrelevante. Nos prometeram uma revolução, o fim da mídia impressa, nos botaram para ninar com histórias sobre a nova ecologia cognitiva e o grande renascimento da Voz (assim mesmo, em maiúscula, a grandiloqüente e quase metafísica Voz) que estavam por vir - e cá estamos nós, com nossos icqs e kazaas, cada vez mais desapontados. Depois daquela celeuma toda, uma calmaria desiludida, como se o assunto tivesse se esgotado. Mas ele não se esgotou - as perguntas, colocadas naquela época, ainda carecem de solução; a grande rede está ainda entre nós, sabendo muito mais de nós do que nós sabemos dela - apenas parece que as pessoas perderam o interesse em investigá-la. Quatro mitos datando daquela época (que nem é tão remota - muito disso era dito orgulhosamento uns dois anos atrás, e até hoje é possível achar gente descompassada com seu próprio tempo, falando isso aos quatro ventos em seus blogs e achando que estão sendo super-revolucionários), em nenhuma ordem em particular:

1. A Filtragem da Informação

Este é talvez o mais sensato dos quatro, então comecemos por ele. Consiste no seguinte: ao se conceder a chance de "se expressar" para todo e qualquer idiota, tal que todos plugados possam lê-lo, a internet acaba se atulhando de informação incorreta ou não-confirmada. Boatos e calúnias fluindo livremente graças ao anonimato de seus emissores; uma conversa de comadres interplanetária, a rede mundial da fofoca; um oceano de ruído onde com muito esforço se distingue um ou outro barco de texto relevante e responsável. Como resultado, as pessoas precisariam de grandes corporações de mídia para filtrar toda essa informação, para achar o que vale a pena nela e validá-la com a publicação. Esta colocação também podia ser lida da maneira inversa: o papel no futuro dos media conglomerates se reduziria à mera filtragem do que já está disponível na internet. Vista de hoje, qualquer profecia do fim da mídia impressa ou dos grandes jornais e redes de TV soa ridícula. Veja-se a cobertura do ataque terrorista em 2001: quando a coisa foi para valer, as pessoas desligaram seus computadores e sentaram em volta da televisão. Só depois, quando a poeira estava baixando, ou quando a televisão dava uma pequena pausa no assunto, é que os computadores voltavam a ser ligados e descobria-se todos aqueles blogs discursando longamente sobre o que estava acontecendo, os grandes portais com sua cobertura minuto-a-minuto a que ninguém deu muita bola. A grande mídia, inclusive a impressa, continuará cumprindo seu papel indispensável na sociedade, apesar da internet; ela terá, no máximo, que se acomodar como o rádio se acomodou à televisão, ou talvez algo ainda menos drástico.

Mas a grande falha no exposto acima é que se supõe uma capacidade fabulosa de se gerar informação na internet, mas se desconsidera o potencial da mesma de filtrar seu próprio conteúdo. O que se observa, pelo contrário, é a formação de redes de filtragem de informação, consumindo, como um todo, quase tanta energia e tráfego quanto a produção e publicação do conteúdo. Não é por acaso que a história da memética se entrelaça com a história das comunidades virtuais (aliás, eu li certa vez em um fórum que ser um trans-humanista é como ser um smurf, só que você fala 'meme' ao invés de 'smurf' o tempo todo. Além disso, você não é azul.). Pega-se os sites com objetivo exclusivo de divulgar links (fark.com, metafilter.com, memepool.com , para ficar entre os mais conhecidos); soma-se a eles os grandes fóruns, como a slashdot.org e a plastic.com, que dependem maciçamente dos links postados por seus usuários; muitos blogs, descobre-se em seguida, filtram links da mesma forma, só que em menor escala (os blogs, ao contrário do que muitos pensam, começaram no formato link + comentário, e só depois foram usados como diários virtuais) - para não falar nos newsgroups, nas listas de discussão e no bom e velho boca a boca via e-mail e instant messengers, que são, junto com os blogs, onde a maior parte da ação ocorre. Entre uma página ser descoberta por um visitante anônimo e se tornar, poucos dias ou até poucas horas depois, conhecida de milhões de pessoas em diferentes partes do globo, ela tem que passar por uma teia de filtragem em que, a cada nó, um usuário recebe a informação, verifica se vale a pena passá-la adiante, e a envia (ou não) para os receptores seguintes, que fazem o mesmo. É óbvio que um processo semelhante sempre ocorreu fora da internet, mas ele nunca foi tão evidente, tão rápido, em uma escala tão larga, e tão relevante. O curioso nestas redes é que seu fim é filtrar a informação para ela mesma, ou seja, os usuários que fazem o trabalho de depuração são os que vão se beneficiar dessa informação, ao contrário do que ocorre no modelo mencionado lá em cima, em que uma "caixa-preta" de profissionais faz todo o processo de seleção da informação para então entregá-la, pronta e cheia de segundas intenções, para um público-alvo. Um efeito desse modelo é a maior sinceridade na transmissão de informação, o que não implica, é importante ressaltar, em sinceridade e transparência daquilo que é comunicado: da mesma forma que algumas dessas redes se formam pelo interesse comum em se obter, por exemplo, informação confiável e novos pontos-de-vista sobre tecnologia, outras podem se formar em busca de "palavras de sabedoria", correntes de e-mail, e o mais novo boato sobre a procedência sobrenatural dos hambúrgueres do Mcdonalds.

A grande ironia é que muito da informação fluindo por essas redes tem origem na mídia profissional, o que nos dá uma inversão do mito acima: ao invés da informação sendo produzida pelos usuários, para depois ser filtrada por profissionais e então devolvida para os usuários, os usuários mesmos filtram a informação produzida pela grande mídia (e por eles mesmos), devolvendo essa informação filtrada e glosada para eles mesmos no processo. Enquanto isso, as corporações midiáticas tentam desajeitadamente interagir com a internet, copiando textos quase inalterados de blogs e divulgando, com estardalhaço, a última moda do ano passado.


[2,3 e 4 no próximo. São bem mais curtos.]


Adrian Leverkuhn
Brasília, 20/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
05. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE WALKING DEAD
ROBERT KIRKMAN E JAY BONANSINGA
RECORD
(2012)
R$ 18,00



DAVID COPPERFIELD
CHARLES DICKENS
W.M.JACKSON INC.
R$ 20,00



SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS
ANTÔNIO ERMÍRIO DE MORAES.
GENTE
(2007)
R$ 13,50



EU CREIO EM MIM
EVALDO RIBEIRO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2010)
R$ 20,00



NÃO SOU FELIZ, POR QUÊ?
DR. FERNANDO LUCCHESE
L&PM
(2010)
R$ 15,00



CONTOS - ARTHUR AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ARTHUR AZEVEDO
TRÊS
(1973)
R$ 8,00



FACE @ FACE
PHILIP FINCH
OBJETIVA
(1997)
R$ 12,00



O TORMENTO DE DEUS: ESTUDOS SOBRE DOSTOIEVSKY E O ATEISMO MODERNO
FREI MATEUS ROCHA O. P.
VOZES
(1970)
R$ 86,00



LITERATURA COMENTADA
MÁRIO DE ANDRADE
NOVA CULTURAL
(1978)
R$ 7,80



MÃES DA BIBLIA
MARCOS VERÍSSIMO
ÁGAPE
(2014)
R$ 13,90





busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês