Quatro Mitos sobre Internet - parte 2 | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
33102 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exibição do documentário "ECO - Cantos da Terra" no Lab Mundo Pensante
>>> Sesc Birigui apresenta por+vir e A Mão do Meio - sinfonia lúdica com a Cia de Danças de Diadem
>>> "Orfãos de São Paulo" é tema de evento com entrada franca
>>> Sesc Ipiranga recebe Cris Narchi
>>> Danças contemporânea e urbana fazem o 'Cartografia do Possível', no CRDSP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
>>> Lugar comum
>>> Chaleira
>>> O que sei do tempo III
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dançando com Shiva
>>> A barbárie contra-ataca
>>> O blogueiro: esse desconhecido
>>> O Tigre Branco
>>> O soldado absoluto
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
>>> L'Empereur
>>> Radiohead e sua piscina em forma de lua
>>> Isso é arte?
>>> Caricaturas ao vivo
Mais Recentes
>>> A Audácia dessa Mulher
>>> Confissões
>>> Abraão a Invenção da Fé
>>> Visão do Paraíso
>>> O Empresário faz a Diferença
>>> O Mistério da Fábrica de Livros
>>> Os 100 Segredos das Pessoas de Sucesso
>>> Patrimônio - Uma História Real
>>> Herança de Sangue - Um Faroeste Brasileiro
>>> As Regras da Sedução
>>> Uma Mulher Livre
>>> Uma República de Leitores: História na Recepção das Cartas Chilenas
>>> Sin City A noite da vingança
>>> Tratamento de Distúrbios da Aprendizagem
>>> Em Busca de Deus - a Plenitude da Alegria Cristã
>>> Universo Kabbalístico
>>> A Boa Confissão
>>> Uma obsessão indecente
>>> Criação, Graça, Salvação
>>> A Mão Esquerda da Criação Origem e Evolução do Universo
>>> Qual o Motivo da Criação?
>>> A Consciência de Zeno
>>> 1789 - a História de Tiradentes
>>> Ricardo de paula Meneghelli ( O final dos tempos )
>>> 10 Mandamentos do Sistema Imunológico
>>> A Todo Vapor! Uma parábola de negócios
>>> Access 2010
>>> Roteiro de Minas
>>> aprenda em 24 horas Java 1.1
>>> Quicken 2015 For Dummies
>>> Sistemas Operacionais Modernos
>>> Por Todos os Poros Poesia
>>> Os Jogos Teatrais de Viola Spolin
>>> Zalina Rolim: Poetisa e Educadora
>>> Viagem Aos Quatro Cantos - com dedicatória ao poeta Francisco Mou
>>> Uma Breve Historia do Tempo
>>> Um só Grito
>>> Um Século De Poesia
>>> Um Homem e Suas Sombras - Com Dedicatória do Autor
>>> Um Homem e Suas Sombras
>>> Um Ciclo Completo - autografado
>>> Um Calafrio Diário - autografado
>>> Um Amor Que Vale A Pena
>>> Toda Poesia é um Canto
>>> Theology and Ministry in Context and Crisis
>>> Taras, Tarô e Outros Vícios
>>> Subsolo - autografado
>>> Stella Maia e Outros Poemas
>>> Sincretismo a Poesia da Geração 60
>>> Senhora - autografado
COLUNAS

Quarta-feira, 4/12/2002
Quatro Mitos sobre Internet - parte 2
Adrian Leverkuhn

+ de 3000 Acessos

[começa aqui.]

2. Mito da Regularização Impossível

O mito seguinte refere-se à crença de que não exista uma forma de regularização da Internet - que sua distribuição "rizomática", como muitos gostam de dizer, a tornaria simplesmente indomável. Não haveria como, por exemplo, parar as redes peer-to-peer: derruba-se o Napster, derruba-se o Audiogalaxy, mas os usuários acabariam sempre encontrando uma nova forma de se organizar, criar um novo programa e compartilhar seus arquivos de forma ainda mais poderosa; tira-se do ar um site com conteúdo ilegal (seja racista, difamatório, com pornografia infantil) e brotam, em resposta, mais vinte do mesmo tipo. Aos governos, e ao mundo de carne e osso em geral, restaria apenas aceitar o caráter anárquico, incontrolável da internet.

É uma fantasia curiosa, na era do Panopticon (a fantasia do controle total, do olho que a tudo observa). Ao mesmo tempo em oposição e como complemento, sonha-se com mostrar-se para todos, falar para todos, e ainda assim ser invisível; ser uma parte integrante da sociedade e ao mesmo tempo intocável, poder ignorar suas forças e suas regras. Foucault disse que o Panopticon é uma estrutura de poder reduzida à sua forma ideal, além de qualquer resistência, e que, por isso mesmo, perde qualquer utilidade: é apenas um olhar, inelutável, mas incapaz de fazer qualquer coisa além de olhar. A rede indomável, por sua vez, seria um se mostrar universal, um ser visto que, no entanto, se resume ao ser visto - mesmo os defensores mais radicais da anarquia digital mostravam-se desinteressados em mudanças sociais no mundo real, em suas casas abastadas na Califórnia. Mas a rede desregulada e anárquica não é, ao menos parcialmente, uma verdade? Não foi, no princípio, quase verdade?

O atual modelo da internet foi pensado para proteger a informação - a Darpanet, primeiro exemplo do tal modelo, (e não é deliciosamente irônico que a internet "anárquica" tenha nascido de um experimento militar?) foi criada justamente com esse intento - a informação, e, principalmente, o processamento de informação, distribuídos entre vários computadores, seria menos vulnerável a um ataque (no sentido antigo, de se jogar bomba mesmo) do que se estivessem centrados em uma única localização. Só depois é que se descobriu as outras utilidades da informação distribuída, quando então o modelo foi apropriado pelas universidades com o fim, não de proteger, mas de compartilhar o conhecimento e a capacidade de processá-lo. Aí é que entra o acidente que gera a internet: ninguém, ou quase ninguém, esperava que a rede, ao ser aberta ao público geral, atraísse tanta atenção. E daí que um belo dia a evolução das tecnologias midiáticas - tendendo, sempre, à comunicação hierarquizada e totalitária - esbarra com um meio internacional que não pode, aparentemente, ser censurado, ou, pelo menos, que não pode ser censurado silenciosa e discretamente. Mas, é bom repetir, foi um acidente: se se tivesse antevisto a possibilidade do surgimento de redes peer-to-peer já no começo da internet, elas teriam sido cortadas pela raíz, e não assistiríamos hoje as tentativas desajeitadas e ambíguas de impedir seu funcionamento. O mesmo vale para todos os outros mecanismos de censura e controle que vemos brotar por toda a parte - o Grande Firewall da China, o Carnivore do FBI, a caça às bruxas contra pedófilos (que parece só se preocupar com quem recebe e transmite, nunca com quem cria as imagens), antes do atentado, e a terroristas, depois do atentado; ou mesmo mecanismos judiciais, como os que levaram o "cocadaboa.com", um site de humor, a se hospedar na Eslovênia, e o blog "anti-lula", que consistia, conforme me informaram posteriormente, apenas de uma seleção de matérias publicadas na grande mídia, a ser tirado do ar; para não falar de Paul Trummel, jornalista que foi parar na solitária por "failing to permanently alter the accusatory language on his Web site". Se a internet é, ainda hoje, um espaço onde informação ilegal - ou ao menos impublicável nas mídias já domesticadas - ainda circula ao alcance do usuário doméstico que tenha tempo e conhecimento para localizá-la, nós o vemos em quantidade muito menor do que poucos anos atrás, e a tendência é continuar com a escalada do controle e a manutenção de mecanismos para tanto ainda maiores e mais poderosos. A Internet não é a dimensão paralela da informação, como se sonhou, mas algo que faz parte do mundo real, sustentado por dinheiro e equipamento bastante reais, que terá que entrar em equilíbrio com a sociedade. O máximo que podemos esperar é que a sociedade também se adapte à internet, e não só a segunda à primeira: que o internacionalismo, o compartilhamento de conhecimento e a liberdade que a grande rede implica sejam incorporados ao mundo real, à medida do possível, e não a redução da internet a uma espécie de TV interativa, ou a um protótipo de seu inverso simbólico, o Panopticon de que estamos cada dia mais próximos.

3. O Mito da Voz

O mais conhecido deles, é talvez o único ponto com que todos os entusiastas - e muitos dos céticos - concordam: que a internet, dando a todos a chance de falar para milhares, ou até milhões de pessoas, teria dado uma "voz" para os oprimidos, permitindo que denúncias e discursos que anteriormente jamais seriam transmitidos em massa alcancem o grande público. É claro que não se pode dizer que essa assertiva é falsa - algumas linhas acima eu mesmo argumentei que a internet ainda permite o tráfego de informação ilegal ou "impublicável", o que significa, sim, dar voz a quem antes não teria a chance de falar - ou falar dessas coisas, pelo menos. O problema está no exagero com que esta "Voz" é cultuada - alguns falam num renascimento da voz (quando foi que a mataram? Quando foi a última vez que ela esteve viva?), outros a adotam como o nascer de uma nova era, uma grande revolução com traços utópicos e raízes meio hippies. É aí que é preciso pedir que se seja um pouco mais sóbrio.

A crítica mais comum é simples e imediata: apenas uma pequena parcela da população mundial está online. Estima-se, de fato, que menos de 450 milhões de pessoas têm acesso à internet - o que nos deixa com mais de cinco bilhões e meio de excluídos digitais, gente ainda, por assim dizer, "sem voz". Mas considere-se os que têm acesso: apenas 4% deles são sul-americanos (segundo estimativa da Nielsen/NetRatings), por exemplo, e a proporção africana é ainda menor. Finalmente, desconta-se os que usam a internet apenas para enviar e-mails para amigos e familiares, usar um instant messenger e procurar pornografia - quantos ainda restam? Dá para fazer uma revolução cultural no mundo inteiro com esse tantinho de gente?

A segunda crítica é que mesmo aqueles que têm a oportunidade de usar a internet para obter e divulgar informação relevante raramente estão interessados em fazê-lo. Há, claro, várias redes de pessoas que aproveitam as características do meio para tanto - e aí está o grande potencial da internet, que é permitir que estas pessoas se encontrem e dialoguem; são, sempre, pessoas já inclinadas a fazê-lo, que teriam o mesmo interesse e dedicação sem a rede, mas que jamais se encontrariam sem ela, ou, no mínimo, com muita dificuldade. Os demais aproveitam o anonimato e a liberdade de expressão a eles concedidos, pelo contrário, para reafirmar o sentimento de grupo e renovar seus preconceitos (que é, afinal, o que a maioria das pessoas faz quando "discute" algum assunto); ao invés de revelar o que a mídia profissional estaria escondendo deles, a maioria dos usuários prefere apenas propagar o que ouviu nesses canais, e tira seu sentimento de radicalidade de bradar com todas as letras o que a mídia profissional guarda para as entrelinhas, para pressupostos implícitos e manipulativos que os usuários deveriam desmascarar. Isso quando tanto: a maior parte do tempo a "libertação da voz" graças ao anonimato é mais aproveitada para fantasias sexuais, a incorporação de personagens idealizadas - as pessoas ricas, inteligentes e bonitas que elas gostariam de ser - que, propriamente, para discussões políticas ou sociais - o que é um tanto revelador, não só sobre o meio mas também sobre o ser humano em geral.

4. O Mito da Responsabilidade

Finalmente, o último mito sobre internet a ser discutido aqui é o que fala de uma certa obrigação moral decorrente de se ter acesso à informação. O exemplo típico é o Holocausto: os civis alemães podiam, à época, argumentar que não sabiam o que acontecia nos campos de concentração, como forma de justificar não terem feito nada a respeito; com a internet, pelo outro lado, tal desculpa não seria mais possível - alguém descobriria, alguém colocaria on-line, e todos teriam acesso a essa informação. Se escolheriam acreditar ou não, e fazer ou não alguma coisa a respeito, ficava somente a cargo dos usuários; ninguém mais é inocente.

Aqui seria possível reiterar tudo que já foi dito até agora: que a informação muitas vezes é filtrada com critérios outros que sua veracidade, que apenas uma pequena parcela da população tem realmente acesso à internet (e sabe como achar informação, uma vez nela), que as vozes responsáveis e de minorias são de interesse de apenas uma pequena parcela dos usuários, etc. Além disso, o que é publicado na web muitas vezes pode ter o efeito contrário, como uma artimanha política que coloca o público no escuro mais do que o esclarece.

Uma prática bem exemplar desse uso da web foi noticiada pelo site de notícias Ynet.co.il: um grupo de civis israelenses, segundo o site, teria registrado vários domínios com nomes de cidades e organizações palestinas, e então criado sites "palestinos" em seu lugar. O usuário, usando a internet para tentar ouvir o "outro lado da história" (encantado, neste caso, pelo mito da voz), encontra então uma página aparentemente banal, mas que, conforme ele vai clicando, revela discursos sanguinários e fotos de atentados. Não é um evento isolado: a prática de cria um site aparentemente pertencente a inimigos políticos e então utilizá-lo para difamá-los já tem até nome - Political Cybersquatting - e já foi, inclusive, adicionado à legislação referente a computer-crimes na Califórnia. No Brasil, embora Cybersquatting seja raro, é comum receber e-mails de corrente com informações falsas, assinados por jornalistas e colunistas famosos ou professores universitários que jamais escreveram aquilo, ou que nem existem. (Certa vez, recebi até um e-mail cheio de denúncias sobre as privatizações não lembro agora exatamente do quê, de um professor de uma universidade federal da bahia com e-mail @ufba.com.br . .com, vejam só - o sujeito nem se deu ao trabalho de verificar que as universidades federais, não sendo instituições comerciais, não têm e-mails .com!) Acreditar que só porque alguma denúncia foi feita na internet nós todos teríamos que arcar com a culpa de tê-la ignorado é muito inocente: obviamente circulariam várias outras antagônicas, criadas justamente para abafar a primeira, e muito poucos conseguiriam filtrar qual delas é verdadeira - a maior parte do público permaneceria tão iludido como sempre.

A Máquina de Escrever - a grande invenção de nosso tempo

Em 1930, com o êxito das primeiras máquinas de escrever elétricas comerciais, o New York Times previu, pomposamente, que em poucos anos ninguém mais estaria usando lápis. Alguns anos antes, estudos e artigos eram publicados falando de como a invenção da máquina de escrever revolucionaria a sociedade, democratizando algo que só era possível até então com grandes máquinas de editoras, e que agora estaria ao alcance de cada pessoa que quisesse se expressar. Alguns até mesmo previam efeitos terríveis com o advento da máquina de escrever.

É meio embaraçoso, para quem hoje comenta ou estuda as novas mídias e seus possíveis efeitos sociais, ver o entusiasmo daquela época, tão parecido com o nosso e tão equivocado. É provável que a internet vingue, que sua promessa de democratização da informação seja mais sólida e perene que a da máquina de escrever; ainda assim, é um paralelo que invoca cautela e merece atenção. Não podemos, é óbvio, ignorar as mudanças na forma das pessoas se comunicarem que estamos hoje presenciando; mas tão perigoso quanto é se deixar impressionar e perder os pés do chão. É sempre bom realizar um reality-check, e lembrarmos do perigo de sermos vistos, no futuro, como a *outra* geração a decretar o fim do lápis e tocar fanfarras para máquinas de escrever.


Adrian Leverkuhn
Brasília, 4/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bibliotecários de Ricardo de Mattos
02. A vida exemplar de Eric Voegelin de Celso A. Uequed Pitol
03. A nova classe média de Jardel Dias Cavalcanti
04. O problema é com o assédio, não com os homens de Adriana Baggio
05. Os ventos finais do inverno de Elisa Andrade Buzzo


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRASILIDADE E A DEMOCRACIA ESCOLAR: O JEITINHO, A MALANDRAGEM E AS FORMAS AUTORITÁRIAS NA ESCOLA PÚBLICA
EVSON MALAQUIAS DE MORAES SANTOS
UNIVERSITÁRIA
(2009)
R$ 8,00



CINQUENTA TONS MAIS ESCUROS
E L JAMES
INTEÍNSECA
(2012)
R$ 8,00



INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA BIBLIOTECONOMIA
RONALDO VIEIRA
INTERCIÊNCIA
(2014)
R$ 55,50



SYMBOLS, PICTOGRAMS & SILHOUETTES + CD
MARTA AYMERICH
INDEX BOOK
R$ 60,00
+ frete grátis



TRAGÉDIAS VOLUME 1 / COMÉDIAS E SONETOS VOLUME 2
WILLIAM SHAKESPEARE
VICTOR CIVITA
(1978)
R$ 70,00



CREPÚSCULO LIVRO DE ANOTAÇÕES DA DIRETORIA
CATHERINE HARWICKE
INTRINSECA
(2009)
R$ 5,00



ANGÚSTIA
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(1979)
R$ 7,90



QUIMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO
TITO CANTO
MODERNA
(2002)
R$ 20,00
+ frete grátis



INEDITOS E DISPERSOS.
ANA CRISTINA CESAR
ÁTICA
(1998)
R$ 40,00
+ frete grátis



O HOMEM DA ROÇA (CAUSOS E CONTOS DAS REGIÕES DE AVARÁ, ITAÍ E TAQUARITUBA)
JOSÉ PIRES CARVALHO
ARCÁDIA
(1996)
R$ 12,00





busca | avançada
33102 visitas/dia
1,0 milhão/mês