busca | avançada
37163 visitas/dia
993 mil/mês
Terça-feira, 3/6/2014
As deliciosas mulheres de Gustave Courbet
Jardel Dias Cavalcanti

Do lado de cá, estamos nós, os observadores. Do lado de lá, as belas e carnais formas de um nu feminino representado pelo pintor francês Gustave Courbet. A tela, de 1866, se chama "Mulher com papagaio". Courbet é um "faiseur de chair", sendo que seus nus, impudores e de uma sensualidade indiscreta, ocupam grande parte de sua obra. São verdadeiros poemas louvando a carne feminina.

Deitada sobre lençóis amassados, os longos e sensuais cabelos atrapalhados, o corpo macilento não demonstra nenhuma tensão (há tensão após o coito?). Está entregue ao seu próprio peso material, à sua existência orgânica. Os seios arfam em sua grandeza arredondada e suculenta. O nu de Courbet é bem diferente das pinturas acadêmicas, como "O nascimento de Vênus", de Cabanel, que apesar da sensualidade apresentada nas acentuadas curvas da personagem, ainda traz em si a cor do mármore grego, nos distanciando de um corpo real e encarnado, como o de Courbet, que por isso desperta o desejo insuspeito do espectador.

O único invasor da cena é um papagaio (já se pressupôs que o quadro seria uma sátira à visitação da virgem pela ave sagrada, aqui ridicularizada na grotesca ave - que não canta, mas apenas grita). Ele pousa sobre a mão esquerda da mulher que o recebe sem constrangimento por sua nudez. Somos os espectadores da cena, que não é outra coisa que a ousada aparição erótica de um corpo fenomenal entregue à glória de sua própria sensualidade física.

No livro O corpo da liberdade, Jorge Coli afirma o seguinte: "A arte atribui a si própria a missão de exibir os poderes sexuais das formas femininas, e o artista, como, aliás, qualquer homem que participe da cena na condição de personagem, ou espectador, é o médium, invisível, ou quase, desse erotismo que ele dispõe para seu próprio prazer. Ou, mais simplesmente, a mulher é o evidente objeto erótico, e o homem, o sujeito oculto."

Em outro quadro, mais escandaloso por seu realismo, estamos diante de um recorte do corpo feminino cuja intenção do artista não pode ser outra que nos confrontar com seu órgão sexual despudorado. Trata-se, evidentemente, de "A origem do mundo". Edmond de Goncourt declarará que a pintura (a vagina?) é "bela como a carne de um Corrège". Estamos diante de uma mulher nua, frontalmente, aparecendo apenas partes da coxa, da barriga, dos seios, mas sem os pés, os braços, a cabeça. No centro, pela disposição das pernas abertas, apenas a vagina que se abre aos nossos olhos, encimadas pela penugem do monte de Vênus. Olhando de perto podemos perceber a umidade dentro do corte (um nu pós-orgasmo ou pré-penetração?). Em suma, uma licenciosidade absoluta. O quadro tem uma longa história, que todos já devem conhecer e do qual o psicanalista Jacques Lacan faz parte.

Em outra tela, denominada "As adormecidas", duas mulheres se enlaçam numa lubricidade baudelairiana. Os corpos são belíssimos, e sendo dois multiplicam no espectador o gozo visual da erótica carnalidade feminina. Um quadro para as fantasias sexuais masculinas, num momento em que o lesbianismo se torna tema literário (Balzac, Baudelaire etc). Não podemos esquecer que o título original de As flores do mal, de Baudelaire, seria "As lésbicas".

Courbet também pintou suas Dianas ao banho. Mas para insultar Rafael e Ingres, evidentemente. Estão mais para as matronas de Rubens, volumosas, com celulite, dobras e todo o peso de suas curvas que se multiplicam corpo a fora. Causaram escândalo. Não apenas por ser um tipo de nu contemporâneo, mas por ser também pintura de feitura contemporânea, que repudiava a hipocrisia da refinada (e idealizada) pintura acadêmica (sem marcas de pincel a vida?), com seus nus exibidos sob o álibi do distanciamento literário, mitológico ou do exótico oriente. Para Courbet, seu pincel deveria tocar em cada pedaço do corpo da mulher como se a estivesse possuindo sexualmente. E deveria dar ao olhar do espectador a sensação da presença desses corpos, quase que do cheiro do sexo dessas mulheres.

O artista foi acusado por determinado grupo de feministas do século XX de ser um pintor falocêntrico. De transformar as formas femininas, a organicidade de sua existência, em sua própria ontologia. Cavernas obscuras, segredos da natureza, tanto faz: vaginas e cavernas são a própria existência do feminino. E Courbet as pintou como lugares que nos convidam a entrar e encontrar essa natureza (desconhecida) profunda.

"As banhistas", de 1853, representa uma dessas Dianas. No centro do quadro um esplêndido nu feminino, com suas pernas grossas, nádegas volumosas, braços musculares. Revela-se em sua nudez as dobras do seu corpo, a celulite de suas nádegas e o peso de sua realidade carnal como um todo. Seu gesto aparentemente nobre faz pensar em esculturas gregas (o artista quer ridicularizar os clássicos), mas a mulher que aparece é aquela que dorme ao lado dos homens que a contemplam na tela. Ela é real. Uma dessas mulheres que vivem sob a opulência burguesa de uma alimentação farta. Uma mulher contemporânea. Inadmissível para o (bom?) gosto da época. Uma mulher bovina, ou melhor, equina, pois foi chicoteada na bunda durante sua exibição. O artista disse que simplesmente pintou "uma ninfa à la Rubens, uma burguesa da província". Um tema prosaico demais para concorrer no Salão Nacional de Belas Artes. Um nu tão próximo do real que nos deixa corados quando visto em ambiente público.

A quantidade de nus pintados por Courbet surpreende. Deitados, entregues a um certo cansaço, livres na natureza (principalmente como banhistas), em poses que marcam a influência de Ticiano a Rubens, em enlaces lésbicos (ou sugestivamente lésbicos, como em "Mulher nua com cão") e mesmo em cenas mitológicas (às vezes satíricas), em todos esses gêneros, a beleza do nu feminino.

De uma forma geral, o erotismo é claro, exibindo a lascívia do corpo feminino que se entrega à sua própria sensualidade ou desejando despertá-la no espectador. Segundo Jorge Coli, no seu livro L´atelier de Courbet (Paris: Hazan, 2007), "Seus corpos aderem ao solo em uma gravidade inerte. Elas se mostram incapazes de toda atividade e, sobretudo, elas não pensam, digerem cansadas." Digerem o que?

As mulheres de Courbet não pensam, não agem, mas exibem aquilo que por séculos lhes foi negado: o direito à própria sensualidade enquanto uma das qualidades de sua natureza.

Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/6/2014

 

busca | avançada
37163 visitas/dia
993 mil/mês