Amy e a hipocrisia coletiva | André Barcinski

busca | avançada
50738 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> LOS MOLINOS TERÁ APRESENTAÇÃO DE BALLET TRADICIONAL FLAMENCO EM NOITE ESPECIAL
>>> Fred Martins lança no Brasil CD gravado na Europa
>>> O Mercado terá edição caliente!
>>> Turnê Minas 2015 - Grupo Galpão anuncia apresentações no Triângulo Mineiro
>>> TV Brasil apresenta Ciclo de Cinema Africano a partir desta segunda (3/8)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
>>> Influências da década de 1980
>>> Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final)
>>> O romance do 'e se...'
>>> Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro
>>> Espírito e Cura
>>> Precisa-se de empregada feia. Bem feia.
>>> Minha Terra Tem Palmeiras
>>> Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV)
>>> Depois do chover
Colunistas
Últimos Posts
>>> Acabou o governo
>>> O Chileno
>>> Fabio Gomes
>>> Irmãos Amâncio
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Gil e Pepeu em Montreux 1978
>>> Wagner Moura em Narcos
>>> Marcio Acselrad
>>> Mais uma de Leonardo da Vinci
>>> Mr. Sandman
Últimos Posts
>>> Alunos, a leitura está proibida
>>> Das impaciências e incompusturas
>>> Irmãos Dardenne e Rosetta
>>> Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 9
>>> O samba de Donga na Festa da Penha
>>> Um motor na civilização em crise - 2
>>> Um motor na civilização em crise - 1
>>> Iara Abreu expõe artes visuais com poesia
>>> A diferença entre homens e mulheres no amor
>>> Quando o mundo inteiro olha pra você
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fritas acompanham?
>>> Em Alguma Margem, no Rio
>>> Uma conversa íntima
>>> Livros, livros e livros
>>> Entrevista com Cronópios
>>> O iPod por Da Vinci
>>> dulcíssima dulcinéia
>>> Associated Press matando os jornais?
>>> Essa tal de Web 2.0
>>> Novos escritores? Onde?
Mais Recentes
>>> o novo e o patologico
>>> diagnostico psicanalitico
>>> Psicologia Organizacional - uma Abo
>>> Psicologia Organizacional - uma Abordagem Vivencial
>>> O som e a fúria, de William Faulkner, 2 edição, 2009, Cosac Naify, capa dura com sobrecapa
>>> Cosac
>>> Odontologia para pacientes com necessidades especiais
>>> moda e comunicação
>>> candomblé
>>> A Verdade das Mentiras Mario Vargas Llosa
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/8/2011
Amy e a hipocrisia coletiva
André Barcinski

+ de 6200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Engraçado como um fato vem, de vez em quando, botar as coisas em perspectiva.

Amy Winehouse morreu. De verdade. Fato.

Acabou o reality show macabro de sua vida. Nenhum fã vai poder aplaudir de novo quando ela chegar ao palco bêbada, ou quando esfregar as costas da mão no nariz, como se tivesse acabado de dar um teco.

A mãe de Amy, Janis, disse aos jornais: "A morte dela era apenas uma questão de tempo". Pouco depois, a família Winehouse divulgou uma nota à imprensa, pedindo "privacidade".

Curioso: a mesma família que pede privacidade é a que passou os últimos anos dando entrevistas a programas de TV sensacionalistas, como fez o pai de Amy, Mitchell.

A verdade é que a vida de Amy Winehouse foi uma espécie de farsa trágica, acompanhada em tempo real pelos fãs e pela mídia.

Amy não foi uma vítima. Era maior de idade e sabia muito bem o que estava fazendo.

Era uma pessoa doente e que precisava de tratamento.

Infelizmente, muita gente dependia dela. Celebridades não têm tempo para se tratar, porque não podem simplesmente desaparecer.

Uma das coisas mais sensatas que ouvi sobre o caso de Amy veio do médico norte-americano Drew Pinsky, especialista em tratamento de viciados. "Uma pessoa que chega ao estágio em que Amy chegou precisa de muitos meses de tratamento só para recuperar a consciência de que precisa se tratar", disse. "Só que ela é uma celebridade, de quem muitas pessoas dependem para ganhar dinheiro, e parar de trabalhar é a última prioridade".

Pisnky citou, como caso de recuperação bem sucedida, o ator Robert Downey Jr.: "Ele fez o certo: sumiu de cena por dois ou três anos, completou seu tratamento, e depois retornou à vida pública".

Ironicamente, Pinsky é apresentador de Celebrity Rehab with Doctor Drew, um programa de TV dos mais apelativos, em que subcelebridades tentam se livrar do vício em drogas e álcool.

Diz muito sobre nós que a pessoa convidada para "iluminar" o caso de uma celebridade junkie seja, ela mesma, uma celebridade.

Sempre defendi aqui que a mídia é um espelho da sociedade. A mídia não cria, ela replica o sentimento coletivo.

Se existem repórteres e paparazzi que viviam perseguindo Amy, é porque há uma multidão de consumidores, babando por informações sobre a cantora, por mais inócuas que sejam.

E se outras junkies talentosas como Bille Holiday ou Janis Joplin tivessem vivido durante a era do YouTube, garanto que haveria um site como www.whenwillamywinehousedie.com.

Sinal dos tempos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de André Barcinski.


André Barcinski
São, 8/8/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual do Publicitário de André Barcinski


Mais André Barcinski
Mais Acessados de André Barcinski
01. Joey e Johnny Ramone - 24/10/2011
02. Manifesto da culinária ogra - 28/2/2011
03. Amy e a hipocrisia coletiva - 8/8/2011
04. Manual do Publicitário - 6/6/2011
05. Meu vizinho conversa com Deus - 8/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/8/2011
14h29min
André, a mídia reflete o que deve ser dito, e quem determina, o que deve ser história, é quem têm o poder. Já as manifestações sociais (seja o fanatismo ou o modismo), recebem ajuda da mídia, mas fazem parte do comportamento de "boiada", característico de animais, da população de fácil manipulação, seja por falta de educação, ou a busca de inclusão social. Mas nem todos seguem na direção da matilha. Por acaso você ouve Justin Beaber? Sou médica. O caso de Amy foi homicídio culposo, da parte de seus representantes legais. Vejamos: alguém colocaria no palco um cantor com um sangramento, que o levasse ao choque hemorrágico e o mesmo perdesse a lucidez? Quando um ser possui uma doença, seja psiquiátrica ou física, onde o mesmo perde a lucidez, é a hora da interdição judicial, pois se torna inimputável, ou seja , não é capaz de responder por si, não importava mais sua vontade, não se obedece a loucos. No caso de Amy, seus familiares e seus produtores foram omissos e culposos.
[Leia outros Comentários de Juliana ]
11/8/2011
14h23min
André, não é contraditório dizer "Amy não foi uma vítima. Era maior de idade e sabia muito bem o que estava fazendo. [...] Era uma pessoa doente e que precisava de tratamento."??? Ela já não sabia o que fazia mais, estava com o corpo/cérebro deteriorado... imagine o absurdo porque colocavam "no palco um cantor com um sangramento, que o levasse ao choque hemorrágico e o mesmo perdesse a lucidez", conforme comentário de Juliana (eu não sabia disso). Eu somente a via de relance na mídia e já achava um disparate vê-la cambaleando no palco. Concordo com Juliana, quando ela diz que "seus familiares e seus produtores foram omissos e culposos". Cheguei mesmo a ficar triste ao vê-la assim, e me causou muita pena...
[Leia outros Comentários de vilma]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


COMO FALAR COM MENINAS
ALEC GREVEN

De R$ 25,00
Por R$ 12,50
50% off
+ frete grátis



KATHERINE
ANYA SETON

De R$ 65,00
Por R$ 32,50
50% off
+ frete grátis



A VIDA SEXUAL DE MINHA TIA
MAVIS CHEEK

De R$ 39,00
Por R$ 19,50
50% off
+ frete grátis



ÊXODO
WILL ADAMS

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



A CABEÇA DO CACHORRO
ALEXANDRA HOROWITZ

De R$ 42,00
Por R$ 21,00
50% off
+ frete grátis



REGIMES MONETÁRIOS
ANDRÉ DE MELO MODENESI

De R$ 87,00
Por R$ 43,50
50% off
+ frete grátis



MUNCLE TROGG
JANET FOXLEY

De R$ 24,90
Por R$ 12,45
50% off
+ frete grátis



A PREVISÃO DO FUTURO
ROBERT J. SHAPIRO

De R$ 68,00
Por R$ 34,00
50% off
+ frete grátis



CORAÇÃO DE MÃE
JODI PICOULT

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



BRASIL PÓS-CRISE
FABIO GIAMBIAGI

De R$ 105,00
Por R$ 52,50
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
50738 visitas/dia
1,5 milhão/mês