De Kooning em retrospectiva | Sonia Nolasco

busca | avançada
45804 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil apresenta atrações do Carnaval de Salvador nesta sexta (5)
>>> A AUTOESTIMA DO SEU FILHO,
>>> Coisas do Brechó estreia dia 12, no Teatro Municipal Café Pequeno
>>> APRENDENDO A OUVIR - UMA VIDA DEDICADA ÀS CRIANÇAS
>>> Cia. de Danças de Diadema comemora 20 anos e apresenta 'por+vir' no Sesc Santo Amaro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
>>> Terna e assustadora realidade
>>> De louco todos temos um pouco
>>> A coerência de Mauricio Macri
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
>>> Vale a pena ver de novo
Últimos Posts
>>> Metáfora em cedro
>>> Quimeras
>>> Em busca de extrema unção
>>> Malabar
>>> O voo, o véu e a verdade
>>> Tipos inesquecíveis da política americana
>>> Sangue oxigenado
>>> 20 anos de Graça Infinita, de David Foster Wallace
>>> A inveja é a arma dos incompetentes - Artigo
>>> Eureka!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aracy Guimaraes Rosa
>>> Ah, minha Portela...
>>> Entrevista com Catarse
>>> Bobagem
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Twitter: A Crítica Como Vocação
>>> Adagio ma non troppo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume
>>> A invenção da imprensa
Mais Recentes
>>> Fazendo Pose
>>> O PROFETA FERIDO-Um retrato de Henri J.M. Nouwen
>>> Lucíola
>>> Vinha das Ira, As
>>> O Alienista
>>> Bíblia King James
>>> Deus não se cansa de perdoar!- Mensagens de misericórdia
>>> Terapia não- convencional- As Técnicas Psiquiátricas de Milton H. Erickson
>>> deus não é Grande
>>> Coleção Teláris - Ciências 9° ano
>>> DESTINO DO TOXICÔMANO
>>> A vida espiritual segundo sao Tomás de Aquino na suma teológica
>>> Marley & Eu
>>> O estado
>>> Curando com Amor
>>> MITO E METAFÍSICA- Introdução à Filosofia
>>> 3096 dias
>>> PAZ INTERIOR
>>> Os Litigantes
>>> O TESTAMENTO DE SÃO JOÃO
>>> Indecisão
>>> AS TÁTICAS E O JOGO DE PODER DE JESUS CRISTO e outros ensaior
>>> O Sacerdócio Expiatório de Jesus Cristo
>>> Em busca do perispírito
>>> Apologia contra os livros de Rufino
>>> TAO TE KING-o livro que revela Deus
>>> Jogando por Pizza
>>> O Último Jurado
>>> O Rei das Fraudes
>>> O Advogado
>>> Convergências
>>> O RENASCIMENTO DA NATUREZA- O Reflorescimento da Ciência e de Deus
>>> Fogos da primavera
>>> Quando nosso boteco fecha as portas
>>> Michael Kohlhaas
>>> Estilo Ipanema
>>> Incrivelmente simples
>>> Filosofia em 60 segundos
>>> Existencialismo
>>> Câncer tem cura!
>>> O Homem Que Fazia Chover
>>> A fazenda - brincando com dobraduras
>>> Meu 1º atlas
>>> Aprendendo a desenhar
>>> Música
>>> Mano descobre a ecologia
>>> Ynari a menina das cinco tranças
>>> Cacuí o curumim encantado
>>> Ruth Rocha conta a Ilíada
>>> O estranho mundo que se mostra às crianças
ENSAIOS

Segunda-feira, 3/10/2011
De Kooning em retrospectiva
Sonia Nolasco

+ de 17800 Acessos

Na entrada da retrospectiva do pintor Willem de Kooning no Museu de Arte Moderna, MoMA, uma tela perturbadora, Woman Sitting (1943-4), que faz pensar no que ele disse quando críticos de arte o batizaram de expressionista abstrato: “Antes de tudo, pintura é uma ilusão. O conteúdo é uma alusão a alguma coisa. Há uma mulher nessa paisagem, tanto quanto a paisagem está na mulher”.

A beleza está nos olhos de quem vê. Importante é seus olhos ficarem hipnotizados pela criatura imaginada/pintada por de Kooning, e você ter uma forte reação emocional. Em Woman Sitting ela parece uma figura apocalíptica de expressão feroz e desesperada, como as mulheres de Picasso em Guernica se fossem repintadas com as cores de Matisse e Miró. As roupas, uma orgia de tons laranja e amarelo. Seios imensos, expostos. Cabelos vermelhos. A cabeça apavorante parece deslocada do torso, e o corpo inteiro parece saltar da cadeira em três dimensões.

Com tamanho impacto, o visitante já entra nas próximas sete galerias (todo o sexto andar do museu) sabendo que vai se chocar, ficar emocionalmente exausto, mas tambem extasiado. E depois talvez concorde com certos críticos de arte americanos que consideram de Kooning o maior pintor (só um pouco atrás de Picasso e Matisse) e um dos artistas mais importantes do século XX.

Willem de Kooning: A Retrospective (até 9 de janeiro 2012) é a primeira exposição do MoMA que cobre toda a carreira do pintor, nascido na Holanda (1904) e naturalizado americano. Pouco antes da morte do artista, aos 92 anos, em 1997, o MoMA exibiu seus últimos trabalhos, de quando ele já sofria de Alzheimer. Nunca mais se ocupou de sua obra porque, disse um crítico, museus não sabem o que fazer de de Kooning, que não se enquadra no Abstracionismo, no Expressionismo, etc. Agora, a retrospectiva apresenta cerca de 200 trabalhos do artista ― pinturas, esculturas, desenhos, litografias ― selecionados de coleções publicas e particulares, representando quase todas as fases da carreira inigualável de de Kooning. Uma oportunidade sem precedentes para se estudar o desenvolvimento do artista em sete décadas, de seus trabalhos acadêmicos na Holanda (1920) a suas telas abstratas dos anos 80.

Abstratas coisa nenhuma, ele diria. “Estilo é uma fraude”; declarou, certa vez. “Em arte, uma ideia é tão boa quanto a outra”. De Kooning se recusou a ser símbolo de qualquer estilo, como os grandes pintores de sua época, Jackson Pollock (expressionista abstrato que consideravam seu rival), Picasso, e Matisse. Richard Shiff, conhecido estudioso de Cézanne e que acaba de publicar um novo livro sobre de Kooning, escreveu: “A amplitude do talento e da criatividade de de Kooning se equipara à de Cézanne. A variedade de de Kooning e sua inteligência intensa, que explorava mais as coisas e as visões do que palavras e pensamentos, continuam a desafiar o espectador de hoje”. E John Elderfield, curador chefe emérito de Pintura e Escultura do MoMA, e organizador da mostra, diz em seu excelente catálogo da exposicao que o pintor “incluía dificuldade, resistência, e ambiguidade” em seus trabalhos.

Willem de Kooning nasceu em Rotterdam e aos 22 anos emigrou ilegalmente para Nova York. Empregou-se como pintor de paredes, ilustrador, e figurinista de vitrine de loja até conseguir se sustentar e dedicar-se à arte. No inicio da retrospectiva há uma tela que ele pintou aos 12-13 anos de idade (1916-17), quando era aprendiz de arte comercial numa firma em Roterdã. Parece simples, um bule de café e a xícara; mas a audaciosa combinação de cores e a composição inesperadamente realçada por pinceladas redondas, criativas, fazem o espectador reconhecer logo um verdadeiro artista debutante.

Os outros trabalhos datam de alguns anos depois, quando de Kooning estudava na Academia de Arte de Roterdã, e demonstrava talento incomum. Os desenhos em crayon e carvão são surpreendentes para um jovem iniciante. Observa-se que a variedade de estilos do grande artista futuro já se delineava. Ele chegou a Nova York em 1926, disposto a desafiar o convencionalismo e a tal da “arte moderna”. Seu treino em design comercial, incluindo tecnicas de paste-up (artigos colados numa folha de papel para depois serem copiados), e sua habilidade em criar figuras semelhantes a formas orgânicas foram cruciais no inicio da carreira. É o que exibe uma galeria: telas insólitas de natureza morta sobre temas enigmáticos, em matizes escuros. Em 1931 ele encontrou um mentor, o pintor Arshile Gorky, que também se recusava a abraçar Cubismo e outros “ismos”. O talento de de Kooning desabrochou. A sala seguinte mostra um de Kooning diferente: suas primeiras telas abstratas ― completadas entre 1937-1939 ― são delicadas (Cow jumps over the moon), ou retratam cenas internas, e lembram figuras recortadas do papel (decoupage), estilo que ele iria empregar na década seguinte, em abstrações em preto-e-branco.

Nos trabalhos do início dos anos 40, de Kooning provou que era mestre do desenho a carvão. Em seguida, explorou o figurativo, mas suas imgens de homens e mulheres eram primeiro desconstruídas e dissecadas para depois serem reconfiguradas, como se ele usasse uma tela de monitor capaz de justapor imagens criadas por Ingres, Rubens e Picasso. Em cima ou por baixo das pinturas, de Kooning colou recortes de jornal: histórias em quadrinhos, anúncios de cinema, reportagens de polícia. O efeito é estonteante, como na tela Pink Lady (1944), em que o desenho a carvão é, sem dúvida, elemento primordial, mas é a pintura que define a forma da mulher nua reclinada na cadeira.

Da mesma fase, mas de impacto superior, Pink Angels (1945) mistura, com óbvia zombaria, formas copiadas de Matisse e Picasso, com toques de Miró, para criar uma figura monstruosa, como se um corpo humano cor-de-rosa tivesse explodido e seus fragmentos se juntassem desordenadamente e extravazassem os contornos delineados a carvão. A figura tem a força do Cubismo clássico, mas não se enquadra no estilo. Elaine de Kooning, mulher do artista e também pintora, posou para a tela.

Os estudos de de Kooning sobre a forma feminina comecaram em 1947, sob influência de Picasso. Seu processo permaneceu o mesmo: de Kooning primeiro desenhava a carvão, pintava em cima, desenhava por cima da pintura, raspava fora trechos da superfície, desenhava mais imagens, copiava ou colava figuras e objetos de outra tela ou de jornal, pintava por cima, e pintava mais até atingir a composição que o satisfizesse. Em Pink Angels de Kooning fundiu abstração e figurativo. A imagem da mulher na cadeira (Pink Lady) foi perdendo os contornos e as roupas, e acabou se dissolvendo no background. Em Pink Angels ela não mais tem rosto, mas sua forma voluptuosa sugere uma mulher.

Antes de começar a segunda serie de telas sobre mulher, de Kooning produziu uma obra prima colossal, Excavation (1950), onde explorou a estrutura lógica do Cubismo em contraste com a irracionalidade do Surrealismo. Nessa tela de 3 metros de largura estão de volta os corpos biofórmicos do início da carreira do artista, agora parecendo em movimento, se chocando uns aos outros, se juntando, e se separando, como que movidos por uma energia contagiante.

Mas nada prepara o espectador para as 19 telas magníficas e desenhos complexos da sala seguinte, de 1950-1953. O tema é mulher. Mas não do jeito que a conhecemos. Woman I lembra um monstro de filme de ficção científica no momento em que se transforma em ser humano, em mulher primitiva: roupas espalhafatosas, o rosto borrado de pintura contorcido em careta ameacadora, olhos chamejantes de ódio fixando o espectador.

A metamorfose dessa figura acontece de uma tela para a outra. Seus traços assimétricos parecem se derreter na pintura, e sobra um olho do lado esquerdo, a dentadura a direita, lembrando um corpo em decomposição. Em Woman VI (1953), a hostilidade da imagem inicial se fundiu no seu background e tudo virou um carnaval de formas geométricas. É hilariante. Mas de Kooning foi acusado de reacionário e misógino. Mesmo anos depois, muitas feministas ainda protestavam. Entretanto, alguns críticos viram a série como elogio a mulher: em seis tempos ela se torna cada vez mais sarcástica e poderosa, até dominar a composição inteira e deixa o pintor esmagado por sua presença.

Harold Rosenberg, crítico de arte americano mais influente da decada de 50, definiu o estilo de de Kooning como “action painting”. O termo caracterizava criações baseadas em total liberdade, como se pintar fosse um gesto de liberação do artista. De Kooning protestou. Na retrospectiva, em telas imensas como Easter Monday (1955-1956), vemos que o artista incorporou textos e imagens de jornal. Nas telas seguintes, ele usou paisagens urbanas em composicoes de intensidade feroz ― Gotham News (1955) e The Time of Fire (1956). As criações dessa fase e das anteriores não transpiram liberdade; mais parecem cuidadosamente construídas, planejadas, como nas telas dos Velhos Mestres.

De Kooning seguia esse estilo, o de sua formação. Não era compulsivo, jogando tinta na tela, como Pollock. As pinceladas longas, braço no alto, de de Kooning cobriam as telas quando elas já estavam definidas, depois que ele dispunha, e até empilhava se quisesse, os objetos que selecionara, e depois que ele revisava a criação e mudava tudo. Cada tela do artista era uma experiêcia controlada. E nenhuma delas é puramente abstrata ou totalmente figurativa.

“Eu pinto desse jeito porque posso continuar a colocar mais e mais coisas em cima, como dor, drama, raiva, amor, uma figura, um cavalo, minhas ideias de espaço”, declarou de Kooning. “Não importa se isso diverge de minhas ideias e sentimentos, desde que seja expresso pela pintura, que tem sua propria integridade e intensidade”. Ele podia trabalhar assim devido a sua formação europeia, muito bem fundada em história da arte, e porque era capaz de desenhar como um mestre da velha guarda.

Em 1963 de Kooning deixou Nova York e uma vida boemia destrutiva. Instalou-se em Long Island, a cerca de uma hora da cidade mas longe o suficiente das tentações. Sexo e alcoolismo em excesso tinham minado sua produção artística. Havia rumores de que ele estava liquidado. De Kooning ignorou a crítica e aproveitou a paisagem bucólica a beira mar para produzir telas de cores luminosas, explorando os alegres amarelos, rosas e azuis dos mestres europeus do passsado. Two figures in a landscape (1967) é um exemplo de que sua visão do mundo estava sendo filtrada através de dias ensolarados, de que ele diminuiu o uso do desenho para deixar entrar mais luz nos espaços criados.

Entre 1970-1980 de Kooning buscou novas direções. Foi uma fase de experiências extravagantes. Ele fundiu abstração e paisagem. Misturou tinta a óleo e água para obter uma textura enrugada. Produziu uma série de litografias, desenhos a carvão e esculturas de bronze (lembram corpos biofórmicos) que, nessa exibição, estão reunidos na mesma galeria. De Kooning não esqueceu as mulheres. Elas voltaram, discretamente, às suas telas, apenas delineadas, em partes do corpo sem ossos, em volumes sensuais; figuras reclinadas e confortáveis em sua voluptuosidade. Foi quando de Kooning fez a declaração imortal: “Carne (prazer carnal) é a razão de terem inventado a pintura a óleo”.

Os anos produtivos finais do artista ainda são polêmicos. No início da década de 80 ele já mostrava sintomas de demência; em 1987, data de suas últimas telas na galeria conclusiva da mostra, foi diagnosticado com mal de Alzheimer. No entanto, nos anos 80 ele produziu cerca de 300 telas, das quais 40 foram exibidas no MoMA em 1997, e fizeram a crítica engolir tudo que tinha dito sobre a decadência de de Kooning. As telas dessa nova retrospectiva parecem ter sido escolhidas para provar que de Kooning naquele período estava ainda lúcido e criativo.

Embora as legendas na parede da galeria do MoMA descrevam a técnica do artista naquela fase como “drasticamente simplificada”, incluindo a limitação de cores, as telas são da maior vitalidade. Nas primeiras, de Kooning usou a simplicidade e as três cores primárias de seu compatriota Mondrian ― azul, vermelho, e amarelo ― para criar composições flamejantes, intensamente coloridas. Aqui, não são mais as pinceladas longas, vigorosas, braço no alto, dos verdes anos 40-50. Nota-se que a energia do artista diminuiu. Ele minimalizou as pinceledas atrevidas para atingir um certo lirismo bem comportado. Mas as cores radiantes ― verdes e roxos violentos ― realcadas pelo fundo branco, ainda são referências às figuras sensuais e às formas biomorfas que ele nunca abandonou.

Outras telas são liricas, e fazem pensar num poeta envelhecendo. A maioria não tem título e nem foi assinada, pois de Kooning não mais conseguia escrever. Mas uma tela, The Cat's Meow (1987), foi batizada. É a mensagem final do artista, numa composição harmoniosa, divertida, em tons suntuosos de amarelo e vermelho. O mestre em total controle. Quando Oliver Sacks a viu, em 1997, não acreditou no declínio artisico de de Kooning como consequência do mal de Alzheimer, e disse: ”Estilo é a parte mais profunda do ser humano e, na demência, pode ser preservada até quase o fim”.


Sonia Nolasco
Nova York, 3/10/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sermão ao cadáver de Amy de João Pereira Coutinho
02. Amy e a hipocrisia coletiva de André Barcinski
03. Leonard Cohen de Mariana Ianelli
04. O dia em que Paulo Coelho chorou de Domingos Pellegrini
05. O entusiasmo de Lobato de Miguel Sanches Neto


Mais Sonia Nolasco
Mais Acessados de Sonia Nolasco
01. Coração de mãe é um caçador solitário - 26/5/2003
02. De Kooning em retrospectiva - 3/10/2011
03. Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático - 24/2/2003
04. Jane Fonda em biografia definitiva - 19/9/2011
05. Os fantasmas de Norman Mailer - 31/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TCP/IP INTERNET - INTRANET - EXTRANET COMPLETO ACOMPANHA CD-ROM DO SISTEMA LINUX
GORKI STARLIN
BOOK EXPRESS
(1998)



A ARTE DE SER GENTE
PE. ROQUE SCHNEIDER
EDIÇÕES PAULINAS
(1977)



OLHAR MORTAL
FERGUS MCNEILL
COMPANHIA EDITORA NACIONAL
(2014)



FILHOS DA SORTE
JEFFREY ARCHER
BERTRAND BRASIL
(2005)



O DESPERTAR DA TERRA- O CÉREBRO GLOBAL
PETER RUSSELL
CULTRIX
(1982)



LIVRO COMPLETO DE ASTROLOGIA PRÁTICA
EDWARD O. HAMMACK JR.
CÍRCULO DO LIVRO
(1987)



A CONCISE HISTORY OF MODERN PAINTING
HERBERT READ
THAMES AND HUDSON
(1964)



O PLANO PERFEITO
SIDNEY SHELDON
RECORD
(1997)



SANGUE ESTRANHO
LINDSAY ASHFORD
RECORD
(2009)



HISTÓRIA DA SALVAÇÃO- NOSSA PRÓPRIA HISTÓRIA
J.H.P.FLORES
LOUVA- A DEUS
(1982)





busca | avançada
45804 visitas/dia
1,5 milhão/mês