Digestivo nº 217 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ainda o mesmo assunto...
>>> Contradições da 30ª Mostra
>>> Chinese Democracy: grande disco
>>> 50 Anos de Preguiça e Insubmissão
>>> Dos Passos: duplamente grande
>>> 1992 e hoje
>>> 26 de Outubro #digestivo10anos
>>> Sabedoria de vida
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Brasileirança
Mais Recentes
>>> Pretty Little Liars: Maldosas de Sara Shepard pela Rocco Jovens Leitores (2010)
>>> O Carrasco Que era Santo de Josue Montello pela Nova Fronteira (1994)
>>> Etapa 2018 - Filosofia Sociologia de Vários Autores pela Núcleo (2018)
>>> Deus Esteve Aqui Mas Saiu Cedo de Irwin Shaw pela Record (1982)
>>> Leve Seu Gerente ao Cinema de Myrna Silveira Brandão pela Qualitymark (2015)
>>> Como motivar sua equipe de Anne Bruce pela Sextante (2006)
>>> O Médico Doente de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2008)
>>> Rowan, o Guardião 2 ? Rowane os Viajantes de Emily Rodda pela Fundamento (2008)
>>> O Ponto da Partida de Fernando Molica pela Record (2008)
>>> Os segredos mais secretos das Pretty Little Liars (ótimo estado) de Sara Shepard pela Rocco (2013)
>>> Ancestrais e Suas Sombras de Antonio Guerreiro, 3(illustrator) pela Unicamp (2015)
>>> A Companhia de Max Barry pela Record (2008)
>>> Ed Lorraine Warren: demonologistas de Gerald Brittle pela Darkside (2022)
>>> Os segredos mais secretos das Pretty Little Liars (ótimo estado) de Sara Shepard pela Rocco (2013)
>>> Nova era e Fé Cristã de Pe. Joaõzinho pela Loyola (1997)
>>> Extremely Loud & Incredibly Close de Jonathan Safran Foer pela Penguin Books (2005)
>>> Viagens na Minha Terra de Almeida Garrett pela L&pm Pocket (2012)
>>> Siga o Coelho Branco de Osmar Trindade pela Ser Mais (2014)
>>> O Dossiê Pelicano de John Crisham pela Rocco
>>> Serviço Social e Sociedade de Varios pela Cortez (1981)
>>> Histórias - Livro IV - Melpômene de Heródoto pela Edipro (2019)
>>> O Levante de Varsóvia - Aniquilamento de uma Nação de Günther Deschner pela Renes (1978)
>>> Vida na Morte - Coleção Raridades do Conto Gótico de Anônimo / Carlos Primati - Tradução pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Entrevista Com os Espíritos de Vera Lucia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2012)
>>> História da Literatura Em Santo André de Tarso M. de Melo pela Prefeitura Santo André (2000)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 9/3/2005
Digestivo nº 217
Julio Daio Borges

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Artes >>> No reino de Kapilavastu
O orientalismo é quase um reflexo condicionado de gente que se diz espiritualizada e que se considera, hoje, descolada no Brasil. Desde provavelmente os anos 60, uma década vítima da embromação da “filosofia” hippie, que prometia acesso a outras esferas e dimensões astrais, via estados induzidos da mente, através de substâncias químicas. Passado um certo tempo, nós sabemos onde essas viagens vão dar. E o papo de nova era, ou new age, foi felizmente abandonado, caducou. Acontece, no entanto, que, apesar dessas macaqueações e dos gurus que vêm e vão, o oriente tem muito a nos ensinar. E talvez um bom início, despretensioso, para não cair nessas armadilhas de falsa transcendência, seja o álbum de Osamu Tezuka, um dos pais do mangá japonês, dedicado a Buda, em 14 volumes, lançado agora pela Conrad. O primeiro livrinho, para ser lido de trás para frente, da direita para a esquerda, como o original, é uma sensível homenagem à tradição filosófica que fundou a civilização oriental. Em quadrinhos. Tezuka volta aos primórdios, quando Sidarta não havia nem nascido, e transporta o leitor para as antigas castas da Índia, para a peregrinação de um certo brâmane, rumo ao sul, à procura do homem que ia “se tornar um deus... ou o rei do mundo”. O Messias? Jesus? Não, Buda. Esse primeiro capítulo, por assim dizer, é ainda uma sutil homenagem ao que costumamos chamar de reino animal, pois conta a história de Tahta, um menino, um pária, que sabia conversar e entrar na mente de todas as criaturas (principalmente as que, usualmente, consideramos inferiores). Um dos maiores erros da tradição ocidental – que filósofos como Espinosa e Nietzsche tentaram corrigir, por enquanto, em vão –, foi separar o mundo das idéias do mundo sensível, remontando ao platonismo e desembocando no cristianismo. Essa tradição, a nossa tradição, descolou o homem da natureza e confinou-o em labirintos que o afastaram de sua verdadeira existência – uma existência, também, animal. Os traços de Osamu Tezuka não têm a pretensão de mudar os rumos da nossa civilização, mas a beleza de sua parábola, artisticamente representada, pode ser poderosa e duradoura. [Comente esta Nota]
>>> Buda: vol. 1 - Osamu Tezuka - 214 págs. - Conrad
 



Música >>> Every day you’ve been away
Quando Bebel Gilberto surgiu com Tanto Tempo (2000), estávamos ainda sob os auspícios da virada do século. A bossa nova parecia fresca, redescoberta, sob a benção de uma nova era eletrônica, a ponto de Ruy Castro inventariar, no final daquele ano, os lançamentos que comprovavam um ressurgimento do gênero. Hoje, passada a euforia, sabemos que o casamento de João Gilberto com o drum’n’bass não foi propriamente uma novidade nem, também, um revival. Sim, uma outra geração foi apresentada, de uma maneira ou de outra, à musica maravilhosa dessa época, os anos 50 e 60, mas permanece a impressão de não se ter penetrado além da superfície das coisas. Assim, quando Bebel Gilberto reaparece, amparada por um novo álbum, o homônimo Bebel Gilberto (2004), não paira no ar mais o mesmo entusiasmo daqueles que viram, para a MPB, um renascimento. A bossa nova animou as pistas, e conseqüentemente, as baladas movidas a ecstasy, mas não foi fecunda, mais uma vez, como se pensou (e se desejou). Tirando uma Fernanda Porto ou outra – que já foge pela tangente com Chico Buarque –, o banquinho e o violão não colaram de novo. Dentro desse contexto, pode até ser agradável ouvir Bebel, habilmente, destilando essa mistura que consagrou ou ajudou a consagrar, mas o que se precisava é que ela fosse além – e não apenas se reciclasse ou reciclasse os outros (vide a eterna “Baby”, de Gal&Caetano). É louvável que o Brasil tenha uma cantora cool, no nível de Astrud, desenrolando tapetes vermelhos ao redor do mundo, mas se não se gera uma “descendência” aqui dentro, muito menos se gera lá fora. Grandes faixas desse Bebel Gilberto como “Simplesmente”, “Aganjú” e “River Song” trazem a lembrança de como o mundo era bom e de como o sonho acabou, mas são apenas lembranças e não nos transformarão. [Comente esta Nota]
>>> Bebel Gilberto
 



Internet >>> Anotações durante o incêndio
Além de uma cachaça, o jornalismo é quase uma obrigação profissional para escritores brasileiros de ontem e de hoje. Há todo tipo de histórias. Desde aqueles que se fascinaram pelo ofício, aparentemente abdicaram da vocação, desistiram dos livros e deram o sangue no embrulha-peixe, até aqueles que levaram uma carreira em paralelo, souberam separar o burocrata das palavras do ourives da invenção verbal e, além de colunas periódicas como Carlos Drummond de Andrade e Clarice Lispector, assumiram funções permanentes e, ao mesmo tempo, desovaram obras-primas, como Graciliano Ramos e Monteiro Lobato. Falta aí, porém, uma terceira categoria, muitíssimo mais rara e inédita: a daqueles que, em pleno país-de-não-leitores, iniciaram-se no jornalismo, cultivaram a literatura em suas horas vagas, viram seus contos e romances crescerem e florescerem, consolidaram enfim uma carreira – e se permitiram o grande luxo de se arriscar como escritores full time no País do Carnaval. Entre esses, está – hoje – Cíntia Moscovich, autora de Duas iguais e de Arquitetura do arco-íris (ambos pela Record) – ex-editora de livros do jornal Zero Hora. A boa nova, para aspirantes, ainda se estende ao fato de que Cíntia se lançou oficialmente, em livro, não há muito tempo e, sim, no boom de autores da década de 90. Claro que Cíntia não abre sua contabilidade e nem brada o feito aos quatro ventos, mas registra o passo-a-passo de sua doce aventura no site que acabou de inaugurar (talvez premonitoriamente), o cintiamoscovich.com. Nele, além da esperada biografia, dos óbvios dados sobre sua obra e das repercussões dela nos jornais, há ainda uma divertida seção de fotos, os passeios pelo seu dia-a-dia através de um blog (ela é novata na máfia) e o anúncio de uma oficina literária que divide com o poeta Fabrício Carpinejar (apenas 20 vagas para cada). A mídia literária, se é que se pode falar assim, é conservadora no sentido de assimilar e de mesmo aceitar o novo. Cíntia Moscovich não é exatamente nova como escritora, mas já era hora de estar, para usar o título de um de seus livros, entre suas iguais – as grandes damas das letras brasileiras. [Comente esta Nota]
>>> cintiamoscovich.com
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI - José Eli da Veiga, Ignacy Sachs e Denise Hamú
(Seg., 7/3, 19h30, CN)

>>> Palestras
* O abuso sexual e suas implicações na vida adulta - Malcolm Montgomery, Isméri da Conceição, Ilana Casoy e Gisele Gobbetti
(Ter., 8/3, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Na trilha das ondas - Daniel Baccaro
(Seg., 7/3, 19h30., VL)
* Comunicação interna: a força das empresas - Paulo Nassar
(Qua., 9/3, 19hrs., VL)
* Guia de referência para o mercado financeiro - Luis Carlos Toscano Junior (Qui., 10/3, 18h30, CN)

>>> Shows
* Louis Armstrong - Traditional Jazz Band
(Sex., 11/3, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Kátya Teixeira
(Dom., 13/3, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/3/2005
14h04min
Sobre sua reportagem: * o Budismo nao foi a "tradição filosófica que fundou a civilização oriental". Pelo contrario, a tradicao filosofica oriental comecou com a observacao no verso em sanscrito mais antigo conhecido na regiao, o Gayatri Mantra, que termina com "que ele ilumine nosso intelecto"; * os budas foram gurus, assim como muitos outros gurus indianos que vieram depois dele. E assim como todo guru que e' respeitado historicamente, sempre afirmou que a verdade e' algo que se encontra sozinho. O professor pode lhe dar somente o impulso, ou sugerir uma direcao para seguir. * para um budista, um homem iluminado vivo como Thich Nhat Hanh e' tao ou mais "importante" que Sidarta Gautama. Este ultimo existe no primeiro atraves de sua filosofia, e o primeiro e' um homem vivo. * a incompreensao do ocidente sobre o oriente e' sobre o significado de espiritualidade na vida de um oriental. E' uma maneira completamente diferente de entender o papel de um homem, e do seu intelecto na hora de fazer decisoes sobre sua vida. Por exemplo, todos budistas e hindus tem gurus, sejam eles mortos muitos milenios atras, ou sejam eles ainda vivos. Os ainda vivos seriam "reencarnacoes" dos ja mortos, assim como para um oriental Sao Francisco de Assis seria uma "reencarnacao" de Jesus, pois ele absorveu e transcendeu os ensinamentos deste ultimo. * nos aqui do ocidente procuramos "solucoes" seja atraves do intelecto ou atraves do conselho de alguem. Dai, muitos ocidentais abandonaram tudo por "experiencias misticas". Mas na India, e no Japao, dois paises que conheco bem, o papel do guru e' ajudar aqueles que ja tem uma sede por compreender a verdade sobre si mesmo. Ou seja, todas decisoes sao suas, e quando voce se desfaz desta ideia, voce nao consegue chegar perto da iluminacao. * o Budismo posterior a Sidarta, ainda gerou muitos Budas iluminados comemorados por indianos, chineses, japoneses, mongois e indonesios/malais. Muitos deles evoluiram a filosofia proposta por Sidarta, incluindo maneiras de controlar os pensamentos atraves da respiracao, de compreender o fluxo de energia no organismo (aka, que acoes nos levam a ficar mais ou menos cansados, e que acoes podemos fazer para nos recuperarmos rapidamente), etc. Houve uma grande interacao entre o Budismo e as varias correntes filosoficas que existem na India, como o Shaivaismo.
[Leia outros Comentários de Ram]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Desafios à Concretização dos Direitos Fundamentais na Sociedade da Inf
Natércia Sampaio Siqueira, Rafael Marcílio Xerez
Lumen Juris
(2017)



Iracema / Cinco Minutos / Coleção a Obra Prima de Cada Autor
Jose Alencar
Martin Claret
(2011)



Malparado - Diários 2012 - 2015
Pedro Mexia
Tinta da China
(2017)



Marissa Mayer and the Fight to Save Yahoo!
Nicholas Carlson
Grand Central
(2015)



Introdução á Programação Neurolinguística
Joseph o Connor e John Seymour
Summus
(1995)



Histórias para Aquecer o Coração dos Pais
Mark Victor Hansen; Jack Canfield; Jack Canfield
Sextante
(2003)



Estados Unidos
Nações do Mundo
Abril Livros



Barthes Em Godard
Leda Tenório da Motta
Iluminuras
(2015)



Ficcao 2006-2014
Alejandro Zambra
Companhia das Letras
(2021)



O Neo Realismo Literário Português
Alexandre Pinheiro Torres
Moraes
(1976)





busca | avançada
56914 visitas/dia
1,8 milhão/mês