busca | avançada
35192 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Quarta-feira, 20/11/2002
Eureca!

Julio Daio Borges




Digestivo nº 108 >>> E a Veja descobriu que a internet existe. E a Veja descobriu que as pessoas estão usando a internet. E a Veja descobriu que a internet funciona. Não é espantoso? Sei que não parece grande coisa, mas - enfim - é. Estamos falando da maior revista do Brasil e de sua redentora reportagem "Tecla comigo, vai...", assinada por Daniela Pinheiro, segundo a qual "gente jovem, bonita e bem-sucedida está usando a internet à procura de namoro, sexo e companhia". E eu que pensava que só gente "velha", "feia", e "mal-sucedida" usava a internet. Não é fabuloso? Agora, graças à Veja, todos vão tomar conhecimento dessa fantástica ferramenta que é a internet. Não será apenas mais um lugar destinado a "nerds", tipos "fora-de-forma" e "carentes profissionais". Mas um espaço para gente "saudável", "normal", "sadia". Atrás de "entretenimento" da melhor qualidade, ligações com pessoas de "boa aparência", "boas referências", "boa família". Agora, o leitor de Veja pode teclar sossegado. A internet passou no teste. Foi aprovada. Enfim. A internet existe há mais de sete anos no Brasil e o dito "amor virtual" há tanto tempo quanto (embora a febre dos sites de encontro seja mais recente um pouco). Antes, era na base dos "chats" e dos "e-mails" que os internautas se conheciam e, mais tarde, se encontravam. As histórias que a revista destaca como "grande novidade" são corriqueiras há muito tempo. Existem "gerações" de freqüentadores de salas de bate-papo. "Veteranos" espalham lendas através da Grande Rede, e uma porção de livros já poderiam ter sido escritos a respeito (como aliás, já foram). Os comportamentos apontados pela reportagem também não são nenhuma novidade: cada gênero, livre das amarras necessárias ao convívio em sociedade, tende a exacerbar seu lado mais "contido". Ou seja: os homens ficam mais atrevidos e desbocados; as mulheres, mais fantasiosas e sonhadoras. Conclusão: um quer sexo, o outro quer amor. Não precisa ser nenhuma Veja para descobrir essa verdadeira verdade. Infelizmente, o Brasil continua refletido em publicações de mentalidade tacanha, estreita, atrasada, enquanto a internet - que poderia ser uma das mais desenvolvidas do mundo - vai perdendo credibilidade.
>>> Tecla comigo, vai... | A internet e o amor virtual
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
35192 visitas/dia
1,3 milhão/mês