busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Quinta-feira, 2/1/2003
Deus está nos detalhes?

Julio Daio Borges




Digestivo nº 115 >>> Se o primeiro “Senhor dos Anéis” foi o da ação, este segundo é o da capitulação. Não são poucas as dúvidas existenciais que afligem as personagens: Frodo, dominado pelo anel, volta-se contra seu fiel escudeiro Sam; Aragorn, dividido entre dois amores: a elfa Arwen e a guerreira Éowyn, vai ter de – no terceiro episódio – optar; e até Saruman, o poderosíssimo mago, derrotado em múltiplas frentes de batalha (Rohan e Gondor, para citar duas), simplesmente perde a cabeça e a calma. São, como se pode observar, muitos nomes, muitas localidades e muitos fatos, exigindo do espectador um acompanhamento minucioso e uma memória de elefante para resgatar todos os detalhes. Se o terceiro “Senhor dos Anéis” será a conclusão da saga e o primeiro foi a introdução dela, então este segundo (“As Duas Torres”) fica justamente ensanduichado entre as duas metades, tendo de acelerar o tempo e preparar tudo para o desfecho final. A visão “histórica” e “panorâmica” que conquista o público n’“A Sociedade do Anel”, de repente, cede lugar a pequenos atos e palavras, diluindo o ritmo grandioso inicial. Gollum, por exemplo, a criatura que detera o anel em sua caverna durante eras, volta agora em primeiro plano – mas, além de guia de Frodo e Sam, nas montanhas de Emyn Muil, só consegue cansar a beleza da platéia com a sua voz esganiçada, o seu movimento gosmento e a sua dupla personalidade. Parece que foi colocado ali para justificar o investimento em efeitos especiais (tem cara de computação gráfica). Liv Tyler (a tal elfa, Arwen) também: como não decide nada neste episódio, é usada como apelo (sexual?) para tentar o herói e os fãs adolescentes de Tolkien. Os remendos igualmente incomodam. Talvez no livro soem mais plausíveis, mas na tela não enganam. Gandalf, o outro mago, que havia caído no precipício, volta revigorado – depois de uma luta pouco convincente e abismal. E para ficarmos num último fator de dispersão (esse simpático), Gimli, o baixinho ruivo e barbudo, anda mais cheio das graças e dominando a cena com suas piadas. Fora essas distrações todas, na parte séria, a raça dos homens é ameaçada, os elfos entram na parada, Saruman sofre um revés e Frodo está às portas de Mondor. Assim acaba esta segunda parte. Será que vamos agüentar esperar (doze meses mais)?
>>> The Lord of the Rings
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês