busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Segunda-feira, 5/2/2007
Manhattan Connection, ontem
Guga Schultze

Ontem à noite (04/02/2007), no Manhattan Connection, o pessoal lembrava do Francis. Diogo Mainardi sentado ao lado de Sérgio Augusto; Lucas Mendes maestro da banda e o inquieto Caio Blinder. Havia outros e outras, mas não se manifestaram o suficiente para pesar na memória. Sonia Nolasco não pôde comparecer. Uma pena.

Caio Blinder é um sujeito gentil. Levou muita traulitada de Francis, para o divertimento geral, na época em que Paulo Francis estrelava (literalmente) o programa, mas falou de Francis como se fala de um amigo que se foi. Ou seja, os inimigos que Francis deixou têm muito o que aprender com o Caio. E os partidários de Francis, que adoravam a pancadaria verbal que Francis promovia em cima do "colega", recebem a lição de um gentleman. Bravo. Isso se aplica a nós, que só víamos a coisa na TV. Os dois eram amigos.

Diogo Mainardi, com modéstia, se defendeu da acusação (citada por ele mesmo) de imitador de Francis, dizendo, em outras palavras, que nem se quisesse conseguiria. Falou do impacto da imagem televisiva de Francis como algo que influenciou o jornalismo na mídia. Todos concordaram ou, pelo menos, consentiram.

A impressão geral era de que essa turma, tarimbada na convivência com o Francis, não se preocupou em montar um programa, uma pauta, e deixou a coisa fluir meio no improviso, um papo de amigos. Provavelmente a intenção tenha sido exatamente essa (como sempre). Mas a ocasião talvez exigisse uma certa solenidade ou apenas maior direcionamento de pautas. O resultado geral foi meio frouxo. Francis aparece uma única vez, numa de suas famosas interpretações de marchinhas de carnaval.

Sergio Augusto, calmo e talvez um pouco cansado, comentou o Francis escritor. Os livros que não foram devidamente assimilados pela crítica (com uma única exceção, que ele saiba); ele mesmo autor de uma breve apresentação, na época, sem maior entusiasmo. Lucas Mendes, gozador, comentando que lembrou ao Francis que o livro dele "tinha 53 personagens nas dez primeiras páginas" e que teve que ir anotando nomes numa folha para seguir, por exemplo, um personagem que é citado brevemente no início e reaparece lá no fim do livro...

De qualquer maneira a impressão que fica é que o Francis ainda faz falta. E, bem, o Francis escritor é pra mim assunto não esgotado. Pretendo (que Deus me ajude) rever esse negócio.

Guga Schultze
5/2/2007 às 11h26

 

busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês