busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Quinta-feira, 22/2/2007
Mamãe Natureza
Guga Schultze

Mamãe Natureza é boazinha, dizem. Bem, pelo menos me disseram isso, repetidas vezes. Tudo na Natureza tem um equilíbrio perfeito, também já ouvi muito.

Vi na TV uns gnus em pandemônio atravessando um rio. Crocodilos, com seus sorrisos compridos, puro sarcasmo, desciam do barro das margens e iam lá, morder as pernas dos gnus debaixo dágua. Eram milhares de gnus que tinham limpado a relva numa área de um quilômetro quadrado do lado de cá do rio e que agora iam rapar o outro lado.

Tinha umas zebras que ficaram sem capim e seguiram os gnus, levando no rastro uma família grande de hienas. As hienas balançam a cabeça de um modo sinistro e têm enormes dificuldades de relacionamento umas com as outras. Não querem atravessar a droga do rio mas vão até as margens porque sabem que ali tem umas leoas furiosas, escondidas atrás do mato raso. Estão contando com umas sobras.

A TV mostrou duas leoas lustrosas, espremidas atrás de uma moita, tensas e com os rabos dando chicotadas no ar, TPM em último grau. E o burro do gnu passa assim, na frente delas. A leoa pula de quatro em cima dele, o bicho leva um susto que o olho quase sai pra fora e caem os dois dentro da água, fazendo um escarcéu dos diabos, lama voando pra todo lado, e a outra leoa vem, franzindo a cara para não levar respingo no olho.

As hienas ficam na margem, botando olho grande, andando pra lá e pra cá, pra lá e pra cá, babando, fissuradas. Uma delas, mais retardadinha, não percebe que tá chegando perto de um crocodilo grotesco, camufladão no barro. Ele dá um pique em cima dela - um monstro de não sei quantos metros - e o bicho é rápido. A hiena escapa por pouco, com a adrenalina lá na tampa, o suficiente pra correr até os confins da África. O crocodilo tá agitado também, fecha a boca naquele sorriso esquisito e volta, rabeando, doidão, pra dentro do rio.

Lá na frente um hipopótamo obeso com um hipopotinho (sic) obesinho vai entrando na água e deixando aquela bagunça toda pra trás.

A câmera corta pra um urubu do tamanho dum ganso que vem voando, já baixo, e aterrisa com uns pulinhos igual gente que corre pra pegar o ônibus e o ônibus vai embora e o cara desiste da corrida e vai freiando sem graça.

O saldo dessa zona toda é: alguns gnus mortos ficando por ali e o resto já do outro lado do rio. Um ser humano, pelado, no meio de uma confusão dessas não duraria trinta segundos. Na verdade o ser humano, pelado ou não, não dura muito em nenhum lugar natural. Leva bicada, mordida e coice; da bactéria, do mosquito; pisa numa cobra, sai correndo e tromba no elefante. Também não dá mole pra nenhum animal. Mamãe Natureza sorri, maternal, com seus dentes de vampiro. O processo da vida é um negócio absolutamente psicopata.

- Ô, cadê o controle? Muda esse canal aí. Liga o ar condicionado, tá calor demais e me traz o uísque que o meu acabô. Ah, aproveita e me vê mais duas pedras de gelo.

Guga Schultze
22/2/2007 às 23h01

 

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês