busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Terça-feira, 27/3/2007
Nova Mídia
Guga Schultze

Vida
Ilustra por Guga Schultze

Uma menininha pulando corda, feliz da vida e com a vida, num dia claro de céu azul, sobre a grama verde de um cemitério.

É um cartoon animado e, como todo cartoon, segue a máxima: "uma imagem vale mais que mil palavras" (o Millôr não acha que vale. Eu, modestamente, acho que às vezes vale).

É uma animação primária, são só dois frames alternadamente superpostos num loop contínuo. É claro que esse cartoon funcionaria também como um desenho tradicional, uma imagem parada. E poderia ser publicado em revistas e jornais, por exemplo. Alguém eventualmente o veria, acharia engraçado ou não, se demoraria um pouco, ou não, e passaria à página seguinte. Em um dia, uma semana ou um mês uma nova edição do jornal ou da revista estaria nas bancas e o cartoon estaria no lixo. Também seria possível transformá-lo numa animação tradicional, mas o custo disso é impensável para uma animação tão primária.

No entanto, eu estou na internet. Essa menininha pulará feliz por uma eternidade, num ponto qualquer da rede. Enquanto ninguém a deletar ela será vista por mais pessoas do que eu posso imaginar e continuará passando sua mensagem inalterável, a longo prazo. A um custo de praticamente zero, eu a coloco na roda do grande jogo.

Ela está num ponto qualquer entre os infinitos nós de uma vasta rede esférica. Por que esférica? Porque qualquer ponto numa superfície esférica tem a estranha faculdade de ser o ponto mais alto. Todos estão no topo, ao mesmo tempo. É um nivelamento por alto, e não por baixo. Isso é a internet. Essa menininha pode encarar tranqüilamente uma outra animação de milhões de dólares. Isso seria inviável em qualquer outra forma de publicação convencional.

Haverá alguém, posso apostar, que gostará mais da minha garotinha, até como um trabalho de animação, do que da seqüência final mirabolante de um Final Fantasy ou de uma propaganda milionária, por exemplo. Quem quiser pode revê-la quantas vezes queira, a um toque de dedos. Eu posso mostrá-la em sites, blogs, mandar via e-mail para amigos ou conhecidos. Posso brincar um pouco, editar um pouco, colocar alguma trilha sonora e mandá-la para o YouTube.

O único critério de avaliação válido para minha garotinha brincalhona é o gosto pessoal de cada um que a visualizar na sua minúscula tela de animação. E é apenas esse o critério que conta. E é isso também a causa da dor de cabeça da velha mídia e da velha indústria do entretenimento.

A propósito, esse cartoon poderia também ser lido como uma alegoria de que a nova mídia, emergente e cheia de saúde, tem a cara dos seus milhões de usuários. Uma face ainda infantil, mas cheia de esperança. E que a velha ordem repousa seu merecido sono, sem possibilidade de fazer frente a esse ritmo febril que salta alegremente em todas as direções.

Guga Schultze
27/3/2007 às 21h29

 

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês