busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Sábado, 27/10/2007
Aula com Suassuna
Marília Almeida

Dois países
"Existem dois paises no Brasil: um oficial e um real. O último é bom e revela seus melhores instintos, mas o outro é caricatural e burlesco. Se eu continuar vivo por muito tempo, comprovarei minha tese de que a tendência é que o oficial se torne cada vez mais grotesco."

"É um trabalho de trincheira, mas construo tijolo por tijolo o ambiente para que, se destruirem completamente o Brasil real, as outras gerações possam conhecer um pouco dele através da minha obra."

Quem sou
"Sou formado e deformado pelo Brasil oficial. Não sou ufanista, não idealizo e não admito a categoria um para outros países e a de terceiro para o Brasil."

"Nunca quis sair do Brasil. Mesmo assim, sou conhecido em diversos países."

"Me enchi de esperanças com Gorbachev, mas acredito que Boris Yeltsin oprimiu a patria de Gogol e Dostoievski."

Cultura
"Gosto médio é pior que mal gosto."

"Podemos fazer arte com nosso próprios meios. Importar ja é demais."

"O Brasil não pode abrir mão de si. A cultura é a sede e a honra da nação."

"O que é artisticamente bom não morre."

"A cultura pode muito pouco; ela não tem poder econômico ou politico. Mas tenho uma língua afiada e vou reclamar até o fim."

Idade Média
"Me atribuem frases que não pronunciei e depois dizem que estou errado. Isso é um disparate. Não quero que a Idade Média volte. O Brasil nem mesmo a teve, pois ela começou no século XVI. Qual seria a vantagem para mim, do jeito que tiro graça com padre e bispo? Eu seria queimado."

"Guimarães Rosa se inspirou no romance medieval em Grande Sertão: Veredas e a Idade Média não matou mais do que o século XX, com Hitler. Infelizmente, mortes e guerras acompanham a evolução humana. Até Bush ja contribuiu razoavelmente para esse cenário. As trevas existiram, mas não é a única característica da Idade Média."

Morte do livro
"Já profetizaram a morte de tudo. Que o cinema matou o teatro, que a TV matou o cinema e o computador vai matar o livro. Enquanto existir gente como eu, o livro irá existir. Pois como faço para ler deitado com um computador?"

Marília Almeida
27/10/2007 às 07h03

 

busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês