busca | avançada
21254 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Segunda-feira, 5/11/2007
Uma história do Jazz
Débora Costa e Silva

Entre discussões polêmicas e opiniões calorosas, o pianista e regente Leandro Oliveira começou o curso Uma história do Jazz, na Casa do Saber, de maneira impactante. Ele desconstruiu ao longo das aulas todos os mitos que envolvem a definição desse estilo de música. Basta ter improviso? Não. É uma maneira de interpretar? Também não. Para Leandro, o jazz pode se resumir a uma maneira de pensar.

O músico optou por discorrer sobre a trajetória do gênero de acordo com o contexto social de cada época e as respectivas evoluções musicais, diferente do que muitos acadêmicos ou o próprio mercado costuma fazer, que é dividir a história do jazz com base nas carreiras de grandes ícones.

Basicamente, pode-se dizer que uma das particularidades do jazz é a união que faz das duas principais técnicas de transmissão de informação musical: a oral, típica da música folclórica (como é o caso do blues), e a escrita, característica da música clássica.

Apesar de muitas controvérsias sobre o nascimento do gênero, há um ano e um disco que marcaram sua história. Em 1917, foi gravado o primeiro disco considerado de jazz, pela Original Dixieland Jazz Band. É nesse momento, em que surge também o fonograma, que o estilo se solidifica, pois além de se propagar, a música também começará a ser comercializada.

Ao longo das décadas, o jazz foi se modificando, incorporando gêneros e gerando outros a partir dele. Uma das primeiras vertentes que surgiu foi o ragtime, inspirado em ritmos militares franceses. O ritmo abrange uma série de outras danças populares, como o foxtrot. O próprio nome da banda, dixieland, se tornou um estilo, derivado do ragtime.

Na década de 30, logo após a depressão econômica que os Estados Unidos enfrentaram, outra plataforma do jazz surge e tem sua fase mais marcante: o swing. O termo significa balanço e oscilação e tecnicamente, tem uma dinâmica, provocada pelos acentos nos tempos fracos do compasso e uma pulsação rítmica bastante marcada, tornando o ritmo bem dançante. Por outro lado, essa vertente deixa de lado a polifonia existente nos estilos anteriores. É nessa época em que ocorre um amadurecimento das big bands e a formação de um primeiro cânone do gênero.

O bebop surge na década seguinte, quando acontece uma releitura das estruturas do jazz, estabelecidas até então, e novamente a fusão de melodias e solos em uma mesma música. Para isso, os músicos precisaram ter um conhecimento mais profundo de música para a execução de canções mais elaboradas e sofisticadas. Nesse momento, o público que acompanhava o jazz também mudou, passou a ser mais especializado, seguindo as mudanças do próprio estilo.

Mas foi a partir da década de 50 que as estruturas do jazz foram de fato abaladas. Houve uma bifurcação a partir do bebop, que gerou o cool jazz e o hard bop. Basicamente, pode-se dizer que o primeiro segue as tradições eruditas, complexificando ainda mais a música ao voltar a utilizar a polifonia. Já o hard bop faz uma leitura a partir da dinâmica oral, absorvendo alguns elementos da música folclórica, como o blues e o R&B e, desta forma, simplificando e tornando mais previsível sua música, ao contrário do que acontece no cool jazz, que se utiliza bastante do improviso. A partir dessas duas grandes vertentes é que surgem o latin jazz, smooth jazz, free jazz e até uma troca de influêcias entre o jazz e a bossa nova.

Definir o que é jazz e estudar sua história não é tarefa fácil, ainda mais se considerarmos o pouco tempo que durou o curso. Mesmo assim, em cinco aulas, o regente Leandro Oliveira conseguiu traçar um panorama rico em explicações técnicas, ao mesmo tempo em que contextualizou o momento histórico de cada época, além de ilustrar e exemplificar tudo com uma ótima seleção de músicas que levou para os alunos.

Para ir além
Casa do Saber

Débora Costa e Silva
5/11/2007 às 16h39

 

busca | avançada
21254 visitas/dia
1,1 milhão/mês