busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Quarta-feira, 12/3/2008
O Cabotino reloaded
Julio Daio Borges

Eu há muito tempo estou querendo escrever sobre este livro que andei renegando. Foram quatro anos de auto-desprezo. Por vários motivos. O mais importante deles — e quem é meu leitor há tempos já deve ter percebido isso — é que eu não sou mais aquele autor. Não sou há tempos. Para ser sincero, às vezes me pergunto se era quando pus o ponto-final no livro. Desconfio que não.

* * *

O mais interessante do livro diz respeito à minha obsessão com a problema da literatura como forma de auto-afirmação social. É um fenômeno extremamente interessante que, acho, ainda não foi estudado a fundo nem por críticos literários nem por antropólogos e psicólogos. É algo tão entranhado nas engrenagens da literatura que a maioria das pessoas sequer o percebe. Lendo a biografia de Joaquim Nabuco, por exemplo, fico abismado com a relação absolutamente simbiótica entre literatura e afirmação social.

* * *

Penso em, um dia, escrever uma espécie de continuação de O Cabotino. Mas não seria mais um "guia de anti-ajuda", e sim uma autobiografia literária. Acho que vivi algumas coisas extremamente interessantes neste meio e gostaria de deixar estas memórias registradas. Mas antes de fazer isso é preciso estar completamente sereno em relação ao passado como crítico e persona non grata da literatura brasileira. Não falta muito para chegar a este ponto — felizmente.

Paulo Polzonoff Jr, que pôs O Cabotino de volta na praça, em PDF.

Julio Daio Borges
12/3/2008 à 00h49

 

busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês