busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Sexta-feira, 1/5/2009
Planeta de macacos
Rafael Rodrigues

Na introdução de O culto do amador, Andrew Keen faz referência ao "teorema do macaco infinito", de T.H. Huxley (avô de Aldous):

"Segundo a teoria de Huxley, se fornecermos a um número infinito de macacos um número infinito de máquinas de escrever, alguns macacos em algum lugar vão acabar criando uma obra-prima ― uma peça de Shakespeare, um diálogo de Platão ou um tratado econômico de Adam Smith."

É só a deixa para, algumas linhas depois, dizer que:

"A tecnologia de hoje vincula todos aqueles macacos a todas aquelas máquinas de escrever. Com a diferença de que em nosso mundo Web 2.0 as máquinas de escrever não são mais máquinas de escrever, e sim computadores pessoais conectados em rede, e os macacos não são exatamente macacos, mas usuários da internet. E em vez de criarem obras-primas, esses milhões e milhões de macacos exuberantes ― muitos sem mais talento nas artes criativas que nossos primos primatas ― estão criando uma interminável floresta de mediocridade."

Seguindo a lógica de Keen, o Estadão e eu temos razão. Agora me pergunto se os macacos, digo, blogueiros, vão a) fazer máscaras com o rosto de Keen para a próxima Campus Party; b) postar fotos dele com bigode e chifrinho em seus blogs; ou c) começar a chamá-lo de "Keenossauro".

Espero que nenhuma dessas opções. Uma discussão adulta e sensata sobre os pontos que O culto do amador aborda é necessária, ainda mais porque o próprio Keen parece não ter grandes esperanças no futuro:

"Diga adeus aos especialistas e guardiões da cultura de hoje ― nossos repórteres, nossos âncoras, editores, gravadoras e estúdios de cinema de Hollywood. No atual culto do amador, os macacos é que dirigem o espetáculo. Com suas infinitas máquinas de escrever, estão escrevendo o futuro. E talvez não gostemos do que ele diz."

Eu não quero viver num planeta de macacos. Você quer?

Rafael Rodrigues
1/5/2009 às 02h43

 

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês