busca | avançada
37504 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Segunda-feira, 21/5/2012
Inveja dos intestinos presos
Yuri Vieira

O chato de se ter um intestino que funciona corretamente, na hora H - ou, direi melhor, na hora KH - com movimentos peristálticos britânicos, é que nunca consigo ler mais de um parágrafo por cagada. Eu mal me sinto entrado no texto e... pronto, acabou. E olha que tenho sete livros sobre a pia do meu banheiro, dois deles com mais de 450 páginas, a saber: Palmeiras Selvagens, de William Faulkner; Alexandre e César - vidas comparadas, de Plutarco; Física e Filosofia, de Werner Heisenberg (relendo); Lições das Parábolas de Jesus, de Ellen G. White; Tabu - o que o impede de saber quem você é, de Alan Watts (relendo); O Pensamento Artificial - Introdução à cibernética, de Pierre de Latil; e finalmente O homem eterno, de Pauwels e Bergier. Quando terminarei tais leituras? Será que terei de transferir esse leque de livros para minha escrivaninha? Mas lá já estão outros nove à minha espera, todos já iniciados. Que inveja desses intestinos presos que duram dez páginas! Segundo meus cálculos precisarei defecar no mínimo mais duzentos e cinqüenta anos para dar conta de tantos parágrafos. Mas ninguém caga com tal longevidade. Trocar por poesia não rola, o processo é todo muito prosaico... Hum, acho que vou trocá-los por livros com aforismos. Ótima idéia. O negócio é voltar à Gaya Ciência. Há lugar melhor para se ler Nietzsche do que o banheiro? Talvez os demais não mereçam.

Yuri Vieira
21/5/2012 às 10h47

 

busca | avançada
37504 visitas/dia
1,3 milhão/mês