busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Segunda-feira, 25/4/2005
Encantação
Julio Daio Borges

A última obra que reli foi Os Sertões, que é outra de minhas obsessões. Tenho uma enorme admiração por Euclides da Cunha. Reconheço seus defeitos, especialmente a influência funesta que recebeu do positivismo de Augusto Comte e do evolucionismo de Herbert Spencer, algo realmente racista. Ele até viveu um drama pessoal ao acreditar que a mestiçagem brasileira era um defeito. Mas, apesar disso, sua força como escritor é tão grande que todas essas influências já envelheceram e a força da linguagem e da própria história que ele conta ainda está muito viva. Leio Os Sertões como se lê a Ilíada. Leio não com os olhos de um sociólogo mas com os que buscam um épico. Meus críticos habituais até se admiram e dizem: Gilberto Freire não escreveu os mesmos erros que o Euclides da Cunha e, mesmo assim, você prefere o Euclides. Eu digo: é isso mesmo. Prefiro Euclides da Cunha com todos os seus defeitos. Como também prefiro Euclides da Cunha a Machado de Assis. Acho Machado um excelente escritor, mas ele não tem uma qualidade que me toca muito e que eu vejo no Euclides. É aquele galope épico - a literatura de Machado de Assis é muito cravada. Em suas histórias, por exemplo, os homens nem quintal têm em suas casas! Tudo se passa entre quatro paredes. Isso me faz lembrar de um compositor, que foi parceiro de Manuel Bandeira e se chamava Jardel Valle. Pois bem, ele fazia observações ótimas. Jardel reconhecia que Machado de Assis era um gênio, não havia como negar. Mas era um gênio míope. Faltava a ele aquela amplitude que, em Euclides, sobrava.

* * *

Houve um tempo em que era moda falar mal de mim por eu não escrever como Graciliano [Ramos] - até chegava gente em casa para ralhar comigo sobre isso. E não escrevo mesmo. Eu o conheci pessoalmente, admiro muito sua obra mas sou uma pessoa completamente diferente. Mesmo assim, diziam que, enquanto o Graciliano apresentava o sertão verdadeiro, eu descrevia o falsificado. Mas não se trata disso e sim do sertão de Graciliano Ramos e o sertão de Ariano Suassuna. A diferença é que ele só percebia no sertão os detalhes que correspondiam ao seu universo, um sertão solitário, quase sem esperança, e eu lhe apresento 30 pessoas do povo que são muito mais parecidas com o meu universo que com o dele. Mestre Salustiano, por exemplo, mestre de maracatu, um homem do povo. Assim, quando apresento um sertanejo risonho, aberto, falador, que toca rebeca muito bem, que representa, estou mostrando como o homem do povo se expressa como artista. Não estou falsificando uma imagem mas revelando uma face que Graciliano não apresentava, porque não se interessava por isso.

* * *

É curioso, tenho lido muitas apreciações sobre O Triste Fim de Policarpo Quaresma e todas o apresentam como uma sátira arrasadora. Mas considero um livro profundamente triste, em que Lima Barreto alternou o humor, o cômico, com o doloroso, o trágico. Escritor humorista é algo raro. Machado de Assis era humorista: ao ler um de seus livros, a gente ri muito, mas, quando termina, a vontade é de chorar. Cervantes também era humorista, não há livro mais triste que Dom Quixote. E a lição que fica é a de um personagem ridículo e grotesco exatamente por ser bom e generoso muito acima da média. Quixote é um sujeito profundamente modesto, leal, corajoso, e apresenta todas as características do homem bom. Eis a maior denúncia contra a humanidade: por ser um homem bom, Quixote é ridículo, grotesco, cômico e acima da maioria. Com Policarpo, a situação é a mesma. É um livro profundamente triste. Há momentos em que parece que Lima Barreto está zombando de si próprio. Ou seja, ele se aproxima da maior tristeza do mundo, que é a mesma constatação feita por Cervantes, de que defender o seu país e amar o seu povo o torna grotesco. Por isso considero um livro triste. E nisso vejo alguma semelhança comigo.

Ariano Suassuna, lógico, ontem no Estadão.

Julio Daio Borges
25/4/2005 às 15h30

 

busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês