busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Terça-feira, 11/11/2014
As duas oposições
Julio Daio Borges

Não estou falando das divisões internas do PSDB. Essas não temos como resolver. Só eles.

Estou falando de um oposição "olímpica" - PSDBista, se quiserem - e de outra, terra a terra, que transita entre as ruas e a internet.

A primeira solicita auditoria das urnas, mas não quer assumi-la. Ataca o governo, em discursos, mas depois quase cede, em acordos. Ou, até, em pedidos de ajuda - como Alckmin, no caso da água...

Já a oposição #VemPraRua é, assumidamente, apartidária. Não é PSDBista, nem mesmo "aecista", é o "anti-PT" em estado bruto.

A oposição liderada pelo PSDB, em Brasília, morre de medo de infringir a lei, ou de melindrar a democracia. Reafirma seus valores, seus princípios. Aécio, por exemplo, descendendo de Tancredo, é "centrista". E o PSDB, até nominalmente, "social democracia".

A outra oposição, a das ruas, tem sido acusada de "golpista". Com o objetivo maior de "apear" o PT do poder - como se diz agora - não é "de esquerda". É de direita? Mas *qual* direita?

Em referência a isso, Aécio disse: "Para a direita não adianta me empurrar que eu não vou". Por outro lado - ao contrário de Xico Graziano e de Alckmin, no PSDB - Aécio não condena as manifestações de rua *per se*. Condena os extremistas. Álvaro Dias, também do PSDB, insufla as ruas...

Já as ruas, propriamente ditas, estão em busca de uma ideologia. Aglutinando anseios variados, quase como em Junho de 2013, redigem "manifestos". É o máximo que conseguem.

O PSDB, Aécio e afins precisam romper com a inércia de mais de uma década que permitiu, ao governo, dominar a cena. Será que vão resolver problemas crônicos à base de tapas com luvas de pelica, ou a punhos de renda, como dizem?

Enquanto isso, a voz rouca das ruas, como dizia FHC, se reúne em "hangouts" pela madrugada. Em sua impaciência, ouve ideólogos das mais variadas matizes. Para eles, o País está à beira do abismo. A "luta armada" seria uma saída?

Está armada a bomba-relógio do Brasil. Oficialmente, estamos explodindo em matéria de economia e de corrupção (com direito a investigação nos Estados Unidos). A crise no abastecimento começou pela água, mas, já no início de 2015, está previsto um "apagão".

Politicamente, a oposição se alterna entre acusar o governo de "mentiroso" e "estelionatário" e ter de negociar com esse mesmo governo, pois, estando dentro do mesmo país, a crise atinge a todos - e tem-se de administrá-la...

Socialmente, metade da população se sente lograda pelas urnas. Sabia que o País afundaria - tanto que votou no projeto da oposição -, mas, já que a oposição "oficial" prefere atuar no "éter das almas", sente-se instada a colocar a mão na massa. (Massa, também, no sentido de "povo".)

E você? Já escolheu o seu lado? Se você leu até aqui, não deve ser governo... É oposição? Mas qual oposição? Vai esperar o PSDB, e afins? Ou irá às ruas no próximo dia 15 de Novembro?

Ideologia. Temos de escolher uma.

Julio Daio Borges
11/11/2014 às 11h34

 

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês